O risco global de radicalização nas prisões

O risco de radicalização na prisão é um perigo real e potente em instalações penitenciárias em todo o mundo. Este risco, entretanto, não é novo, embora o foco sobre quem se radicaliza durante a prisão tenha mudado de um enfoque primário nos extremistas de direita para os islamistas radicais.

Na prevenção da radicalização prisional, as autoridades penitenciárias contam com: a) bons regimes prisionais, b) segurança dinâmica, c) compartilhamento de informações e inteligência (interno e externo), d) educação e formação de pessoal, e) alocação dos reclusos, f) verificação de líderes religiosos (por exemplo, Imams) – e não menos importante, certificando-se de que estejam presentes g) ferramentas de avaliação de riscos – em diversos níveis, bem como, h) programas especializados de luta contra a radicalização (como os casos envolvendo o uso de mentores – os chamados “formadores” – e intervenções psicológicas especializadas pelo corpo clínico).

Para certos países, as medidas de prevenção acima mencionadas estão inseridas na composição genérica do serviço penitenciário, enquanto para outros, tais medidas não são facilmente adotadas ou podem até ser impossíveis de serem realizadas.

Por exemplo, a Noruega considera seu serviço penitenciário entre os melhores do mundo devido à composição das prisões, formação dos funcionários e conteúdo focado na ressocialização e reintegração.

A Noruega, até agora, não tem superlotação nem falta de pessoal substancial e as instalações penitenciárias oferecem serviços e oportunidades essenciais para atividades educacionais, de trabalho e de lazer.

Em suma, isso nos permite chegar à conclusão de que as prisões norueguesas têm “bons regimes prisionais”.

Além disso, o “modelo norueguês” tem uma ênfase, quase um mantra, de ser líder em termos de segurança dinâmica – especialmente devido ao fato de que a Noruega tem um dos mais abrangentes programas de formação básica para agentes penitenciários do mundo (um diploma universitário de 2 anos).

No entanto, a Noruega possui muito poucos psicólogos clínicos trabalhando nos serviços penitenciários, portanto, não há intervenções psicológicas especializadas nem qualquer uso de ferramenta de avaliação de risco de julgamento profissional estrutural (baseado em instrumentos), como o VERA-2, ou equivalente, para detentos potencialmente radicalizados.

Além disso, os serviços penitenciários noruegueses não empregam diretamente padres, imams, rabinos ou qualquer outro clero. Em vez disso, os padres são pagos pela diocese local, assim eles estão presentes na maioria das instalações penitenciárias em toda a Noruega. Os Imams, por outro lado, são mais difíceis de encontrar, pois cada prisão depende das congregações muçulmanas locais.

Outros países são assolados pela superlotação e instalações com pouco pessoal, criando o potencial para que as gangues tirem vantagem dos presos.

Nesse sentido, certas gangues podem ser baseadas na adesão religiosa, etnia e cor ou questões políticas. Isso, mais uma vez, não é novidade, pois os serviços penitenciários têm lidado com gangues de supremacia branca que misturam crime com agendas políticas (ou raciais), como a Irmandade Ariana (AB), por muito tempo.

Outros países têm lidado com terroristas encarcerados com objetivos locais e/ou regionais de estabelecer estados-nação próprios, para livrar-se das algemas da entidade governante legal e/ou grupos terroristas motivados pelo desejo de lutar contra o Estado, a fim de substituí-lo por versões socialistas.

Na história recente, encontramos tais exemplos no Reino Unido, Espanha, Grécia, Alemanha, bem como em muitos outros países. Nos últimos anos, no entanto, a ameaça dos islamistas radicais – e, sobretudo, dos regressos do chamado Estado Islâmico (EI) na Síria e no Iraque – tem sido o ponto central das autoridades prisionais em grande parte do mundo.

//

Dr David Hansen

David Hansen atualmente trabalha como Professor Associado na Universidade do Serviço Penitenciário da Noruega (KRUS). Na KRUS, David realiza pesquisas empíricas abrangentes relacionadas a muçulmanos em prisões norueguesas, ensina e supervisiona a questão da radicalização nas prisões e apoia a direção em atividades destinadas a prevenir a radicalização nas prisões norueguesas. Seu trabalho publicado inclui (2018) “Radicalization in Norwegian Prisons: The Story of ‘Zubair’”, en Overland, G.; Salomonsen, J.; Andersen, A. (2018). Processes of Violent Radicalisation in the 21st Century. Newcastle: Cambridge Scholars Publishing.

Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
JT9 Drug Treatment Ghent
Tribunal Especializado em Casos de Drogas de Gante inspira medidas alternativas na Bélgica