Peter Severin Corrections Australia NSW

Expandindo e racionalizando o sistema com uma nova infraestrutura penitenciária 

// Entrevista: Peter Severin

Comissário dos Serviços Penitenciários de Nova Gales do Sul (NSWCS), Austrália

 

Como os serviços penitenciários são organizados na Austrália?

PS: Na Austrália, todos os estados e territórios são independentes em termos de seu sistema judicial e penitenciário. Cada estado tem sua própria legislação e código penal, e também há uma lei federal. Então, para os infratores que são condenados por crimes contra a lei federal, onde quer que crime seja cometido e seja condenado, é aí que a sentença será cumprida.

Enquanto estados e territórios têm sistemas separados, trabalhamos estreitamente juntos. Os administradores se reúnem duas vezes por ano para compartilhar práticas e procurar aproveitar as oportunidades de melhorias uns dos outros. Não temos um órgão federal que seja relacionado ao sistema penitenciário, e o governo federal é muito claro que essa não é uma área em que quer se envolver.

 

O que pode nos dizer sobre os recursos humanos do NSWCS e sua formação?

PS: Temos um currículo nacional que é ligeiramente diferente em cada estado, mas nossos programas de formação são alinhados, de modo que um agente em um estado também pode se tornar um agente em outro estado através de um programa ponte.

Para um agente penitenciário, a formação é de nove a doze semanas para começar e depois eles têm um ano para completar um Certificado 3 na Prática Penitenciária. Nossa equipe especializada, como psicólogos, assistentes sociais e educadores, possuem diploma universitário.

O que identificamos claramente como uma lacuna, a qual estamos fechando, é que, embora tenhamos uma formação fundamental muito sólida, não temos uma formação gerencial muito boa. Trata-se de desenvolver pessoas que entendam de recursos humanos, finanças e operações de forma muito aplicada.

Assim, projetamos programas de formação muito específicos para gestores de média gerência e diretores das unidades prisionais, o que lhes dará ferramentas muito melhores para se tornarem mais eficazes. Além disso, há um programa de liderança executiva nacional que é muito aplicado e específico.

Sempre recebemos cerca de três ou quatro comissários ou diretores-gerais para palestrar, bem como acadêmicos e outros líderes da justiça. Embora ainda esteja evoluindo, este programa é consistentemente baseado nas áreas relevantes em que precisamos nos concentrar.

 

Exterior de uma penitenciária de construção rápida, o Centro Penitenciário de Macquarie, em Wellington, na Nova Gales do Sul

 

 

JT: Foi sob sua liderança que o Departamento Penitenciário da Austrália do Sul conseguiu reduzir a taxa de reincidência em 10% por vários anos consecutivos.  

O que o Sr. fez para conseguir isso? Conseguiu replicar “a fórmula” no NSW?

PS: Foi um esforço feito por todas as partes do sistema de justiça criminal e também dentro de um ambiente político que estava aberto a promover mudanças e reduzir a reincidência.

Havia uma relação muito forte entre a acusação, os advogados de defesa, os tribunais, a polícia e o sistema penitenciário, e tivemos bastante sucesso em identificar alternativas ao encarceramento. Identificamos, por exemplo, que 45% da nossa população de prisão provisória ficou presa por menos de 14 dias! Então, organizamos iniciativas fora do ambiente de custódia, como ajudar um acusado a encontrar um lugar para morar.

Foi bastante único e alguns dos elementos continuam sendo muito relevantes hoje. Em Nova Gales do Sul, houve esforços semelhantes feitos entre 2009 e 2011 e a reincidência diminuiu, no entanto, infelizmente, essa redução não continuou. Em toda a Austrália, o policiamento tornou-se cada vez mais eficiente – porque houve um foco mais forte na aplicação da lei e penas mais fortes – por isso acabamos tendo mais pessoas sob custódia.

O crime é um problema social. Somente se realmente conseguir que todas as partes do sistema de justiça criminal – se não todos os serviços humanos – trabalharem em conjunto, é possível alcançará mudanças e uma redução sustentável das taxas de encarceramento. As prisões por conta própria não podem fazê-lo. É um esforço coletivo e requer vontade política.

O policiamento tornou-se cada vez mais eficiente, então acabamos tendo mais pessoas sob custódia

JT: Na Austrália, o estado de Nova Gales do Sul possui a maior rede de prisões, e, neste momento, está expandindo suas infraestruturas.

Pode nos contar mais detalhes sobre essa expansão?

PS: Com base na mudança de tendência e no aumento do número de presos, temos vivenciado um crescimento de 9.500 detentos para aproximadamente 13.200 em dois ou três anos.

É claro que nenhum sistema pode absorver um aumento tão grande no número durante um período tão curto de tempo. Assim, o governo investiu US$ 3,8 bilhões de dólares australianos (US$ 2,9 bilhões de dólares, € 2,4 bilhões de euros), dos quais 2,4 são para a infraestrutura de capital e 1,4 é para o seu funcionamento. Esse é um investimento significativo e significa 5.000 vagas adicionais.

Também estamos procurando agilizar melhor nosso sistema através de uma estratégia que nos levará a ser mais eficientes na maneira como usamos e configuramos nossa infraestrutura.

No entanto, a única maneira de fazer uma mudança sustentável e obter o equilíbrio entre o uso de alternativas penais e encarceramento corretamente, é também ter um foco muito forte na reforma legislativa e identificar o que mais funciona de uma forma que não resulte em uma erosão da confiança da comunidade em nossa missão, mas que na verdade complementa um ambiente de justiça criminal bem configurado.

Estamos construindo e expandindo as prisões existentes, construímos algumas prisões de construção rápida que foram adquiridas em um período muito curto de tempo e construídas dentro de 12 meses.

Além disso, estamos construindo uma nova instalação de 1700 vagas em uma parceria público-privada (PPP/PFI) – o consórcio privado está projetando, construindo, operando, mantendo e financiando- por isso será gerenciado de forma privada – e, esperamos, em algum momento, que possamos desativar a antiga e obsoleta infraestrutura que ainda temos.

Como são essas novas prisões em termos de desenho e tecnologias?

PS: Utilizamos a tecnologia de forma bastante ampla – obviamente para segurança, certificando-se de que podemos otimizá-la – mas cada vez mais também através do uso da tecnologia nas celas, que é interativa e gerencia tarefas administrativas rotineiras. Isso vai começar a funcionar muito em breve, precisamos ter certeza de que ele faz o que promete e seja um investimento responsável.

No que diz respeito ao desenho, a Austrália tem procurado bons projetos por toda parte, e onde quer que tenhamos uma nova prisão construída esta parece melhorar o que foi feito antes, especialmente em novos projetos. Nossas prisões são grandes, com muito espaço aberto e ao ar livre.

Tentamos criar áreas onde os presos possam realmente viver de forma tranquila e aberta, uma espécie de prisão no estilo de um campus aberto, inclusive para presos de segurança máxima que sejam aptos.

Criamos uma configuração modular bastante interessante que pode literalmente ser empilhada de uma maneira esteticamente agradável, mas é uma aquisição muito rápida e, do ponto de vista tecnológico, também é capaz de ser adaptado ou imediatamente equipado com todas essas tecnologias modernas que a indústria nos oferece atualmente.

O governo investiu US$ 3,8 bilhões de dólares australianos, um investimento significativo que significa 5.000 vagas adicionais

JT: Há uma representação excessiva de cidadãos indígenas nas prisões da Austrália. Em NSW, embora a comunidade indígena represente menos de 3% da população total, ela equivale a 25% dos presos do estado. (Fonte: The Sydney Morning Herald, 27/11/2014).

Como o Sr. tem enfrentado esse desafio?

PSÉ um problema social que administradores, políticos e todos os envolvidos no sistema de justiça criminal estão profundamente cientes. Alternativas à prisão permitirão um tratamento muito mais proativo com essa realidade, porém os serviços corretivos, por si só, podem fazer muito pouco.

Temos caminhos para os povos indígenas em nosso sistema: intervenções específicas e culturalmente adequadas, e um foco muito forte nas mulheres indígenas. Não há uma resposta curta sobre como abordar de forma construtiva e sustentável a superrepresentação dos povos indígenas em nosso sistema. Nós criamos algumas boas iniciativas, no entanto, o desafio é que muitas delas não são sustentáveis.

Como tem sido a experiência como membro do Conselho da ICPA, e até que ponto isso contribuiu para o seu trabalho como comissário?

PS: A ICPA é a organização mundial líder em questões relacionadas ao sistema penitenciário, administração deles e essas questões e soluções que realmente fazem a diferença e precisam ser buscadas por todas as jurisdições.

Reunir os setores público, privado e não governamental, bem como pesquisadores e acadêmicos, é uma forma fantástica para aprender as práticas mais recentes e, em seguida, implementá-las onde elas fazem sentido. Eu fiz isso de forma bastante extensiva.

Fui eleito para o Conselho em 2010 e sou vice-presidente desde 2014, sou muito grato por ter a oportunidade de conhecer muitos colegas, de todas as partes do mundo, para ter um diálogo muito intenso, aprender todas as coisas que realmente foram identificadas por fazerem a diferença, e trocar e compartilhar meus próprios aprendizados com os outros.

Mais recentemente, comecei a capitalizar o trabalho neste contexto global: a cada seis ou oito semanas, conecto minha equipe executiva a um dos comissários, diretores-gerais ou acadêmicos de todo o mundo; temos uma sessão de Skype e conversamos por uma hora sobre suas experiências. É uma grande oportunidade para eles aprenderem e se beneficiarem de se engajar nessa troca.

Que desafios o Sr. considera mais urgentes para o sistema penitenciário que lidera?

PS: Claramente, uma questão desafiadora é a reincidência. O Governo de Nova Gales do Sul estabeleceu metas muito ambiciosas para que façamos a diferença. Além do programa de infraestrutura, também temos $ 237 milhões de dólares australianos, ao longo de quatro anos, para introduzir mudanças legislativas e programáticas na forma como lidamos com os infratores.

Isso tem sido feito de diferentes formas: as ordens de liberdade condicional foram simplificadas através de alterações na legislação essencialmente em duas ordens: uma é uma Ordem de Correções Intensivas, que fará com que muitas pessoas que podem obter sentenças curtas receberem uma pena alternativa na comunidade, que pode envolver monitoramento eletrônico e participação obrigatória em programas; e a outra é a Ordem de Supervisão Comunitária, que lida com infratores de baixo risco e com penas alternativas na comunidade.

Ao ter apenas duas ordens de supervisão da comunidade, temos um pouco de esperança de que as penas alternativas se tornem mais atraentes para os tribunais. Também estamos analisando nossos programas de intervenção para agressores violentos e sexuais, programas cognitivos de base comportamental para uso indevido de drogas e álcool, violência doméstica e um foco especial em infratores indígenas.

Portanto, sem algum esforço muito tangível em relação à estruturação da realidade prisional de forma significativa, não creio que os serviços penitenciários continuem contribuindo como deveriam. Felizmente, nosso governo nos deu os meios para implementar mudanças.

O segundo desafio é a necessidade de fazer mais e melhor com menos. Claramente existe a necessidade de analisar consistentemente nossa eficácia e eficiência. Temos executado um programa muito forte de comissionamento de nossos serviços da maneira mais vantajosa e eficiente.

Também temos um governo interessado em testes de mercado, o que significa que queremos que as operações públicas sejam capazes de enfrentar a concorrência do setor privado. Na verdade, fizemos um teste de mercado de uma instalação existente com três das grandes empresas do setor privado envolvidas em licitação, juntamente com uma oferta interna.

Para surpresa de todos, o lance interno venceu e certamente ficamos muito orgulhosos disso. Então, isso demonstra que o setor público estava realmente tentando enfrentar o desafio, que pode prestar serviços de uma forma mais eficaz – se não mais eficaz – e eficientemente do que o setor privado.

Como o Sr. imagina o futuro dos Serviços Penitenciários de Nova Gales do Sul?

PS: Gostaria de pensar que veremos um uso muito maior da supervisão na comunidade. Quero uma profissionalização contínua da nossa força de trabalho em todos os níveis dentro da organização, também gostaria de pensar que nosso programa de infraestrutura não está apenas oferecendo mais vagas, mas realmente simplificando nosso sistema para torná-lo mais eficiente.

Espero que continuemos a ser um forte parceiro no sistema de justiça criminal, juntamente com os outros órgãos, como os tribunais, a polícia, o advogado de defesa, a acusação e outros, para ter um sistema onde a comunidade possa se sentir segura, ter confiança de que funciona bem, e isso reduz o dano que pode causar àqueles que realmente estão na situação infeliz de ter que cumprir uma pena de prisão.

//

Peter Severin começou sua carreira na Alemanha, em 1980. Antes de ingressar nos Serviços Penitenciários de Nova Gales do Sul (CSNSW), ele foi o chefe executivo do Departamento de Serviços Penitenciários da Austrália do Sul por quase dez anos. Anteriormente, havia sido o vice-diretor geral do Departamento de Serviços Penitenciários de Queensland, onde trabalhou por mais de quinze anos. Ingressou no CSNSW, como comissário, em setembro de 2012. É membro do Conselho da Associação Internacional de Serviços Prisionais e de Correção Correções e Prisões (ICPA) desde 2010. É formado em Serviço Social e mestre em Administração Pública.

Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
Combate ao contrabando de telefones celulares: uma abordagem penitenciária baseada em Inteligência (ILC)