Colaborando para a mudança: Papel da Associação de Tecnologia Penitenciária na Transformação Digital

Entrevista

Zacc Allen

Presidente da Associação de Tecnologia Penitenciária, EUA  

A Associação de Tecnologia Penitenciária (CTA) é uma rede sem fins lucrativos de profissionais dedicados a alavancar a tecnologia na área penitenciária. Os membros da CTA incluem Diretores de Informação, Diretores de TI e pessoal operacional e administrativo dos Departamentos Penitenciários Estaduais e Provinciais, assim como de organizações penitenciárias federais, municipais e locais. 

A missão da CTA é oferecer uma plataforma para colaboração e compartilhamento de informações relacionadas às tecnologias emergentes no setor. Entrevistamos o Presidente da CTA, Zacc Allen, para falar sobre os desafios e oportunidades para melhorar as operações penitenciárias, além do papel da organização no desenvolvimento de padrões e na promoção da colaboração entre seus membros. 

Porque a Associação de Tecnologia Penitenciária (CTA) surgiu e qual é a sua missão?  

ZA: A missão da Associação de Tecnologia Penitenciária é proporcionar um fórum para o intercâmbio de ideias, experiências e conhecimentos. Como profissionais de tecnologia penitenciária que trabalham em organizações locais, tribais, estatais e federais, bem como no setor privado, todos podemos nos beneficiar da troca destas experiências coletivas.    

Estamos entusiasmados por receber a nossa 23ª conferência anual em Fort Myers, Florida, no mês de junho! A CTA foi fundada em 1999 e a nossa primeira conferência aconteceu em Seattle, Washington, em 2000.

Como isso foi muito antes de me tornar um profissional penitenciário, olhei para os nossos arquivos e me deparei com o programa desse primeiro encontro: notificações de vítimas, sistemas de gestão de infratores e tecnologia médica foram tópicos na vanguarda da discussão naquela época e continuam sendo tópicos relevantes hoje em dia.   

Quais os principais desafios o Sr. identifica em termos de implementação de soluções tecnológicas e transformação digital no sistema penitenciário? Como a CTA apoia as organizações para enfrentar esses desafios?

ZA: Historicamente, o setor penitenciário é carente de recursos e pode ter dificuldades para contratar profissionais técnicos. Sejamos realistas, a área penitenciária não é tão atrativa como o Google, Meta ou Amazon, mas eu argumentaria que, uma vez que se começa a trabalhar neste setor, a diversidade do portfólio tecnológico atrai e mantém o interesse. 

No entanto, sinto que estamos sempre jogando para estar “em dia” e a necessidade de tecnologia ultrapassa muitas vezes a nossa capacidade de oferecê-la.   
 
A CTA, através dos seus esforços de troca de informação e colaboração, cria uma rede para se envolver com os seus pares. Se alguém estiver enfrentando um problema ou estudando novas tecnologias, garanto-lhe que um dos seus pares está enfrentando uma situação semelhante ou já abordou o tema.  

As conexões que fiz durante os meus 11 anos como membro da CTA foram inestimáveis para mim profissionalmente e, sinceramente, para a Commonwealth da Virgínia. Visitei outros estados que procuram implementações tecnológicas em que a Virgínia está interessada.

Falei com provedores que conheci na CTA para preencher algumas das nossas necessidades comerciais. Fui convidado para grupos de utilizadores para apoiar os avanços tecnológicos em na área de penas alternativas na comunidade. Fui convidado a Delaware para ver algumas das suas novas configurações de câmeras de segurança e também tenho estado em múltiplas conversas com Wisconsin e Califórnia sobre a sua implementação de sistemas de registos médicos eletrônicos. Poderia continuar e continuar. É esta camaradagem que nos ajuda, a todos, a sermos bem sucedidos.   

Estamos agora trabalhando em uma plataforma que dará aos membros da CTA a oportunidade de começar a compartilhar documentos. Não sei dizer quantas vezes me foi pedido por outros estados para compartilhar os requisitos comerciais para sistemas que temos desenvolvido aqui na Virgínia.

Como exemplo, a Virgínia está atualmente trabalhando no agendamento de pessoal nas instituições. Estes requisitos comerciais podem ser muito morosos para serem concluídos. Temos critérios muito rigorosos sobre a forma como se pode ocupar um lugar dentro de uma instituição.

O processo e procedimentos podem diferir de estado para estado, mas é extremamente útil poder ver como outros estados funcionam e como se pode aplicar às suas próprias necessidades.  

Em um setor tão dinâmico como o da inovação tecnológica, qual é a abordagem da CTA ao desenvolver e promover normas para a implantação de soluções tecnológicas no âmbito penitenciário?  

ZA: A CTA desenvolveu normas para um sistema de gestão de infratores que foram publicadas há bastante tempo. O estado do Maine utilizou essas normas para passar por um processo de RFP para o seu sistema de gestão de infratores. Muitas outras organizações penitenciárias também aproveitaram destas normas.   

O tempo é um dos maiores desafios para a CTA. Para além de a nossa direção ser composta exclusivamente por voluntários, somos também tipicamente o chefe das divisões de tecnologia no nosso estado/localidade ou decisores de TI. Posso atestar que todos nós temos trabalhos muito ocupados com muito pouco tempo livre.

 Estamos todos cientes da importância de reservar um tempo com o propósito de que a rede de profissionais penitenciários da CTA continue a crescer e a fortalecer-se, para que possamos aprender uns com o sucesso dos outros. Cada um de nós provém de ambientes diferentes que podem resultar em requisitos e padrões diferentes. 

O nosso trabalho é assegurar que os decisores tenham as conexões que lhes permitam tomar as melhores decisões para as suas organizações.  

A 22ª Cúpula Anual do CTA em 2022 reuniu mais de 250 participantes de mais de 50 jurisdições para uma discussão internacional sobre os avanços tecnológicos nos sistema penitenciários

Quais inovações tecnológicas no âmbito penitenciário te deixa especialmente entusiasmado e que oportunidades elas poderão trazer?  

ZA: O movimento de presos dentro de uma prisão é um processo muito estruturado que historicamente, na Virgínia, tem sido rastreado utilizando relatórios que são impressos várias vezes por dia. Eles nos dizem onde supostamente um recluso pode estar a qualquer momento dentro de uma prisão. Há algumas empresas que descobriram formas de automatizar o movimento de reclusos dentro de uma unidade prisional.

Esta tecnologia automatizaria a localização de reclusos através de pontos de saída e entrada em toda uma instituição, utilizando o reconhecimento facial e com etiquetas RFID através da digitalização de cartões de identificação ou de uma pulseira. Acho isso muito interessante e estamos iniciando um piloto em um dos nossos complexos aqui na Virgínia.    

Outra tecnologia particularmente promissora para o setor é a Realidade Virtual (RV). Penso que a RV poderia ser mais utilizada, especialmente no caso de infratores instáveis. Ao introduzir a RV como uma ferramenta para oferecer certos tipos de programas [de tratamento], poderíamos reduzir o risco e, ao mesmo tempo, manter um ambiente seguro para todos.   

Outra área de preocupação para as instalações penitenciárias é a utilização de drones para lançar cargas úteis, as quais podem conter drogas e armas, dentro dos limites da instituição. Os drone estão cada vez mais sofisticados, de modo que é possível controlá-los a vários quilómetros de distância, ao mesmo tempo que são praticamente indetectáveis. A tecnologia de detecção de drones é algo que vamos analisar. Alguns estados já estão testando esta tecnologia.   

Os avanços da tecnologia agrícola (AgTech) são também muito relevantes e extremamente úteis. Há ainda vários estados que possuem áreas agrícolas para fornecimento de alimentos aos seus reclusos e não só isso. A AgTech tornou-se muito mais sofisticada. Aqui, na Virgínia, temos distribuidores de feno autônomos que podem mapear as dimensões de um determinado campo e se conduzirem sozinhos!   

Para a maioria das pessoas, quando se pensa em instalações penitenciárias, não se pensa nestes tipos de tecnologia. Eu gosto de pensar em instituições penitenciárias como cidades em miniatura.

Como CIO do Departamento Penitenciário da Virgínia, sou responsável pelas necessidades tecnológicas de quarenta e oito mini cidades. Isto inclui tecnologia para manter os funcionários e a população prisional em segurança, tecnologia para os reclusos, serviços de saúde e sistemas administrativos.     

Em relação à utilização de inteligência artificial (IA), a CTA está preocupada com algum tipo de orientação ou recomendação que possa orientar e apoiar os responsáveis pela tomada de decisão em âmbito penitenciário?  

ZA: A IA pode ser implementada de tantas maneiras, por isso é muito difícil criar normas ou diretrizes. Por exemplo, a IA pode ser usada em uma variedade de conjuntos de dados diferentes; pode analisar dados de visitantes de membros de facções, o que permitiria determinar padrões e relações que podem ajudar na detecção de atividade criminosa.     

Outro caso em que a IA poderia ajudar dentro das instalações penitenciárias seria a capacidade de digitalizar transcrições de chamadas telefônicas e mensagens em plataformas de comunicação que os reclusos utilizam. Estas mensagens poderiam dar uma visão e mostrar padrões e palavras-chave que se utilizam na comunicação. A informação obtida poderia evitar a entrada de drogas e outras parafernálias nas instituições.  

Os casos de utilização de IA podem abranger múltiplas áreas temáticas e vários conjuntos de dados. Queremos ter a certeza de que a IA não está sendo utilizada sem uma adequada supervisão humana.  Temos de ser muito atenciosos na forma como implementamos a nossa tecnologia. As considerações legais e éticas devem estar sempre em primeiro plano.   

Zacc Allen

Presidente da Associação de Tecnologia Penitenciária, EUA

Zacc Allen é Presidente da Associação de Tecnologia Penitenciária (CTA) e Diretor de Informação do Departamento Penitenciário da Virgínia (VADOC). Tem sido um membro ativo da CTA nos últimos 11 anos, tendo anteriormente feito parte do Conselho de Administração e como presidente eleito.   Zacc tem uma carreira de vinte e sete anos em tecnologia. No VADOC, tem estado envolvido em muitas iniciativas de sucesso, incluindo o desmantelamento de muitos sistemas herdados de empresas e a modernização de plataformas e infraestruturas tecnológicas.  É licenciado em Sistemas de Informação pela Virginia Commonwealth University e possui um certificado na Biblioteca de Infraestruturas de Tecnologias de Informação (ITIL). Zacc recebeu o Prémio de Cura Ambiental do Diretor em 2015.  

Publicidade

Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
Crime organizado na América Latina: a “mão dura” não resolve o problema