Alison Hannah Penal Reform

Defendendo os direitos humanos: a miragem da despolitização das políticas penais

// Entrevista: Alison Hannah

Diretora Executiva da Penal Reform International

 

O que é a Penal Reform International e como ela funciona?

AH: A Penal Reform International (PRI) é uma ONG que visa trabalhar globalmente. Fomos criados em 1989, e trabalhamos pela promoção de uma justiça penal e sistemas prisionais justos e eficazes.

Trabalhamos dentro dos objetivos do nosso plano estratégico. Temos uma vertente de trabalho de advocacia internacional, bem como programas práticos que são desenvolvidos nos países onde trabalhamos, seja através de nossos próprios escritórios ou com parceiros locais.

Assim, trabalhamos em diferentes níveis: com a advocacia internacional, regional e nacional, em seguida através de programas práticos onde trabalhamos com departamentos prisionais, ministérios do Interior, sociedade civil e parlamentares para tentar promover mudanças e práticas.

Além disso, também produzimos muitos materiais de formação e recursos informativos que estão todos em nosso site. Tudo o que fazemos é baseado em padrões internacionais de direitos humanos, ajudamos a elaborar, promover e colocá-los em prática.

 

Onde é mais necessário o trabalho do PRI? Há lugares onde gostaria de alcançar, mas ainda não conseguiu?

AH: Temos escritórios na Rússia (que funcionam na Rússia, Ucrânia e Bielorrússia), Cáucaso do Sul (trabalhando na Geórgia, Armênia e Azerbaijão), Ásia Central (trabalhando no Cazaquistão, Paquistão e Tajiquistão), Oriente Médio (onde trabalhamos em vários países diferentes, do Iêmen ao Marrocos, Argélia e Tunísia), e também trabalhamos na África (a partir de um escritório com sede em Uganda).

Onde trabalhamos depende de onde temos financiamento, também de onde temos parceiros locais com os quais podemos trabalhar. Gostaríamos de poder trabalhar em todos os países que estão sem recursos e precisam de apoio para levar seus sistemas prisionais aos padrões de direitos humanos, mas, obviamente, isso seria em muitos países diferentes!

Infelizmente, nossa ambição é muito maior do que nossa capacidade de alcançá-la. Como somos inteiramente financiados por meio de subsídios institucionais, só podemos trabalhar onde temos os recursos – e também onde as instituições governamentais querem. É claro que deve haver vontade política para trazer mudanças antes que possamos ser eficazes.

Penal Reform International

Alison Hannah e funcionários da PRI com autoridades prisionais e especialistas em uma mesa redonda sobre as Regras de Mandela, Kampala, 2016

Quais são as principais áreas prioritárias?

AH: Uma de nossas principais prioridades é tentar manter os infratores menores e não violentos fora da prisão; há maneiras melhores de lidar com eles do que mandá-los para a prisão. Isso é particularmente verdadeiro para jovens e crianças.

As mulheres infratoras também são prioridade porque a maioria das mulheres na prisão tem famílias, portanto, ao enviá-las para a prisão, não só elas estão sendo punidas, mas também toda a sua família. Promovemos alternativas à detenção, como a liberdade condicional, para que as pessoas possam cumprir uma sentença na comunidade.

O tratamento e as condições nas prisões também têm sido grandes preocupações para nós desde que fomos criados, juntamente com a prevenção da tortura. Desde o início do PRI, promovemos a supervisão pública dos locais de detenção, porque a maioria dos abusos ocorrerá a portas fechadas, seja qual for a instituição.

Consideramos fortemente que deve haver mecanismos de fiscalização para instituições fechadas. Consequentemente, incentivamos os países a se inscreverem no Protocolo Opcional de Prevenção da Tortura e estabelecerem mecanismos de monitoramento.

Oferecemos formação e capacitação para profissionais em presídios e órgãos de monitoramento para garantir que, se houver uma mudança, as pessoas que o estão implementando entenderão os benefícios e razões para fazê-lo. Em nosso plano estratégico, abordamos a reforma da justiça criminal e dos sistemas penais de forma integrada, para alcançar mudanças de ponta a ponta.

Temos quatro objetivos: em primeiro lugar, queremos promover sistemas de justiça justos, incluindo o direito de ter um julgamento justo, o direito à assistência jurídica e o direito de as pessoas não serem mantidas em prisão preventiva por muito tempo, esperando que seu caso seja julgado.

Depois temos um segundo objetivo que abrange sentenças proporcionais, o que significa que o tribunal deve levar em conta não apenas as circunstâncias do delito, mas também as do infrator ao determinar a sentença adequada. Esta é uma grande área do nosso trabalho porque abrange alternativas à detenção, como liberdade condicional e serviço comunitário, bem como nossa campanha pela abolição da pena de morte.

Alguns grupos de infratores exigem atenção especial – por exemplo, as crianças só devem ser sentenciadas à detenção como último recurso; uma mulher pode ter responsabilidades de cuidar de crianças que serão seriamente afetadas por sua prisão.

Nosso terceiro objetivo diz respeito ao tratamento e às condições dos presos. É aqui que nos concentramos na promoção e implementação das Regras de Bangkok para mulheres infratoras e das Regras Nelson Mandela. Buscamos estabelecer tratamento e condições humanas para os presos e a prevenção da tortura e do abuso.

E então nosso objetivo final tem a ver com a ressocialização de infratores: se os presos são libertados exatamente com as mesmas situações de antes, é muito provável que reincidam, pois não haverá nada que os tenha mudado.

Pode ser bastante desanimador sentir que alguns países estão se tornando mais fechados à ideia de aceitar padrões universais de direitos humanos

Qual tem sido o papel da PRI no apoio à implementação das Regras de Mandela e de Bangkok?

AH: Temos muita sorte de ter um status com alguns órgãos da ONU que nos permite ser convidados a reuniões de especialistas para elaborar, revisar normas ou acordar boas práticas em uma área de nossa experiência, como reuniões convocadas pelo UNODC para discutir manuais sobre boas práticas.

O processo para elaborar as regras de Bangkok tinha começado pouco antes de eu vir para PRI dez anos atrás, quando fomos convidados para a primeira reunião em Bangkok para discutir a elaboração das regras. Fizemos nossa contribuição para a elaboração das regras, e provavelmente fomos a ONG líder a agir assim que elas foram adotadas.

Produzimos muitas orientações práticas sobre a implementação das regras, incluindo um curso de aprendizagem online que tem sido bastante útil para vários departamentos prisionais. Achamos muito impressionante que houvesse uma ampla variedade de pessoas em diferentes países que completaram este curso online sobre as Regras de Bangkok, tanto individualmente quanto institucionalmente.

Também temos uma versão impressa que pode ser incorporada à formação presencial, contendo questionários e testes, bem como as informações básicas. Na verdade, é bastante desafiador.

Além disso, produzimos muitas orientações impressas, realizamos cursos de capacitação, participamos de conferências e produzimos algumas pesquisas sobre as características das mulheres infratoras em diversos países. As Regras de Bangkok exigiam mais pesquisas sobre o tema, por isso realizamos pesquisas em sete países diferentes. Curiosamente, encontramos uma forte conexão entre mulheres que sofrem violência doméstica ou abuso sexual e depois cometem um crime. Isso se tornou muito mais amplamente reconhecido nos últimos anos.

Com as Regras de Mandela, desempenhamos um papel semelhante ao das Regras de Bangkok: estávamos muito envolvidos em redigi-las e defendendo sua adoção. E, novamente, desde que elas foram adotadas, temos estado muito envolvidos na formação de agentes penitenciários e na produção de orientações sobre a implementação, incluindo guias curtos que são facilmente acessíveis para os agentes penitenciários e assim por diante.

Fazemos o nosso melhor para promover tanto as regras de Mandela quanto as de Bangkok de todas as maneiras que pudermos. Em cada país onde trabalhamos sempre haverá um elemento em relação a elas, e também com o fato de ser sensível às necessidades das mulheres e crianças. Eu diria que elas são muito comuns em todos os nossos programas.

Uma sala de cirurgia na prisão de Sanaa, aberta como parte de um projeto PRI no Iêmen

Quais são seus principais objetivos para os próximos anos?

AH: Uma das questões em nosso horizonte é o aumento de presos extremistas violentos e radicalizados. Isso se tornou uma preocupação muito grande em muitos países.

Nos últimos dois anos, temos feito um grande trabalho na coleta de informações, participando de mesas redondas e conferências, tentando desenvolver e disseminar um conjunto de boas práticas.

Quando estamos fazendo formações com gestores prisionais, eles estão muito preocupados com esse grupo particular de presos, e sabemos que simplesmente colocar as pessoas em confinamento solitário não resolve o problema, apenas as radicaliza mais e não lida com as causas. Assim, isso vai permanecer em nossos planos para o futuro.

Além disso, provavelmente em 2018, queremos focar nas pessoas que cumprem prisão perpétua. À medida que as sentenças ficam mais longas e com a abolição da pena de morte em alguns países, as pessoas são sentenciadas à prisão perpétua com maior frequência.

Nosso presidente, professor van Zyl Smit, está prestes a produzir um enorme projeto de pesquisa sobre prisão perpétua e estamos muito interessados em acompanhar isso, para ver como podemos adaptar a política para tentar definir o que pode ser uma boa prática na gestão de tais sentenças.

Além disso, estamos sempre muito interessados na saúde dos presos, incluindo a saúde mental – uma área muito difícil de encontrar financiamento – em parte porque muitas vezes é um problema não reconhecido. Muitos funcionários da prisão não são capacitados para reconhecer sinais de doença mental. E também, infelizmente, as questões de longa data ainda estão em curso, e ainda há uma grande necessidade de mudança.

A despolitização da política penal seria um bom começo, mas talvez seja muito ambiciosa

Quais os principais desafios o PRI vem encontrando?

AH: Estamos muito preocupados que pareça haver menos respeito pelo conceito de direitos humanos em alguns países, e também menos tolerância às ONGs, particularmente aquelas que são internacionais e promovem os direitos humanos.

Pode ser bastante desanimador sentir que alguns países estão se tornando mais fechados à ideia de aceitar padrões universais de direitos humanos. Organizações internacionais que promovem os direitos humanos às vezes podem ser vistas como organizações externas tentando impor sua própria visão, mas trabalhamos com parceiros locais ou através de nossos próprios escritórios que contam com pessoas locais.

Somos uma organização que sabe como colocar os padrões internacionais em prática, e se os Estados e os governos querem fazer isso, então podemos ajudá-los. Nos países onde as condições são piores, provavelmente há o menor interesse em aplicar normas de direitos humanos – portanto, sempre haverá o desafio de como obter apoio público e político para provocar mudanças.

Infelizmente, muitas vezes a política penitenciária e a justiça criminal são questões políticas. Se ao menos a política fosse baseada em evidências, poderíamos ter mais progressos. A despolitização da política penal seria um bom começo, mas talvez seja ambicioso demais.

//

Alison Hannah ingressou na Penal Reform International em 2007. Começou a prestar assessoria sobre os direitos dos presos e queixas contra a polícia, e depois estudou Direito, especializando-se em assistência jurídica. Também tem experiência em garantia de qualidade e formação no setor sem fins lucrativos. É formada em Ciências Sociais e mestre em Administração de Empresas. 

Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
Serviços penitenciários suecos: desafios crescentes em uma era de mudança