Prisão Inteligente: da digitalização prisional para utilização, aprendizagem e treinamento de inteligência artificial na prisão

Artigo

Pia Puolakka

Primeiro ano da prisão inteligente 

O primeiro ano da Prisão Inteligente Finlandesa foi cheio de trabalho, testes e implementação de novos serviços digitais na prisão feminina de Hämeenlinna. Os dispositivos celulares foram implementados em março de 2021.

Cada uma das cem celas da prisão tem um dispositivo de cela que as presas utilizam para comunicar e gerenciar as coisas dentro da prisão – e, em certa medida, também fora dela. 

No final de 2021, foi realizada uma pesquisa digital estruturada tanto para funcionários quanto para as presas sobre a experiência dos usuários desse sistema de dispositivos celulares chamado PriSec. As presas acharam fácil de usar. Além disso, ficaram felizes com o apoio da equipe na aprendizagem do sistema. .

E-books, audiolivros e chamadas de vídeo com pessoas próximas tornaram-se populares. 

Em 2022, implementaremos o sistema de e-mail para presos no PriSec, o qual aguardam ansiosamente. .

A PriSec também trouxe mudanças nos fluxos de trabalho da equipe, como agilidade, velocidade e fluidez em tempo real de transações, comunicação e informação. Além disso, na pandemia da COVID-19, a PriSec também foi um grande ativo. Vários parceiros, como ONGs, usaram chamada de vídeo para prover ressocialização, já que visitas presenciais e ajuda de fora da prisão foram restringidas. 

Pretendemos capacitar ainda mais os funcionários para novas práticas de trabalho e realizar mais pesquisas sobre os efeitos da Prisão Inteligente em relação ao custo-efetividade dos novos processos. Além disso, um passo adiante será dado para ir para o próximo nível de digitalização com Inteligência Artificial (IA) nas prisões. 

Presos usando, aprendendo e treinando inteligência artificial 

A Smart Prison oferece diversas atividades aos presos e os novos serviços mais recentes estão relacionados ao uso, aprendizagem e treinamento de Inteligência Artificial (IA). A IA nas prisões é um tema novo e controverso que pode trazer muitos benefícios, mas coloca muitas questões éticas antes da implementação. No entanto, a Smart Prison já está funcionando como um ambiente piloto para novos serviços de IA, como demonstrado abaixo.   

Usando realidade virtual (RV) para ressocialização 

O piloto de realidade virtual (RV) foi conduzido em três prisões, incluindo a Prisão Inteligente. Psicólogos prisionais fornecem RV como parte do trabalho de ressocialização com os presos. Os ambientes RV incluem uma floresta virtual fornecida por uma equipe de pesquisa da Universidade de Tampere e outros ambientes ao ar livre destinados a fornecer estímulo e atividades ou bem-estar e relaxamento.  

Na Prisão Inteligente, também testaremos a floresta virtual em uma ala especial  para reabilitação de abuso de substâncias. Os resultados preliminares revelam que os presos podem se beneficiar de experiências RV para elevar e gerenciar seu humor e enfrentar situações novas e desafiadoras em um ambiente seguro.  

Pretendemos usar novos ambientes RV em 2022 em colaboração com o Hospital Universitário de Helsinque e o Instituto Finlandês de Saúde e Bem-Estar. A ideia é fornecer RV para o controle de ansiedade e agressividade. Envolver a RV como ferramenta para auxiliar as práticas de ressocialização e psicológicas já disponíveis na penitenciária tem sido uma boa maneira de implementar novas tecnologias, e há muitas possibilidades de usá-la ainda mais. 

Dispositivos disponibilizados aos detentos em suas celas como parte do projeto Smart Prison na prisão de Hämeenlinna, Finlândia.

Aprendendo IA com cursos online  

Todas as prisões e todos os escritórios de liberdade condicional são equipados com estações de trabalho de uso conjunto que fornecem acesso a vários sites para fins sociais, educacionais e de saúde. 

Existem três cursos online sobre IA oferecidos pela Universidade de Helsinki e pela Reaktor. Eles são gratuitos e estão disponíveis para estudo aberto (MOOC: curso aberto on-line maciço).

Na Prisão Inteligente, os detentos podem usar seu dispositivo celular para dedicar-se a esses cursos, incluindo Elementos de IA (curso básico), IA Predial (curso avançado, incluindo habilidades básicas de programação) e Ética da IA. Além da IA, esses cursos permitem que os presos aprendam e testem suas habilidades digitais e outras cognitivas relacionadas à alfabetização, resolução de problemas e pensamento abstrato. 

Também é possível incluir esses cursos em estudos universitários se os presos já estiverem envolvidos neles durante a sentença. Os conselheiros de estudo nas prisões têm feito um grande trabalho na promoção desses cursos, e a conclusão do curso básico também tem sido recomendada aos funcionários. Em uma prisão, os presos concluíram o curso básico juntos em pequenos grupos de estudo assistidos por um funcionário. 

O curso de Elementos da IA já capacitou mais de 1% da população finlandesa sobre o básico da IA, que foi o desafio estabelecido pela Universidade de Helsinque. O curso se espalhou pelo mundo, atualmente para 170 países em 21 idiomas com 700 mil usuários cadastrados.

O próximo desafio é capacitar 1% dos cidadãos da UE. Esperamos que os presos e os agentes penitenciários também atinjam esse objetivo de 1% na alfabetização em IA. 

Quanto à ética da IA, a alfabetização em IA pode ser considerada como uma parte importante para tornar a IA compreensível e garantir seu uso transparente no futuro. 

Treinamento de IA – Processamento de documentos como trabalho prisional 

A mais recente atividade relacionada à IA é o trabalho de processamento de documentos para uma empresa de software que opera na Finlândia. Ao processar documentos em estações de trabalho fornecidas pela empresa, os presos treinam algoritmos para detectar palavras e significados em documentos escritos. Estes permitem recomendações automatizadas de serviços.  

Durante 2022, realizaremos três projetos piloto dessa atividade em três prisões como parte do trabalho prisional, incluindo em nossa Prisão Inteligente. Esse tipo de trabalho destina-se a presos incapazes de fazer trabalho físico ou trabalho entre outros presos. O processamento de documentos oferece também formação em alfabetização básica e concentração, que são desafiadores para muitos presos.  

Cela prisional de Hämeenlinna, Finlândia.

IA na gestão de infratores 

A mais recente iniciativa do projeto Smart Prison é o RISE1 AI, um sistema de recomendação a ser implementado em nosso novo sistema de gestão de infratores (OMS), em 2022.  

RISE AI é um algoritmo que analisa fatores relevantes da procedência dos infratores (fatores que levaram ao crime, fatores de risco e fatores de força).

Então, com base nas informações resultantes, o algoritmo recomenda os serviços e atividades mais adequados para cada infrator durante a sentença. Este algoritmo será uma ferramenta de avaliação e recomendação para coordenadores seniores responsáveis pelo processo de planejamento de sentenças. 

Na Agência Finlandesa de Sanções Criminais, isso é feito em Centros especiais de Avaliação. Questões éticas e possibilidades para estudar a eficácia e o efeito da IA RISE em diversos processos de sentença devem ser consideradas cuidadosamente antes da implementação.

A capacitação dos responsáveis pelo uso da IA RISE também é parte vital do projeto de implementação. A IA RISE não deve ser uma ferramenta de tomada de decisões automatizadas, mas uma ferramenta baseada em conhecimento especializado e dados estatísticos para analisar os infratores e auxiliar os fluxos de trabalho da equipe.  

A RISE IA está trabalhando em colaboração com o programa nacional de Inteligência Artificial Aurora AI, conduzido pelo Ministério da Fazenda. 

A Aurora AI é um sistema de recomendações de serviços públicos para ajudar os cidadãos a encontrar serviços necessários e relevantes de forma oportuna e eticamente sustentável. 

 O objetivo é que os infratores também possam utilizar esse sistema de recomendação com a assistência dos funcionários para encontrar serviços públicos adequados, especialmente após serem liberados da prisão, e porque cada vez mais é feita colaboração com serviços públicos  durante a sentença.

Segunda prisão inteligente em 2022

O projeto Smart Prison continua em 2022: teremos uma segunda Prisão Inteligente na prisão de Pyhäselkä, no leste da Finlândia, em outubro de 2022. A digitalização das prisões finlandesas continua. Fique ligado! 

 

1RISE é abreviatura para Rikosseuraamuslaitos, o nome da Agência Finlandesa de Sanções Criminais. .

Pia Puolakka

Pia Puolakka é a gerente de projeto da iniciativa Smart Prison da Agência Finlandesa de Sanções Criminais. Trabalha para a Agência Finlandesa de Sanções Criminais desde 2012, tendo começado como psicóloga em prisões. Desde 2017, trabalha na administração central, onde atuou pela primeira vez como especialista sênior em serviços de ressocialização, incluindo trabalho familiar e serviços psicológicos e espirituais nas prisões. Pia é psicóloga forense e psicoterapeuta. Ela também estudou inteligência artificial. Ela é membro do Conselho do EuroPris ICT Expert Group. 

Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
Web_Interviews_LeandroLima_900x950(1)
O sistema penitenciário catarinense avança em várias frentes apesar dos desafios