Melhoria da eficácia da prisão através de comunicações seguras e tecnologias de aprendizagem automática

As Regras Mínimas Padrão das Nações Unidas para o Tratamento dos Presos afirmam que os presos têm o direito de se comunicar com a família e amigos regularmente [1]Além disso, indicam que ele devem ser capazes de se comunicar e corresponder “por escrito e usando, quando disponível, meios de telecomunicações eletrônicos, digitais e outros meios”.

Nos contextos penitenciários, deve-se prestar especial atenção à manutenção e melhoria das relações sociais dos infratores com o mundo exterior, que vêm principalmente da comunicação. Tais relações são benéficas para os detentos e suas famílias (Holt & Miller, 1972; Flanagan, 1995; Segrin & Flora, 2011; Fontaine, Gilchrist‐Scott, Denver & Rossman, 2012; Condry & Smith, 2018) e, em última análise, para a sociedade.

As evidências mostram o papel positivo que a comunicação entre os presos e seus entes queridos [2] fora da prisão pode ter na sua reabilitação social. As formas de comunicação dos presos incluem visitas e cartas. Chamadas telefônicas controladas através de telefones de corredor ou dispositivos pessoais privados no celular demonstraram ser vantajosas. Outras formas de comunicação incluem e-mail/chat seguro, chamadas de vídeo, etc. Todos esses métodos de comunicação contribuem para a manutenção dos vínculos sociais e emocionais e pode-se inferir que eles possuem o potencial de contribuir para a ressocialização bem-sucedida e para reduzir a reincidência (Hairston, 1991; Bales & Mears, 2008; Mills & Codd, 2008; Cochran, 2012 e 2013).

No entanto, há riscos envolvidos. Terrorismo e crime organizado, por exemplo, estão associados com o uso de ferramentas de comunicação mais avançadas. Tais riscos muitas vezes levantam um dilema: a reabilitação social frente ao uso de ferramentas de comunicação. Agora é possível, porém, proteger a comunicação através de ferramentas com tecnologias avançadas de aprendizado automático, incluindo identificação de idiomas, transcrição, tradução e identificação de palavra.

As soluções de impressão de voz da Telio [3] (biometria de voz) permitem que os agentes de segurança rastreiem se a parte B identificada e na lista de permissões (a do outro lado do telefone do preso) é realmente a parte B verificada. Isso é feito comparando uma ou mais vozes conhecidas, verificadas e registradas. Dessa forma, a impressão de voz também pode identificar a relação entre infratores e pessoas reais (não apenas números de telefone) e, ao mesmo tempo, acompanhar o comportamento de comunicação.

Com as mais recentes tecnologias de processamento de fala (aprendizado de máquina, redes neurais), chamadas de voz e vídeo podem ser analisadas com precisão mesmo quando os detentos estão usando uma linguagem que não é familiar para a equipe de segurança.

Além disso, a identificação de palavras (analisando a transcrição das chamadas com algoritmos inteligentes) pode reduzir significativamente a necessidade de monitoramento humano em tempo real. Paralelamente, o processamento da fala transcreve e converte, em questão de segundos, uma chamada de uma linguagem de origem para de outro destino. O software pode até detectar gírias de prisão. A identificação de palavras permite análises de chamadas totalmente automatizadas e pode identificar palavras críticas de interesse para a segurança.

Todas essas funções criam uma valiosa imagem de segurança, ajudando a aumentar a eficiência e a segurança na prisão, ao mesmo tempo em que reduzem a carga de trabalho dos agentes de segurança.

A digitalização gera oportunidades para que os serviços prisionais melhorem a segurança, enquanto aumentam a eficiência e abordam os direitos humanos e a dignidade dos cidadãos sob custódia. Na Telio, trabalhamos todos os dias para apoiá-lo nesta jornada.

 

Notas

[1] Regras 43, 58 e 106. Assembleia Geral das Nações Unidas, Regras Mínimas Padrão das Nações Unidas para o Tratamento dos Presos (as Regras de Nelson Mandela): Resolução aprovada pela Assembleia Geral, 8 de janeiro de 2016, A/RES/70/175, disponível em bit.ly/2NnE7HZ

[2] A pessoa ou pessoas cuja relação próxima com um indivíduo afeta o comportamento e as atitudes desse indivíduo. Outra pessoa importante é geralmente um membro da família, cônjuge, filho, empregador, colega de trabalho, amigo ou amante, que serve como modelo ou cuja aceitação e aprovação é procurada.

[3] A identificação de impressão de voz pode ser definida como uma combinação digital de comparação auditiva (escuta) e espectrográfica (instrumental) de uma ou mais vozes conhecidas com uma voz desconhecida para fins de identificação ou eliminação.

 

Referências

Bales, W. and Mears, D. (2008). Inmate Social Ties and the Transition to Society: Does Visitation Reduce Recidivism? Journal of Research in Crime and Delinquency, (Volume: 45 issue: 3), pp.287-321.

Cochran, J. (2012). The ties that bind or the ties that break: Examining the relationship between visitation and prisoner misconduct. Journal of Criminal Justice, (Volume 40, issue 5), pp.433-440.

Cochran, J. (2013). Breaches in the Wall: Imprisonment, Social Support, and Recidivism. Journal of Research in Crime and Delinquency, (Volume: 51, issue 2), pp.287-321.

Condry, R. and Smith, P. (2018). Prisons, Punishment, and the Family: Towards a New Sociology of Punishment? Oxford: Oxford Univ Press UK.

Flanagan, T. J. (Ed.). (1995). Long-term imprisonment: Policy, science, and correctional practice. Thousand Oaks, CA, US: Sage Publications, Inc.

Fontaine, J.; Gilchrist‐Scott, D.; Denver and M.; Rossman, S.B. (2012). Families and Reentry: Unpacking How Social Support Matters. [online] Available at: urbn.is/326Zmpy [Acessado em 6 de Junho de 2019].

Hairston, C. F. (1991) “Family Ties During Imprisonment: Important to Whom and For What?,” The Journal of Sociology & Social Welfare: Vol. 18 : Issue 1 , Article 6.

Holt, N. and Miller D., (1972) Explorations in Inmate-family Relationships, Research report no. 46. Sacramento: Research Division. Department of Corrections.

Mills, A. and Codd, H. (2008). Prisoners’ families and offender management: Mobilizing social capital. Probation Journal, (Volume: 55 issue 1), pp.9-24.

Segrin, C. and Flora, J. (2011). Family Communication Second Edition. In Family Communication (pp4–5). Abingdon, Oxon: Routledge. 

 

Publicidade

Telio JT5

Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
A Segurança Pública Baseada em Evidências pode ajudar a América Latina a vencer o Crime Organizado