Inteligência Artificial em Julgamento

Artigo

Francis Toye

Na Unilink estamos sempre analisando o mercado em busca de novas tecnologias que podem ajudar a melhorar o funcionamento das prisões e da liberdade condicional.

A Inteligência Artificial (IA) é definida como “a simulação de processos de inteligência humana por máquinas, especialmente sistemas de computador. Os processos incluem a aprendizagem, raciocínio e autocorreção” e está expandindo no sistema de Justiça internacionalmente com aplicações que vão desde segurança até gestão de infratores.  

A IA alcançou notoriedade em algumas áreas, por exemplo, pensemos no caso do chatbot “Tay” da Microsoft, que foi criado para conversar naturalmente com humanos, porém em 24 horas começou a fazer comentários ofensivos e insultantes.

. No setor de Justiça, um programa desenvolvido pelas universidades da UCL, Sheffield e Pensilvânia para analisar documentos judiciais deu o mesmo veredito que os humanos, 79% das vezes, isso serve para mostrar os limites das aplicações de IA.

Qual é a resposta certa? Repetir os resultados dos agentes humanos é o necessário? Repetir o viés humano baseado em observações humanas?  

Screnshoot of the vulnerability prediction tool beta version.
Captura de tela da ferramenta de previsão de vulnerabilidade versão beta.

É necessário cautela no que diz respeito à aplicação da IA em uma área tão controversa como a sentença. “Foi sugerido que algoritmos de machine learning (aprendizagem automática) podem ajudar a conter problemas relativos à disparidade de sentenças entre juízes. .

Argumenta-se que, na medida em que a injustiça da disparidade de sentenças é mantida para refletir uma visão punitivista , não é necessariamente o caso de que o aumento da uniformidade entre juízes na sentença seja desejável. 

De forma mais geral, mostra-se que a ideia de introduzir algoritmos de aprendizagem automática, que produzem previsões de sentenças com base em um conjunto de dados que é construído a partir de decisões de sentença anteriores, enfrenta sérios problemas se houver uma discrepância entre a prática real da sentença e as sentenças que são idealmente desejáveis.” (Ryberg, J. Sentencing Disparity and Artificial Intelligence. J Value Inquiry (2021)). 

Mas há áreas menos controversas do que o tribunal. E quanto à alocação nas celas, por exemplo? É importante alocar pessoas juntas que possam viver amigavelmente. Caso estas questões sejam ignoradas, podem surgir graves consequências. A IA pode, em princípio, levar em conta muito mais variáveis do que os agentes humanos que fazem a seleção.

No entanto, a IA pode ir muito além de um operador humano em casos difíceis de realocar várias celas para evitar problemas futuros. Isso, é claro, acontece hoje com avaliações de risco e outros fatores sendo levados em conta, mas qual é a nossa medida de sucesso? A IA pode ajudar? 

overall vulnerability levels evolution of a prisoner over several months, considering visits, work, phone, meals, gym and activities
O gráfico mostra a evolução geral dos níveis de vulnerabilidade de um prisioneiro durante vários meses, considerando visitas, trabalho, telefone, refeições, ginásio e atividades.

A Unilink busca combinar observações de comportamento com medidas de autoisolamento para as pessoas presas. Determinada a partir de seu engajamento com o regime prisional através de interações com amigos e familiares, o número de aplicações e assim por diante, a Unilink está desenvolvendo com a Serco um “Preditor de Vulnerabilidades”.  

Isso seria difícil em uma prisão com sistemas baseados em papel, mas relativamente simples onde há grandes quantidades de dados operacionais derivados dos presos através da digitalização de atividades operacionais, como fornecida pelo autoatendimento da Unilink.  

Machine learning pode ser aplicado aos dados para medir o impacto de vários parâmetros no autoisolamento do recluso e ver se isso se correlaciona com a probabilidade de automutilação..

Este é um exemplo de (sic) “A IA desempenhando um papel mais modesto usando técnicas de aprendizagem automática para nos ajudar a melhorar nossa compreensão sobre o que funciona, aprender com nossos erros e desempenhar apenas um papel consultivo nos processos de tomada de decisão” (Artificial Intelligence in Prisons in 2030; Pia Puolakka, Criminal Sanctions Agency, Finland & Steven Van De Steene, Enterprise Architect and Technology Consultant ACJ, 11-2021). Em última análise, há ganhos reais a serem obtidos pela aplicação inteligente dessas novas tecnologias, desde que a abordagem seja bem considerada.   

Francis Toye is Unilink's Founder and CEO

Francis Toye

Francis Toye é fundador e CEO da Unilink. 

A Unilink é especializada em soluções inovadoras para setores de justiça criminal em todo o mundo. A reputação da Unilink foi construída com base em mais de vinte anos de experiência em sistemas de gestão de casos para liberdade condicional, sistemas de gestão de custódia, aplicativos biométricos, autoatendimento de infratores e comunicações. Todas as soluções da Unilink são criadas com a contribuição direta de profissionais do setor e aprendizados dos mais de 200 estabelecimentos que usam um produto Unilink. 

Uma pesquisa independente da Universidade de York mostra que o software de autoatendimento da Unilink contribui significativamente para a reabilitação e a gestão eficiente das prisões. 

O sistema é bem comprovado e testado; infratores realizaram mais de dois bilhões de transações. O rico portfólio de soluções comprovadas da Unilink sustenta a transformação digital em serviços de prisão e liberdade condicional no Reino Unido, Noruega, Áustria, Holanda, Austrália e Nova Zelândia. 

A Unilink é uma empresa multipremiada, vencedora do Queen’s Award for Enterprise in Innovation e “Best Citizen App” e vencedora geral do UK Digital Leader nos últimos anos. 

Advertisement

Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
Web_Interviews_LeandroLima_900x950(1)
O sistema penitenciário catarinense avança em várias frentes apesar dos desafios