Uso da realidade virtual para ressocialização de detentos

Há uma tendência de associar a realidade virtual à indústria de jogos, pois, nos últimos dois anos, temos visto predominantemente um fluxo de criação de jogos aproveitando essa tecnologia de ponta. Temos visto pessoas usando fones de ouvido, bem como outras segurando um par de controladores de movimento, que são utilizados para se mover (teletransportar-se), tocar, pegar e jogar coisas ao redor. Tudo isso acontece dentro de um espaço fisicamente confinado no “mundo virtual”.

Então, vamos dar um passo atrás e explicar o significado da realidade virtual para aqueles que não se depararam com essa tecnologia. A realidade virtual descreve um ambiente gerado por computador 3D, que pode ser explorado e ter interação. A pessoa que vivencia isso se torna parte de um mundo virtual ou está imersa dentro desse ambiente e, enquanto estiver lá, pode manipular objetos e realizar uma série de ações.

Parece ótimo? Passar pela experiência é ainda mais alucinante. Então, eu encorajo todo mundo a experimentá-lo e a sentir a natureza transformadora de tal experiência.
Mas a realidade virtual não é apenas sobre jogos. De fato, em 1994, o consórcio integrado de assistência administrada, Kaiser Permanente, realizou alguns testes de reabilitação, utilizando tecnologia de realidade virtual em indivíduos que sofriam de acrofobia (medo de altura).

Os resultados foram chocantes: mais de 90% dos pacientes não apresentaram mais sintomas acrofóbicos após o tratamento («Terapia virtual | Psicologia Hoje”,, n.d.). A realidade virtual também foi utilizada para tratar os militares que sofrem de sintomas de transtorno de estresse pós-traumático (TEPT): o resultado foi mais uma vez positivo, já que mais de 70% dos submetidos ao tratamento não apresentaram mais sintomas de TEPT («Curando as Feridas do Iraque com Terapia Virtual | DiscoverMagazine.com», n.d.).

A realidade virtual também tem sido usada com sucesso no tratamento de doenças mentais e, recentemente, permitiu que pacientes paraplégicos melhorassem sua capacidade de andar novamente («Realidade virtual ajudou a melhorar a função nervosa em pessoas paralisadas – Biblioteca Nacional de Medicina – PubMed Health», n.d.).

Quando se trata de ambientes prisionais e de liberdade condicional, a tecnologia de realidade virtual pode alavancar avanços significativos na redução das taxas de reincidência e reencarceramento, pois os detentos e supervisores são capazes de experimentar e serem imersos em ambientes positivos, funcionais e produtivos que de outra forma seriam inacessíveis.

Toda pessoa merece uma segunda chance e os detentos não são exceção a esta regra. Na verdade, eles são os que mais necessitam de ajuda, apoio e desenvolvimento para se tornarem cidadãos melhores após sua libertação. Isso só pode ser alcançado através de programas de educação e ressocialização, que os prepararão para levar suas vidas futuras de forma positiva, se reintegrarem à sociedade e evitarem as possibilidades de reincidir.

A ressocialização em ambientes penitenciários é cara para os governos, contribuintes e sociedade. Portanto, precisamos pensar em formas novas e inovadoras de educação e ressocialização que sejam mais poderosas, econômicas e eficazes.

A mais recente inovação em realidade virtual é a Virtual Rehab: projetada para mudar a forma como as instalações prisionais ensinam seus detentos os comportamentos a serem utilizados no mundo exterior. Em muitos aspectos, este é o próximo passo em ferramentas de realidade virtual que alteram a maneira como as pessoas percebem e interagem com o mundo.

As ferramentas exclusivas baseadas em realidade virtual desenvolvidas pela Virtual Rehab incluem educação formal, formação profissional, reabilitação psicológica e serviços penitenciários de ressocialização. Esses serviços são estendidos tanto para detentos quanto para os indivíduos sob liberdade condicional. Os principais ganhos das soluções de ressocialização virtual consistem em cenários da vida real e história profissional que, juntamente com interatividade imersiva, abordam as especificidades e heterogeneidade dos infratores.

Governos, formuladores de políticas, influenciadores, detentos, viciados em substâncias, juntamente com outros, percebem que essa abordagem inovadora – juntamente com o trabalho existente que já está sendo realizado – pode ser a solução para alguns dos desafios contemporâneos notáveis dos sistemas penitenciários.

Referências:
Curando as Feridas do Iraque com | DiscoverMagazine.com de Terapia Virtual. (n.d.). Disponível aqui
A realidade virtual ajudou a melhorar a função nervosa em pessoas paralisadas – Biblioteca Nacional de Medicina – PubMed Health. (n.d.). Disponível aqui
Terapia virtual | Psicologia Hoje. (n.d.). Disponível aqui

//

Dr. Raji Wahidy é fundador e CEO da Virtual Rehab. Formado em Engenharia Elétrica, mestre em Engenharia de Sistemas de Qualidade e Administração de Empresas e doutor em Administração, tem mais de quinze anos de experiência no setor de telecomunicações.


Advertisement

Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
Juntos para criar uma estratégia coordenada para a modernização dos sistemas penitenciários