Colaboração internacional e ressocialização de extremistas num Serviço Penitenciário reformado

Entrevista

Haliru Nababa

Diretor-Geral do Serviço Penitenciário da Nigéria

Em 2019, foi sancionada a Lei do Serviço Penitenciário da Nigéria, trazendo mudanças significativas para o sistema penal do país. Essa nova lei transformou o Serviço Prisional da Nigéria (NPS, segundo sua sigla em inglês) no atual Serviço Penitenciário da Nigéria (NCoS, pela sigla em inglês) e introduziu uma mudança transformadora em sua estrutura de políticas, incluindo a introdução de serviços que se encarregam das penas privativas de liberdade. 
 
Nesta entrevista, o Diretor-Geral Haliru Nababa explora as mudanças trazidas por essa mudança e os desafios e conquistas do Serviço Penitenciário da Nigéria.

Quais foram as principais mudanças introduzidas pela Lei de 2019 e que progresso em direção à visão por trás da lei foi alcançado sob sua liderança até o momento?

HN: Temos testemunhado avanços substanciais no NCoS após a promulgação da Lei de 2019. Essa legislação fundamental deu início a uma série de mudanças transformadoras.

A lei institucionalizou as funções do NCoS, delineando suas responsabilidades e adotando uma mudança de paradigma, de uma perspectiva punitiva para uma abordagem mais centrada na ressocialização e reinserção social. Isso está de acordo com as melhores práticas que estipulam que a prisão é, por si só, punição suficiente para o infrator, já que ele perdeu muitos de seus direitos como resultado da prisão.

A inclusão de medidas não privativas de liberdade é outro grande marco para o Serviço. Os pequenos infratores, que antes eram presos preventivamente, agora estão recebendo penas de serviços comunitários.

Essa mudança trouxe vários benefícios, desde o alívio da superlotação em nossos centros de custódia até a redução dos custos operacionais, criando um ambiente de vida mais saudável para os detentos e aliviando as tensões decorrentes da superlotação.
 
Além disso, a lei permite a concessão de liberdade condicional e liberdade provisória a determinados detentos, possibilitando que eles cumpram parte de suas sentenças fora dos centros de custódia. Isso contribuiu significativamente para descongestionar nossas instalações e aproveitar as vantagens associadas.
 
Outra medida proativa de gerenciamento de capacidade que ajuda a enfrentar o desafio persistente da superlotação está consagrada no artigo 12(8), que autoriza os superintendentes dos centros de custódia a suspender novas admissões de presos quando nossas instalações estiverem lotadas.
 

Além disso, em seu artigo 14(5), a Lei nos concede autoridade para emitir certificados de bom comportamento para detentos liberados que tenham demonstrado conduta positiva, incluindo aqueles que adquiriram habilidades por meio de programas de educação formal e informal destinados a facilitar sua reintegração e minimizar seu nível de estigmatização.

Quais são os principais desafios enfrentados atualmente pelo Serviço Penitenciário da Nigéria e como o Sr. está lidando com eles?

HN: O Serviço enfrenta uma infinidade de desafios que exigem nossa atenção, como falta de mão de obra, financiamento inadequado, falta de equipamentos em funcionamento, infraestrutura em ruínas, estigma contra egressos e serviços inadequados de assistência posterior para eles.

O Serviço está tomando várias medidas para enfrentar esses desafios. Em primeiro lugar, solicitamos ao governo federal as vagas de emprego que precisam ser preenchidas. Estamos aguardando a aprovação para realizar um exercício de recrutamento.

Em segundo lugar, desde a promulgação da Lei em 2019, nossa diretoria de penas não privativa de liberdade ainda está enfrentando desafios de financiamento. Estamos fazendo esforços frenéticos para garantir a aprovação e liberação de fundos para a implementação completa do Serviço sem custódia. Em um esforço proativo, já iniciamos uma implementação parcial dessas medidas, ativando as disposições do Conselho de Liberdade Condicional e do Serviço Comunitário.

Em terceiro lugar, a implementação eficaz da liberdade condicional e da liberdade provisória exige dispositivos de monitoramento, que atualmente não existem. Espero que nossa cooperação com as várias partes interessadas no setor penal produza bons resultados nessa frente.
Em quarto lugar, a maioria de nossos edifícios tem quase um século de idade. Para resolver esse problema, estamos reformando as estruturas existentes e construindo novas estruturas onde o espaço permite.

Além disso, a rejeição de egressos ao serem libertados da custódia representa um ônus significativo para o Serviço. Portanto, há uma necessidade urgente de eliminar a cláusula que proíbe as organizações governamentais de empregar egressos. Também é necessária uma ampla campanha para incentivar a sociedade a aceitar os indivíduos que retornam como pessoas melhores, que têm muito a contribuir para o desenvolvimento socioeconômico da comunidade. 

 

 JT: A Nigéria enfrenta a presença e as atividades de organizações terroristas, como o Boko Haram e o Estado Islâmico da África Ocidental (ISWA). Em 2022, militantes islâmicos atacaram a prisão de Kuje, perto de Abuja, libertando centenas de presos, incluindo 60 membros do Boko Haram.

Esse evento levou a procedimentos de prevenção e segurança em todo o sistema penitenciário? Quais são os desafios específicos do gerenciamento de detentos associados a grupos extremistas?

HN: Embora eu não possa revelar detalhes específicos dessas medidas, que são confidenciais por motivos de segurança, esse evento provocou algumas mudanças significativas na forma como abordamos a segurança e a prevenção em nosso sistema penitenciário.

Os desafios que estamos enfrentando quando se trata de lidar com presos ligados a grupos extremistas são multifacetados. Estamos lidando ativamente com esses desafios para aumentar a eficácia do nosso programa de desradicalização e melhorar a gestão dessa população específica dentro do sistema penitenciário.

Em primeiro lugar, reconhecemos a necessidade de um treinamento mais abrangente para o pessoal do nosso novo programa. Isso inclui workshops especializados de capacitação para vários grupos profissionais envolvidos no processo de ressocialização. Esses workshops foram projetados para equipar nossos profissionais com as habilidades e o conhecimento necessários para proporcionar apoio eficaz ao tratamento dos indivíduos que retornam à sociedade.
 
Outro aspecto que estamos abordando é a configuração dos locais do programa. Há algumas lacunas na existência de escritórios dedicados a isso em determinadas áreas, o que pode prejudicar nossos esforços. Depois, há a questão dos espaços de engajamento. Ter as salas de aconselhamento e os ambientes certos para a ressocialização é fundamental. Alguns dos locais de nossos programas enfrentam desafios nesse sentido, e estamos trabalhando ativamente para melhorá-los. Também reconhecemos a falta de recursos essenciais para uma reabilitação eficaz, incluindo materiais educacionais, recursos religiosos, equipamentos esportivos, suprimentos médicos e ferramentas vocacionais em determinados locais.
 
A reintegração e os cuidados posteriores são desafios incrivelmente complexos. Estamos sempre nos esforçando para aprimorar nossa capacidade de reintegrar com sucesso os infratores extremistas violentos à sociedade e oferecer a eles serviços de pós-tratamento ideais. Estamos focados também no desenvolvimento de capacidades relacionadas à dimensão de gênero e no estabelecimento de um componente juvenil dentro do programa para lidar com os desafios específicos associados aos jovens infratores.
 
Também estamos nos concentrando no desenvolvimento de capacidade em uma ampla variedade de outras questões, como gerenciamento de dados e processos de monitoramento e avaliação, procedimentos eficazes de admissão, avaliação inicial e outras ferramentas de avaliação, contra-narrativas teológicas, técnicas de terapia esportiva para melhorar as habilidades de enfrentamento da vida e compreensão da doutrina e das práticas xiitas.
 

Também precisamos de soluções robustas de tecnologia da informação para melhorar a comunicação e a colaboração por meio de videoconferências e reuniões de revisão com as equipes em campo.

 JT: O NCoS tem trabalhado com o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) e o governo alemão para fortalecer sua capacidade de ressocializar efetivamente os presos associados ao Boko Haram.

Que progresso esses esforços de colaboração alcançaram? Qual é a sua perspectiva sobre a importância da cooperação e do apoio internacional?

HN: Temos uma sinergia robusta com uma infinidade de organizações locais, nacionais e internacionais, tanto privadas quanto governamentais, como o UNODC, o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV, segundo a sigla em inglês), a Prisoners’ Rehabilitation And Welfare Action (PRAWA) e muitas outras.

Nunca é demais realçar a importância da cooperação e do apoio internacionais para o Serviço Penitenciário da Nigéria. Isso realmente ajudou o Serviço a ampliar seu horizonte e a expô-lo aos procedimentos padrão internacionais no campo da gestão de infratores.

Por exemplo, este ano realizamos um programa com o objetivo de promover a reintegração efetiva de egressos à sociedade na região nordeste da Nigéria em conjunto com o UNODC. Esse programa envolveu reuniões com líderes comunitários e religiosos no nordeste para aumentar a conscientização sobre a necessidade de acolher e apoiar egressos em seu processo de reintegração à vida comunitária normal.
 
Uma conquista notável das iniciativas de cooperação é o impacto positivo em nossos esforços para gerenciar indivíduos com riscos identificados de reincidência. Graças às intervenções de doadores internacionais, testemunhamos uma tendência de queda significativa nos riscos associados a alguns destes indivíduos ao longo dos anos.
 
Além disso, nosso Serviço assumiu um papel de liderança nos aspectos de desradicalização e ressocialização das atividades da Operação Corredor Seguro (OPSC, segundo a sigla em inglês) no Estado de Gombe. A OPSC é um programa criado para reabilitar indivíduos arrependidos do Boko Haram que se submeteram à autoridade do Estado por meio das Forças Armadas da Nigéria.
 
Uma das conquistas mais notáveis foi a adoção da educação ocidental por parte dos indivíduos com risco identificado de reincidência que participam do programa. Muitos deles não só se submeteram a exames importantes, como o Conselho de Exames da África Ocidental (WAEC, segundo a sigla em inglês) e o Conselho Nacional de Educação (NECO, da sigla em inglês), mas alguns também se matricularam na Universidade Nacional Aberta da Nigéria (NOUN). O foco na educação foi tão bem-sucedido que nos rendeu o prestigioso Prêmio Confúcio de Alfabetização da UNESCO, em 2018.
 
A reeducação e a reorientação religiosa também foram componentes integrais do sucesso do programa. Ao abordar os aspectos ideológicos do extremismo, fizemos avanços significativos na ressocialização de indivíduos com crenças radicais.
 
Também estabelecemos parcerias com as principais partes interessadas e organizações em áreas como formação e desenvolvimento de pessoal, garantia de saúde e saneamento nos centros de custódia, capacitação e defesa de soluções para os desafios que estamos enfrentando atualmente, como a superlotação.
 
Essa abordagem de abrir nossas portas para colaborações e parcerias frutíferas e significativas gerou inúmeros benefícios tanto para nossa organização quanto para a nação como um todo. Por meio dessas parcerias, melhoramos o bem-estar dos detentos, proporcionando a eles um ambiente mais limpo e propício em nossos centros de custódia. Nosso pessoal também pôde passar por uma capacitação significativa e agora está mais bem preparado para desempenhar suas funções. Além disso, essa iniciativa contribuiu para que a sociedade em geral compreendesse melhor as operações de nossa organização.
 

No futuro, espero que essas sinergias e parcerias sejam fortalecidas e desenvolvidas para incluir outras áreas que ainda não foram abordadas, especialmente no âmbito da orientação pública, da pesquisa e do campo emergente de serviços não privativos de liberdade. Também espero que esse enfoque de cooperação traga maior respeito aos direitos humanos dos detentos nos centros de custódia e o aprimoramento geral da gestão do Serviço para atender aos padrões internacionais e às melhores práticas globais.

Haliru Nababa

Controller General of Corrections, Nigerian Correctional Service

Haliru Nababa é Diretor-Geral do Serviço Penitenciário da Nigéria desde 2021. Ele ingressou no Serviço em 1990 (então Serviço Prisional da Nigéria) como Superintendente Assistente de Prisões. Antes de sua nomeação atual ocupou vários cargos de liderança na organização, incluindo Chefe da Diretoria de Finanças e Contas e Diretor-Geral Adjunto de Instituições Penitenciários. É bacharel em História e tem diploma em Criminologia pela Universidade Usman Danfodiyo de Sokoto.

 

Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
Inteligência penitenciária: prevenção e combate ao extremismo e ao crime organizado