A Corte Interamericana de Direitos Humanos: Promovendo Justiça na região

Entrevista

Ricardo Pérez Manrique

Juiz, Presidente da Corte Interamericana de Direitos Humanos  

A Corte Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) é uma instituição judicial autônoma criada para proteger e promover os direitos humanos. É uma das três cortes regionais para a proteção dos direitos humanos, juntamente com a Corte Europeia de Direitos Humanos e a Corte Africana de Direitos Humanos e dos Povos.  

A CIDH é composta por sete juízes9, nacionais dos Estados-membros da Organização dos Estados Americanos (OEA), eleitos pelos Estados-membros na Assembleia Geral da OEA.  O objetivo da CIDH é interpretar e aplicar a Convenção Americana, adotada em 1969 por todos os países da região10.  

Além de promover os direitos humanos através de suas funções contenciosas e consultivas e do poder de emitir medidas provisórias, a Corte desempenha um papel importante no fortalecimento institucional e na formação profissional. A sede da Corte Interamericana está localizada em San José, Costa Rica.  

Quais são os principais desafios enfrentados pela Corte Interamericana de Direitos Humanos em seu trabalho para proteger os direitos humanos na região?  

RPM: A Corte Interamericana de Direitos Humanos completa 45 anos de idade em 2023. Nessas décadas de existência, e de um ponto de vista histórico, ocorreram vários eventos muito importantes que têm a ver com a realidade política, institucional e social da região.   

Devemos ter em mente que a Corte começou a trabalhar em meio à Guerra Fria, que suas primeiras decisões estavam relacionadas com os problemas de confrontos internos e guerras civis na América Central. E então, considerando os casos na região, este fenômeno se espalhou pelo Peru e Colômbia. E hoje estamos testemunhando uma situação turbulenta no continente, com riscos para a democracia, entre outros.   

Ao longo de sua história, a Corte Interamericana de Direitos Humanos tem sido uma instância na qual as pessoas que consideram seus direitos violados em seus estados poderiam recorrer ao Sistema Interamericano e, em última instância, à Corte, a fim de tornar tais direitos efetivos.  

Neste processo de desenvolvimento histórico, a Corte consolidou sua jurisprudência sobre uma variedade de aspectos, alguns dos quais inexplorados em nível universal. Por exemplo, as primeiras sentenças nos casos hondurenhos (Velásquez Rodríguez contra Honduras é um famoso) estão ligadas à questão do desaparecimento forçado de pessoas.

A Corte disse que se tais condições existem e se há uma recusa repetida e permanente por parte do Estado em fornecer informações aos parentes nesta situação e ela continua indefinida ao longo do tempo, estamos lidando com um fenômeno de violação de vários direitos. 

Desde então, tem havido um grande número de desenvolvimentos jurisprudenciais, por exemplo, a não aceitação de leis auto admitidas no âmbito da justiça transicional.

Além disso, há todas as formas pelas quais a Corte tem interpretado o artigo 13 sobre liberdade de expressão, com sentenças – inclusive muito recentes – como a da jornalista Jineth Bedoya Lima e outra contra a Colômbia11, a respeito de violência contra jornalistas ou a do Palácio Urrutia e outros contra o Equador12. 

Em resumo, a Corte tem acompanhado os diferentes momentos políticos na região, adotando decisões para salvaguardar os direitos humanos e aplicando a Convenção Americana. Acredito que – e disse isto quando assumi a presidência – o grande desafio para a Corte é manter o nível de aceitação de suas decisões, e manter seu prestígio como tribunal, para dar-lhe força.

É por isso que trabalhamos muito do ponto de vista institucional interno, para tornar a Corte mais robusta, justamente para enfrentar as situações muito complicadas e desafiadoras do ponto de vista da aplicação dos Direitos Humanos na região.

Temos que desenvolver melhores condições para garantir que os Direitos Humanos sejam respeitados e, acima de tudo, o objetivo é que as medidas tomadas pela Corte possam ser realmente úteis e eficazes, que tenham um efeito prático para impedir que as violações dos direitos humanos reinem.  

How are cooperation and collaboration between OAS member states being strengthened, regarding human rights protection?

RPM: Uma das coisas que nos propusemos a fazer quando assumimos a presidência da Corte é afirmar um tribunal que funcione no que é chamado de justiça aberta, que seja absolutamente acessível a todas as pessoas, e cujas decisões são conhecidas.   

Nosso objetivo é uma Corte aberta que dialoga com os Estados e não apenas em instâncias formais (a Corte comparece perante a Assembleia Permanente da OEA, com seu relatório anual, e depois perante a Assembleia Geral, onde também faz seu relatório anual), mas estamos comprometidos com uma linha de trabalho com a presença da Corte nos Estados, que tem aumentado.   

Em 2022 a Corte visitou o Uruguai e o Brasil, a convite de seus governos. Fizemos reuniões nestes países com grande sucesso. Quando estamos em um país, a Corte realiza seminários, reuniões com a imprensa e diálogos com os Estados, seus governos e a sociedade civil.  

Além disso, implementamos um sistema de presença no território que, por exemplo, iniciamos no ano passado com uma supervisão. Três juízes foram ao Panamá, à selva de Darien, para verificar o cumprimento de uma medida preventiva de detenção provisória que tínhamos imposto para evitar a COVID-19 entre os migrantes. Posteriormente, os juízes realizaram audiências em vários países, como Argentina e México, por exemplo, entre outros.   

Estar em diálogo contínuo com sociedades e países é a maneira de entender que podemos ser mais receptivos ao que resolvemos e ao nosso trabalho. 

É justamente nesta linha de comunicação horizontal que transcende os modos formais – que, naturalmente, respeitamos e cumprimos rigorosamente – que em 2022 a Corte realizou reuniões com jornalistas em dezessete países da região.

Nessas reuniões discutimos a jurisprudência da Corte, mas também ouvimos as preocupações e situações dos jornalistas. Houve dezessete reuniões deste tipo, do México à Argentina, que inclui praticamente todos os países da América Central e do Sul, e também Trinidad e Tobago.

Portanto, estas são as linhas que, desde minha presidência, estamos aprofundando e que demonstram seus resultados: as pessoas conhecem e vêm à Corte, as pessoas dialogam com a Corte e a Corte é enriquecida por este diálogo e fortalecida do ponto de vista institucional.

E esse é o objetivo que toda pessoa que está a cargo de um órgão como este deve levar adiante, com o apoio de seus colegas. Nesta linha de trabalho, este ano estamos lançando um canal de televisão online da Corte Interamericana. Este canal terá, por um lado, a finalidade de divulgar as atividades da Corte e, por outro lado, será associado a programas de formação.  

Em que medida o diálogo e a formação são importantes nos sistemas judiciais da região? 

RPM: Fui juiz no Uruguai por trinta anos, onde também me tornei presidente do Supremo Tribunal de Justiça e onde tive um trabalho muito intenso no âmbito da Cúpula Judiciária Ibero-Americana, que reúne os magistrados não só dos países latino-americanos, mas também da Espanha, Portugal e Andorra.   

Nesse sentido, tenho um profundo conhecimento dos poderes judiciais da região. Tornei-me secretário permanente da Cúpula Judiciária Ibero-Americana e acompanho, com grande atenção, a evolução e as mudanças no nível dos sistemas judiciários da região.   

O que se deve admitir é que – e obviamente vou falar de casos concretos – um dos elementos centrais de toda essa onda de populismo de esquerda e direita na América Latina atualmente é a postulação de que existe apenas uma verdade na gestão da sociedade e na condução dos assuntos políticos. Neste contexto, o judiciário, que procura aplicar a lei e fazer valer os Direitos Humanos, às vezes se torna um incômodo.

Portanto, a resposta é, como comentou um autor, tentar colonizar estes sistemas judiciais para que não continuem a ser um problema, uma oposição ao desenvolvimento de certas políticas. Estamos comprometidos com o diálogo, com o apoio aos sistemas judiciais e temos dito que a independência judicial é um ponto sem retorno na jurisprudência da Corte e para a existência do Estado Democrático de Direito.  

É, portanto, uma área em que temos trabalhado toda nossa vida, na qual continuamos comprometidos e na qual a Corte está constantemente desenvolvendo sua jurisprudência sobre este ponto. 

Quais são os impactos da implementação de medidas alternativas ou substitutivas à prisão na região?  

RPM: Infelizmente, a situação prisional na região é crítica devido à inflação da resposta penal e, sobretudo, da resposta penal através da privação de liberdade, que é a estrela das penas.

A Corte tem uma jurisprudência muito clara de que as medidas preventivas de privação de liberdade só são aceitáveis com base em uma fundamentação processual, ou seja, o risco de fuga ou o risco de impedir uma investigação adequada do crime. Caso contrário, uma medida preventiva de privação de liberdade não deve ser aplicada.

Entretanto, sabemos que há países que abusam da prisão preventiva e há países em que são geradas situações que acabam em uma grande faixa de serviços prisionais. Como o número de pessoas privadas de liberdade cresce constantemente, isto leva à superlotação, as prisões não servem a nenhuma finalidade ressocializadora e situações muito graves de violações dos Direitos Humanos são geradas.   

Nos anos 90, eu estava trabalhando muito na justiça penal adolescente/juvenil e fui convidado para o estado de Minnesota, nos EUA. Lá houve algo determinante para minha vida e que tem sido uma linha de ação: ouvi uma apresentação, que durou não mais que meia hora, na qual foram demonstradas graficamente todas as vantagens de medidas alternativas de prisão em relação às medidas de privação de liberdade.

Basicamente, as medidas alternativas custam para a sociedade. Embora a questão mais importante não seja o custo, é preciso dizer: custa menos aplicar corretamente medidas não privativas de liberdade do que encarcerar as pessoas.

Mas o mais importante é que essas são as verdadeiras medidas de ressocialização – as que permitem à pessoa, através de um acompanhamento adequado, em uma medida que é realizada fora do quadro de privação de liberdade – ter uma chance muito maior de reintegração social.

Isto não se consegue isolando a pessoa, tirando-a da sociedade e devolvendo-a, vários anos depois, cheia de ressentimento e levando sobre seus ombros uma série de violações de seus direitos fundamentais.   

Além disso, acredito que entre as medidas alternativas à prisão, devemos considerar medidas que evitem diretamente o recurso a processos criminais. Estou convencido de que a mediação deveria ser promovida em matéria penal.

Entretanto, na maioria dos países da região, a mediação em matéria penal é uma palavra ruim, pois há toda uma questão cultural que não está sendo abordada. A via criminal não é a única resposta à ofensa derivada de um crime.   

E aqui temos que pensar em como o direito penal – que, em si mesmo, é uma expressão da violência institucional, para a qual existem todas as garantias e todas as limitações – pode adotar alternativas que não são extremas e que podem levar à resolução de conflitos entre as pessoas. Isto exige um trabalho de mudança cultural.   

O que está ficando claro em alguns países é que a política de aumentar o número de crimes e o aumento das penas aumenta o número de pessoas na prisão e estas se tornam um terreno fértil para violações dos direitos humanos, de pessoas privadas de liberdade, entre si, e de pessoas privadas de liberdade por causa das ações das autoridades para manter a ordem.

Além disso, elas se tornam centros do crime, porque as facções organizadas tomam conta das prisões, uma vez que as prisões são utilizadas para o crime e são por si só um centro de intercâmbio de serviços ilegais.  

Dos 35 Estados que compõem a OEA, 20 reconhecem a jurisdição contenciosa da Corte. Estes Estados são: Argentina, Barbados, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, República Dominicana, Equador, El Salvador, Guatemala, Haiti, Honduras, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Peru, Suriname e Uruguai.

Estamos comprometidos com o diálogo, com o apoio aos sistemas judiciais e temos dito que a independência judicial é um ponto sem retorno na jurisprudência da Corte e para a existência do Estado Democrático de Direito. 

Como o acesso ao sistema de justiça para as pessoas mais vulneráveis da América Latina e do Caribe está sendo melhorado?  

RPM: Acho que muitos progressos foram feitos em alguns países, mas não tanto em outros. Não esqueçamos que a região, além de todas as dificuldades políticas que conhecemos, tem problemas estruturais reais.

Há um fenômeno que eu chamo de “sobreposição de civilizações”. Na região temos países com o mais amplo nível de desenvolvimento, o de primeiro mundo, as situações intermediárias, e situações nas quais há civilizações onde há tensão permanente entre sociedades cujo objetivo é a exploração indiscriminada dos recursos naturais e outras que vivem desses recursos naturais, mas não têm condições de defendê-los.

Assim, temos aí uma série de problemas estruturais que levam à necessidade de uma política de acesso à justiça, uma política nacional, e porque não pensar em uma política compartilhada entre os Estados sobre o acesso à justiça.   

Em relação à Justiça Interamericana: no sistema interamericano, ao contrário do sistema europeu, onde qualquer cidadão pode acessar diretamente a Corte Europeia de Direitos Humanos, com sua aplicação, no sistema interamericano é preciso primeiro ir, como no passado na Europa, à Comissão Interamericana de Direitos Humanos.

Este é o órgão que processa o caso, tenta resolvê-lo amigavelmente e, quando não o faz, leva-o à Corte para processá-lo como uma disputa entre a vítima e o Estado.  

Sou da opinião que as pessoas deveriam ter acesso mais direto à Corte – isso deveria ser discutido, mas vejo isso como um desafio também para o sistema.  

 JT: Na mensagem de abertura do Ano Jurídico Interamericano 2022, Vossa Excelência emitiu uma advertência: “A inteligência artificial, como qualquer ferramenta, tem um caráter neutro, mas pode levar a transgressões ou violações dos direitos humanos”.

Com o uso crescente da inteligência artificial e tecnologias relacionadas nos sistemas de justiça, que tipo de desafios tais desenvolvimentos representarão para a proteção dos Direitos Humanos?

RPM: Nesse sentido, estamos vivendo um momento emocionante, mas é também um momento de enormes desafios. O desenvolvimento da tecnologia não pode permanecer apenas nas mãos dos engenheiros, mas também deve envolver advogados, pois a tecnologia atua cada vez mais em um ponto em que os direitos das pessoas são interrompidos.   

Assim, quando há um tráfego de dados que permite, por exemplo, que pessoas nascidas após 1995 não tenham privacidade, porque todos os seus dados, que têm alguma importância para terceiros, estão nas mãos de terceiros, então estamos enfrentando problemas que afetam os direitos das pessoas.   

Vemos como o uso de redes sociais, de certa forma, degrada o debate democrático e também gera uma situação na qual é possível influenciar os processos eleitorais com o uso da tecnologia.   

A Corte está muito atenta a esta questão, de modo que estamos até pensando em iniciar tarefas de discussão, com oficinas sobre inteligência artificial, apesar do fato de ainda não termos tido nenhum caso. É realmente uma situação que deve manter todos nós na Corte muito atentos, especialmente porque está ligada à questão que coloca direitos em risco.

Portanto, penso que o princípio das Nações Unidas em relação às redes [sociais] pode ser estendido: as regras de direito que regulam as relações entre as pessoas no mundo real são as mesmas que deveriam regulamentar as relações entre as pessoas no mundo virtual.

E este mundo virtual é severamente afetado pela existência de grandes atores que transcendem os Estados, por seu poder, pelo manuseio de informações que eles realizam e que não existe um escopo adequado no qual eles possam ser chamados a prestar contas quando cometem um abuso ou violação dos direitos de terceiros.  

Por isso, acredito que as questões de aprofundamento e difusão da educação e formação de pessoas são os principais desafios do momento, com o objetivo de alcançar um mundo mais humano e sustentável.  

Em termos de utilização de tecnologia e inteligência artificial no processo de tomada de decisões pelos tribunais, também estamos enfrentando um grande desafio. Penso que eles podem apoiar, há coisas muito interessantes.

Por exemplo, sabemos quanto trabalho significou para nós, há alguns anos, buscar fontes, de um ponto de vista jurídico, doutrinário, documental e outros, antes de tomar uma decisão. Com tecnologias e inteligência artificial, economiza-se tempo na busca das fontes apropriadas para o caso específico, porque há uma busca inteligente de recursos para adotar uma decisão, e isto me parece ser um avanço muito importante.

Entretanto, nunca devemos criar um automatismo que considere como válidos apenas os elementos que a inteligência artificial nos dá ou os relatórios que ela produz, devemos ter cuidado com os riscos.

Às vezes, a inteligência artificial pode ser discriminatória. Por exemplo, em um país onde há discriminação contra um determinado setor racial e onde há um número significativo de pessoas de ascendência africana na prisão – porque, dependendo de sua discriminação e de sua situação social, são acusadas de crimes – a inteligência artificial fará uma leitura baseada no fato de que há um setor social que é predominantemente o perpetrador de atos criminosos. E aí corremos o risco de perpetuar a discriminação.

Temos que estar atentos a estes riscos e penso, repito, que temos que criar mecanismos que busquem, antes de tudo através de advertência e prevenção, evitar o uso destes recursos para prejudicar os direitos das pessoas.

¹ Atualmente, integram a corte: Juiz Ricardo C. Pérez Manrique, Presidente (Uruguai); Juíz Eduardo Ferrer Mac-Gregor Poisot, Vice-presidente (México); Juíz Humberto Antonio Sierra Porto (Colômbia); Juíza Nancy Hernández López (Costa Rica);Juíza Verónica Gómez (Argentina); Juíza Patricia Pérez Goldberg (Chile); e Juiz Rodrigo Mudrovitsch (Brasil).

² Estados que ratificaram a Convenção Americana: Argentina, Barbados, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Dominica, Equador, El Salvador, Granada, Guatemala, Haiti, Honduras, Jamaica, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Peru, República Dominicana, Suriname e Uruguai.

3 Na Sentença do Caso Bedoya Lima e outros contra a  Colômbia, a CIDH considerou o Estado da Colômbia responsável internacionalmente pela violação dos direitos à integridade e liberdade pessoal, honra, dignidade e liberdade de expressão em prejuízo da jornalista Jineth Bedoya Lima, na sequência dos acontecimentos de 25 de Maio de 2000, quando Bedoya foi interceptada e raptada às portas da Prisão La Modelo por paramilitares e submetida a um tratamento vexatório e extremamente violento, durante o qual sofreu graves agressões verbais, físicas e sexuais. A Corte advertiu a existência de “indícios graves, precisos e concordantes” da participação estatal nos referidos fatos.

4 Na Sentença do Processo Palacio Urrutia e outros contra o Equador, a CIDH declarou a responsabilidade internacional do Estado do Equador pela violação aos direitos à liberdade de expressão, o princípio de legalidade, a circulação e residência, a estabilidade laboral, as garantias judiciais e a proteção judicial, e o dever de adotar disposições de direito interno, em prejuízo de Emilio Palacio Urrutia, Nicolás Pérez Lappenti, César Enrique Pérez Barriga e Carlos Eduardo Pérez Barriga.

Ricardo Pérez Manrique

Juiz, Presidente da Corte Interamericana de Direitos Humanos

Ricardo Pérez Manrique foi eleito presidente da Corte Interamericana de Direitos Humanos para o período de 2022 e 2023. Com sólida formação acadêmica, formou-se Doutor em Direito e Ciências Sociais em 1973 pela Universidade de La República (Uruguai) e revalidou seu diploma em 1989 na Universidade de Buenos Aires. O Juiz Manrique ocupou vários cargos importantes no sistema de justiça de seu país natal, o Uruguai, incluindo sua distinta carreira como ministro da Suprema Corte de Justiça, entre 2012 e 2017, e o cargo de presidente da mesma corte em 2016.  

Publicidade

Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
De núcleos de criminalidade a escolas de capacitação: A reforma prisional no Ceará