Combate ao contrabando de telefones celulares: uma abordagem penitenciária baseada em Inteligência (ILC)

Artigo

Mitch Volkart

À medida que as prisões se esforçam por fornecer aos indivíduos encarcerados as ferramentas necessárias para uma reintegração bem sucedida na sociedade, são confrontadas com uma ameaça crescente à segurança: a proliferação implacável de aparelhos celulares não autorizados entre os reclusos. Somada à complexidade do ambiente prisional, a prevalência de celulares de contrabando mina a segurança das instalações e permite que os reclusos perpetuem atividades criminosas a partir das suas celas.

Uma análise recente de 1000 celulares de contrabando recuperados de reclusos expõe uma realidade perturbadora: quase 50% destes aparelhos ilícitos foram utilizados em atividades ilegais, que vão desde o tráfico de droga à fraude financeira e à distribuição de pornografia infantil. Esta constatação realça a necessidade urgente de soluções eficazes para combater o crescente afluxo de celulares contrabandeados e proteger a inviolabilidade dos estabelecimentos prisionais.

Para lidar com o aumento dos dispositivos de contrabando, os sistema prisionais estão se voltando cada vez mais para estratégias de baseadas em Inteligência (Intelligence Led Corrections – ILC no inglês) e adotando um processo de três etapas: detecção, extração e análise. 

Etapa 1: Detecção

A detecção de dispositivos de contrabando como parte da aplicação do ILC por uma organização é uma defesa crucial na linha de frente. Nesta fase inicial, os sistemas penitenciários empregam uma abordagem multifacetada, combinando soluções técnicas e não técnicas para identificar e apreender dispositivos não autorizados. 
 
A realização de buscas regulares nas celas, a utilização de detectores de metais e a utilização de tecnologia especializada de ponta, como os dispositivos de detecção de sinais celulares, estão entre as principais estratégias utilizadas para detectar celulares contrabandeados. Ao procurar e apreender proativamente estes dispositivos ilícitos, os agentes prisionais podem evitar a escalada da comunicação ilícita dentro do estabelecimento.
 
No entanto, é importante reconhecer que a simples detecção e remoção dos aparelhos sem a adoção de medidas adicionais resultará provavelmente num ciclo de remoção e reintrodução. Este primeiro passo é vital para conter os sintomas, mas os passos seguintes devem encontrar e tratar as causas subjacentes.

Etapa 2: Extração

Uma vez confiscados, os dados do telefone celular precisam ser extraídos forensicamente do dispositivo. Este processo crucial requer pessoal especializado capaz de compreender e anular a segurança de cada dispositivo.
 
No panorama em constante evolução da tecnologia dos celulares, os mecanismos de segurança são continuamente reforçados para proteger os dados do utilizador e proteger contra o acesso não autorizado. À medida que os celulares de contrabando se tornam mais avançados nas suas características de segurança, é fundamental que os profissionais colaborem com os seus pares, compartilhando informações e técnicas sobre a análise forense de dados. 
 
A importância do compartilhamento de informações e de conhecimentos especializados não pode ser subestimada, uma vez que constitui a espinha dorsal de estratégias bem sucedidas, orientadas para os serviços de informação, que abordam esta preocupação crítica na segurança dos estabelecimentos prisionais.

 

Etapa 3: Análise

A análise dos dados extraídos está no centro da filosofia da ILC. A análise é a fase crucial em que profissionais especializados, com formação em análise de dados, reconhecimento de padrões e investigações criminais examinam meticulosamente os dados extraídos. Ao examinar os padrões de comunicação, identificar os principais intervenientes e detectar potenciais redes criminosas, os analistas podem traçar um quadro abrangente das atividades ilícitas realizadas através destes dispositivos. 
 
Esta análise pormenorizada é essencial para compreender as táticas utilizadas pelos reclusos para contornar a segurança das instalações e participar em comportamentos ilegais. Também revela frequentemente os métodos utilizados para contrabandear os dispositivos para os estabelecimentos prisionais, bem como as pessoas envolvidas. Além disso, a informação baseada em dados, derivada desta análise, permite que as organizações penitenciárias respondam de forma proativa, interrompam as organizações criminosas e implementem medidas específicas. Ao travar a proliferação de celulares contrabandeados, as organizações criam ambientes mais seguros para os indivíduos e funcionários encarcerados.

A coleta e a análise de dados brutos para gerar informações acionáveis é fundamental para a ILC. No entanto, para efetuar uma análise eficaz, os analistas precisam de ter acesso a dados relevantes que podem estar na posse de outros grupos ou organizações. A troca de dados tem sido historicamente um desafio devido à ideologia restritiva do “direito de saber, necessidade de saber“, que não encoraja o compartilhamento proativo de dados. Ao abrigo do “direito de saber, necessidade de saber“, a informação só é divulgada aos indivíduos ou organizações diretamente envolvidas numa investigação ou tarefa específica. 
 
Embora o objetivo seja proteger a informação sensível e manter a integridade das investigações em curso, esta abordagem conduz frequentemente a informações isoladas e dificuldade de colaboração
.
A existência de fortes limites jurisdicionais para o compartilhamento de dados prejudica os analistas. Os criminosos não atuam apenas dentro de linhas jurisdicionais definidas. Restringir a informação sobre os infratores limita o impacto dos analistas, obrigando-os a trabalhar com informação incompleta.
 

Nos últimos anos, as organizações fizeram grandes progressos no reconhecimento da sua autoridade e responsabilidade social de compartilhar dados proativamente, mudando para uma filosofia mais proativa, “direito de compartilhar, necessidade de compartilhar“. Esta filosofia reconhece que as organizações têm o direito de trocar dados e informações relevantes de forma proativa. Sublinha a importância da partilha de informações como meio de melhorar o conhecimento geral da situação, identificar potenciais ameaças à segurança e promover esforços de colaboração na resolução de questões complexas.

Resumo

A adoção dos conceitos da ILC, utilização destes três passos e adoção de uma filosofia de “direito de partilhar, necessidade de partilhar“, pode ajudar as organizações a manterem-se à frente das táticas em constante evolução utilizadas pelos reclusos para contornar a segurança das instalações, criando um ambiente mais seguro para os reclusos, para o pessoal penitenciário e para a comunidade em geral.

Mitch Volkart é um veterano de 23 anos na aplicação da lei e atual vice-presidente de soluções de inteligência da ViaPath Technologies.  Possui um mestrado em Justiça Criminal e é responsável pela direção estratégica das soluções forenses e de segurança da ViaPath, bem como pelos serviços relacionados com os serviços de informações da empresa, compostos por mais de 175 analistas em todo o país.

Publicidade

Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
Aproveitamento da tecnologia para a reabilitação de prisioneiros: Relatório do UNICRI sobre ‘Reabilitação Digital em Prisões’