UNODC Dynamic Security Training Iraq Torben Adams

O trabalho do UNODC no gerenciamento de presos extremistas violentos e na prevenção da radicalização para a violência nas prisões

Artigo

Torben Adams

As questões dos presos extremistas violentos e da radicalização para a violência nas prisões são uma preocupação crescente para a comunidade internacional. O nexo entre o terrorismo e o crime organizado transnacional cria novos desafios. No entanto, a capacidade dos sistemas penitenciários de todo o mundo de gerenciar esses problemas em evolução é severamente limitada. 
 
O alto número de presos provisórios, os sistemas prisionais subfinanciados e com poucos recursos, a infraestrutura precária, a superlotação, as condições precárias de saúde e outros desafios fundamentais prejudicam muito a capacidade das administrações prisionais de gerenciar com eficácia os presos extremistas violentos e de evitar a radicalização. Essas deficiências podem deixar os detentos frustrados e desesperados, proporcionando pontos de entrada perigosos para tentativas de radicalizá-los (ainda mais).
 
No sistema da ONU, o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC, segundo a sigla em inglês) atua como guardião dos padrões e normas internacionais relacionados ao tratamento de presos. Com base em seu mandato de auxiliar os Estados-Membros, mediante solicitação, a aplicar esses padrões e normas na prática, o UNODC acumulou uma vasta experiência no fornecimento de orientação técnica e na implementação de programas de assistência no campo da reforma prisional. 
 

O UNODC também tem o mandato de auxiliar os Estados-Membros a alinhar suas legislações antiterrorismo com os instrumentos legais universais contra o terrorismo e a fortalecer a capacidade da justiça criminal nacional para prevenir e combater o terrorismo e o extremismo violento, de acordo com a Estratégia Antiterrorismo da ONU e as resoluções relevantes do Conselho de Segurança da ONU.

Em resposta às solicitações dos Estados-Membros, o UNODC desenvolveu o primeiro guia técnico abrangente da ONU sobre o gerenciamento de presos extremistas violentos e a prevenção da radicalização para a violência nas prisões. Por meio de assistência técnica, o UNODC está ajudando os governos a traduzir esse manual em ações efetivas no local. Atualmente, mais de 20 Estados-Membros estão se beneficiando da assistência do UNODC dedicada ao combate ao extremismo violento nas prisões – no Oriente Médio e no Norte da África, na África Subsaariana, na Ásia Central e no Sul e Sudeste da Ásia.
 

É importante observar que lidar com o extremismo nas prisões é um desafio complexo e multifacetado, e os esforços para combatê-lo devem levar em conta o contexto específico e as estruturas legais de cada país. O UNODC trabalha em parceria com governos e outras partes interessadas relevantes para adaptar sua abordagem às circunstâncias únicas de cada país, incluindo o Iraque.

Abordagem de “Todas as Nações Unidas”

A derrota militar do Daesh em seu último reduto na cidade de Baghouz, no nordeste da Síria, em 2019, a menos de um quilômetro da fronteira com o Iraque, desencadeou uma crise transnacional humanitária, de direitos humanos e de segurança que continua sem solução. 
 
Mais de 70.000 pessoas do Iraque, da Síria e de pelo menos 60 outros países com vínculos percebidos ou reais com o Daesh estão vivendo em campos fechados dentro da Administração Autônoma do Norte e Leste da Síria (AANES, segundo a sigla em inglês). Em maio de 2022, pelo menos 57.000 pessoas viviam no maior campo, Al-Hol, das quais aproximadamente 30.000 eram iraquianas. Embora vários Estados-Membros estejam devolvendo seus cidadãos dos campos, o retorno é apenas uma etapa do processo. 
 
Os Estados-Membros estão buscando apoio para desenvolver planos claros para seus cidadãos com vínculos suspeitos ou reais com o Daesh que retornam dos campos, respaldados por recursos e conhecimentos suficientes para garantir políticas e procedimentos baseados em direitos humanos e sensíveis à idade e ao gênero, sobre proteção, avaliação de riscos, avaliações jurídicas, entrevistas, detenção, investigação, serviços a vítimas e testemunhas, processo judicial, ressocialização e reintegração dentro de uma estrutura abrangente.

Em resposta a esse desafio global, o Secretário-Geral das Nações Unidas emitiu os “Princípios-chave para orientar o apoio das Nações Unidas aos Estados-Membros para a Proteção, Repatriação, Processo Penal, Ressocialização e Reintegração de Mulheres e Crianças com Vínculos com Grupos Terroristas Listados pelas Nações Unidas” e conclamou as entidades das Nações Unidas a alavancar e coordenar os mandatos e capacidades existentes para se unirem em apoio aos Estados-Membros com o retorno de seus cidadãos. Nesse contexto, 15 entidades das Nações Unidas desenvolveram de forma colaborativa o Estrutura Global para o Apoio das Nações Unidas aos Repatriados Nacionais de Países Terceiros da Síria/Iraque  (“Estrutura Global”).

Por meio de uma abordagem coordenada de “Todas as Nações Unidas”, a Estrutura Global apoia os Estados-Membros a proteger e atender às necessidades das vítimas retornadas, incluindo mulheres e crianças, e a desenvolver estratégias abrangentes e personalizadas de acusação, ressocialização e reintegração (PRR) para adultos suspeitos de cometer atos terroristas, de acordo com a estrutura jurídica internacional delineada nas resoluções 2178 (2014) e 2396 (2017) do Conselho de Segurança das Nações Unidas. 

Nesse sentido, a Estrutura Global exige políticas e programas baseados em direitos humanos, adequados à idade e sensíveis ao gênero, de acordo com dois pilares: o primeiro apoia a assistência humanitária e as necessidades de proteção de crianças e adultos, e o segundo apoia os Estados Membros solicitantes a promover a segurança e abordar a responsabilidade, inclusive por meio da PRR.

Mais especificamente, um dos principais objetivos é promover a segurança e abordar a responsabilidade usando métodos compatíveis com os direitos humanos para proteger a população de possíveis riscos de segurança apresentados pelos repatriados e garantir a prestação de contas.

UNODC Dynamic Security Training Iraq Torben Adams
O UNODC, como parte de seus esforços globais de combate ao terrorismo, realizou um treinamento dinâmico de segurança para agentes penitenciários em Erbil, no Iraque, em dezembro de 2022, por meio do Programa de Retorno de Combatentes Terroristas Estrangeiros em Detenção.

Apoio à reforma prisional e penal no Iraque

O UNODC é a entidade líder da ONU no apoio técnico à reforma prisional e penal prestado às contrapartes do governo do Iraque, especialmente ao Serviço Penitenciário Iraquiano.

 Atualmente, o UNODC implementa projetos de assistência técnica com o generoso apoio da Dinamarca, da Holanda e do Bureau of Counterterrorism, do Departamento de Estado dos EUA.

Em estreita cooperação com esses países parceiros, o UNODC implementou programas que adquiriram um conhecimento profundo dos desafios, necessidades e prioridades dos sistemas penitenciários iraquianos.

De acordo com o governo do Iraque, mais de 1.700 detentos iraquianos foram repatriados para o Iraque das prisões e centros de detenção controlados pelas forças de defesa da Síria (SDF, segundo a sigla em inglês) por meio de transferências diretas entre fronteiras. O governo do Iraque pretende continuar a repatriar os iraquianos que ainda estão sob custódia das SDF. Desde que o Daesh começou a perder o controle territorial em 2017, os centros de detenção e as prisões iraquianas testemunharam um aumento dramático no número de detentos acusados de crimes relacionados ao terrorismo, especialmente em áreas liberadas do controle do Daesh.
 
O relatório acima mencionado do Exercício de Escopo Conjunto da Estrutura Global da ONU para o Iraque pede que a ONU desenvolva a capacidade institucional do governo do Iraque para estabelecer uma gestão prisional eficaz de infratores extremistas violentos em conformidade com as Regras Mínimas das Nações Unidas para o Tratamento de Reclusos (“Regras de Nelson Mandela”) e as Regras das Nações Unidas para o Tratamento de Mulheres Presas e Medidas Não Privativas de Liberdade para Mulheres Infratoras (Regras de Bangkok), inclusive para promover a classificação adequada dos presos, planejar intervenções de desvinculação e/ou desradicalização para infratores extremistas violentos e abordar os riscos de recrutamento por grupos terroristas designados pela ONU nas prisões.
 
O Ministério da Justiça do Iraque é responsável pela administração do sistema penitenciário do país. Entretanto, os centros de detenção também são operados pelo Ministério do Interior, pelo Ministério da Defesa, pelo Ministério do Trabalho e Assuntos Sociais (centros de detenção juvenil) e pelo Governo Regional Curdo. A superlotação das prisões e os desafios relacionados às drogas ilícitas nas prisões constituem um grave desafio de direitos humanos, saúde e segurança e se destacam como o maior contribuinte para as violações das normas mínimas internacionais sobre o tratamento de detentos. 
 

Operar significativamente acima da capacidade pretendida das prisões não é apenas uma questão de falta de espaço, mas também afeta gravemente a qualidade da nutrição, do saneamento e da higiene, dos serviços de saúde, das taxas de transmissão de doenças infecciosas, da prestação de cuidados a grupos vulneráveis, da saúde física e mental dos presos e de seu acesso a atividades e programas construtivos. A superlotação gera conflitos, alimenta a violência, deteriora a infraestrutura das prisões e apresenta imensos desafios de segurança e gestão.

O sistema de justiça criminal do Iraque trabalha em estreita colaboração com o UNODC para superar os desafios relacionados aos presos de alto risco, à ressocialização sob custódia, ao monitoramento pós-libertação, à reintegração baseada na comunidade e a programas de prevenção da reincidência. As prisões do país já estão operando com mais de 300% de sua capacidade.
 
O governo iraquiano está nos estágios finais de um plano de expansão e reforma de algumas prisões estatais e espera reabrir essas unidades prisionais em breve. Essa medida contribuirá para resolver o problema da superlotação que se agravou nos últimos anos após o fechamento de várias prisões e o grande fluxo de presos ligados ao Daesh. A reconstrução está quase concluída na Prisão Central de Bagdá (antiga Abu Ghraib), e espera-se que a instalação volte a funcionar em breve, de acordo com o Ministério da Justiça.
 
A acomodação adicional de um número considerável de presos de alto risco sem a assistência necessária para desenvolver políticas relevantes sobre o gerenciamento deles e para melhorar a capacidade institucional do serviço penitenciário pode representar riscos significativos à segurança e à proteção do serviço penitenciário do Iraque.
 

O UNODC realiza pesquisas e coleta dados sobre os padrões e tendências da radicalização extremista nos sistemas prisionais. Essas informações são essenciais para a elaboração de estratégias eficazes de combate à radicalização. Trabalhamos em estreita cooperação com os parceiros iraquianos para estabelecer um sistema de classificação aprimorado, que abriria caminho para um processo de ressocialização mais individualizado.

O desenvolvimento de intervenções com foco no “processo de desvinculação individual das crenças de extremistas violentos” também está planejado para o futuro próximo. Os agentes penitenciários já desenvolveram uma compreensão avançada das ferramentas de avaliação de riscos e necessidades e aumentaram sua disposição e capacidade de classificar os presos terroristas e combatentes terroristas estrangeiros de retorno de forma eficaz como resultado do treinamento do UNODC.
 

O aprimoramento da capacidade de inteligência do serviço penitenciário, a melhoria da cooperação entre as organizações e o apoio para que o serviço esteja pronto para transferências de detentos entre fronteiras é uma tarefa futura em que o UNODC e o Governo do Iraque trabalham em estreita cooperação. Além disso, planeja-se desenvolver um processo de admissão centralizado e padronizado, gerenciado pelo governo, além de mapear e avaliar as instalações de detenção e prisão para obter uma visão mais clara das capacidades de acomodação existentes e da respectiva população acomodada para identificar outras necessidades, inclusive permitindo o início de medidas para combater a superlotação.

O UNODC também promoverá um maior envolvimento da sociedade civil, também para garantir que o Escritório seja capaz de refletir as necessidades e prioridades das comunidades, o que servirá e promoverá a transparência e a responsabilidade em geral.

Alavancando uma ampla rede de instituições parceiras e especialistas nacionais e internacionais. O UNODC poderá fornecer, além de sua experiência interna estabelecida, acesso a boas práticas reconhecidas internacionalmente como parte de atividades de formação conjunta e eventos de disseminação, sempre que apropriado. O trabalho conjunto com as agências irmãs da ONU, como UNOCT, IOM, UNICEF e outras, é vital para o cumprimento da abordagem de “Todas as Nações Unidas”.

Com base na ampla variedade de materiais de referência e formação existentes do UNODC, continuaremos a fornecer orientação com base na experiência internacional, a oferecer formação personalizada e a proporcionar suporte de orientação ao Serviço Penitenciário Iraquiano.

A luta contra o terrorismo continua sendo uma prioridade constante para o Iraque e seus parceiros internacionais. A cooperação e a coordenação entre as diversas partes interessadas são essenciais para abordar as causas fundamentais do extremismo, evitar o ressurgimento de grupos terroristas e estabilizar o país.

A luta contra o terrorismo é, de fato, uma tarefa global e não apenas local. O terrorismo não conhece fronteiras, e seu impacto pode ser sentido muito além das fronteiras de países ou regiões individuais.

Em resumo, o terrorismo continua sendo um desafio global que exige esforços coordenados. Embora cada país tenha um papel a desempenhar no combate ao terrorismo dentro de suas fronteiras, a comunidade global deve trabalhar em conjunto para impedir sua disseminação e proteger a segurança e o bem-estar das pessoas em todo o mundo. O UNODC se sente privilegiado por trabalhar em uma cooperação tão estreita com o Governo do Iraque nessa importante tarefa.

Para obter mais informações, visite o site do UNODC e leia o recente relatório do programa FTF.

Torben Adams UNODC

Torben Adams é o Coordenador Internacional do UNODC para o Programa de Detenção de Terroristas Estrangeiros que Retornam. Ele começou sua carreira como agente penitenciário em 1997 e seu último cargo no sistema penitenciário foi o de diretor de uma unidade juvenil. Ele tem uma vasta experiência, que inclui a liderança do grupo de trabalho “Prison and Probation” da Radicalisation Awareness Network e a atuação como especialista em várias organizações europeias, como o Conselho de Cooperação Penológica do Conselho da Europa e a CEPOL. Entre 2017 e 2020, ele ocupou o cargo de Chefe de Divisão no Ministério da Justiça e Assuntos Constitucionais do Estado Federal de Bremen, na Alemanha.

Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
Recomendações sobre o uso de IA e tecnologias digitais relacionadas em serviços prisionais e de liberdade condicional