Prisão provisória como “ultima ratio”: um imperativo para os sistemas de justiça criminal

Um terço da população prisional mundial está detida aguardando julgamento. Esse número continua aumentando em todo o mundo, levando a situações de superlotação que, juntamente com outros fatores, geram rotinas em que os presos ficam trancados em suas celas por longos períodos, em sua maioria inativos, sem privacidade ou dignidade, em condições de detenção insalubres, degradantes e muitas vezes desumanas.  

A prisão preventiva é necessária quando é estritamente obrigatória, conforme estipulado na lei. As consequências negativas, sociais e econômicas dos longos períodos de prisão provisória para os detentos, suas famílias e os sistemas penitenciários são múltiplas e serão mencionadas ao longo da 8.ª edição da Revista JUSTICE TRENDS.

O respeito aos direitos fundamentais e aos princípios basilares da prisão provisória, como o princípio da presunção de inocência, o direito a um julgamento justo, a legalidade, a proporcionalidade, a adequação e o princípio de ultima ratio na aplicação da prisão provisória é imperativo. 
Ao mesmo tempo, o foco das autoridades judiciais deve ser na aplicação de alternativas e medidas de controle relacionadas
.

Muitas vezes, alimentados por um clima social punitivo, há apelos para aumentar o encarceramento e construir mais prisões. Mesmo que em alguns países seja urgentemente necessário substituir a infraestrutura prisional, por vezes muito antiga, ultrapassada e degradada, construir mais prisões pode ser uma solução irracional.

Espaços prisionais adicionais são, sem dúvida, uma opção insustentável a médio e longo prazo, com baixo retorno econômico. Além disso, tais esforços podem desviar investimentos que poderiam gerar maior riqueza e bem-estar para a comunidade. 

A pandemia da COVID-19 levou a uma redução significativa nos números de detenção provisória em muitos países. Embora possa se supor que as reduções se devem apenas à diminuição das taxas de criminalidade, os relatórios indicam que as autoridades se mostraram mais receptivas do que o habitual a evitar a prisão provisória ou acelerar as liberações.  

Medidas alternativas à prisão aplicadas durante as audiências de detenção ou custódia, como resultado do primeiro interrogatório do acusado, como alternativa à prisão provisória, ou no contexto do julgamento, como alternativa ao tempo de prisão, são essenciais. Coletar, analisar e comunicar dados e informações sobre o uso de alternativas pelos sistemas de justiça criminal é fundamental para que a sociedade entenda o custo e a eficácia dessas medidas.  

Nesta edição da Revista JUSTICE TRENDS, entrevistamos magistrados, líderes penitenciários e representantes de organizações não governamentais para entender seu trabalho na modernização dos sistemas de justiça e suas opiniões sobre a redução da prisão provisória. Também apresentaremos casos notáveis de diferentes continentes sobre como algumas jurisdições estão atuando para reduzir a prisão provisória. 

Desejo-lhe boas e inspiradoras leituras.

Pedro das Neves

Diretor Executivo IPS_Innovative Prison Systems

Diretor da revista JUSTICE TRENDS 

pedro.neves@prisonsystems.eu

Publicidade

Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
JT9 Nigeria Pretrial Reduction PDSS scheme
Assistência jurídica gratuita após detenção reduz prisão provisória na Nigéria