Hans Meurisse Interview JUSTICE TRENDS magazine

Os sistemas Penitenciários Europeus em transição

// Entrevista: Hans Meurisse

Diretor-Geral do Serviço Penitenciário da Bélgica e Presidente da EuroPris*

 

O Sr. pode explicar brevemente como a ideia da EuroPris (Organização Europeia dos Serviços Prisionais e Correcionais) passou do papel para a estrutura que é conhecida atualmente?

HM: No início de 2008, tivemos sorte de ter um grupo de diretores-gerais dedicados que tinham uma relação muito boa entre eles e que estavam ansiosos para compartilhar e aprender sobre o que estava acontecendo nas prisões na Europa.

Além disso, vimos que no ambiente europeu já existem estruturas representativas, como a Europol para os serviços policiais, a Eurojust para os magistrados e a CEP para os serviços de liberdade condicional. O que faltava – e era muito estranho – era uma organização que pudesse servir como uma plataforma colaborativa para os profissionais do setor penitenciário.

Isso permitiria que eles trabalhassem juntos em questões práticas a nível europeu. O sistema prisional é uma área específica – em francês, dizemos “métier” – é muito característico, algo com uma espécie de rede e fluxo de trabalho que é bem diferente de outros negócios. Além disso, a execução de sentenças está sempre na última etapa do que chamamos de cadeia da justiça.

O Conselho da Europa tinha interesse pela área prisional através de seus órgãos particulares – como o Comitê de Prevenção da Tortura e outros, mas em 2009, durante a presidência da União Europeia (UE) da Suécia, quando nos juntamos a uma mesa redonda em Uppsala (duas vezes por ano os 10 diretores-gerais das prisões do hemisfério norte se encontram), começamos a elaborar alguns possíveis temas e horários para trabalharmos juntos.

Então nosso período de constituição foi de 2009 a outubro de 2011. Nos reunimos em Edimburgo para criar a EuroPris, e então, em 2012, em Roma, decidimos fazer uma reunião geral anual e agora temos 5 anos de existência. Nosso principal objetivo era trabalhar temas que fossem úteis ao nosso cotidiano – para os presos, para os funcionários e para a gestão.

Este foi o principal impulso para a EuroPris. Não era para ficar em um alto nível teórico – porque não precisamos disso – não queríamos moldar novas regras, não queríamos moldar uma nova legislação.

Nós só queríamos interagir uns com os outros e deixar claro para todos como as coisas estão funcionando, o que funciona, a partir dessa abordagem de baixo para cima e talvez influenciando os formuladores de políticas de forma indireta. Eu acho que até hoje, se olhar para o que realizamos, tem sido um grande sucesso.

Quais foram os principais desafios que precisou superar do início da EuroPris até agora?

HM: Primeiro, tivemos que formar uma estrutura básica e precisávamos de algum financiamento para isso. Conseguimos o financiamento básico da Comissão Europeia, que viu imediatamente a vantagem de tal organização.

Houve, é claro, muito envolvimento nosso [diretores-gerais], pessoalmente, pois dedicamos muito do nosso tempo livre na primeira etapa, mas também fornecendo alguma contribuição em espécie. Pessoas de 5 a 6 administrações se uniram e conseguiram alcançar uma boa estrutura, os estatutos, etc.

Os dois primeiros anos foram uma luta para criar o que chamamos de ambiente formal da EuroPris. Não queríamos perder muito tempo para provar nosso valor, por isso imediatamente focamos em dois ou três objetivos principais que, em nossa opinião, eram de extrema importância e urgência. Um deles foi a enorme presença de estrangeiros provenientes de diferentes países da UE em nossas prisões.

A Comissão Europeia apoiou este objetivo desde o início, na época em que a Europa estava trabalhando no livro verde  em torno das decisões-quadro sobre como reconhecer as sentenças e transferir os presos de uma jurisdição para outra para cumprir pena em seu próprio país.

Depois disso, começamos a trabalhar em torno de outros tópicos, como regime prisional, infraestrutura e logística, como construir novas prisões foram os principais objetivos. Depois surgiram outras questões, como o uso da tecnologia nas prisões. Hoje temos a questão da radicalização («, mas no início essa era nossa atividade principal.

Da esquerda para a direita: Daria Nashat, Hans Meurisse, Vĕra Jourová, e Marc Cerón

JT: A EuroPris envolve uma diversidade muito grande de países com diferentes desempenhos econômicos, diferentes perspectivas e níveis de maturidade de seus sistemas prisionais, além da questão do Brexit.

Quais são os principais desafios que os sistemas prisionais enfrentam atualmente na Europa?

HM: O fato de o Reino Unido deixar a UE não terá um grande impacto. Como sabem, o Reino Unido já estava fora do programa de justiça europeu. É importante dizer que queríamos tratar todos no mesmo nível, seja um país pequeno ou um país grande.

Qualquer país tem a mesma possibilidade de se tornar um membro da EuroPris, desde que pertença à UE ou a estados relacionados, como a Noruega. Decidimos que todas as jurisdições deveriam contribuir financeiramente, sendo que os grandes pagam €7.500 e os menores €3.000 por ano. Dessa forma, tornamos acessível a todos.

Também é importante que forneçamos um retorno imediato do investimento. Sempre que organizamos conferências, a EuroPris paga os voos e acomodações de seus membros, para que eles possam facilmente ter acesso. Além da acessibilidade – que era uma das nossas principais preocupações – precisávamos de um site muito bom.

Fomos parabenizados pela Comissão Europeia pelo site da EuroPris. É muito mais do que um site, porque inclui um sistema de gestão de documentos e um sistema de compartilhamento de conhecimento onde é possível encontrar informações muito interessantes sobre diferentes questões. Criamos um sistema de informações prisionais confiáveis da União Europeia, onde pode-se facilmente acessar dados e obter informações sobre prisões em outros países.

Trabalhamos em um ambiente onde a execução de sentenças está se tornando muito mais próxima. Todo mundo está falando sobre as regras padrão europeias, as regras padrão das Nações Unidas, as regras de Mandela, e como executá-las no cotidiano.

Trocamos nossas informações em uma plataforma aberta para que não tenhamos que reinventar a roda de novo, e de novo e de novo. Simplesmente trocamos informações sem limites de um país para outro (isso inclui informações sobre o que funciona e não funciona, documentos e requisitos de concurso, etc.).

Também temos um processo para lidar com informações confidenciais que não podem ser compartilhadas abertamente como medidas contra a radicalização ou o terrorismo, por exemplo.

Como o Sr. vê a EuroPris evoluindo como uma organização?

HM: Atualmente contamos com 30 membros e estamos nos tornando cada vez mais profissionais Queremos nos tornar uma organização conectada por redes que trabalha com base em temas comuns.

Temos de 7 a 8 grandes temas que são realmente importantes e temos grupos de especialistas que se reúnem uma ou duas vezes por ano para discuti-los e compartilhar seus conhecimentos. Nosso sistema de gestão de conhecimento e informação se tornará cada vez mais importante – é possível fazer uma pergunta online e em poucos dias, tem de 10 a 12 países respondendo. Trata-se de criação e compartilhamento de conhecimento.

Tradicionalmente falava-se muito sobre polícia, sobre os magistrados, com a criação da EuroPris nos tornamos – no mais alto nível na Europa, mas também a níveis nacionais e regionais – um parceiro e ouvinte respeitado. Tentamos interagir e influenciar a política.

A Comissão conta conosco como um parceiro capaz de representar e envolver diferentes administrações prisionais nos Estados-membros, mesmo que alguns países ainda não sejam membros da EuroPris.

Como é a relação entre a EuroPris e a Comissão Europeia? A EuroPris é reconhecida como um parceiro confiável e valioso perante a Comissão Europeia, isso influencia em novas políticas?

HM: Eu diria ainda mais do que isso. A EuroPris tornou-se parceira de uma “posição de venda única” , pois representamos a maioria dos países da UE. A Comissão conta conosco como um parceiro capaz de representar e envolver diferentes administrações prisionais nos Estados-membros, mesmo que alguns países ainda não sejam membros da EuroPris (como a Grécia, a Polônia ou a Hungria).

Quando solicitamos um subsídio da UE pela primeira vez, conseguimos o financiamento por um ano. A aplicação seguinte nos permitiu ser apoiados durante três ou quatro anos. Acho que isso é uma prova de confiança no trabalho que fazemos como organização. A EuroPris é convidada para reuniões de alto nível (eu como presidente, o diretor executivo ou um dos diretores-gerais).

A Comissão Europeia vê o que eu gosto de chamar de greve operacional,  ou força para mover algumas coisas na direção em que todos querem ir. Antes da EuroPris isso não era possível. Agora é muito fácil interagir e é isso que a Comissão Europeia aprecia.

Penso, por último, mas não menos importante, há todo nosso conhecimento da área. É totalmente diferente. Somos funcionários públicos, mas “temos estado com nossos sapatos na lama”, sempre nos esforçamos para encontrar soluções, diariamente. Devo dizer que há um grande respeito pelo que fazemos.

 

JT: O Sr. é reconhecido como alguém que planeja com antecedência e pensa a longo prazo em seu sistema penitenciário, que se preparou para a transformação digital nas prisões e que também tem projetos inovadores nessa área e na área de ressocialização dos detentos.

Quais serão os principais desafios para o futuro? E, por outro lado, como a EuroPris poderia apoiar as mudanças?

HM: Muitos serviços penitenciários na Europa compartilham as mesmas dificuldades relativas à sua infraestrutura. Sua infraestrutura é datada de anos atrás, muitas vezes do século XIX. O fato é que os recursos financeiros envolvidos são enormes.

Em relação aos desafios: como podemos apoiar a mudança de forma que seja baseada em evidências? Como a tecnologia pode ser usada dinamicamente e complementar à forma tradicional do trabalho de custódia?

Estamos indo mais no que chamamos de direção orientada para alternativas penais na comunidade, como multas, monitoramento eletrônico, e todos os tipos de alternativas ao encarceramento.

 

Precisamos ser capazes de definir as marcas de onde estamos indo e quais são os problemas. A mudança cultural necessária é talvez a mais importante. Todo mundo tem seu próprio sistema – é claro, eles podem ser muito diferentes de um para o outro – mas a mudança cultural relacionada a como se comportar como uma administração moderna, não.

Hoje ainda há países que são muito resistentes a certas coisas, como as relações entre detentos e familiares. Na Inglaterra, você não pode ter o que chamamos de visitas íntima com seu parceiro. E há também a questão das comunicações: aqueles jovens que entram em nossas prisões são nativos digitais! Como lidamos com eles?

Então, quais são os problemas em outros países? Por exemplo, um país que é considerado mais avançado do que outros em muitos aspectos – como a Noruega –, mas os presos só podem ter um telefonema por semana de quinze minutos! Sendo que nesses 15 minutos têm a ligação monitorada do primeiro ao último segundo. Isso é muito estranho!

Em relação ao trabalho prisional: qual é o problema? Como manter os internos ocupados? Qual é o propósito disso? Aprender é outra questão: por exemplo, se um determinado preso [estrangeiro] está em uma prisão belga, como podemos dar a ele acesso a programas de aprendizagem eletrônica de seu país enquanto ele está preso na Bélgica?

Recentemente tivemos uma discussão importante para o futuro em relação ao Procedimento E-Justice Codex. Começaremos a trocar informações básicas entre dois sistemas prisionais para apoiar a transferência de presos de um país para outro para que eles entendam qual será o seu futuro. Porque se você não [passar essa mensagem], haverá muita frustração… 

E há ainda toda a questão sobre segurança. O que é segurança? Por exemplo, TIC (Tecnologia da Informação e Comunicação) e logística estão cada vez mais integradas. Como lidamos com isso? Qual é o impacto na sua organização interna? Você precisa de um departamento de TIC? Ou precisa de um departamento de logística, segurança e tecnologia, por exemplo? Essas são características que estão evoluindo muito rápido hoje em dia, muito, muito, rápido. E acho que não devemos ser tão defensivos.

 

JT:O Sr. mencionou algumas das limitações relativas à Política de Justiça também e o fato de que o Reino Unido não estava envolvido no Programa de Justiça da UE. Assim, a Comissão Europeia tem algumas limitações em termos de políticas de justiça e programas para apoiar as reformas prisionais. O que o Sr. acha que poderia ser mudado nessa visão? Acha que deveria haver alguns instrumentos de financiamento para apoiar a reforma da justiça? Do lado europeu, como sabemos, há uma enorme limitação nesse tema em particular desde o início, não foi considerado como outras áreas como Saúde ou Educação? Por isso, a Justiça tem uma situação muito peculiar no cenário político europeu.

Então, acha que algo deve ser feito nessa área?

HM: Há duas coisas importantes: a primeira é que em dez anos, quando eu olhar para trás, espero dizer que este foi o início de um Serviço Penitenciário Europeu, que está realmente tendo um impacto sobre como as pessoas são tratadas nas prisões, e isso tem contribuído para tornar as coisas muito mais eficientes. Esse é o nosso maior objetivo.

Bem, talvez europeia não seja a palavra, poderíamos dizer Continental, já que temos que olhar para toda a região. As pessoas privadas de liberdade devem ter meios básicos idênticos para cumprir sua sentença. Esta seria a maior conquista.

E a segunda é que vimos que outras áreas como educação ou trabalho são muito influentes. Então, agora, pela primeira vez, estamos iniciando a discussão com o setor educacional para ver como a alavancagem educacional pode ser organizada em todo o sistema prisional.

Esses são, para mim, os dois principais objetivos: ver como podemos ascender e garantir que a legislação europeia integre a educação e trabalhe no fluxo de processos dentro dos ambientes prisionais. Mas, portanto, e este é o terceiro – e eu sei que é sempre o mesmo, é um dos meus favoritos – temos que ver como podemos nos comunicar uns com os outros e é por isso que temos nosso site e sistema de gestão do conhecimento. Poderemos compartilhar dados sobre questões prisionais a nível europeu, como é feito hoje em dia para questões policiais.

Há alguns desafios. Como sabem, em alguns países, diretores-gerais lideram o sistema prisional e de liberdade condicional. No meu país, decidiu-se dividir as duas áreas há 15 anos. Não sei se foi uma boa decisão, mas tenho certeza de que esses dois serviços – liberdade condicional e prisional – se tornarão cada vez mais integrados e temos que encontrar uma maneira de organizar isso em uma boa base.

//

Hans Meurisse é diretor-geral do Serviço Penitenciário da Bélgica e presidente da EuroPris. Estudou Criminologia em Ghent e participou de diversos cursos de pós-graduação, o que lhe permitiu obter profundo conhecimento da gestão pública e penitenciário. Também é membro do conselho de administração da Associação Internacional de Serviços Prisionais e de Correção (ICPA).

*Na época em que a entrevista foi realizada, em maio de 2017.


Advertisement

PrisonCloud
Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
Doug Dretke
Formação em liderança como base para a excelência da gestão penitenciária