Chamadas de vídeo nas prisões: necessidades e desafios atuais pós-pandemia

Artigo

Dave Lageweg

A importância de manter os laços sociais dos presos já é comprovada. É comum dizer que a ressocialização e a reintegração social dos detentos tendem a ser proporcionalmente bem-sucedidas quanto mais oportunidades eles têm de reforçar a sua ligação com os seus entes queridos e com a sociedade exterior. (Hirschi, 1969).

Também é comprovado que os infratores presos que mantêm e fortalecem seus laços sociais têm menos chances de reincidir no crime (Hepburn & Griffin, 2004; O’Connell, 2003; Piquero, 2003; Tripodi, 2010; Uggen, 2000), e isso se deve principalmente ao fato de que estes laços são um fator essencial na mudança comportamental (Bersani, Laub, & Nieuwbeerta, 2009; Laub & Sampson, 2003; Sampson e Laub, 1993)

Ao mesmo tempo, sabemos, e é lógico, que a paz social nos ambientes prisionais – tanto entre a população carcerária quanto entre os detentos e os agentes penitenciários – também depende em grande parte do grau de satisfação com a quantidade e qualidade dos contatos sociais com seus entes queridos que os presos são permitidos. 

Agora, nos tempos historicamente desafiadores trazidos pela pandemia da COVID-19, não podemos deixar de considerar as implicações substanciais e altamente prejudiciais que a suspensão das visitas presenciais teve sobre populações encarceradas em todo o mundo.

video call
Terminal de 17 polegadas - Chamada de vídeo montada na parede (LAN)

Estamos falando de milhões de indivíduos cujo confinamento foi levado ao extremo dada a necessidade de proteger a saúde pública. Isso teve severas repercussões dentro e fora das prisões, tanto para os presos quanto para suas famílias ou círculos sociais, pois sabe-se que a separação da família e amigos é uma das características mais desafiadoras da vida no cárcere (Bales & Mears, 2008; Ross & Richards, 2009; Mignon & Ransford, 2012). 

Além disso, sem dúvida houve repercussões na hierarquia de controle da administração penitenciária, que é representada pelos agentes penitenciários.

Não podemos ignorar os muitos motins nas prisões que aconteceram globalmente quando o novo coronavírus se espalhou em março-abril de 2020. E é provável que tal instabilidade tenha sido causada principalmente pelo “hiperisolamento” – como o Dr. Zeveleva (2020) o nomeia – resultado não só das proibições de visitação impostas nas prisões.

Os efeitos nocivos mencionados acima certamente não aconteceram nas prisões que foram capazes e tiveram o discernimento para superar as inevitáveis restrições impostas pela crise pandêmica com um sistema de visitação por vídeo

Chamadas de vídeo são mais do que apenas uma alternativa em tempos de pandemia. São claramente uma forma confiável, prática e segura de comunicação, dotadas com as sutilezas tecnológicas que as necessidades atuais aguçaram.

family

Evidentemente, não estamos falando de soluções temporárias e improvisadas baseadas em aplicativos de mensagens/chamadas diárias, uma vez que estas não são uma solução sustentável a longo prazo, capaz de responder às necessidades e desafios operacionais e de segurança das instituições penitenciárias, nem às necessidades de privacidade dos reclusos. Muito menos respondem aos fundamentos de supervisão e escrutínio que os elevados padrões de aplicação da lei devem cumprir em qualquer Estado democrático sob o Estado de Direito. 

Uma solução robusta de vídeo chamadas nas instalações proporciona somente benefícios em todos os segmentos: os presos mantêm a saúde emocional e os laços sociais; para parentes, é prático e fácil de integrar ao cotidiano; os agentes penitenciários trabalham em um ambiente mais pacífico e a sociedade, em última análise, colherá boas recompensas, desde o início, reduzindo a reincidência e todos os custos associados ao crime e à reincidência.

 Referências

Bales, W. D., & Mears, D. P. (2008). Inmate Social Ties and the Transition to Society. Journal of Research in Crime and Delinquency, 45.

Bersani, B., Laub, J., & Nieuwbeerta, P. (2009). Marriage and desistance from crime in the Netherlands: Do gender and socio-historical context matter? Journal of Quantitative Criminology, 25.

Hepburn, J., & Griffin, M. (2004). The effect of social bonds on successful adjustment to probation: An event history analysis. Criminal Justice Review, 29.

Hirschi, T. (1969). Causes of delinquency. Berkeley, CA: University of California Press.

Laub, J., & Sampson, R. (2003). Shared beginnings, divergent lives: Delinquent boys to age 7. Cambridge, MA: Harvard University Press.

Mignon, S. I., & Ransford, P. (2012). Mothers in Prison: Maintaining Connections with Children. Social Work in Public Health, 27(1–2).

O’Connell, D. J. (2003). Investigating latent trait and life course theories as predictors of recidivism among an offender sample. Journal of Criminal Justice, 31.

Piquero, N. (2003). A recidivism analysis of Maryland’s community probation program. Journal of Criminal Justice, 31.

Ross, J. I., & Richards, S. C. (2009). Beyond Bars: Rejoining Society After Prison. New York: Alpha Books.

Sampson, R., & Laub, J. (1993). Crime in the making: Pathways and turning points through life. Cambridge, MA: Harvard University Press.

Tripodi, S. (2010). The influence of social bonds on recidivism: A study of Texas male prisoners. Victims & Offenders, 5.

Uggen, C. (2000). Work as a turning point in the life course of criminals: A duration model of age, employment, and recidivism. American Sociological Review, 65.

Zeveleva, O. (2020, March 15). Prison Riots and the COVID-19 Pandemic: A Global Uprising? GULAGECHOES Project Blog.

Dave Lageweg

Como Diretor de Negócios, Dave Lageweg apoia a TELIO em sua missão não apenas como uma empresa de comunicação, mas também como uma parceira essencial de digitalização no setor penitenciário global, com soluções desde chamadas de vídeo/visitas a serviços digitais com terminais e tablets de autoatendimento, à detecção e interferência de telefones celulares, às comunicações por voz. A carreira de Dave começou há mais de duas décadas com o Ministério da Justiça e Segurança da Holanda, e ele sempre esteve ativamente envolvido no apoio aos governos através da tecnologia. É formado em Tecnologia da Informação e Comunicação pela Universidade de Ciências Aplicadas de Amsterdã.

Publicidade

Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
Web_Interviews_LeandroLima_900x950(1)
O sistema penitenciário catarinense avança em várias frentes apesar dos desafios