Estratégia judicial contra todas as formas de extremismo violento na prisão: diretrizes harmonizadas para juízes

O que gostariamos de publicar, com a contribuição de muitos parceiros, é um pequeno manual destinado aos profissionais jurídicos europeus (magistrados, promotores, advogados, especialistas). Contém instruções, uma esperança

Destaco especialmente o termo “esperança”. Esperança de que essa contribuição – apoiada pela Comissão Europeia e com muitas pessoas e instituições trabalhando juntas, comprometidas com a prevenção e luta contra o fenômeno do terrorismo – facilitaria também a formação de uma consciência mais forte e participativa das diferentes comunidades que compõem a UE, reconhecendo que todos têm o mesmo destino, reconhecendo que todos possuem uma reivindicação legítima de paz e bem-estar.

Hoje, mais do que no passado, pretendemos ir contra aquelas linhas de pensamento que muitas vezes são confusas, que misturam reivindicações e aproximações, carregadas de raiva e notícias falsas, dirigidas na busca de outros interesses, onde prevalece a lógica personalista. 

Tais aberrações ideológicas, se não forem paradas com o bom senso, com a descoberta de intenções e estratégias reais, de conversa firme e a legítima alegação de ter respostas claras e documentadas, podem mergulhar a Europa e sua cultura de legislações e direitos em um risco de consequências imprevisíveis e destrutivas.

Na verdade, o perigo está presente quando os cidadãos europeus são induzidos a não se reconhecerem enquanto uma mesma comunidade, perigosamente remetendo a um tempo que não quer passar e do qual a memória de apenas algumas décadas atrás ainda é ofuscada por conflitos militares e guerras econômicas e comerciais. 

A memória curta e o sofrimento longo ainda parecem ser atualmente os trilhos do trem em que não se deve entrar, uma viagem que deve ser evitada, porque os cenários da Europa moderna e os direitos de hoje e de amanhã podem e devem ser outros.

O bem universal da segurança é um dos objetivos fundamentais deste manual, uma proteção universal que deve ser reforçada pela conquista real de segurança para os cidadãos da Europa. Estes, por sua vez, devem exigir o mesmo por outros povos.

Não me aprofundarei no tema da segurança em seu sentido militar, embora não se possa negar a relação entre guerras e criminalidade como algo que geralmente é estabelecido e cresce progressivamente, como a metástase de um câncer mortal

Minha preocupação mais imediata, por outro lado, é com as questões de segurança na área do crime, com o crime organizado, que não apresenta razão para não oferecer hospitalidade e apoio em troca de um benefício, até mesmo para crimes violentos terroristas e religiosos. 

As criminalidades que temos que enfrentar não têm fronteiras, fusos horários, nem soluções territoriais, pelo contrário, possuem uma grande capacidade de se transformar e mudar estruturas organizacionais, buscando novas fontes de inspiração e lucro.

O trabalho realizado e resumido nesta cartilha, concretizado graças ao inestimável compromisso dos parceiros institucionais e das ONGs representadas, busca traçar estratégias compartilhadas, incentivar o compartilhamento de experiências, combinar ciência e sensibilidade, pois a questão da segurança deve ser tratada em termos globais.

Questões críticas de segurança inevitavelmente sempre afetam os direitos humanos e de cidadania, pois podem representar um limite, se não uma armadilha. No entanto, pelo contrário, se forem estabelecidos métodos de trabalho compartilhados, tais questões também podem constituir uma oportunidade para o crescimento da consciência e da paz social.

O manual, então, ressalta e também busca outro objetivo. Tem a pretensão de significar outra coisa, quer ser uma advertência e conselho ao mesmo tempo: desconfiar de qualquer um que conteste o benefício e a necessidade incondicional de os Estados da UE trabalharem juntos, criarem e construírem relações, conexões, sinergias em comum, porque é precisamente a separação, a visão monocular de cada Estado, região, distrito, cidade e aldeia, que constitui o maior apoio que pode ser dado ao crime organizado e ao terrorismo.

Paradoxalmente, aqueles que querem voltar aos velhos tempos, às fronteiras e marcos, às divisões estritas de línguas e territórios, aos seus próprios sistemas jurídicos exclusivos em termos de direito penal e punição, estão apenas construindo pontes douradas, faixas preferenciais, lugares promissores, para todo o crime organizado e, precisamente por isso, estão cada vez mais tentados a projetar-se em um campo supranacional.

Em suma, pode-se, na verdade, e na era líquida e online em que estados e comunidades são obrigados a viver hoje, ser associados de forma involuntária apoiadores, cúmplices da pior criminalidade, incluindo terrorismo e crimes por crenças religiosas, “por acaso”.

Não entender essa verdade trivial pode fazer a diferença entre o bem coletivo e o mal para todos: na vida diária, se um motorista te atropela a 200km/h, não serve de consolo saber se ele fez isso de propósito, consciente de te atropelar, ou por distração e/ou incapacidade de dirigir. Os efeitos terríveis e devastadores seriam os mesmos.

Por isso, vamos continuar elaborando estratégias compartilhadas e vamos começar a pensar em como as penas de prisão por crimes supranacionais também devem ser executadas nas prisões europeias, reparando o que de outra forma seria uma contradição incompreensível.

Hoje, mais do que no passado, a parte visível da conduta criminal é de natureza supranacional (terrorismo, tráfico de armas, drogas, seres humanos, obras de arte, drogas, etc.) e a conexão do terrorismo político e religioso com o crime organizado é muito frequente, tanto que, se não é uma cumplicidade específica, parece não advertida quando os Estados mostram indiferença e/ou hostilidade em questões de cooperação judicial e policial, assim como na esfera penitenciária.

Juntos, no entanto, a Europa pode.

//

Enrico Sbriglia redigiu esta contextualização em nome do consórcio do projeto J-SAFE. É Diretor Geral na Administração Penitenciária Italiana – Região de Veneto, Friuli Venezia Giulia, Trentino Alto Adige

Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
JLM photo
Em matéria de prisão provisória “não basta mudar a lei.”