Como um Sistema de Gerenciamento de Infratores pode integrar avaliações de risco/necessidades para tornar as comunidades mais seguras?  

Artigo

James M. Lant

Muitas organizações de segurança pública em todo o mundo utilizam sistemas de gerenciamento de infratores (OMSs, segundo sua sigla em inglês) para acessar dados públicos e privados, incluindo eventos de prisão, dados de custódia, disposições e dados do promotor. Manter as comunidades seguras e proporcionar resultados positivos requer que os agentes de liberdade condicional tenham acesso aos históricos daqueles dentro do sistema.     

Um OMS é projetado para armazenar dados sobre todo o histórico de um indivíduo, desde a admissão inicial e a classificação, até a liberdade condicional. Normalmente também estão incluídas informações detalhadas sobre o período da pena cumprida e qualquer transferência entre unidades ao longo do tempo.

Estes sistemas também podem incluir outros dados que podem ser úteis para as penitenciárias, tais como registros financeiros, históricos pessoais e documentação de gerenciamento de casos. O uso desta tecnologia permite que os funcionários alcancem resultados positivos e reduzam o potencial para o crime.    

Esses OMSs geralmente oferecem uma ampla variedade de recursos para facilitar o rastreamento e o gerenciamento daqueles que cometeram crimes, tais como comunicação simplificada através de chamadas de presos, gestão da prisão e de audiências. A documentação da atividade de gerenciamento de infratores é exigida dos responsáveis por estas atividades, e os dados de um OMS são comumente usados para tomar decisões sobre a melhor forma de gerenciar um indivíduo.    

Os OMSs integrados fornecem às comunidades uma resposta interinstitucional ao crime e possíveis reincidentes que podem colocar as comunidades locais em risco. Com os OMSs, os órgãos de justiça criminal parceiros podem identificar indivíduos no sistema e cooperar adequadamente.    

Uma nova maneira de avançar através da integração de avaliações de risco/necessidades em seu OMS   

Há décadas, as organizações de segurança pública vêm remendando e adaptando tecnologia antiga que foi originalmente implementada décadas antes. Estes “sistemas herdados” estão frequentemente desatualizados, mas devem ser mantidos para suportar as funcionalidades vitais das organizações penitenciárias.

Embora estes sistemas possam tecnicamente atender aos requisitos mínimos para os quais foram projetados, eles podem estar desatualizados ou desconectados de processos interfuncionais, o que cria um empecilho para aqueles que utilizam estes sistemas em realizar seu trabalho de forma eficaz.

Nos últimos anos, as exigências têm continuado a crescer para que as organizações de segurança pública melhorem a segurança, ofereçam programas de tratamento melhores para os indivíduos, e comuniquem melhor as informações.  A maioria das integrações de OMS carece de um componente de avaliação de risco/necessidades, o que é um grande problema.    

Por exemplo, as ferramentas de avaliação do nível de risco/necessidade de serviço da MHS (a saber, LSI-R™, LS/CMI™, YLS/CMI™, YLS/CMI 2.0™) são os instrumentos de risco e necessidade mais bem validados do mundo. Eles são insuperáveis em sua profundidade e amplitude de apoio à pesquisa.

Com base em “No que funciona” e em “Prática baseada em evidências”, as ferramentas de Nível de Serviço são projetadas não apenas para medir o risco, mas também para identificar necessidades que podem facilitar o planejamento de casos em relação ao nível de supervisão, nível de serviço e o direcionamento das necessidades criminogênicas através do monitoramento, reavaliação, encerramento e acompanhamento de casos. Isto resulta em melhores resultados para os indivíduos, redução da reincidência e comunidades mais seguras.  

A pontuação de avaliação integrada pode ser usada em combinação com suas telas ou com as telas hospedadas da MHS. Esta pontuação integrada também pode impulsionar a saída de relatórios de perfil produzidos pela MHS. De forma alternativa, as organizações podem desejar aproveitar os dados pontuados para conduzir relatórios criados sob medida ou conduzir os dados pontuados para automatizar as saídas em sua plataforma ou em plataformas de terceiros.  

Sem a integração direta desses tipos de ferramentas dentro de uma OMS, os pontos críticos de dados ou estão faltando ou não estão sendo compartilhados. Quando este tipo de dados é inserido manualmente, várias vezes, em sistemas múltiplos, o espaço para erro humano é alto e a carga administrativa recai sobre os policiais penais já sobrecarregados.  

Melhores resultados e comunidades mais seguras dependem da integração de avaliações de risco/necessidades em seus OMS   

Compreender as necessidades e alinhar a gestão de casos relevantes e fundamentados em evidências para o indivíduo certo, no momento apropriado, leva a instituições e comunidades mais seguras. Além disso, o envolvimento do indivíduo tanto na fase de coleta de dados quanto na fase de planejamento do tratamento cria um envolvimento adicional que aumenta a conformidade e reduz a reincidência.

Da perspectiva do usuário, através da integração destas avaliações, os dados se tornam mais precisos e os fluxos de trabalho se tornam mais eficientes, pois as automatizações podem ser colocadas em prática para melhor ajudar o processo de tomada de decisão.  

A análise centrada no ser humano permite às organizações identificar e abordar preconceitos e desigualdades raciais, de gênero e socioeconômicos. A integração destas informações em um OMS permite que os dados sejam vistos a partir de uma lente sensível à raça em diferentes pontos de decisão, por exemplo. Isto permitirá aos usuários identificar onde as disparidades podem ter existido em seus dados históricos e lhes permitirá criar políticas e diretrizes internas para reduzir o viés identificado através da análise.  

A MHS facilitou a integração de nossas ferramentas em seu OMS e fornece análises eficientes e efetivas de risco/necessidades, planejamento de casos e medição de resultados. Nossas opções de administração de sistemas oferecem flexibilidade para integrar a avaliação de risco/necessidades com o gerenciamento de casos em um único sistema.  

James M. Lant é o Gerente de Integrações e Implementações da Multi-Health Systems Inc. (MHS) e tem trabalhado na área da justiça criminal por mais de 15 anos. Tem ajudado organizações de jovens e adultos a adotar medidas, políticas e procedimentos de avaliação de risco e gerenciamento de casos em todo o mundo através do formação de pessoal, construção de soluções e desenvolvimento de software. James tem sido um Master trainer para todos os níveis de ferramentas de serviço por 6 anos e apresentou as melhores práticas em avaliação de risco de infratores em conferências e universidades em todo o mundo. De 2017-2021, atuou como editor chefe do Boletim Executivo de Violência e Reincidência do Instituto Global de Pesquisa Forense (GIFR). O boletim inclui resumos de artigos de pesquisa revisados por pares sobre avaliação de risco/necessidade do infrator de 150 periódicos e é enviado a 900 assinantes a cada mês.   

 

 

Publicidade

Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
A resposta da Europa às ameaças extremistas: Excepcionalismo ou unidade global?