Torben Adams RAN PP

RAN P&P: Um grupo de trabalho dedicado à questão da radicalização em ambientes penitenciários na Europa e no exterior

// Entrevista: Torben Adams, Rede de Conscientização da Radicalização (RAN)

Copresidente do Grupo de Trabalho de Prisão e Liberdade Condicional (P&P), RAN, Comissão Europeia

 

O que é RAN?

TA: A Rede de Conscientização da Radicalização (RAN, por sua sigla em inglês) é uma rede de profissionais da linha de frente que trabalham diariamente com indivíduos que foram radicalizadas ou que são vulneráveis à radicalização. A rede reúne profissionais da Europa, além de trabalhar em nosso objetivo mútuo: a prevenção da radicalização e o desengajamento do extremismo violento.

Os profissionais envolvidos incluem autoridades prisionais, de liberdade condicional e policiais, mas também aqueles que não estão tradicionalmente envolvidos com atividades de combate ao terrorismo, como professores, jovens trabalhadores, representantes da sociedade civil, representantes das autoridades locais e profissionais de saúde.

O Centro de Excelência da RAN (CoE) é financiado pelo Fundo de Segurança Interna – Polícia, da União Europeia, e lidera o RAN. Ele orienta os diferentes grupos de trabalho temáticos da RAN, e um deles é o Grupo de Trabalho de prisão e liberdade condicional. O Centro também apoia a União Europeia (UE) e cada país quando solicitados sobre a disseminação de conhecimento-chave reunido.

 

O que é o grupo de trabalho sobre prisão e liberdade condicional da RAN (RAN P&P)?

TA: O grupo de trabalho de Prisão e Liberdade Condicional reúne profissionais do setor prisional e de liberdade condicional, como agentes penitenciários e de condicional, diretores das penitenciárias, psiquiatras, assistentes sociais, instrutores profissionais e educacionais, lideres religiosos e outros profissionais de áreas relacionadas.

O Grupo de Trabalho se concentra no apoio a esses profissionais, que têm um papel na prevenção da radicalização e no desengajamento do extremismo violento. O grupo troca ideias, melhores práticas, contatos e insights para elaborar recomendações para a formulação de políticas. A intenção é ser uma plataforma forte para todos os profissionais, pesquisadores e formuladores de políticas reunirem conhecimentos e experiências para combater a radicalização.

Seguimos a Comunicação da Comissão Europeia sobre a Prevenção da Radicalização ao Terrorismo e ao Extremismo Violento, bem como a Agenda Europeia sobre Segurança, uma vez que isso nos fornece o nosso quadro político para as políticas de prevenção da UE.

 

Quem faz parte deste grupo de trabalho?

TA: Nosso grupo de trabalho é composto por aproximadamente 400 profissionais, incluindo representantes de administrações prisionais, serviços de liberdade condicional, ministérios dos serviços de justiça e inteligência, organizações não governamentais (ONGs) e organizações da sociedade civil (OCS) que trabalham com infratores. Uma única solução aplicável em todos os Estados-Membros da UE não é viável, obviamente.

Os Estados-Membros variam na legislação, nos procedimentos operacionais padrão e na organização de seus sistemas prisionais e de liberdade condicional. Isso também fica evidente quando os profissionais se reúnem no contexto da RAN. Nosso objetivo é oferecer uma plataforma onde os profissionais se reúnem e discutem. O objetivo é que os participantes sejam estimulados e incentivados a contribuir para o desenvolvimento de políticas significativas em seus países.

O Grupo de Prisão e Liberdade Condicional está se beneficiando muito da rica experiência da Sra. Fenna Canters e do Sr. Maarten van de Donk do Centro de Excelência da RAN . Eu tenho o privilégio de copresidir o Grupo de Trabalho juntamente com meu colega Dr. Ioan Durnescu, da Romênia. O Sr. Finn Grav da Noruega e o Sr. Angel Lopez da Espanha estabeleceram e presidiram o Grupo de Trabalho antes por muitos anos.

 


Reunião dos grupos de trabalho RAN Exit e RAN P&P em Praga, junho de 2019 – Os participantes discutem a reabilitação de infratores radicalizados ou extremistas e revisam os métodos utilizados em ambos os campos de saída e liberdade condicional © do Centro de Excelência da RAN

Quais são os principais objetivos e prioridades da RAN P&P? 

TA: O principal objetivo de cada evento da Rede é que os profissionais adquiram conhecimentos valiosos. O reconhecimento de que a prisão e a liberdade condicional desempenham um papel significativo no Estado de Direito é importante. Os desafios para os profissionais da prisão e da liberdade condicional que trabalham com criminosos terroristas extremistas violentos ainda estão aumentando e mudando.

À medida que um número crescente de indivíduos são encarcerados por crimes relacionados ao terrorismo, há uma necessidade crescente de responder adequadamente aos seus riscos e necessidades e usar os recursos disponíveis para prepará-los para uma libertação segura na sociedade.

No momento, a análise empírica dos dados da dinâmica social e psicológica por trás da radicalização dos presos ainda é escassa. 

Este ano, nosso Grupo de Trabalho se concentrará nas seguintes questões:

Ressocialização de criminosos extremistas violentos e terroristas (VETOs). Um manual delineará os desafios e as práticas atual na organização desse processo, do ponto de vista da segurança, bem como de uma perspectiva de reintegração.

Avaliação do risco. Depois de se concentrar na implementação da avaliação de risco em 2018, o foco agora é usar a avaliação de risco no nível individual e sobre como os avaliadores estão lidando com desafios no nível do caso.

Regimes prisionais. Um relato mais aprofundado das experiências de vários regimes prisionais será desenvolvido. O objetivo é ir além dos prós e contras dos regimes de concentração e dispersão e desenvolver lições baseadas no contexto a partir das experiências de um grupo de Estados-Membros da UE.

Revendo programas de saída. Juntamente com o grupo de trabalho RAN Exit, um formato de revisão será projetado para ajudar a promover a qualidade e a eficácia dos programas de saída.

Em geral, é importante para nós que os participantes estejam habilitados a fazer uso prático do que aprenderam no quadro de eventos da RAN.

 


Trecho de um infográfico da RAN Collection: “10 Lições Aprendidas sobre Prisão & Liberdade Condicional”

 

No que consiste o trabalho do GT, o que estão desenvolvendo?

TA: É aceito que as prisões fazem parte da nossa sociedade. Mas nem as administrações prisionais nem as agências de liberdade condicional podem substituir o papel da sociedade. Considerando o tempo disponível nas prisões para implementar programas de ressocialização e desengajamento de infratores, é impossível garantir que a reincidência não seja uma possibilidade. De fato, os riscos de radicalização são reduzidos em prisões profissionais e seguras com tratamento justo dos presos.

A ausência desses elementos pode reforçar a mentalidade extremista e aumentar a desconfiança em relação às autoridades, aumentando a possibilidade de formação de grupos e que desencadeie a violência. Investir nas relações cotidianas entre funcionários e infratores por meio do empoderamento dos funcionários, profissionalismo, respeito e medidas dinâmicas de segurança é fundamental para lidar com criminosos extremistas violentos.

Este também é um tópico importante em que os profissionais podem aprender com experiências de outros países. No entanto, a ressocialização dos infratores deve ter sucesso na sociedade, não apenas em ambientes artificiais como as prisões. Os serviços prisionais e de liberdade condicional são responsáveis pela preparação e apoio aos infratores com vistas a eventual libertação, mas a inclusão social só pode ocorrer fora da instituição para que o desengajamento tenha êxito.

A RAN desempenha um papel importante ao reunir diversas partes interessadas que desempenham um papel no processo de ressocialização sob custódia e no processo de reintegração durante o período de transição da custódia em liberdade e após a libertação.

Agora, estamos muito ansiosos para ver o próximo Manual de Reabilitação de Criminosos Violentos Extremistas e Terroristas (VETOs) que será publicado provavelmente no último trimestre deste ano (2019).

Investir nas relações cotidianas entre funcionários e infratores por meio do empoderamento dos funcionários, profissionalismo, respeito e medidas dinâmicas de segurança é fundamental para lidar com criminosos extremistas violentos.

Quais são os resultados mais importantes do grupo até o momento?

TA: A Coleção RAN de Abordagens e Práticas apresenta um conjunto de abordagens de diversos profissionais no campo da prevenção da radicalização, cada uma delas ilustrada por uma série de lições aprendidas e práticas selecionadas de projetos.

Esta coleção deve ser vista como uma ferramenta prática, evolutiva e crescente da qual os profissionais, funcionários da linha de frente e formuladores de políticas podem se inspirar, encontrar exemplos adaptáveis a seu contexto local/específico e identificar parceiros para trocar experiências de prevenção.

Pessoalmente, acho muito útil ter leituras disponíveis que dão insights em áreas de serviços adjacentes, que são relevantes para o meu trabalho no setor prisional também. Só posso convidar todos os leitores ilustres a visitar o site da RAN para encontrar todos os recursos valiosos. Como o projeto que está em andamento, a Coleção RAN será continuamente ajustada e aprimorada com novas práticas dos Estados-Membros da UE/EEE.

 

Que tipo de experiência anterior o Sr. tem na área de radicalização e até que ponto ela apoia seu papel de liderança no Grupo de Trabalho RAN P&P?

TA: Primeiro, eu gostaria de mencionar que eu trabalhei no sistema prisional por 20 anos. Isso dá muita credibilidade quando falo e trabalho com profissionais de linha de frente.

Algumas pessoas se veem como especialistas em prisão e radicalização sem sólida experiência prática na área, o que é preocupante para mim. Alguns anos atrás, escrevi a tese do meu mestrado, uma análise comparativa sobre o programas de desengajamento de extremismo violento (em presídios) no Oriente Médio, Europa e Sul da Ásia.

Tive o privilégio de trabalhar em vários países, e isso me deu uma compreensão básica de diferentes sistemas prisionais e me ajudou a encontrar uma linguagem quando eu me reúno com todos os grandes profissionais da nossa rede. No entanto, devo admitir que estou relutante em me chamar de “especialista em radicalização”. Eu sempre aprendo com outros profissionais durante nossos eventos da RAN.

//

Torben Adams é Chefe de Divisão no Ministério da Justiça e Assuntos Constitucionais do Estado Federal da Alemanha. Entre outras tarefas, ele é responsável por programas e iniciativas de prevenção e combate ao extremismo violento, e pela formação avançada para agentes penitenciários e de liberdade condicional. Começou sua carreira como agente penitenciário em 1997, seu último cargo na prisão foi como diretor de uma prisão juvenil. Tem experiência de trabalho em vários países da Europa, Ásia, África e Oriente Médio. Suas principais paixões são a reforma da justiça criminal e o desenvolvimento prisional.

 

Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
Web_Interviews_LeandroLima_900x950(1)
O sistema penitenciário catarinense avança em várias frentes apesar dos desafios