Inteligência penitenciária: prevenção e combate ao extremismo e ao crime organizado

Artigo

Pedro das Neves

Crime organizado, grupos ou gangues de presos, corrupção, tráfico de drogas e armas ou outros bens ilícitos, radicalização e extremismo violento são palavras que descrevem algumas das ameaças que podem minar a segurança do sistema penitenciário, colocando em risco os funcionários, os presos e a sociedade.

Os sistemas penitenciários encontram-se face a uma população carcerária perigosa que está se tornando cada vez mais diversificada e difícil de gerenciar. Os grupos que ameaçam a segurança, incluindo grupos criminosos estrangeiros ou nacionais, gangues, bem como extremistas, terroristas, supremacistas e outros cultos e organizações de ódio, tornam-se uma preocupação especial nos relatórios de segurança.

Em muitos países, os gangues prisionais contemporâneos apresentam novos desafios. Eles evoluíram de pequenos grupos predatórios para organizações criminosas sofisticadas com a capacidade de organizar crimes do lado de fora que alteram radicalmente os padrões de violência criminal e, no limite, mantêm os governos reféns da violência e da desorganização debilitantes e orquestradas (como vemos em alguns países da América Latina, na região MENA e em outras regiões do mundo).

As administrações prisionais lutam para controlar a introdução de objetos proibidos ou substâncias ilícitas. Esses objetos podem entrar em uma instituição por diversas rotas; geralmente são difíceis de detectar; alimentam a economia do mercado negro dentro da instituição; e, por fim, prejudicam a segurança da instituição.

O contrabando nas prisões inclui itens ilegais, como drogas e armas, ou itens proibidos, como telefones celulares. Os funcionários da prisão devem ser capazes de detectar e apreender esses itens rapidamente para evitar o abuso de drogas, a violência e a prática de outros crimes. Drogas e armas representam um risco especial em ambientes prisionais, onde há um alto potencial de violência e abuso de drogas.

Além da violência associada ao controle de grupos de contrabando e tráfico de drogas, a presença de drogas pode prejudicar os esforços de reabilitação. Os telefones celulares foram descritos como a preocupação mais premente de muitas administrações penitenciárias; esses dispositivos representam uma ameaça significativa não apenas à segurança institucional, mas à segurança pública em geral. Em alguns países, os detentos têm usado telefones celulares para planejar ameaças e ataques a testemunhas na comunidade, fugas, ataques a funcionários da prisão e distúrbios institucionais. Em todos os países, milhares ou dezenas de milhares de telefones celulares contrabandeados são confiscados a cada ano, o que representa apenas uma fração do número total, pois muitos aparelhos não são encontrados e permanecem em circulação.

Extremismo violento nas prisões

Nas últimas décadas, os ofensores extremistas violentos (VEOs na sigla em inglês) orquestraram incidentes violentos, como a violência relacionada ao islamismo e aos movimentos anti-imigração (Van Heelsum & Vermeulen, 2018), com o objetivo de disseminar sua ideologia por meio da violência e do medo, aumentando publicamente o clima de terror. 
 
A frequência de tais atos violentos (frustrados ou bem-sucedidos) tendeu a aumentar nos últimos anos, tornando os países conscientes da necessidade de insistir no desenvolvimento de estratégias eficazes e atualizadas de prevenção da radicalização, nas quais as prisões têm um “papel cada vez mais proeminente” (Martins & Ziegler, 2018, p. 325), especialmente porque tem sido amplamente afirmado que o recrutamento de ideologias extremistas violentas e – em alguns casos – o planejamento de ataques terroristas tiveram suas origens primárias atrás das grades (Central Intelligence Agency, 2002; Cilluffo, Saathoff, Lane, Cardash, Magarik, et al, 2006; HM Government [HM], 2013; Neumann, 2010). 
 
Os ambientes prisionais tendem a servir de base para o aumento da radicalização, pois não apenas levam ao recrutamento de presos por indivíduos já radicalizados ou VEOs, mas também, consequentemente, funcionam como base para o fortalecimento de grupos extremistas a partir da prisão e vice-versa (ou seja, obtendo apoio de grupos extremistas fora da prisão) (Radicalisation Awareness Network Prison & Probation [RAN P&P], 2016a). Os presos experimentam uma mistura de isolamento social e crise pessoal, dois fatores importantes que contribuem para sua receptividade às mensagens extremistas. 
 
Esses fatores individuais, combinados com outros fatores institucionais e sociais que caracterizam o ambiente prisional (por exemplo, superlotação, privação, violência, dinâmica de grupo, desejo de proteção e pertencimento), são geralmente aceitos como as raízes da radicalização (Brandon, 2009b; Hamm, 2011; Mulcahy, Merrington e Bell, 2013; Silke e Veldhuis, 2017). Uma abordagem de vigilância eficaz é essencial para identificar detentos e atividades que possam representar riscos à segurança da prisão ou à sociedade.

Segurança dinâmica e inteligência prisional

A segurança dinâmica, um termo introduzido no contexto prisional em 1985 por Ian Dunbar (Drake, 2008), aprimora o controle da população carcerária e a reabilitação ao promover a qualidade dos relacionamentos entre os agentes penitenciários (por exemplo, funcionários e presos). Por meio do exercício da segurança dinâmica, os funcionários priorizam a criação e a manutenção da comunicação e da interação diárias com os presos com base na ética profissional, na justiça, na decência e na firmeza.  
 
Um aspecto fundamental da segurança dinâmica é que ela se destina a alimentar o sistema de inteligência da prisão, pois os funcionários podem coletar informações relevantes dos presos durante as atividades de rotina para que possam, então, comunicar essas informações aos profissionais e departamentos relevantes da prisão. O pessoal penitenciário pode coletar informações permanecendo sempre vigilante, relatando qualquer coisa fora do comum e fomentando e construindo relações de trabalho profissionais com os presos, baseadas especificamente na confiança e no respeito.


O desafio para as administrações penitenciárias é, portanto, garantir que sejam adotadas medidas para prevenir, detectar e interromper a radicalização e o extremismo violento (UNODC, 2016), assegurando que os processos e procedimentos necessários estejam em vigor – incluindo inteligência interna e mecanismos de cooperação entre agências – e que os funcionários sejam cuidadosamente selecionados, apoiados e treinados.

A inteligência prisional pode ser usada para combater essas ameaças?

A essência da inteligência prisional gira em torno da coleta, análise e ação sobre as informações de dentro dos sistemas prisionais. Assim como as operações de inteligência fora da prisão, o objetivo é identificar preventivamente as ameaças em potencial e neutralizá-las antes que se manifestem. Isso é especialmente importante no contexto do extremismo e do crime organizado.

Em resumo, a inteligência prisional eficaz i) deve ajudar a identificar precocemente os sinais de radicalização, permitindo uma intervenção oportuna, seja por meio de programas de contrarradicalização, isolamento, concentração ou dispersão de elementos radicais, ou outras medidas apropriadas; ii) deve contribuir para desvendar redes secretas, levando a repressões bem-sucedidas e à prevenção de atividades criminosas planejadas de dentro para fora; iii) deve fornecer insights para o treinamento de funcionários, garantindo que eles estejam bem equipados para reconhecer sinais de extremismo ou atividades ilícitas, assegurando ações e relatórios oportunos; iv) e deve garantir que as ameaças identificadas no sistema prisional possam ser contextualizadas e tratadas no esquema mais amplo de segurança nacional e internacional.

Os desafios são inegáveis. Preocupações éticas sobre a privacidade dos presos, o possível uso indevido da inteligência e a estigmatização geral dos indivíduos encarcerados são questões que exigem uma navegação meticulosa. É fundamental encontrar um equilíbrio entre as necessidades de segurança e os direitos humanos, garantindo que os esforços de inteligência não se tornem ferramentas de vigilância ou opressão injustificadas.

No entanto, os riscos são altos. A disseminação do extremismo e os tentáculos do crime organizado, se não forem controlados dentro dos sistemas penitenciários, representam ameaças significativas que podem se espalhar pelas sociedades. Aproveitar o poder da inteligência prisional não é apenas uma questão de melhorar a segurança dentro dos muros da prisão; trata-se de proteger a própria estrutura de nossas sociedades contra ameaças que se escondem nas sombras. A necessidade de uma inteligência prisional eficaz nunca foi tão premente.

Como a função de inteligência prisional está estruturada em sua organização?

Temos certeza de que essa é uma pergunta que o mantém acordado.

Referências

Brandon, J. (2009). Unlocking al–Qaeda: Islamist Extremism in British Prisons. London: Quilliam. Central Intelligence Agency (2002). Terrorists: Recruiting and operating behind bars.

Cilluffo, F., Saathoff, G., Lane, J., Cardash, S., Magarik, J., Whitehead, A., Raynor, J., Bogis, A., & Lohr, G. (2006). Out of the shadows: Getting ahead of prisoner radicalisation. A Special Report by the Homeland Security Policy Institute at The George Washington University and the Critical Incident Analysis Group at The University of Virginia. Washington, DC: The George Washington University Press.

Drake, D. (2008). Staff and order in prisons. In J. Bennett, B. Crewe, A. Wahidin (Eds.), Understanding prison staff (pp. 153-167). Devon: Willan Publishing.

Hamm, M. (2012). Prisoner Radicalization and Sacred Terrorism: A Life-Course Perspective. In R. Rosenfeld, K. Quinet and C. Garcia (Eds.) Contemporary Issues in Criminological Theory and Research: The Role of Social Institutions—Papers from the American Society of Criminology 2010 Conference (pp.173-204). Belmont, CA: Wadsworth.

Her Majesty’s Government (2013). Tackling extremism in the UK: Report from the Prime Minister’s Task Force on tackling radicalisation and extremism.

Martins, Bruno Oliveira & Monika Ziegler (2018) Counter-Radicalization as Counter-Terrorism: The European Union Case, in Expressions of Radicalization: Global Politics, Processes and Practices. Basingstoke: Palgrave (321–352).

Mulcahy, E., Merrington, S., & Bell, P. (2013). The radicalization of prison inmates: Exploring recruitment, religion and prisoner vulnerability. Journal of Human Security, 9, 4–14.

Neumann, P. (2010). Prisons and Terrorism: Radicalisation and Deradicalisation in 15 countries. London: International Centre for the Study of Radicalisation and Political Violence [ICSR].

Novo, J.; das Neves, Pedro (2021). Inteligencia en los sistemas penitenciarios
(identificación, prevención y gestión de amenazas). Diploma de Experto en Prevención y Gestión de la Seguridad Penitenciaria. UNED, Madrid, Spain.

Radicalisation Awareness Network, the Working Group on Prison and Probation [RAN P&P]
(2016a). Dealing with radicalisation in a prison and probation context. RAN P&P practitioners working paper.

Silke, A., & Veldhuis, T. (2017). Countering violent extremism in prisons: A review of key recent research and critical research gaps. Perspectives on Terrorism, 11(5), 2-11.

Van Heelsum, A., & Vermeulen, F. (2018). Cities’ policies: The work of European cities to counter Muslim radicalisation. Journal of International Migration and Integration, 19(1), 161-179.

United Nations Office on Drugs and Crime [UNODC] (2017). The United Nations Convention against Corruption. Handbook on Anti-Corruption Measures in Prisons. Criminal Justice Handbook Series. Vienna: United Nations.

United Nations Office on Drugs and Crime [UNODC] (2016). Preventing radicalisation to violent extremism in prison. In UNODC (Ed.), Handbook on the Management of Violent Extremist Prisoners and the Prevention of Radicalisation to Violence in Prisons (pp. 107-118). Vienna: United Nations Office Press.

United Nations Office on Drugs and Crime [UNODC] (2015). Handbook on dynamic security and prison intelligence. New York: United Nations.

United Nations Office on Drugs and Crime [UNODC] (2011). Criminal Intelligence – Manual for Analysts. New York: United Nations.

Pedro das Neves tem experiência na prevenção e no combate ao crime organizado e ao extremismo em vários países da Europa, Ásia Central, Oriente Médio e América Latina. Pedro é CEO da IPS Innovative Prison Systems e da ICJS Innovative Criminal Justice Solutions Inc., diretor do conselho da International Corrections and Prisons Association (ICPA) e editor da revista JUSTICE TRENDS.  Ele é professor de Inteligência em Sistemas Penitenciários (identificação, prevenção e gerenciamento de ameaças) no Programa de Mestrado em Prevenção e Gerenciamento da Segurança Penitenciária da Universidade UNED, um programa conjunto da UNED e da Secretaria Geral de Instituições Penitenciárias da Espanha.

Anúncio

Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
Como lidar com a radicalização, o extremismo violento e o crime organizado nas prisões: Uma abordagem multifacetada