Mais sentenças de prisão curtas ou alternativas: para que lado vamos?

Nos últimos 40 anos, uma das principais preocupações das administrações prisionais foi a redução da população carcerária. A maneira óbvia de lidar com tal problema era procurar soluções alternativas, baseadas na comunidade. Durante esse período, toda a Europa criou ou melhorou o papel e a posição dos serviços de liberdade condicional dentro do sistema de justiça criminal. Após várias décadas de mudanças e reformas, é mais provável que a avaliação intermediária seja de um sucesso mitigado.

Há alguns avanços positivos. Por exemplo, muitos países alcançaram reduções duradouras no uso excessivo da prisão; alguns outros chegaram ao ponto do controle sustentável da superlotação. No entanto, o objetivo principal da introdução de alternativas não resolveu o problema de grande rotatividade entre as populações prisionais. Geralmente, esse tipo de fenômeno ocorre quando os sistemas penitenciários têm que administrar porções significativas de penas curtas de prisão. Evidências empíricas tendem a confirmar essa relativa melhoria para prisão e liberdade condicional na Europa.

Desde 1983, estabeleceu-se uma coleta sistemática dos dados penitenciários no nível de todos os Estados membros do Conselho da Europa. Essas estatísticas agregadas, conhecidas como SPACE (1), são validadas e verificadas por especialistas nacionais e internacionais. Os dados desta fonte única e harmonizada permitem uma análise confiável das práticas punitivas dentro das fronteiras europeias.

A punição é um ato legal e judicial, mas a missão dos sistemas penitenciários é ressocializar as pessoas que ingressaram. No entanto, a diversidade de questões práticas observadas em toda a Europa não leva a uma visão unânime de que as prisões são locais da fase final do funil da justiça criminal e o primeiro passo para a ponte entre punição e reintegração à sociedade.

De fato, a prisão não deve cortar a ligação entre o infrator e o que deveria ser normal na sociedade. Assim, os problemas penitenciários inerentes, como superlotação, falta de recursos financeiros, um número muito alto de presos por agente penitenciário e muitos outros não podem justificar a execução adequada de penas curtas de prisão.

Nos últimos vinte anos, cerca de 50% das prisões europeias experimentaram superlotação em diferentes momentos de sua evolução. É claro que algumas das jurisdições detectaram as premissas das próximas complicações relacionadas a esse fenômeno muito rapidamente e conseguiram reduzir a densidade de presos de forma duradoura em relação às capacidades disponíveis. Esse foi o caso, por exemplo, nos Países Baixos e na Alemanha.

Embora desde 1999, a recomendação do Conselho da Europa sobre a superlotação seja difundida entre os seus Estados membros, a previsão sistemática e baseada em evidências das capacidades prisionais é aplicada esporadicamente apenas em alguns países (por exemplo, Dinamarca, Irlanda e Países Baixos). Além de afetar as condições físicas de detenção, a superlotação desempenha o papel de um “engarrafamento” na segurança e na implementação adequada de programas de ressocialização sob custódia.

Portanto, uma série de projetos-piloto e iniciativas judiciais em toda a Europa incorporaram a necessidade de alternativas penais na comunidade (2) a fim de desviar várias categorias de infratores da prisão e mantê-los na comunidade. Como consequência, poderíamos esperar que as sanções comunitárias reduzissem o uso do encarceramento, pelo menos das penas curtas, se não toda a variedade de sentenças privativas de liberdade.

Infelizmente, a avaliação das tendências mais recentes, de 2010 a 2015, passa para uma expansão relativa da rede (Aebi et al., 2015; Phelps, 2014) em vez de um uso adequado das alternativas. De acordo com nossas observações (3), há uma tendência positiva para reduzir o número de presos que estão cumprindo penas de prisão de menos de um ano.

No entanto, deve-se ter cuidado ao interpretar este resultado. Quando comparamos as mudanças nas taxas por 100.000 habitantes desses países, o resultado é bastante problemático. Entre 2010 e 2015, a “taxa de prisão curta” diminuiu apenas 4%. Ao contrário, o crescimento das sanções comunitárias e outras formas de supervisão não privativa de liberdade foi muito rápido. O aumento da “taxa de liberdade condicional” em todos os países considerados atingiu +43%. Aparentemente, tais tendências discrepantes não podem explicar a lenta redução do número de presos com penas curtas de prisão.

A grande maioria dos países com mais de 100% do aumento das taxas de penas comunitárias são também os países que praticam a redução das taxas de prisão curta (por exemplo, Grécia +342% em liberdade condicional versus -80,9% em prisão curta; Croácia +352% em liberdade condicional contra -34% em prisão curta). A única exceção nesse grupo é Portugal, que aumentou suas taxas de liberdade condicional em 111%, mas experimentou um crescimento nas taxas de prisão curta (+14%) também.

 

Figura 1: Taxas medianas por 100.000 habitantes de sentenças de prisão curtas e sentenças comunitárias (número de pessoas que cumprem esses tipos de sentenças em uma determinada data dos anos de referência).

Algumas tendências opostas e paradoxais podem ser observadas, por exemplo, na Suíça, onde a taxa de liberdade condicional diminuiu 53% enquanto a taxa de prisão curta cresceu 31%. O mesmo vale para a Letônia (liberdade condicional -28% vs. prisão +10%), a administração estatal da Espanha (liberdade condicional -16% vs. prisão +2%) e da França (liberdade condicional -8% vs. prisão +20%).

Uma série de explicações podem ser oferecidas, e algumas delas estão diretamente relacionadas com as mudanças na estrutura das populações prisionais. Acreditamos que uma proporção daquelas que foram anteriormente condenadas a penas curtas de prisão são desviadas para a comunidade. No entanto, há também aquelas que, em vez de sentenças curtas, recebem penas de prisão mais duras e longas. 

Outra explicação possível é uma percepção mais ampla das políticas punitivistas, dos riscos e da probabilidade de reincidência. Nessa linha, os países que recentemente experimentaram a forte pressão de atos violentos em massa adotam uma abordagem restritiva a todas as categorias de infratores, incluindo aqueles que cometeram delitos menores. O agrupamento por essas razões recebe uma explicação mais atual, aquela que se relaciona à super-representação de detentos estrangeiros em algumas das populações carcerárias europeias, e para os quais alternativas são atualmente inaplicáveis.

Finalmente, nosso objetivo era examinar uma das muitas questões problemáticas relacionadas à supervisão em massa (McNeill & Beyens, 2013) na Europa. Nenhuma conclusão específica pode ser fornecida aqui, uma vez que novas pesquisas estão sendo submetidas e trabalhamos em uma análise mais detalhada das explicações para possíveis causas aprofundadas da situação.


Notas:

(1) SPACE é o acrônimo francês de Statistiques Pénales Annuelles du Conseil de l’Europe (Estatísticas Penais Anuais do Conselho da Europa em Português). Para obter mais detalhes sobre a história do projeto e os dados mais recentes sobre penas privativas de liberdade e não privativas, consulte www.unil.ch/space. Equipe SPACE da Universidade de Lausanne: Marcelo F. Aebi (PhD), Mélanie M. Tiago (MA), Christine Burkhardt (MA) e Julien Chopin (PhD).

(2) A Confederação Europeia de Liberdade Condicional (CEP) desempenha um grande papel e espalha o melhor e mais recente conhecimento disponível sobre tais programas. Veja, por exemplo, o banco de dados de conhecimento do CEP: http://www.cep-probation.org/knowledgebase/

(3) Nossa análise baseia-se nos dados fornecidos por 29 jurisdições europeias: Armênia, Áustria, Azerbaijão, Bélgica, Bulgária, Croácia, Dinamarca, Estônia, Finlândia, França, Grécia, Hungria, Irlanda, Itália, Letônia, Lituânia, Luxemburgo, Moldávia, Holanda, Noruega, Portugal, Romênia, Sérvia, Espanha: Estado Admin., Espanha: Catalunha, Suécia, Suíça, Reino Unido: Eng. Irlanda. Do ponto de vista metodológico, deve-se ressaltar o uso das seguintes categorias de penas: para penas de prisão foram incluídas todos os termos de prisão até um ano (sem prisão preventiva), e para liberdade condicional e outras formas de supervisão que podem eventualmente incluir a supervisão após uma pena privativa de liberdade foram excluídas

Referências:


Aebi, M.F., Delgrande, N., Marguet, Y. (2015). A. Have community sanctions and measures widened the net of the European criminal justice systems? Punishment & Society,, 17(5), 575-597.

Conselho da Europa (1999). Recomendação nº R. (99)22 da Comissão de Ministros dos Estados-Membros sobre superlotação prisional e inflação da população carcerária (aprovada pela Comissão de Ministros em 30 de Setembro de 1999). Estrasburgo: Conselho da Europa.

Conselho da Europa (2016). P White paper on prison overcrowding. Estrasburgo: Conselho da Europa.

McNeill, F., & Beyens, K. (2013). Introduction: Studying mass supervision. In Offender Supervision in Europe (1-18). Palgrave Macmillan UK. Palgrave Macmillan UK.

Phelps, M. S. (2016). Mass probation: Toward a more robust theory of state variation in punishment. Punishment & Society, 19(1), 53-73.

//

Natalia Delgrande é criminologista, professora de penologia em tempo parcial na Escola de Ciências Criminais da Universidade de Lausanne e vice-diretora da Unidade de Informação e Documentação do Centro de Formação de Pessoal Penitenciário Suíço. Suas atividades fundamentais estão relacionadas à análise de tendências dos sistemas penitenciárias em toda a Europa e está interessada em tipologias de populações penais e punição. Contribui para a pesquisa sobre ajuste institucional e desistência primária do crime.

Marcelo F. Aebi, Ph.D., é Professor de criminologia e vice-diretor da Escola de Ciências Criminais da Universidade de Lausanne. Estudou nas universidades de Buenos Aires e Lausanne, e foi um membro visitante da Rutgers School of Criminal Justice e do Instituto Max Planck, em Friburgo. Também foi professor de criminologia na Universidade de Sevilha e na Universidade Autônoma de Barcelona. É consultor especialista do Conselho da Europa, membro do European Sourcebook Group e secretário executivo da Sociedade Europeia de Criminologia.

Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
Web_Interviews_Peter
A(s) chave(s) do sucesso da missão humanitária na justiça criminal