Reabilitação holística e modernização em Nova Jersey: “Voltando aos princípios básicos do sistema penitenciário”

Entrevista

Victoria L. Kuhn

Comissária do Departamento Penitenciário de Nova Jersey, EUA

Nesta entrevista, Victoria L. Kuhn, Comissária do Departamento Penitenciário de Nova Jersey (NJDOC nas suas siglas em inglês), fala sobre seu foco na reforma prisional e no bem-estar dos funcionários. Ela aborda desafios como o recente aumento nas taxas de encarceramento e os desenvolvimentos no Departamento para fornecer serviços de suporte abrangentes para uma reabilitação e reintegração bem-sucedidas. A Comissária Kuhn destaca as principais realizações, como a introdução de novas iniciativas de reabilitação e segurança e os esforços para modernizar as instalações penitenciárias.

 JT: Quando foi nomeada Comissária em 2022, a senhora expressou seu compromisso com uma estratégia holística de reabilitação de ofensores. Investir na equipe do Departamento e no bem-estar deles foi outra meta importante de sua administração.

Qual foi o progresso alcançado nessas duas esferas fundamentais para o sucesso da missão do Departamento de Penitenciário?

VK: Ao assumir o cargo de Comissária do Departamento Penitenciário de Nova Jersey, articulei claramente minhas prioridades – promover uma reforma significativa nas prisões e iniciativas de reintegração. Para mim, tratava-se de “voltar aos fundamentos” do sistema penitenciário – garantir a dignidade e a segurança das pessoas encarceradas e reinvestir em nossa equipe e em seu bem-estar. Ambas as questões estão intrinsecamente ligadas; uma força de trabalho profissional, dedicada e bem treinada é fundamental para as operações e para melhorar a vida dos indivíduos sob nossa custódia por meio da prestação de serviços e programas para a reabilitação bem-sucedida e a reentrada na comunidade. 

Como parte de nosso compromisso com a reforma, o Departamento começou a adotar uma nova declaração de missão que definisse nossas prioridades e visão para uma agência penitenciaria moderna. Solicitamos a opinião da equipe de toda a agência e realizamos workshops para garantir que a nova missão fosse um esforço de todo o Departamento.

Uma declaração de missão, no entanto, são apenas palavras em uma página sem ações que apoiem o
propósito e os valores que ela representa. Desde então, houve progresso em várias dessas prioridades:
estabelecemos a Divisão de Programas e Serviços de Reintegração como uma função central do
Departamento e capacitamos as organizações comunitárias a desenvolver novos programas de
reintegração por meio de um programa de subsídios.

Restabelecemos o Conselho de Curadores na Edna Mahan Correctional Facility (EMCF) – a única prisão
feminina de Nova Jersey – composto por defensores dos direitos das mulheres, defensores da diversidade e de questões transgênero, mulheres envolvidas com a justiça e educadores para orientar o processo de tomada de decisão do Departamento. As medidas de reforma que foram instituídas nos últimos três anos agora são permanentes e rotineiras, inclusive o treinamento com base em trauma e gênero, a formação da Unidade de Vítimas Especiais para investigar alegações de violência sexual e a disponibilidade de programas de trauma para a população carcerária.

Mais recentemente, o Departamento fez um progresso significativo em direção ao fechamento da EMCF.
Em outubro de 2023, a primeira fase do fechamento foi concluída e metade da instalação física em Edna,
especificamente a instalação mínima, foi fechada. Além disso, um “Grupo de Trabalho para Instalações
Femininas do Estado”, formado por parceiros importantes de todo o governo estadual, continua a
trabalhar diligentemente nas várias fases de revisão e planejamento em preparação para a construção de uma nova e moderna instalação penitenciária feminina construída para esse fim.

Nenhuma dessas reformas é possível sem a dedicação de nossa equipe. Embora ainda haja trabalho a ser feito, e levará tempo para retornar a níveis suficientes de pessoal, o recrutamento e a retenção do
Departamento estão tendendo para a direção certa. No final de 2024, o Estado fechou o acordo de negociação coletiva que melhorou a competitividade dos salários em nossas fileiras de custódia. Também lançamos a primeira pesquisa de clima e engajamento dos funcionários, que permitiu que as vozes dos funcionários fossem ouvidas, e lançamos novos programas e eventos de Diversidade, Equidade e Inclusão (DEI), como a primeira Cúpula de Liderança Negra, a primeira Cúpula de Liderança Feminina, a primeira Cúpula de Saúde Masculina e o primeiro treinamento de nível sênior do DEI. Continuamos a fazer investimentos significativos em treinamento em todos os níveis desta agência.

Ao longo dos últimos três anos, essas iniciativas reduziram a taxa de atrito dos oficiais de uma média de 26 oficiais por período de pagamento para cerca de 11 oficiais por período de pagamento. As turmas da nossa Academia continuam a crescer a cada ano e, em fevereiro passado, a Academia formou o maior número de recrutas desde 2019.

Em outubro de 2023, o NJDOC concluiu a primeira fase do fechamento da Edna Mahan Correctional Facility (EMCF), de 110 anos.

Além das mencionadas, que outras questões têm sido suas prioridades e como você as está abordando?

VK: Um tema contínuo da minha administração é a importância do planejamento estratégico e a garantia de que manteremos e melhoraremos nossas instalações. O Departamento continua a investir em
infraestrutura que contribua para a saúde e a segurança atuais dos funcionários e das pessoas presas, ao mesmo tempo em que avança em projetos que promovem a reintegração por meio de programas
educacionais, vocacionais e de serviços sociais.

Da mesma forma que as agências correcionais de todo o país, continuamos a enfrentar os desafios do
contrabando, incluindo a singularidade das drogas sintéticas que entram nas instalações por meio de
papel e correio. O NJDOC continua a investir em tecnologia que oferece abordagens proativas,
preventivas e em camadas para evitar a infiltração de drogas nas prisões.

Mais recentemente, o Departamento Penitenciário de Nova Jersey tornou-se a segunda agência penitenciária estadual do país a equipar e implantar câmeras corporais em todas as instalações prisionais e unidades especializadas.

A implantação de câmeras corporais melhora nossas medidas de responsabilidade, preserva evidências e ajuda a resolver investigações mais rapidamente.

Essas câmeras ajudam o Departamento a proteger os funcionários, a população carcerária e aqueles que visitam nossas instituições.

Sabemos que os avanços tecnológicos são rápidos e estamos buscando a expansão do acesso limitado à Internet e ao Wi-Fi em nossas instalações. Isso permitirá que as pessoas encarceradas tenham maior
acesso ao aprendizado on-line, uma ferramenta poderosa que pode abrir portas para novas oportunidades e ajudá-las a se sentirem confortáveis com o uso da tecnologia moderna, instilando um
senso de esperança e motivação.

O Departamento continua a explorar, desenvolver e implementar esforços de mitigação para reduzir a violência, desenvolver programas que recompensam o comportamento positivo e pró-social e reforçar uma política de tolerância zero para condutas agressivas, tudo para promover o comportamento pró-social.

 JT: Nova Jersey atingiu recentemente um ponto de inflexão em sua tendência de queda de uma década nas taxas de encarceramento. Após uma redução que chegou a menos de 12.500 detentos nas instituições penitenciárias do estado, em 2023 esse número aumentou para 13.196 pessoas encarceradas.

Quais fatores contribuem para essa mudança e ela é reversível? Que papel o Departamento pode desempenhar na implementação de políticas para reduzir o encarceramento?

VK: Diversos fatores, principalmente a expiração das liberações de Crédito de Saúde para Emergências
Pandêmicas da era COVID e a suspensão de processos judiciais, contribuíram para as recentes reduções populacionais. No ano passado, previmos que terminaríamos 2023 com uma população próxima a 14.000. Felizmente, essa tendência diminuiu e a população está estável em aproximadamente 13.000. Esperamos que esse número se estabilize e continue a aumentar ligeiramente à medida que as pessoas sob nossa custódia cumpram sentenças mais longas por crimes mais violentos.  

O Departamento Penitenciário de Nova Jersey está comprometido com a segurança da comunidade, e
esse compromisso se reflete em nossa taxa recorde de readmissão. Atualmente, apenas 4% da população que foi libertada após cumprir sua sentença foi readmitida por uma nova condenação criminal. Essa conquista é resultado dos serviços que estão sendo oferecidos à população pela nossa Divisão de Programas e Serviços de Reintegração e em colaboração com nosso número crescente de organizações comunitárias. Essas iniciativas, que vão desde programação, educação e preparação para o trabalho até tratamento médico, de saúde mental e de abuso de substâncias, estão preparando com sucesso os indivíduos para o retorno à comunidade. Eles não estão apenas transformando suas próprias vidas, mas também contribuindo para o fortalecimento da segurança da comunidade.

Realizada na Thomas Edison State University, a Black Leadership Summit inaugural foi uma parte importante das observâncias do Mês da História Negra de 2023 do NJDOC. A Comissário Kuhn deu início à cúpula com palavras de apoio.

No contexto da modernização das prisões e da liberdade condicional, quais avanços que apoiam a missão do Departamento você destacaria? 

VK: Buscando avançar e modernizar as correções, é fundamental expandir o acesso à saúde mental, a
programas informados sobre traumas e a iniciativas de prevenção de lesões autoprovocadas para a população encarcerada. Isso é essencial para a reabilitação de indivíduos envolvidos com a justiça. A crise de saúde mental é um fator contribuinte significativo que leva as pessoas a serem encarceradas. É
fundamental incentivar as pessoas encarceradas a buscar a ajuda de que precisam e remover o estigma
associado ao recebimento de ajuda. Ao mesmo tempo, é fundamental garantir que os serviços e a ajuda clínica estejam disponíveis quando solicitados.

Olhando para o horizonte, as metas do Departamento e da minha administração são as mesmas de três anos atrás: continuar a remodelar nossas instituições para atender às necessidades em evolução das pessoas sob nossa custódia, desenvolver e expandir programas inovadores para apoiar a reintegração, garantir que todos os indivíduos sejam tratados com dignidade e respeito e continuar a investir em nossa equipe.

Victoria L. Kuhn

Comissária do Departamento Penitenciário de Nova Jersey, EUA

Victoria L. Kuhn, é a Comissária do Departamento Penitenciário de Nova Jersey e a primeira mulher a chefiar a maior agência de aplicação da lei de Nova Jersey. Com mais de 24 anos como advogada no Estado de Nova Jersey, a Comissária Kuhn tem profunda experiência em justiça criminal, correções, antidiscriminação, direito trabalhista e políticas públicas. Sua carreira começou como promotora assistente, antes de fazer a transição para o Gabinete do Procurador Geral – Divisão de Direito, onde lidou com questões de aplicação da lei e correções. Antes de ser nomeada Comissária, Kuhn atuou como Chefe de Equipe do NJDOC e, anteriormente, como Vice-Chefe de Equipe, onde liderou várias iniciativas.

 

Publicidade

Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
Navegando pelos desafios dos serviços correcionais de Ontário: Transformando o futuro