Social distance

Distanciamento social na prisão

Artigo

ODSecurity

O ano de 2020 foi desafiador para os serviços penitenciários mundiais que gerenciaram os efeitos devastadores da COVID-19. Embora o mundo esteja gradualmente se recuperando com a ajuda das tão esperadas vacinas,  parece que 2021 continuará sendo difícil em nossas prisões com o surgimento de múltiplas novas variantes do vírus.  

Em março de 2021, Philipp Meissner, do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC), estimou que dos onze milhões de presos em todo o mundo, mais de 527.000 haviam sido infectados pelo vírus, em 122 países, com mais de 3.800 mortes em 47 países. É claro que esse número pode ser muito maior devido à disponibilidade de testes, juntamente com a situação em rápida mudança.

Em seu relatório, ele diz que a superlotação e o perfil de saúde particularmente mais fraco das populações prisionais mundiais aumentaram a disseminação dentro dos presídios. De acordo com a organização sem fins lucrativos Marshall Project,  só nos EUA, 372.583 presos tiveram coronavírus, dos quais 2359 resultaram em óbitos.  

De fato,  as prisões foram consideradas um ambiente propício para a reprodução do  vírus. Em novembro de 2020, o New York Times citou Toni Preckwinkle, presidente do Conselho de Comissários do Condado de Cook, nos EUA, dizendo: “Nossas prisões são placas de Petri”.  

Em um intervalo de uma semana, de 23 a 30 de março de 2020, na prisão do condado de Cook, em Chicago, o número de diagnósticos positivos da COVID-19 passou de apenas 2 para 134 presos e 20 funcionários também testaram positivo para o vírus.

Nos estágios iniciais do vírus, as autoridades prisionais se apresaram para libertar presos com o objetivo de reduzir as populações prisionais, que, por sua vez, esperava-se que reduzisse a propagação do vírus. O UNODC estima que mais de 700.000 presos foram autorizados a ser libertados globalmente durante a pandemia.

Na prisão de Cook, em Chicago, as autoridades reduziram sua população de detentos de 6.000 para 4.000, libertando presos acusados de crimes não violentos.

Departamento de Estatísticas da Justiça dos EUA (Bureau of Justice Statisticsinformou que, devido a COVID-19, as prisões locais nos EUA registraram uma queda de 25% nos presos detidos. 

De março a junho de 2020, cerca de 208.500 presos tiveram sua liberação acelerada em resposta ao coronavírusAlém disso, devido à pandemia, as prisões ficaram menos lotadas, já que o espaço ocupado diminuiu de 81% no meio do ano de 2019 para 60% no mesmo período em 2020.

Mas, claramente, nem todos os estabelecimentos prisionais podem libertar todos os seus presos não violentos. É necessário um esforço conjunto para manter a população prisional e os funcionários seguros e a chegada das novas vacinas está contribuindo para isso.  

Departamento de Estatísticas da Justiça dos EUA e o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, por sua sigla em inglês) dos EUA estão trabalhando juntos e, até o momento, administraram 78.225 doses da vacina para detentos dos EUA. Mas, enquanto esperamos que todos os encarcerados e funcionários recebam a vacina, mais esforços com o distanciamento social são necessários para proteger não apenas nossa população prisional, mas a comunidade em geral.

Nos Estados Unidos, o think tank sem fins lucrativos e não partidário Prison Policy Initiative relata que “as prisões  nos EUA muitas vezes estão superlotadas e os presos são mais propensos a ter condições crônicas de saúde, o que os tornam especialmente vulneráveis a infecções virais“.  Eles perguntam: “As pessoas encarceradas podem manter uma distância de 1,80 m umas das outras, de agentes penitenciários e outros funcionários?”

O CDC cita o distanciamento social como “a prática de aumentar o espaço entre os indivíduos e diminuir sua frequência de contato para reduzir o risco de disseminação de uma doença (idealmente para manter pelo menos 1,80 m entre todos os indivíduos, mesmo aqueles que são assintomáticos)”.  No entanto, eles também reconhecem que “o distanciamento social pode ser desafiador na prática em ambientes penitenciários e de detenção”.

A Associação Americana de Estabelecimentos Penitenciários (ACA) afirma que celas em instalações penitenciárias devem ter pelo menos 7,6 metros de espaço, “livre” de qualquer mobília, por pessoa. Um espaço dessa dimensão tornaria quase impossível para qualquer um manter a distância de 1,80 m.

Com a necessidade de os encarcerados serem transferidos de um estabelecimento sem instalações médicas para um com, ou simplesmente sendo transferidos de um bloco para outro, o risco da entrada de itens contrabandeados é alto. 

No entanto, a realização de revistas nas celas ou corporais colocariam automaticamente o preso e o agente em risco de contrair ou transmitir o vírus, razão pela qual devemos considerar opções alternativas, mais seguras e que respeitem o distanciamento social para revistas de novos presos.

O Soter RS é um scanner de corpo inteiro que permite uma revista completa de presos recém-chegados a uma distância física que garante a segurança tanto do detento quanto dos funcionários. Ao pisar na plataforma de varredura do Soter, o preso não poderá esconder qualquer artigo no seu corpo ou dentro dele. 

A imagem médica padrão, de alta resolução, detalhada e de altura total será exibida claramente no console dos operadores, assim como tudo o que não deveria estar lá. Seja metal, orgânico ou plástico, mostrará uma clara diferença entre o tecido humano e o item de contrabando. 

Com a suspensão das visitas presenciais e a implantação de dispositivos de varredura corporal superiores, os presos agora têm que encontrar formas mais engenhosas de alcançar esse requisito.  

O CDC recomendou o afrouxamento das restrições com o uso do desinfetante para as mãos à base de álcool, um produto que tomamos como garantido para ajudar a nos proteger da COVID-19. 

No entanto, itens como desinfetante para as mãos e sabão em um ambiente prisional são uma mercadoria valiosa. Um gel que contém um mínimo de 60% de álcool é em si um item de contrabando confiscado e estaria em alta demanda para outros fins além do de limpar as mãos. 

Mesmo o sabão para as mãos, que novamente o CDC recomenda, fornecido “sem custo”, poderia ser usado em um ambiente prisional como moeda de troca para outros serviços ou produtos.

Desde que a empresa foi fundada em 1960, a ODSecurity fabrica scanners corporais de raio-x. Em 2003, desenvolveram o primeiro scanner corporal para fins de segurança. A visão da ODSecurity é oferecer flexibilidade máxima, colocando os clientes no controle. Com uma abordagem inovadora e moderna, foi criado o scanner corporal Soter RS, o qual foi implantado com sucesso em muitos centros de detenção, aeroportos, instalações policiais e alfandegárias em todo o mundo. 

Publicidade

Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
JLM photo
Em matéria de prisão provisória “não basta mudar a lei.”