Migrar para fluxos de trabalho digitais aumenta a eficiência e os resultados da segurança pública

Artigo

Mike Sparling

A pandemia da COVID-19 trouxe consigo anos de mudança na forma como as empresas de todos os setores e regiões operam. 

De acordo com uma recente pesquisa global a executivos, realizada pela McKinsey, as empresas aceleraram em três a quatro anos a digitalização de suas interações com cliente e fornecedores, bem como suas operações internas.  

A rápida transformação digital do trabalho criou um novo problema, a “expansão digital” – a adoção contínua de novos sistemas que reduzem a integração e unificação de resultados para os idealizadores e profissionais das organizações.  

Essa “expansão digital” impacta diretamente os colaboradores e sua produtividade.  

No Relatório de Produtividade do Trabalho Digital do Gartner, de 2020, nota-se que “a proliferação de aplicativos e plataformas levou a um forte desejo reducionista de acelerar nossa mudança para uma experiência de local de trabalho singular e fluída, na qual os funcionários têm tudo o que precisam para desempenhar melhor seu trabalho em um só lugar”. Encontrar uma estratégia para otimizar fluxos de trabalho digitais e melhorar a produtividade está no centro desse novo desafio.  

Na área da segurança pública, a adaptação a fluxos de trabalho digitais e a incorporação de novos métodos de avaliação por meio de sistemas de gestão empresarial não tem sido diferente. A mudança é difícil para todas as organizações, mais é ainda mais difícil para grandes organizações do setor público que dificilmente verão uma recompensa financeira significativa por seus esforços de mudança.  

A transformação digital acelera as tarefas, mas em contrapartida traz maior complexidade, resultante de processos e sistemas de trabalho pouco flexíveis.  

Adaptar-se a novas tecnologias que agilizam e melhoram a segurança é crucial 

As etapas de integração digital na jornada de um infrator vão desde o contato inicial até a ressocialização. Durante esta jornada, há interação com várias partes interessadas, participantes e sistemas que têm em comum um conjunto de metas, ainda que geralmente compartilhem muito pouco do que deveria ser uma abordagem integrada.  

Advogados e profissionais de apoio desconhecem as ações uns dos outros, enquanto os atores penitenciários e de monitoramento têm visões incompletas sobre os gatilhos e intervenções que devem operar em conjunto para abordar a ressocialização de um indivíduo. Além disso, o indivíduo geralmente tem pouca oportunidade de adicionar informações e dados ao sistema — as várias ferramentas usadas ao longo de sua jornada funcionam para servir o sistema, não o indivíduo.  

Em suma, enquanto o sistema tenta fazer o melhor que pode para cada indivíduo, o resultado muitas vezes é um sistema incapaz de otimizar e personalizar o programa geral que melhor ajudaria o indivíduo em questão. 

Já passamos da época de “uma solução única para todos”, e os sistemas penitenciário e de e segurança pública não são exceção. Os dados disponíveis mostram claramente que a programação feita à medida trará os resultados ideais para qualquer solução baseada na jornada do usuário. 

Construindo modelos personalizados de supervisão na comunidade para criar uma solução altamente modernizada e de segurança pública 

A MHS trabalhou em estreita colaboração com um Departamento Penitenciário dos EUA para ajudá-los a aproveitar o poder da tecnologia digital. O objetivo era modernizar seus sistemas, melhorando as práticas de tratamento e de mudança de comportamento, impactando, em última instância, a meta de longo prazo de redução da reincidência.  

Antes de usar uma solução digital e moderna para o setor penitenciário, esta organização usou um aplicativo de desktop que organizava e exibia bancos de dados na estação de trabalho local de um usuário. Esta solução oferecia pouco ou nenhum suporte à carga de trabalho diária da equipe, pois era muito limitada em sua funcionalidade e escopo. Esse sistema antigo não poderia atender ao padrão de excelência de avaliação e cuidado através do Modelo de Risco-Necessidade-Responsividade (modelo RNR).  

Ao construir modelos personalizados de supervisão na comunidade para adultos e jovens, o Departamento transformou seus sistemas em uma solução de negócios altamente modernizada e eficiente. Essa solução ajudou a simplificar seu acesso e conservação de dados dinâmicos, reduziu significativamente o tempo necessário para processar e gerenciar indivíduos e utilizou análises para informar as melhores práticas para alcançar a precisão e opções de tratamento individualizadas. 

Essa transformação de última geração de uma organização penitenciária trouxe como resultado o alinhamento entre as partes interessadas, adesão às melhores práticas do setor por meio da gestão de casos baseado em evidências e fluxos de trabalho aprimorados e simplificados para os funcionários do departamento. Graças a esse esforço, o departamento pôde avançar em seus casos de forma mais eficaz, resolvendo as deficiências de recrutamento e retenção de pessoal de forma mais eficiente. Finalmente, ampliou o impacto positivo que os agentes penitenciários podem ter na vida dos infratores. 

Cada organização pode empregar e automatizar de forma quase imediata novas políticas e procedimentos dentro de seu ambiente prisional implementando novas tecnologias que apoiam o trabalho desenvolvido.  

As organizações precisam entender suas opções para integrar sistemas isolados e ultrapassados, para que as informações e os fluxos de trabalho sejam consistentes e corretos ao longo da jornada do infrator. Os dados para esses indivíduos devem ser confiáveis e precisos, atualizados e disponíveis a cada passo do caminho. 

Olhando para o futuro, o acesso às análises fornecerá informações úteis para operações e tomadas de decisão, tanto para políticas quanto para práticas do sistema penitenciário. Parcerias eficazes permitem que as organizações agilizem sistemas e processos a fim de alcançar os resultados desejados e resolver problemas.  

Por meio de consultas, análise das partes interessadas e redefinição do problema, as organizações podem reduzir as barreiras, conectar dados, aumentar a transparência e melhorar a tomada de decisões orientadas por dados ao longo da jornada do infrator. 

O resultado dos esforços de modernização digital é um programa de tratamento individualizado para auxiliar na ressocialização e reduzir a reincidência.

 

Saiba mais sobre as soluções centradas em Segurança Pública da MHS.

Mike Sparling

Mike Sparling é diretor de operações e diretor de tecnologia da Multi-Health Systems Inc. (MHS).  Sparling lidera a estratégia, operações de negócios, adoção de tecnologia e pesquisas sobre aplicações em neurociência de inteligência artificial, blockchain e criptografia homomórfica. Mike passou mais de 30 anos atuando como acadêmico, pesquisador e líder de negócios, com uma carreira que abrange países, plataformas, empresas e mentes.

Advertisement

Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
Programa de Fiança de Toronto: Reduzir a prisão provisória por meio de supervisão e apoio