Rumo a uma abordagem holística da desradicalização

O objetivo deste artigo é argumentar que uma abordagem sustentável da desradicalização deve levar em consideração as circunstâncias pessoais e sociais, ao mesmo tempo em que se atenta aos fatores organizacionais, estruturais e situacionais.

Para isso, o artigo fará uma revisão da literatura sobre como as pessoas se radicalizam, por que permanecem nas redes radicais e como eventualmente decidem deixar esse estilo de vida. Além da literatura sobre desradicalização, o trabalho se baseará fortemente na experiência vivida de quem participou do fenômeno. Assim, para ilustrar certos pontos, o conhecimento do deputado Maajid Nawaz será mencionado em particular.

Porquê algumas pessoas se tornam e permanecem radicais?

Uma das teorias mais abrangentes e empiricamente apoiada sobre se tornar radical é a chamada teoria dos “3Ns” desenvolvida por Webber e Kruglanski (2017). A teoria também é conhecida como a teoria da busca de significado. Em resumo, ela argumenta que existem três categorias principais de fatores que contribuem para o processo de radicalização: necessidades, narrativas e redes.

Em muitos casos, as pessoas se radicalizam quando experimentam a “perda de significância” – a perda de sua própria relevância e importância para os outros membros da sociedade. Esse processo geralmente envolve experiências como discriminação, humilhação, injustiça, vergonha e assim por diante. Essa perda de significância exige um fechamento cognitivo que o terrorismo pode oferecer. Em outras palavras, o terrorismo pode ser definido como um ganho de significado.

Narrativas são essenciais para justificar a violência. Além disso, certas narrativas radicais tornam a violência não apenas justificável, mas necessária. Na maioria dos casos, as narrativas estão deslegitimando os alvos: os desumanizando, marginalizam grupos, definindo-os como inimigos, etc.

As redes são importantes para a validação consensual das narrativas. Essas redes são, na maioria das vezes, pequenos grupos que são muito eficazes na produção das chamadas “identidades fundidas”. Identidades fundidas são aquelas que são uma com a identidade do grupo. Normalmente, é assim que os laços em grupo são explicados.

Essa teoria foi confirmada também por sucessivos estudos e teorias. Precht (2007), por exemplo, sugere que o processo de se tornar um radical começa com alguns fatores antecedentes – como questões pessoais com religião, identidade, discriminação, etc. – continua com alguns fatores gatilho – como a existência de mentores ou líderes carismáticos ou eventos dramáticos – e culmina com o acesso a redes radicais. Borum (2011) também mencionou a predisposição causada por experiências de vida como um dos elementos mais importantes de uma trajetória radical.

Em seu livro (2013), Maajid Nawaz – um ex-islamista – conta muitas histórias sobre racismo (por exemplo, ser chamado de “paqui”, ser convidado a comer salsichas de porco, etc.) e assédio da facção Combat 18. Ele até testemunhou um homem sendo morto na sua frente enquanto defendia Maajid Nawaz da “facção de Mikey”, na Inglaterra.

Por que algumas pessoas decidem deixar as redes radicais?

Muitas pessoas decidem sair voluntariamente das redes radicais por muitas razões. Altier et al. (2014) dividem-nas em duas categorias: fatores de pressão (por exemplo, sanções sociais negativas, perda de fé na ideologia do grupo, perda de status, exaustão, etc.) e fatores de atração (por exemplo, desejo por uma vida normal, amadurecimento, querer um futuro diferente, novas prioridades – família, filhos, etc.).

Um estudo interessante baseado em 22 ex-terroristas descobriu que a desilusão com a liderança ou com os membros do grupo, esgotamento e violência excessiva são alguns dos fatores mais importantes que contribuem para a motivação das pessoas para sair (Barrelle, 2014). Com base nessas observações, Barrelle (2014) apresentou o chamado modelo pró-integração, em que as relações sociais, o enfrentamento e a orientação de ação são os principais pilares das intervenções.

Em muitos aspectos, esses processos se aplicavam também a Maajid Nawaz. Logo depois de se engajar no recrutamento, no Paquistão e no Egito, ele começou a se decepcionar com a organização e seus líderes. Ele disse: “Comecei a me sentir velho na minha alma e nos meus olhos”.

Depois de ser preso no Egito, ele conheceu pessoas reformadas e também pessoas da Anistia Internacional e Fair Trials International que o trataram como um cidadão com direitos. Cada vez mais, ele entendeu que os outros também são humanos e não há justificativa real para a violência.

Ele entendeu que a injustiça social pode ser desafiada com meios socialmente aceitáveis. Ele criou sua própria organização – Quilliam – e um partido político no Paquistão – Khludi – para combater o extremismo. Mais sobre seu trabalho podem ser encontrados no YouTube, TED Talks, Newsnight e assim por diante.

Discussão

Observando os programas existentes disponíveis na Europa que lidam com a desradicalização e o desengajamento, pode-se notar que a maioria deles está focada no indivíduo e como ele pode ser transformado de inimigo para um cidadão dócil.

Na maioria dos casos, as intervenções focam em um componente cognitivo ou ideológico ou em como o indivíduo encontra seu lugar de volta à sociedade. Back on Track – um dos programas de desengajamento mais conhecidos na Europa – foi criado em 2012 pelo serviço dinamarquês de prisão e liberdade condicional para lidar com membros de gangues, mas também com os criminosos radicalizados.

Seu principal componente é a mentoria: mentores especialmente selecionados e capacitados acompanham ex-extremistas violentos, a fim de ajudá-los a lidar com situações cotidianas, problemas e conflitos.

Entre – um programa sueco desenvolvido pelo Serviço prisional e de liberdade condicional – é um programa único, baseado nas teorias cognitivas comportamentais e de resolução de problemas, projetado para ajudar extremistas violentos a deixar redes terroristas e não recorrer ao uso da violência.

Healthy Identity Intervention (HII) é um programa desenvolvido na Inglaterra e no País de Gales para trabalhar com ex-terroristas. Seu foco principal é a identidade, ao mesmo tempo em que está atento às motivações, atitudes e valores que apoiam a violência.

Embora todos esses componentes sejam importantes no desafio do comportamento violento, parece que a dimensão social destacada na literatura científica e memorialista é severamente minimizada. A rua e as escolas são geralmente os principais lugares onde as primeiras experiências de discriminação, humilhação e racismo acontecem, empurrando algumas pessoas para as margens da sociedade. A intolerância e as ideologias de direita que estão crescendo em toda a Europa também são parte do problema.

A sociedade moderna e pós-moderna é construída de tal forma que cada instituição lida com certas questões. As prisões estão lidando com presos enquanto estão encarcerados. As escolas estão lidando com os alunos enquanto estão na escola. A polícia está lidando principalmente com malfeitores.

Os centro de liberdade condicional estão lidando com os condenados a alternativas à prisão ou libertados das prisões e assim por diante. Mas quem tem a responsabilidade geral pelo que está acontecendo nas ruas? Quem pode liderar na luta contra a intolerância e a discriminação? Quem pode tornar nossas comunidades mais inclusivas e humanas?

Na ausência das respostas, cada organização continuará fazendo o seu melhor dentro de seu mandato limitado, negligenciando o quadro geral: nenhum programa de saída para ex extremistas violentos funcionará efetivamente se a comunidade e os componentes sociais não forem levados em conta!

É por isso que precisamos de uma política e prática abrangentes que coloque o indivíduo no centro dos círculos pessoais, familiares, comunitários e sociais. Os governos e as autoridades locais terão que tomar ações sistemáticas em direção a esse objetivo, ao mesmo tempo em que se envolvem construtivamente com grupos sociais tradicionais e marginalizados.

 

Referências

Barrelle, K. (2014) Pro-integration: disengagement from the life after extremism. Behavioral Sciences of Terrorism and Political Aggression. DOI: 10.1080/19434472.2014.988165

Borum, R. (2011) Rethinking radicalization. Journal of Strategic Security, 4(4): 1-6

Nawaz, M. (2013) Radical: My Journey out of Islamist Extremism. Lyons Press.

Precht, T. (2007) Home grown terrorism and Islamist radicalization in Europe. From conversation to terrorism. Disponível aqui.

Weber, D. and Kruglanski, A.W. (2017) ‘Psychological Factors in Radicalization: a 3Ns Approach’ In Gary LaFree and Joshua D. Freilich (eds) The handbook of the criminology of terrorism. Wiley Blackwell.

 

//

O Dr. Ioan Durnescu é professor da Universidade de Bucareste, onde leciona e conduz pesquisas relacionadas à área de prisões e liberdade condicional. Suas áreas especiais de interesse são liberdade condicional e reabilitação comparativas. Participa ativamente em trabalhos de desenvolvimento em vários países do Leste Europeu, também é coeditor dos livros Understanding Penal Practice (Routledge, 2014), e Probation in Europe (Wolf Legal Publishers, 2008). Durnescu atua como coeditor no European Journal of Probation.

 


Publicidade

JUSTICE TRENDS 5 Abilis Solutions Coris partner

 

Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
Desenvolvendo um quadro europeu para a desvinculação e reintegração de criminosos extremistas e radicalizados