World Possible

Como a tecnologia offline pode ser utilizada para educação prisional

Contexto


Quase todos nos Estados Unidos usam diariamente um computador, smartphone ou outra forma de tecnologia para trabalhar, acessar informações e se comunicar com outras pessoas. Saber usar um computador, pesquisar online, enviar e-mails e criar planilhas são apenas algumas das habilidades digitais do século 21 que muitos de nós consideramos como requisitos para ter sucesso no mercado de trabalho hoje em dia.

No entanto, de acordo com uma pesquisa de 2017 com 2.000 presos das penitenciárias federais nos EUA, apenas 3% disseram ter acesso a um computador (Ring 2017). Este é um número particularmente convincente quando se considera que muitos foram presos pela primeira vez antes que os computadores fossem comuns, o que significa que eles não têm habilidades em usá-los.

Se as pessoas encarceradas devem reintegrar-se na sociedade com sucesso, suas habilidades devem incluir competências digitais e alfabetização computacional. No entanto, os administradores prisionais frequentemente barram o uso da tecnologia pelos presos devido a preocupações como segurança, altos custos para hardware e software e o treinamento necessário para a implementação. Muitas vezes, eles não permitem que os presos usem a internet, citando preocupações de que eles podem assediar pessoas ou cometer novos crimes.

 

Solução


O capítulo de justiça da organização sem fins lucrativos World Possible, dos EUA, tem como objetivo alcançar a alfabetização digital e reduzir a reincidência, oferecendo aos alunos encarcerados acesso a laptops e servidores offline. Em 2016 e 2017, a World Possible lançou um programa piloto para alcançar detentos juvenis em 14 estados, com adoção em todo o estado em Oregon, Kansas, Wisconsin, Kentucky, Geórgia e Califórnia.

O programa se concentrou no uso da tecnologia offline RACHEL (Remote Area Community Hotspot for Education and Learning) e dos computadores portáteis Endless Operating System (OS) para implementar a tecnologia offline.

Os laptops OS Endeless foram carregados com conteúdos como livros do projeto Gutenberg, livros didáticos do ensino fundamental e médio e outros recursos da enciclopédia digital. O software suportava documentos, apresentações e planilhas do Microsoft Office. Uma extensa variedade de conteúdo também foi pré-carregado nos laptops RACHEL e Endless OS, incluindo Wikipedia para escplas, livros do Boundless, textos e cursos da Saylor Academy e livros de matemática, para citar alguns. Todo o conteúdo tornou desnecessário que os alunos acessassem a internet.

 

Resultados


Uma das razões pelas quais os programas pilotos funcionaram foi o fato de terem incorporado um pequeno número de dez laptops por instalação. O planejamento para a implantação era gerenciável, e o local servia como uma vitrine para instalações similares que queriam ver como o programa funcionava. Os administradores prisionais foram consultados sobre sua escolha de local de implantação, de população-alvo e as políticas e procedimentos que regem o programa. Professores e funcionários dentro das instalações receberam treinamento para que pudessem usar a tecnologia de forma correta e eficiente.

Os locais de implantação incluíam salas de aula do ensino médio, unidades de educação especial, unidades comportamentais, unidades de convivência regulares e uso individual por estudantes universitários. Dar à instalação a escolha de como implantar as máquinas foi importante para mostrar a variedade e o potencial de sua aplicação. O sucesso dos pilotos foi demonstrado quando as organizações estatais expandiram sua implantação em instalações de pares e em programas comunitários, com a maioria pedindo um adicional de 140 a 300 máquinas.

Os administradores da prisão disseram que sua participação dependia do fato de que eles não eram obrigados a coletar dados durante o piloto, o que aliviou um ponto de estresse adicional. As instalações experimentaram resultados positivos com melhor comportamento dos alunos e resultados acadêmicos. Os dados iniciais indicaram uma queda na taxa de incidentes quando os laptops foram implantados, assim como quando houve um aumento na compreensão da leitura. Os computadores instalados em 2016 estão em uso até hoje, e recentemente doamos laptops OS Endless para jovens que saem da penitenciária, com objetivo de continuarem sua educação.

Pesquisas relatadas pela RAND Corporation mostram que pessoas encarceradas que participam de programas de educação penitenciária são menos propensas a reincidir e têm mais chances de conseguir um emprego após a liberação (Davis et al, 2013). A força de trabalho do século XXI depende cada vez mais da alfabetização digital, saber usar computadores e internet é uma parte fundamental dessa educação. Programas como o experimental da World Possible e Endless mostram que o acesso tecnológico não só é possível para aqueles que estão encarcerados, mas é crucial para seu sucesso.

//

Frank Martin é o Diretor de Educação da Justiça na World Possible. Anteriormente, foi coordenador de educação da Autoridade da Juventude de Oregon, onde ocupou vários cargos. Martin defende o uso de tecnologias por meio da Associação de Educação Penitenciária e da Aliança do Ensino Superior nas Prisões. É graduado na Universidade de Sr. Louis, com mestrado pelo Departamento de Comunicação . 

 

 

Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
O que falta na formação dos agentes penitenciários para atender às necessidades e desafios atuais e futuros de seu trabalho?