Prisões Inteligentes e Sistemas de Inteligência Artificial expandem na Finlândia

Artigo

Pia Puolakka

Em 2021, o Serviço Prisional e de Liberdade Condicional da Finlândia (PPS, segundo sua sigla em inglês) introduziu a primeira Prisão Inteligente do país, uma instalação para mulheres que alberga 100 reclusas.

A prisão de Hämeenlinna disponibilizou dispositivos pessoais nas celas, os quais permitiram aos reclusos acessar serviços digitais comunicando-se e gerenciando as tarefas diárias de dentro da prisão, além de se comunicar com o mundo exterior através de videochamadas e serviços permitidos na internet.

Em dezembro de 2022, o projeto Smart Prison foi estendido para Prisão de Pyhäselkä, uma unidade masculina, de regime fechado, que atende cerca de 70 reclusos, no nordeste da Finlândia, perto da fronteira com a Rússia. A implantação em Pyhäselkä começou numa ala, e a atribuição de dispositivos pessoais na cela estendeu-se ao resto da prisão durante o primeiro trimestre de 2023.

A policlínica da prisão também está utilizando o sistema de consultas eletrônicas com os reclusos. A ideia de prisão inteligente é semelhante ao da Prisão de Hämeenlinna, inclui utilizadores administrativos ativos que se ocupam da orientação digital diária dos reclusos e do pessoal.

A colaboração com parceiros externos deu um passo completamente novo graças aos dispositivos celulares. Os reclusos agora podem fazer videochamadas diretamente das suas celas para vários funcionários, seus advogados e ONGs que prestam serviços de ressocialização. O sistema de correio eletrônico fornecido aos reclusos como parte do nosso projeto foi bem recebido pelos funcionários. Espera-se que o correio em papel diminua à medida que o sistema de e-mails substitui a forma tradicional de se manter em contacto com os indivíduos encarcerados.

Várias questões de segurança podem preocupar os funcionários no que diz respeito ao sistema de correio eletrônico dos reclusos, mas por outro lado, agora eles são capazes de gerir as suas rotinas diárias de forma mais independente, envolvendo organizações externas e mantendo-se em contato com professores e assistentes sociais, por exemplo.

O projeto da Prisão Inteligente tem atraído muita atenção internacional. O Serviço Prisional e de Liberdade Condicional da Finlândia foi consultado por outros países sobre as principais características e requisitos do sistema inteligente chamado Doris.

Este nome foi escolhido pelas detentas e significa “Sistema de Informação Rápida Organizado Digitalmente” (em inglês Digitally Organised Rapid Information System – DORIS). Ao mesmo tempo, é também o nome de uma mulher em muitos países, um lembrete de que o sistema foi utilizado pela primeira vez por mulheres presas finlandesas. No futuro, Doris irá se expandir a todas as quinze unidades prisionais de regime fechado na Finlândia. O ritmo de implementação será de cerca de duas novas prisões por ano.

Dispositivos pessoais estão disponíneis nas celas das prisões inteligentes da Finlândia.

Há também um interesse contínuo na utilização de sistemas de Inteligência Artificial (IA) dentro do Serviço Prisional e de Liberdade Condicional da Finlândia.

Este ano, o Conselho da Europa finalizará as recomendações sobre a utilização de IA nas prisões e nos locais de liberdade condicional, e a Finlândia tem estado ativamente envolvida no processo de redação. A especialista sênior do PPS, Pia Puolakka, fez parte do grupo de trabalho que redigiu as recomendações e, com base nelas, novos projetos-piloto de IA deverão ser testados este ano nas prisões finlandesas.

Um novo sistema de gestão de infratores (OMS, de acordo com sua sigla em inglês) chamado Roti foi introduzido em maio de 2022. O RISE AI foi concebido para ser uma nova funcionalidade do nosso OMS, e baseia-se na utilização da Inteligência Artificial para avaliar e analisar os riscos e necessidades dos infratores e recomendar serviços que apoiem a redução da reincidência.

O RISE AI é um sistema de recomendação que simula a avaliação do infrator, o planejamento e o processo de serviços de consultoria realizados por especialistas humanos. É suposto ser uma nova ferramenta para os coordenadores seniores responsáveis pelo processo de planejamento de sentenças, e não uma ferramenta automatizada de tomada de decisões, o que iria contra a utilização ética da IA no sistema penitenciário.

Os benefícios implicarão um processo de planejamento de sentenças mais eficiente e eficaz, além de uma melhor adequação entre as necessidades dos infratores e os serviços e programas que lhes são oferecidos durante a sua sentença. Espera-se também que o RISE AI ajude os infratores de curto prazo que passem pelo sistema prisional. A primeira versão do RISE AI será lançada no final de 2023, depois de os funcionários terem sido treinados para utilizar a nova ferramenta digital.

Além disso, o Serviço Prisional e de Liberdade Condicional da Finlândia participou recentemente no projeto piloto do Aurora AI, um programa nacional de Inteligência Artificial que consiste em um sistema de recomendação que ajuda os cidadãos a encontrar serviços públicos necessários e relevantes numa plataforma comum de prestadores de serviços públicos.

A ideia é digitalizar e automatizar parcialmente o processo de orientação de serviços e aumentar a compatibilidade entre os serviços e as múltiplas necessidades dos cidadãos. O Ministério das Finanças e a Agência de Serviços de Dados Digitais e Populacionais estão executando o programa.

Atualmente, a nossa organização está testando a interface de utilizador da Aurora AI para infratores em duas prisões e um escritório de liberdade condicional. O principal objetivo é permitir aos infratores encontrar os serviços que os ajudarão na sua reintegração social enquanto cumprem a sua pena e como um continuum, da prisão à vida civil. O codesenvolvimento com os utilizadores dos serviços é essencial para sistemas de IA éticos e centrados no ser humano.

Ambos os sistemas de IA ajudarão a apoiar o processo geral de gestão dos infratores, incluindo a fase crítica de libertação da prisão. Iremos recolher e analisar as lições aprendidas com o projeto de desenvolvimento dos sistemas de IA RISE e Aurora para saber como avançar no futuro no que diz respeito aos melhores interesses, tanto dos infratores como do nosso pessoal.

Pia Puolakka trabalha no Serviço Prisional e de Liberdade Condicional da Finlândia desde 2012. A sua atual posição, como especialista sênior e coordenadora da equipe de Segurança e Formação Individual, inclui o desenvolvimento de serviços digitais para ressocialização, liderando a implementação do sistema Prisão Inteligente e o desenvolvimento de aplicativos de Inteligência Artificial (IA). Puolakka é membro do grupo de especialistas da EuroPris e faz parte do grupo de trabalho do Conselho da Europa que desenvolve recomendações para a utilização da IA no sistema penitenciário. Sua formação é em psicologia forense.

Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
Como lidar com a radicalização, o extremismo violento e o crime organizado nas prisões: Uma abordagem multifacetada