Promovendo Sistemas Penitenciários Centrados no Ser Humano: Um apelo à compaixão em nosso setor

Artigo

Simon Bonk

Todo indivíduo encarcerado é um ser humano com direito a respeito e dignidade, independentemente de sua história pessoal ou de suas ações passadas. Isso ressalta a importância de uma reavaliação fundamental. Devemos reconsiderar nossa abordagem, não apenas tratando os detentos como seres humanos, mas reconhecendo nossos serviços como algo que eles inerentemente merecem. 

A crença nesse compromisso é compartilhada, transcendendo qualquer organização específica. O potencial de sucesso está em nossa capacidade, como setor, de contribuir para resultados altruístas, impulsionados por um desejo genuíno de obter melhores resultados sociais com base em uma prestação de serviços compassiva e socialmente responsável.

Uma abordagem centrada na comunidade: Além da comunicação com os presos

Embora a comunicação com os presos e os serviços digitais sejam componentes essenciais do nosso setor, nossas responsabilidades vão muito além da tecnologia. No centro de nossa missão está a dedicação em retribuir às nossas comunidades. Como exemplo, retribuir e fortalecer as comunidades que apoiamos. Estabeleça ou apoie fundações que apoiam as pessoas presas ou próximas a elas. A prisão tira a liberdade e podemos garantir que os encarcerados e as pessoas próximas a eles tenham oportunidades de crescimento e sejam preparados para o sucesso, independentemente de gênero, herança social, econômica ou cultural. Como setor, a adoção do conceito de responsabilidade social pode ajudar a desmantelar o ciclo de encarceramento e, ao mesmo tempo, fortalecer nossas comunidades.

Cultivando a ressocialização e a inovação: O cerne de nossa missão

Facilitar a ressocialização deve ser a pedra angular de nossa missão coletiva. Devemos reconhecer que os sistemas penitenciários podem servir como um catalisador para uma profunda transformação social. Portanto, devemos ser incansáveis em nossa busca pela modernização, um esforço que transcende qualquer organização individual. Os esforços contínuos devem incluir o aproveitamento da Inteligência Artificial responsável, a integração perfeita com os Sistemas de Gerenciamento de Infratores e as Soluções de Cuidados com a Saúde dos Detentos e o uso de tecnologias avançadas, como processamento de linguagem natural e aprendizado de máquina, para prever desafios e aumentar a segurança.

Esse esforço coletivo levará a uma maior interoperabilidade, resultando em ganhos de eficiência e eficácia para todos. Isso capacitará os agentes penitenciários, especialmente em tempos de escassez de pessoal, permitindo que eles se concentrem em tarefas de maior valor, como segurança dinâmica, em vez de tarefas administrativas. Além disso, a IA e o aprendizado de máquina responsáveis podem nos guiar em direção a uma abordagem mais proativa dos sistemas penitenciários, afastando-se da postura reativa que caracteriza nosso campo atualmente. Explorar a aplicação do processamento de linguagem natural para identificar problemas de saúde mental entre os funcionários e os detentos antes que eles se agravem e examinar como o aprendizado de máquina pode prever possíveis conflitos criará um ambiente mais seguro e protegido para todos os envolvidos. Devemos impulsionar coletivamente a modernização em nosso setor, contribuindo para uma abordagem mais compassiva e com visão de futuro.

Equidade e acessibilidade: Capacitação por meio de serviços

O acesso à comunicação, à educação e à saúde é fundamental para a ressocialização e para o cumprimento de nossa responsabilidade de cuidado em todas as jurisdições penitenciárias. O compromisso de garantir que esses serviços sejam acessíveis a todos deve ser adotado por todo o setor. Devemos elogiar e apoiar os esforços das jurisdições para promover serviços acessíveis, como visto nos Estados Unidos, com iniciativas que visam reduzir os custos de comunicação. Globalmente, os serviços de comunicação devem ser disponibilizados a preços razoáveis para promover conexões e apoiar a ressocialização.

Além disso, devemos estender esses serviços a jurisdições que talvez não tenham acesso de outra forma. Um excelente exemplo é a extensão dos serviços a regiões carentes, como os esforços contínuos da Telio na África. É essencial que as pessoas, independentemente de sua localização, tenham os meios para se conectar com seus amigos e familiares, ter acesso a aconselhamento jurídico e receber serviços de suporte essenciais. Nosso compromisso deve ser orientado por uma perspectiva ética profundamente arraigada e enraizada na Estrutura Ambiental, Social e de Governança (ESG), reconhecendo a importância da sustentabilidade em todas as nossas transações comerciais.

Uma chamada para colaboração e mudança: Fortalecimento do nosso setor

A jornada rumo a um sistema penitenciário caracterizado pela compaixão e pela responsabilidade social exige esforços coletivos. Devemos reconhecer coletivamente a importância de ir além de nossos serviços individuais. É fundamental o envolvimento ativo e o apoio à pesquisa para promover soluções baseadas em evidências. Apoiar e participar de associações dedicadas ao avanço do setor é igualmente vital. O envolvimento em diálogos com jurisdições sobre oportunidades futuras e esforços de modernização deve inspirar mudanças transformadoras.

Vamos moldar nosso futuro coletivamente. Se o nosso setor se fortalecer como um todo, todas as partes interessadas do ecossistema serão beneficiadas. Nosso foco não deve se concentrar apenas em realizações ou transações individuais. Em vez disso, ele deve se concentrar em permitir que as jurisdições alcancem o sucesso coletivamente. Se o nosso compromisso inabalável se concentrar em melhorar a vida das pessoas dentro do sistema penitenciário, todos nós poderemos ter sucesso em torná-los um empreendimento mais humano. Juntos, podemos fazer uma diferença significativa na vida dos indivíduos encarcerados e daqueles ligados a eles – cada um de nós.

Simon Bonk é membro da Rede de Soluções Tecnológicas da ICPA desde 2016, e preside o grupo desde 2018. Ele também é membro do Conselho da Corrections Technology Association e Diretor de Pesquisa e de Desenvolvimento de Novos Negócios do Grupo Telio. Bonk foi, por mais de seis anos, o CIO e Diretor Geral de Gerenciamento de Informações do Serviço Penitenciário do Canadá. 

Publicidade

Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
Estimular o empenho dos colaboradores como pedra angular de um sistema penitenciário sustentável