Transformação digital no sistema prisional belga: melhorar a vida cotidiana de reclusos e funcionários 

Caso de implementação de tecnologia

Bélgica

Contexto e Problema

A digitalização da Justiça é uma história de pessoas. Pessoas que vão ao extremo para levar este projeto à concretização. Dentro da Justiça, o sistema prisional é um mundo em si mesmo. No entanto, o progresso digital está batendo à porta.  “Normalização da detenção”, “cidadania ativa dos presos”, “trabalhar ‘através das grades’” – todas estas são expressões cada vez mais ouvidas num mundo penitenciário em rápida transformação.    

Um vínculo digital entre a sociedade e a instituição torna possível que os internos, durante o seu período de detenção, se adaptem melhor ou permaneçam ligados à digitalização que todos nós notamos na vida cotidiana.   

Além disso, orientar os funcionários ao longo de todo o processo de digitalização requer simplesmente uma abordagem diferente do salto digital perante a gestão administrativa da detenção ou dos detidos. 

Para responder a este desafio, foi criado o Serviço de Digitalização de Detenções (DDD) na Direção-Geral Belga das Instituições Penitenciárias (DG EPI, segundo sua sigla em inglês), no qual vários especialistas compartilham os seus conhecimentos para acelerar o, já em curso, processo de digitalização da detenção.    

Juntamente com as TIC (para os funcionários) e OMS (para a gestão administrativa de detenções), o DDD é assim, em grande medida, uma encruzilhada de consultas para todos os atores envolvidos dentro ou fora da DG EPI. Parte da missão do DDD é criar um vínculo digital entre a sociedade e a prisão, a fim de assegurar que, enquanto encarcerados, os reclusos possam adaptar-se melhor ou acompanhar a digitalização que todos nós notamos na vida cotidiana.  

Um dos nossos desafios está ligado à modernização do nosso Sistema de Gestão de Infratores (OMS, segundo sua sigla em inglês). Esta plataforma é o coração administrativo da nossa organização e determina o bom funcionamento das prisões. O contrato atual está chegando ao fim e por isso é o momento de ponderar todas as opções, de modo que, nos últimos meses, tomamos uma decisão bem ponderada para a solução futura e para o contrato público associado. 

Solução

Em 2012/2013, o aplicativo SIDIS original foi substituído por um mais moderno e de alto desempenho. A mudança para um aplicativo baseado na web foi necessária e bastante urgente na época, especialmente à luz da então entrada em funcionamento de uma série de novas instituições prisionais.

De fato, a implementação do aplicativo antigo do SIDIS não era oportuna nas novas prisões, tanto por razões técnicas como funcionais. No entanto, para gerir adequadamente os riscos e o tempo de desenvolvimento, naquele momento a escolha foi por uma plataforma integrada “existente” que já tinha demonstrado os seus serviços na área no Reino Unido e nos EUA, entre outros. Esta foi então denominada SIDIS Suite.   

No entanto, os direitos de propriedade intelectual da SIDIS-Suite – com exceção das funcionalidades acrescentadas a pedido da Justiça do FPS – não são propriedade da Justiça do FPS. Isto, juntamente com a expiração do contrato atual, exigiu a construção de uma nova OMS.  

Já existe uma plataforma de serviço digital em 3 unidades prisionais e 2 centros psiquiátricos forenses (FPC, segundo sua sigla em inglês) para um total de cerca de 1.400 reclusos e internos. Aqui, pela primeira vez, foi possível uma ligação digital com o mundo exterior para toda uma série de serviços que facilitam a reintegração e melhoram o trabalho das pessoas.

Dessa forma, o acesso seguro à Internet, o acesso a plataformas de aprendizagem digital, a telefonia digital e a IPTV são os principais serviços utilizados atualmente, para além de toda uma variedade de serviços que permitem a experiência digital em um ambiente fechado de forma segura.  

O próximo objetivo é disponibilizar uma plataforma de aprendizagem digital a todos os detentos na Bélgica (um mínimo de 7500 detentos a mais) que deve incluir um acesso limitado e seguro à Internet.  

Resultados

Em relação à plataforma digital para os detentos, o nosso esforço inicial centrou-se em proporcionar um amplo acesso ao e-learning. Para assegurar os melhores resultados possíveis na reintegração dos internos, pretendemos implementar o acesso tanto a partir das salas de aula como das áreas de alojamentos e celas dos reclusos, em todas as nossas prisões. O trabalho nesta área está agora em pleno andamento, com ofertas de IPTV e rádio web atualmente em produção.  

Seguir-se-ão outros serviços digitais, acrescentando a esta plataforma serviços adicionais tais como uma loja virtual, banca eletrônica para detidos, chamadas pela Internet, vídeo e música on demand, e assim por diante.    

Desta forma, o detento terá acesso às possibilidades digitais que existem na sociedade aberta, através de versões seguras adaptadas ao ambiente prisional. Esta plataforma também se tornará um importante instrumento de comunicação entre a organização penitenciária e os reclusos (e outras pessoas externas).  

Em relação ao OMS, com uma digitalização de arquivos mais desenvolvida, poderemos automatizar ainda mais processos. Esta digitalização disponibiliza também ferramentas para a preparação, desenvolvimento e acompanhamento de políticas. Além disso, a análise científica também será facilitada com um enfoque específico na Inteligência Artificial (IA) e na Inteligência Empresarial (BI).   

Just Prison, o novo OMS em construção, permite uma gestão ótima da detenção. Isto inclui a gestão administrativa e central dos presos, os seus registos de detenção e, possivelmente, o seu plano de detenção. O programa permite que os prisioneiros sejam criados no sistema, controlados na prisão e a realização do cálculo da pena correspondente.    

Depois de cumprir a pena, deve ser possível dar baixa no detento e manter os dados em um arquivo que permaneça consultável e que pode ser reativado a qualquer momento. O arquivo completo da detenção, bem como o registo histórico do cumprimento da pena, devem ser mantidos, e podem ser visualizados graficamente. Existe um único registo de detenção, ligado a um preso, independente da prisão ou sentença.   

Os nossos esforços de digitalização em todo o sistema já proporcionaram outros resultados valiosos.  Internet, Wi-Fi e telefonia costumavam ser rotulados como não seguros, mas hoje, dentro do Serviço de Digitalização de Detenção, facilitamos aos nossos parceiros externos (os funcionários das comunidades flamenga, germanófona e francófona que trabalham em estreita colaboração com os detentos em termos de ressocialização e reintegração) a sua conexão à Internet. Isto facilita a procura de trabalho, de alojamento, de processos administrativos, ou a formação sob supervisão para os detentos. Para o sistema de liberdade condicional, isto é simplesmente uma revolução.  

Em um mundo cada vez mais digital, os reclusos também não são deixados para trás. A crise do Corona [vírus] acelerou inesperadamente este processo. A partir da terceira semana do primeiro lockdown, todos os internos tiveram a oportunidade de ver a sua família ou amigos através de videoconferência.

De repente, as pessoas puderam ver a sua família, que tinha ficado fora de cena. Lançamos este sistema em uma semana, ligando computadores a uma plataforma digital de videoconferências, embora dentro de um ambiente seguro e controlado. Isto foi recebido com muito entusiasmo pelos reclusos e funcionários. Entretanto, a visita digital tornou-se uma parte essencial e legal das opções de visita dos detentos.  

Mas a digitalização para os funcionários também é muito importante, e é necessário que haja uma aceleração digital para que as pessoas possam trabalhar com os equipamentos e plataformas mais recentes. O departamento de TIC será responsável por isto, atuando como Ponto de Contato Único (SPOC) e pioneiro da digitalização da sua própria organização.  

Depois de ter sido completamente apanhado durante o ano passado, a maioria dos empregados da DG EPI tem um novo computador portátil equipado com MS O365, com todos os benefícios associados. Os colegas que mudam de prisão podem levar os seus computadores portáteis, de modo que os e-mails podem ser verificados em casa, se assim o desejarem. No caso de uma catástrofe ou de um surto de COVID, podem continuar trabalhando em seu local sem risco.   

Internamente, também estamos trabalhando em muitas soluções para todo o software desenvolvido localmente – às vezes desrespeitosamente chamado “software sombra” – que tem sido desenvolvido ao longo dos anos dentro do sistema prisional.

Estes podem incluir um sistema de dados para todos os artigos pessoais, que os reclusos entregam quando entram na prisão. Em muitos casos, tais aplicativos estão frequentemente ligados a outras bases de dados. Se tal aplicativo deixar de funcionar, uma prisão pode tornar-se inviável.  

Isto significa encontrar soluções rápidas e criativas, o que é uma parte essencial do processo de modernização e digitalização que os nossos serviços estão atravessando.  

O único caminho a seguir é a via digital, e isto para todas as partes da nossa organização. Após a realização dos ambiciosos projetos e planos acima mencionados, o trabalho prosseguirá nesta via. Aqui, a intenção é passar de um serviço de apoio puramente centrado nas TI para uma abordagem mais ampla, como um serviço de inovação e investigação digital. Isto envolverá não só a prestação de serviços baseados nas necessidades dos utilizadores finais, mas também a investigação para satisfazer ou detectar necessidades futuras.  

Kristoff Hemelinckx é diretor das TIC e do Serviço de Digitalização de Detenções do Serviço Público Federal de Justiça da Bélgica, na área Administração Prisional. Kristoff possui dois mestrados da Universidade de Gent e é especialista na área das infraestruturas prisionais, segurança e digitalização com experiência comprovada nos setores político e governamental.  Como chefe do Serviço de Digitalização das Detenções, está empenhado em conduzir uma transformação digital que promova a normalização da detenção, encoraje a cidadania ativa entre os reclusos, e forneça soluções modernas para os funcionários e administração das prisões.

 

Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
A utilização da Realidade Virtual nas prisões catalãs: Desafios e Oportunidades