Abordando novas soluções de aprendizagem para presos estrangeiros em prisões da União Europeia

De acordo com as estatísticas do Conselho da Europa, a população carcerária total da União Europeia em 1º de setembro de 2014 era de 620.540. Cerca de 113.000 eram estrangeiros, a maioria deles vindos de dentro da UE. Entre os presos estrangeiros, estima-se que os cidadãos marroquinos sejam os mais representados (11.700), seguidos pelos romenos (11.511), albaneses (5.722), turcos (4.798) e poloneses (4.449) (1).

Os presos estrangeiros podem ser definidos como aqueles que não possuem o passaporte do país em que estão presos, ou seja, aqueles que residem há muito tempo no país em que estão presos sem ter obtido a cidadania; os que permaneceram legalmente por um curto período de tempo no país em que estão presos; e aqueles que viajaram de um país para outro com o objetivo de cometer um delito.

Em alguns países a imigração ilegal é um crime, e esses imigrantes ilegais podem ser condenados e presos nas mesmas prisões onde pessoas condenadas por crimes reconhecidos internacionalmente são detidas. Enquanto alguns se reintegrarão no país em que estão detidos, outros serão devolvidos ao seu país.

O Conselho da Europa, a União Europeia e as Nações Unidas estabeleceram legislação relativa aos direitos dos presos, e alguns deles se concentram no seu direito de ter acesso à educação (por exemplo, Regras Prisionais Europeias – Conselho da Europa, 2006a).

Estes enfatizam explicitamente o direito dos presos estrangeiros de terem acesso a programas educacionais (por exemplo, Conselho da Europa, 2012). O cumprimento dessas regras e recomendações exerce pressão tanto sobre os detentos estrangeiros, quanto sobre os sistemas prisionais, por uma ampla variedade de fatores e motivos.

Com dificuldades em expressar e entender a língua do país anfitrião, os presos estrangeiros muitas vezes enfrentam desafios maiores do que os detentos nacionais em relação ao acesso, à participação e a encontrar as ofertas adequadas em educação e formação.

Levando em consideração os sistemas prisionais, os desafios são igualmente maiores, uma vez que é necessário dar suporte específico a uma população dispersa entre várias prisões e em sua língua nativa. Também é necessário garantir que os conteúdos de aprendizagem sejam equivalentes aos fornecidos em seus países de origem.

Benefícios e resultados superam de longe os desafios enfrentados. Aumentar a autoestima e o orgulho, além de passar um tempo em uma atividade útil e participar de atividades educacionais tem mostrado aumentar as chances de os detentos encontrarem um emprego quando terminam suas sentenças.

Apesar desses benefícios, o relatório de pesquisa FORINER (2), sobre a participação educacional de cidadãos europeus detidos em um país europeu estrangeiro (3), mostra que a oferta educacional para presos nacionais é menor do que a dos detentos estrangeiros, o que torna o processo de reinserção dessas pessoas (em seu país de acolhimento ou de origem) ainda mais difícil.

Considerando a significativa escassez de conteúdo educacional que aborda os presos, a IPS_Innovative   Prison Systems e SIVECO Romênia  se associaram para auxiliar prisões, administrações prisionais e prestadores de educação prisional na implementação de soluções de educação aprimoradas em tecnologia, por meio do desenvolvimento de conteúdo digital aos presos que cumprem pena no exterior.

Esta oferta educacional, especialmente dirigida a cidadãos estrangeiros presos no exterior, compreende cerca de 34 mil ativos, de acordo com os currículos nacionais de educação, incluindo 12.761 objetos de aprendizagem e 21 livros digitais em romeno; 9.703 objetos de aprendizagem em inglês; 6.000 objetos de aprendizagem em árabe; 2.802 objetos de aprendizagem em russo; 2.456 objetos de aprendizagem em grego; e 2.456 objetos de aprendizagem em francês.

Expostos a novas tecnologias de aprendizagem dentro dos presídios, ao mesmo tempo em que aprendem os temas que compõem os currículos nacionais de educação em seu país de origem, os detentos estão sendo preparados para se tornarem futuros membros plenos do mundo digital, onde a maioria de nós vive e trabalha atualmente.

Parece assustador? Ou difícil? Deve ser a primeira razão pela qual oferecemos oportunidades de educação para pessoas que cumprem pena em nossas prisões.

Notes:
(1) “Romênia e Marrocos têm a maioria dos expatriados nas prisões da UE”, artigo de Michael Bird, Vlad Odobescu, Cecilia Ferrara e Sigute Limontaite publicado no EU Observer, 1º de novembro de 2016(2)
(2) O projeto FORINER é financiado pela Comissão Europeia e visa fornecer aos presos estrangeiros europeus em prisões europeias acesso a oportunidades de aprendizagem qualitativas, de baixo limiar e certificadas
(3) Relatório de pesquisa sobre a participação educacional de cidadãos europeus detidos em um país europeu estrangeiro, por Dorien Brosens, Liesbeth De Donder e parceiros FORINER, Publicado em 2016, Bruxelas, Vrije Universiteit Brussel

//


Tiago Leitão
é membro do conselho da IPS_Innovative Prison Systems. Formado em serviço social e com MBA, atua em gestão de projetos, consultoria, inovação social e reintegração há mais de 15 anos. Além de seu envolvimento em diferentes projetos inovadores com a IPS, Tiago também é presidente da organização não governamental APROXIMAR.


Advertisement

Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
A transformação digital pode ser um catalisador para a transformação operacional?