Mihai Dima Probation Romania

Romênia: Desafios e Paradoxos do Sistema de Liberdade Condicional

// Entrevista: Mihai Dima

Diretor-Geral do Sistema de Liberdade Condicional da Romênia

Quais são os principais desafios e restrições do sistema de liberdade condicional romeno até agora?

MD: Definitivamente, os desafios e restrições mais significativos para nossa jurisdição estão relacionados com o alto número de sanções e medidas alternativas que precisam ser implementadas pela equipe de liberdade condicional.

Atualmente, as sanções alternativas são muito populares entre o judiciário, por isso o aumento do número dessas sanções da comunidade local foi gerado pela reforma na área das questões criminais.

Assim, a fim de reduzir essa lacuna entre nossos recursos e os requisitos do judiciário, somos obrigados a iniciar um processo que pode ser em si um desafio por causa de suas etapas: identificar candidatos adequados, garantir a formação dos recém-chegados e, claro, sua afirmação em nossa organização são os aspectos mais significativos.

Atualmente, nossa equipe é formada por 360 oficiais de liberdade condicional e abrimos um grande processo de recrutamento para quase 180 cargos. Então, é uma grande infusão de pessoal e isso é um grande desafio, porque o processo não está concluído – digamos que a maior parte do processo é feito, mas levará mais um mês ou dois para terminar. É difícil lidar com 180 pessoas que são novas no sistema de liberdade condicional e precisam ser integradas dentro de nossa organização.

Temos mais de 60.000 pessoas sob sanções e medidas alternativas, então isso tem sido um grande aumento. No final de 2015, tínhamos 40 mil, o que significa que a nova lei foi bem recebida pelos juízes.

Fomos estabelecidos como organização no ano 2000, então até 2014 [que foi o ano em que a nova lei entrou em vigor] tivemos tempo para ganhar a confiança do judiciário como um todo, não só dos juízes, mas também dos promotores e assim por diante. Assim, quando a nova lei foi aplicada eles já nos conheciam, eles sabiam o nível de qualidade do trabalho que podemos entregar.

Temos mais de 60.000 pessoas sob sanções e medidas comunitárias – no final de 2015, tivemos 40.000 – isso foi um grande aumento.

JT: A Romênia tem recebido apoio de entidades de cooperação e da União Europeia (UE), implicando financiamento, assessoramento em políticas e colaboração em diversas áreas com o objetivo de reestruturação e reforma da justiça criminal.

O que esse apoio significa dentro de sua diretoria e como o Sr. acha que a liberdade condicional na Romênia seria sem esse apoio?

MD: O serviço de liberdade condicional na Romênia foi criado graças aos requisitos do processo de adesão do nosso país à União Europeia. Assim, o apoio internacional tanto em termos de financiamento quanto de know-how foi realmente importante. Tivemos o privilégio e também a responsabilidade de observar as melhores práticas na área de alternativas penais e desenvolver nosso próprio modelo conectando-o a valores mais amplos em nossa comunidade.

Na verdade, as oportunidades oferecidas pelos fluxos internacionais de financiamento foram significativas também para estabelecer e desenvolver nossa organização, mas, claro, os instrumentos do serviço de liberdade condicional seriam diferentes sem a conexão que temos no contexto europeu.

Investimos a maioria dos fundos europeus em áreas como o desenvolvimento de ferramentas especializadas para trabalhar com infratores, incluindo avaliação de riscos – da qual mais nos orgulhamos – e formação de nossa equipe, melhoria das condições de trabalho para os funcionários e promoção da organização.

Nossa organização seria menos equipada em termos de conhecimento e de tecnologia se não fosse por essa dimensão internacional do nosso trabalho. Basicamente, a contribuição que recebemos de nossos parceiros na Europa foi – e ainda é – um grande impulso em termos de qualidade e condições de trabalho.

JT: Alguns dos problemas do contexto atual da liberdade condicional são mal-estar, descontentamento e escassez nos recursos humanos.

O que o Sr. tem feito para resolver e gerenciar tais dificuldades?

MD: Nosso sistema de liberdade condicional está passando por um ambiente de mudança, uma vez que começamos como um pequeno departamento no Ministério da Justiça e agora somos uma nova instituição e esse tipo de transição leva tempo, e é claro que requer recursos para ter uma implementação bem sucedida.

Na Romênia temos uma espécie de ditado, que diz assim: “as dificuldades precisam de liderança e parceria”. Por isso, acho importante estar ciente do porquê estamos aqui e como podemos evitar a repetição de tais situações no futuro, no que diz respeito à falta de recursos, sejam humanos, técnicos ou de outras categorias.

Na verdade, iniciamos o diálogo com diferentes parceiros para melhor explicar o contexto e as soluções e como temos que enfrentar as dificuldades.

Ao mesmo tempo, estamos tentando fazer com que nossa voz seja ouvida no nível da comunidade, da sociedade e, o mais importante, entre os políticos, , sobre como obter seu apoio para as medidas futuras que precisamos tomar para superar esse tipo de dificuldades. E, claro, continuaremos nosso trabalho para receber apoio e compromisso internacional.

É difícil encontrar seu caminho como uma instituição jovem no setor público. No final do ano, é necessário pedir fundos e mostrar o que fez, qual é a quantidade de dinheiro que poupou para o Estado – porque se as pessoas não vão para a penitenciária e ficam na comunidade, isso vai significar menos despesas.

Em primeiro lugar, mantê-los fora das penitenciárias reduz os custos. Em segundo lugar, estamos falando sobre o fato de que eles irão trabalhar e pagar seus impostos e assim por diante. Então, com esse tipo de afirmação, estamos dizendo: “Precisamos de mais recursos financeiros para fazer nosso trabalho”.

As estatísticas demostram que cada vez mais, a cada ano, possuímos mais pessoas sob o serviço de liberdade condicional em comparação com os indivíduos encarcerados Então, é difícil, mas é o “jogo” usual, digamos, no setor público.

Mihai Dima na Conferência da CEP (Confederação Europeia de Liberdade Condicional) sobre "Alternativas à Detenção" em Bucareste (outubro de 2016)

Como funciona a formação da nova equipe que está sendo recrutada neste momento para o sistema de liberdade condicional?

MD: Temos dois tipos de formação: temos a formação inicial para os recém-chegados, a fim de mostrar-lhes como será realizado o trabalho. Nós reunimos todos eles no mesmo lugar, por duas semanas, e fazemos a formação inicial com nossos formadores.

Depois disso, eles entram no serviço de liberdade condicional. Em cada unidade, há uma pessoa que supervisiona os recém-chegados por, pelo menos, um ano. Isso está escrito na lei e é assim que estamos fazendo as coisas.

Dia após dia há formação no trabalho sob a supervisão de um de nossos oficiais de liberdade condicional sênior. E, claro, durante este ano de formação, podemos envolvê-los em diferentes sessões de formação ou eles mesmos podem se tornar formadores.

Além disso, colaboramos com o Instituto Nacional da Magistratura, por exemplo, para ter formação comum com os magistrados sobre nossa atividade e legislação.

Fizemos isso nos últimos três ou quatro anos e recebemos feedback positivo de sua parte, quero dizer, que os juízes que trabalharam juntos conosco ficaram muito impressionados porque, no nível institucional, eles tiveram a chance de aprender os detalhes de como o serviço de liberdade condicional funciona.

É muito útil para os juízes terem uma melhor compreensão do nosso trabalho, o que fazemos e como o realizamos.

O apoio internacional foi muito importante, tivemos o privilégio de observar as melhores práticas na área de sanções e medidas alternativas e desenvolver nosso próprio modelo.

Como o Sr. prevê o futuro da liberdade condicional na Romênia, e que desafios serão enfrentados futuramente?

MD: O fato é que, neste momento, temos um plano muito rigoroso para fortalecer o serviço de liberdade condicional em termos do arcabouço legal, dos recursos humanos e outros tipos de recursos. É um plano que foi aprovado pelo governo romeno em 2016 e comunicado ao Tribunal Europeu de Direitos Humanos (CoE).

Se este plano for implementado como propusemos, estimamos que, em até dois anos, o serviço de liberdade condicional terá um equilíbrio adequado entre os recursos e tarefas. É realista acreditar que o serviço de liberdade condicional romeno em 2020 será forte o suficiente. Será um serviço que oferecerá uma intervenção eficiente em benefício da comunidade.

Estamos falando da decisão do Tribunal Europeu de Direitos Humanos sobre as duras condições do sistema penitenciário. Eles [as autoridades do CoE] viram que as medidas e sanções na comunidade são uma solução para lidar com a superlotação nas penitenciárias. Esperamos que o plano que já temos do ano passado e a situação atual contribuam para receber os recursos adequados que precisamos.

Temos o plano, temos os argumentos e temos a razão. Então, o principal desafio é não receber fundos suficientes para executar o plano de desenvolvimento do nosso sistema de liberdade condicional.

 

JT: Quando falamos de medidas de liberdade condicional e sobre o uso da liberdade condicional como desvio para a prisão, muitas vezes em alguns países há uso de prisão domiciliar com ou sem monitoramento eletrônico.

Isso ainda não está acontecendo na Romênia, é algo que prevê para o futuro ou não está em planos imediatos?

MD: Sim, na legislação temos a possibilidade de usar o monitoramento eletrônico como medida preventiva, mas até agora não aplicamos essa disposição em nosso país.

Mais importante é que o monitoramento eletrônico não faz parte das responsabilidades do sistema de liberdade condicional, está sob as competências do Ministério da Administração Interna. Assim, com essa situação de superlotação das prisões, tenho certeza de que esse tema estará novamente na pauta.

 

Quais realizações gostaria de apontar?

MD: Atualmente, temos mais de 60 mil pessoas sob supervisão – mais que o dobro do sistema penitenciário – e esse tipo de números, esses fatos, eram provavelmente impossíveis de imaginar há alguns anos, quando o sistema de liberdade condicional foi estabelecido.

Então, achamos que isso é uma grande conquista. Não estamos contribuindo apenas para mudar a vida desses cidadãos – as pessoas que não vão para a prisão – eles estão ficando na comunidade com suas famílias, mas também achamos que contribuímos para mudar a mentalidade em nosso país em relação ao papel da punição, porque se mostrarmos que a alternativa é forte o suficiente e que isso rende bons resultados, então as pessoas mudarão sua mentalidade. Talvez 10, 15 anos atrás, punir alguém só significava mandar essa pessoa para a prisão.

//

Mihai Dima é o diretor-geral da Direção Nacional de Liberdade Condicional da Romênia. Na Romênia, um novo Código Penal foi implementado em 2014. Esta nova configuração introduziu mudanças substanciais relacionadas às sanções não privativas de liberdade, aos tipos de medidas e obrigações de liberdade condicional e ao papel da liberdade condicional no sistema de justiça do país

Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
Mitigando a ameaça de violência focalizada: o Protocolo de Avaliação da Radicalização Terrorista