Como a tecnologia pode apoiar sistemas prisionais do século 21

Artigo

Francis Toye

De acordo com a tendência demográfica geral nos países desenvolvidos, a população carcerária está envelhecendo. Se combinarmos o envelhecimento com a saúde geralmente mais frágil da população carcerária e a crescente disponibilidade de novos medicamentos para ajudar a tratar doenças crônicas, vemos que há um aumento acentuado na necessidade de medicamentos na prisão. 

A medicação é administrada aos detentos de duas maneiras: medicamentos “em posse”, que estão disponíveis para os presos terem em suas celas após uma avaliação de risco; e “sem posse”, para medicamentos considerados objetos de troca/comercialização entre os detentos ou para presos vulneráveis que não atendam aos critérios para ter medicação em sua posse.   

O processo para obter estes medicamentos pode levar mais de uma hora, privando os presos de tempo precioso em que poderia estar fora de suas celas.

Testando uma solução inovadora: Armários de Distribuição de Medicamentos 

Na exposição britânica “Modernising Justice” (Modernização da Justiça), que ocorreu em julho de 2022, as empresas Unilink Software, Traka, Serco e Practice Plus Group trabalharam juntos para falar sobre uma aplicação de tecnologia premiada que está realmente ajudando as prisões: Armários de Distribuição de Medicamentos (MDL, segundo sua sigla em inglês), apresentada pela Serco.   

O conceito é simples: disponibilizar aos presos uma forma de retirar seus medicamentos com precisão, possibilidade de controle e sem formar filas ou ocupar o tempo dos profissionais da saúde.  

Já foi implementado em cerca de vinte estabelecimentos prisionais do Reino Unido, e a parceria está prestes a começar a exportar este novo brilhante conceito para a Europa, Austrália e América do Norte. 

Quão difícil foi implementar? Serco abordou os Armários de Distribuição de Medicamentos como um projeto de mudança desafiador, tomando medidas para analisar o sistema existente de distribuição de medicamentos, levantamento de presos e considerando os problemas para os prestadores de serviços de saúde. 

O desenvolvimento do projeto incluiu formação, planejamento para mudanças de processos, elaboração do número de armários, tamanho do compartimento e sua localização na prisão.

MDL: Um conceito premiado com resultados de satisfação impressionantes

Por meio de pesquisas antes e depois da instalação, os testes foram considerados muito satisfatórios: 92% dos entrevistados se mostraram otimistas com a experiência de utilizar os armários, e 80% dos entrevistados consideraram os armários eram fáceis de usar.   

Considerando que, antes dos armários, os detentos poderiam levar uma hora do tempo em que poderiam estar fora da cela até receber a medicação devido à fila, seus comentários são muito animadores: 

– “Gosto do fato de eu receber uma mensagem informando que minha medicação está pronta para ser retirada”. 

– “A melhor coisa que vi em uma prisão, e estive em muitas prisões.” 

– “Eu não tenho que fazer fila por anos e descobrir que não tenho nada para retirar.” 

– “Brilhante – torna minha vida menos estressante.” 

– “Já não tenho que escolher entre me exercitar ou usar a meu tempo de lazer para obter meus remédios; agora eu posso fazer as duas coisas. 

O impacto desse produto inovador foi tanto que ele ganhou dois prêmios da Patient Experience Network Awards (PENA, segundo sua sigla em inglês, traduzido como Rede de Experiência do Paciente) por “Utilizar conhecimento para melhoria” e por “Trabalho em parceria para melhorar a experiência”. O projeto MDL também ficou em segundo lugar na categoria “Uso Inovador de Tecnologia”.   

Os testes iniciais focaram na medicação mais simples “em posse”. Como o conceito se mostrou tão bem-sucedido, a parceria entre Traka e Unilink está agora trabalhando com um provedor de saúde dos EUA para implementar um teste, incluindo medicamentos “sem posse” pela primeira vez.

 

A Unilink gostaria de reconhecer a ajuda de Serco e Traka na produção deste artigo. Para obter mais detalhes, visite www.unilink.com ou entre em contato com a Unilink através do enquiries@unilink.com.

Francis Toye is Unilink's Founder and CEO

Francis Toye

Francis Toye é fundador e CEO da Unilink

Ajudando prisões e trabalhos de liberdade condicional: para os infratores, para os funcionários, para a sociedade.  

A Unilink é especializada em soluções inovadoras para setores de justiça criminal em todo o mundo.  A reputação da Unilink foi construída com mais de vinte anos de experiência em sistemas de gerenciamento de casos para liberdade condicional, sistemas de gerenciamento de custódia, aplicações biométricas, autoatendimento de infratores e comunicações.

Todas as soluções da Unilink são criadas com a contribuição direta de profissionais do setor e aprendizados dos mais de 200 estabelecimentos que utilizam um produto Unilink. Uma pesquisa independente da Universidade de York mostra que o software de autoatendimento da Unilink contribui significativamente para a reabilitação e gestão eficiente das prisões. O sistema é bem comprovado e testado; infratores realizaram mais de dois bilhões de transações. 

O extenso portfólio de soluções comprovadas da Unilink sustenta a transformação digital em serviços de prisão e liberdade condicional em todo o Reino Unido, Noruega, Áustria, Holanda, Austrália e Nova Zelândia.  A Unilink é uma empresa multipremiada vencedora do Queen’s Award for Enterprise in Innovation e “Best Citizen App” e vencedora geral do UK Digital Leader nos últimos anos.

Publicidade

Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
Brian-Lovins
Mudança e humanização: As palavras de ordem entre os oficiais de liberdade condicional nos EUA