Desenvolvendo um quadro europeu para a desvinculação e reintegração de criminosos extremistas e radicalizados

Artigo

Daniela Pisoiu

A desvinculação e a reintegração bem-sucedidas de infratores extremistas e terroristas são cruciais, principalmente para evitar novos ataques terroristas. Os casos de reincidência de terrorismo levantam regularmente questões sobre a relevância e a eficácia dos programas de desvinculação e desradicalização. No entanto, a questão não é se o desengajamento funciona, mas como fazê-lo da melhor forma possível para que funcione. 
 
Em toda a Europa, não há escassez de programas, métodos e abordagens de saída desenvolvidos para esse grupo-alvo específico ou para indivíduos radicalizados sem condenações criminais. Como ocorre de forma mais geral com as abordagens de combate ao extremismo violento (CVE, segundo a sigla em inglês), a questão da avaliação é espinhosa, com poucas indicações concretas sobre a eficácia das medidas. 

Estudo das abordagens atuais na linha de frente Europeia

Para ter uma ideia de quais tipos de métodos e abordagens concretas funcionam na prática, o consórcio EUTEx entrevistou 47 profissionais em 11 países europeus, a maioria assistentes sociais e psicólogos, mas também educadores, trabalhadores de saída e funções semelhantes que atuam diretamente com criminosos extremistas e terroristas. As perguntas abordaram o enfoque geral do trabalho com criminosos terroristas e extremistas, práticas concretas de desvinculação e desradicalização, bem como avaliação de risco, gerenciamento de transição, gênero, formação e necessidades mais gerais.

As reações às perguntas foram surpreendentemente semelhantes, independentemente de os entrevistados trabalharem em países com baixa ou alta densidade de atividades terroristas ou extremistas. Apesar de um aparente fascínio pelo excepcionalismo, a especificidade do trabalho com esse tipo de preso não exige programas ou abordagens especiais ou totalmente novos. 

Em geral, os funcionários trabalham com métodos e práticas que também empregam para outros presos. A diferença geralmente consiste em acréscimos a esses métodos existentes, ênfase em determinados aspectos do trabalho ou maior duração e/ou intensidade do atendimento. É importante ressaltar que o conhecimento sobre ambientes radicalizados e processos de radicalização é essencial para adaptar os métodos adequadamente. 

Além disso, os entrevistados enfatizaram que os problemas enfrentados no ambiente prisional, como telefones celulares, drogas e violência, também se aplicam a esses casos. Consequentemente, as abordagens gerais de boas práticas, como a segurança dinâmica, também são relevantes nesse caso. Todos os entrevistados argumentaram que os regimes de separação não são aconselháveis para fins de desvinculação e reintegração, o que, no entanto, não exclui o monitoramento especial e o isolamento temporário de certos indivíduos se eles se envolverem em proselitismo.  

Outro insight transmitido nas entrevistas diz respeito à relação entre desvinculação e reintegração; embora esses dois conceitos sejam tecnicamente separados, na prática, entretanto, os métodos usados para fins de desvinculação e reintegração muitas vezes se sobrepõem. Além disso, o resultado de uma abordagem pode influenciar a outra, como, por exemplo, quando encontrar uma ocupação significativa como medida de reintegração afeta, ao mesmo tempo, a desvinculação por meio do contato com outros ambientes sociais e a reorientação para atividades alternativas. 

Separar as crenças do comportamento é a pedra angular das abordagens cognitivo-comportamentais e psiquiátricas e algo que pode ser observado de forma mais ampla no trabalho com infratores terroristas e extremistas. Os profissionais se concentram em afetar o comportamento, mudar as motivações, reorganizar as prioridades, mudar as perspectivas e identificar alternativas. 

A influência nas ideias não é algo que possa ser necessariamente alcançado durante o período da sentença, nem algo que o sistema judiciário deva ser essencialmente encarregado de fazer. Os pilares importantes do trabalho de ressocialização e reintegração na prisão são a educação, a formação profissional e o emprego. Vários tipos de formações, como a formação antiagressão e a de controle da raiva, também podem ser usados para esse tipo de preso, se necessário. 

Afetar o ambiente social é uma tarefa desafiadora devido à sua complexidade e ao fato de exigir um longo período de tempo; portanto, é um aspecto que requer esforços de várias organizações. Um aspecto importante que pode influenciar a mudança do ambiente social é, novamente, o emprego.  Outro ponto importante levantado durante as entrevistas foi a ideia de necessidades básicas, que todos os detentos têm, em oposição às necessidades específicas do processo de radicalização. 

Os entrevistados argumentaram que não é possível cuidar de necessidades específicas se não tivermos cuidado das básicas primeiro. As comunidades, assim como as famílias, podem ser um fator positivo ou negativo, este último quando, por exemplo, certas estruturas conservadoras que alocam papéis específicos afetam a perspectiva de desenvolvimento individual posterior, especialmente no caso das mulheres.

Explorando métodos eficazes para estabelecer uma conexão

Além do trabalho social e das terapias em geral, os entrevistados elaboraram métodos específicos que consideravam eficazes. A entrevista motivacional foi mencionada com frequência nas entrevistas, mas muito raramente utilizada na prática. 
 
O trabalho com as biografias de infratores terroristas e extremistas é recorrente nos ambientes de prisão e liberdade condicional e pode ser usado para várias finalidades, desde a avaliação de riscos e necessidades até a descoberta de pontos de contato para intervenções. Por exemplo, os profissionais procuram o impulso, a motivação e os fatores pessoais que podem ter levado ao cometimento do ato extremista. É importante ressaltar que o trabalho biográfico também ajuda a identificar a possível presença de problemas de saúde mental. 
 
Criar um relacionamento, estabelecer uma relação, é uma fase inicial do envolvimento do cliente que pode ser muito desafiadora. Grande parte da aliança de trabalho significa transmitir uma compreensão do fato de que os especialistas estão lá para ajudar e criar um vínculo com o cliente. A duração desse processo de estabelecimento de relacionamento e abertura depende da fase e do tipo de radicalização.
 
Ele também pode não ser bem-sucedido em casos específicos, e os métodos de abordagem também variam. Alguns dos métodos se concentram em conhecer a pessoa e estar aberto a tópicos que inicialmente podem não estar relacionados ao processo em questão. Por exemplo, um entrevistado mencionou que um preso estava interessado em uma determinada capa de CD que ele queria desenhar.
 
Depois de conseguir isso, ele se abriu pela primeira vez para falar sobre sua biografia. As pessoas são diferentes e, portanto, a abordagem precisa se adaptar a cada pessoa; o mais importante é que seja dado o tempo necessário.

Avaliação de riscos e dimensões de gênero

Embora a necessidade de realizar uma avaliação de risco não tenha sido contestada, o tipo de avaliação de risco, o uso ou não de ferramentas de avaliação de risco e o tipo de ferramentas de avaliação de risco aplicadas variam de país para país. 
 
Além disso, o uso de ferramentas de avaliação de risco por si só é considerado insuficiente para os objetivos do trabalho concreto de ressocialização e reintegração, de modo que ferramentas adicionais ou modificadas seriam necessárias para abordar aspectos como necessidades, oportunidades e recursos para ressocialização e reintegração.
 

Isso se relaciona ao fato de que as abordagens de desvinculação e reintegração se baseiam no modelo risco-necessidade-responsividade: o foco não é apenas a periculosidade do indivíduo, mas também suas necessidades e as opções de reabilitação e reintegração.

Várias outras lacunas e dificuldades foram descritas nas entrevistas. Na elaboração de programas e intervenções de ressocialização e reintegração, a dimensão de gênero quase não é considerada, além dos esforços que visam a fornecer assistentes sociais do sexo feminino. Isso se deve principalmente ao pequeno número de mulheres nesse grupo de detentos. Em alguns casos, as mulheres são vistas como tendo papéis subordinados em movimentos extremistas. 
 
Por outro lado, as mulheres são vistas como apresentando um conjunto específico de desafios, em particular aqueles relacionados ao fato de que elas educam as crianças e ao componente cognitivo mais pronunciado de seu processo de radicalização, que inclui a solidificação de certos papéis sociais. O gerenciamento da transição é reconhecido como igualmente importante, mas ainda existem vários desafios, como confiança, tempo e continuidade das ferramentas e do conhecimento. Existem vários modelos e abordagens para o gerenciamento da transição. 
 
Em geral, parece haver uma necessidade de envolvimento dos serviços de liberdade condicional antes da liberação. Os problemas de falsa conformidade intervêm especialmente em situações em que há um sistema de avaliação bastante rotinizado. Foram mencionadas várias necessidades específicas e gerais de treinamento, não apenas com relação às práticas de desvinculação e reintegração, mas também com relação ao conhecimento atualizado sobre cenas extremistas, radicalização e desvinculação.

A contribuição do projeto EUTEx

Com base nessas percepções, bem como em uma pesquisa sobre as práticas existentes na área de desvinculação e reintegração, o consórcio concluiu que era necessária uma formação especializada e baseada em evidências, bem como uma ferramenta aprimorada de avaliação de risco para os principais funcionários que trabalham com criminosos terroristas e extremistas violentos. O EUTEx desenvolveu essa formação e essa ferramenta especializados, com o objetivo de que sua aplicação contribua para a redução da violência terrorista e extremista e para uma Europa mais segura.

A estrutura europeia para a desvinculação e reintegração de infratores terroristas, extremistas e radicalizados na área do extremismo de direita e islâmico inclui vários tópicos, métodos e habilidades cruciais relacionados a compreensão dos processos de radicalização para além das especificidades ideológicas e incluindo aspectos relacionados à saúde mental; avaliação de risco; métodos essenciais a serem usados no trabalho com esse grupo de infratores: a aliança de trabalho; entrevista motivacional; terapia cognitivo-comportamental; especificidades da radicalização e do desengajamento no que se refere às mulheres; o papel das crianças e das comunidades no avanço do trabalho de reintegração.
 
Além desses conhecimentos, métodos e habilidades, o projeto EUTEx também criou uma ferramenta inovadora de avaliação de risco que se baseia em itens de avaliação de risco validados e é enriquecida com um componente de avaliação de força. Ou seja, o profissional tem a oportunidade de usar os insights da avaliação de risco na elaboração de planos de ressocialização e reintegração, juntamente com seus clientes, explorando os pontos fortes, as habilidades e as oportunidades sociais e individuais presentes nesse caso específico.


O projeto EUTEx trabalha com métodos concretos e validados e os transmite em uma formação piloto prática, preparando assim o terreno para um curso de treinamento completo com um componente on-line e off-line.

Para obter mais informações, consulte www.eutex.eu.

Daniela Pisoiu é pesquisadora sênior do Austrian Institute for International Affairs – oiip. Suas áreas de pesquisa incluem terrorismo, radicalização, extremismo, segurança regional comparativa, política externa e de segurança estadunidense e europeia. Concluiu seu doutorado na Universidade de St Andrews, no Centro de Estudos de Terrorismo e Violência Política, e realizou trabalho de campo sobre o tema da radicalização na Áustria, Alemanha e França, bem como em outros países europeus.

Projetos no campo da Prevenção da Radicalização

Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
Prisões Inteligentes e Sistemas de Inteligência Artificial expandem na Finlândia