Modernização do sistema prisional do Equador

Entrevista

Paolo Di Sciuva

Diretor Internacional do projeto EURESP no Equador

O programa EURESP, financiado pelo Serviço Europeu de Ação Externa (European External Action Service), teve início em setembro de 2022 e terá duração total de 18 meses. O programa foi criado em resposta ao pedido de assistência do Equador. O projeto se concentra em diminuir o impacto da crise carcerária na segurança nacional, ajudando as autoridades a conter a violência das facções criminosas dentro e fora das prisões. O programa também visa restabelecer o controle nas prisões, respeitando os direitos humanos dos detentos.

Que fatores subjacentes levaram o Equador a buscar apoio emergencial da UE em questões de segurança e penitenciárias?

PDS: Sem dúvida, parte dos fatores determinantes foram os eventos ocorridos em outubro e novembro de 2021, bem como em fevereiro de 2022, quando ocorreram os massacres nas prisões. Esses eventos foram completamente inesperados para o Equador, um país que nunca havia tido um sistema prisional problemático até 2019.

Aparentemente, do nada, o Estado equatoriano acordou para um problema gigantesco e crescente. Foi uma experiência tão avassaladora e surpreendente que deveria servir de alerta para todos os países da América Latina e do mundo.

Foi o próprio presidente Lasso que, ciente da experiência italiana no contexto do Programa da UE “EL PAcCTO” (Programa de Assistência da Europa e da América Latina contra o Crime Organizado Transnacional), solicitou assistência da Delegação da União Europeia no Equador.

A colaboração da União Europeia no desenvolvimento de um plano de emergência prisional começou antes mesmo da formalização do projeto EURESP, que ocorreu em 1º de setembro de 2023, pois é um desdobramento do PAcCTO.

Em fevereiro de 2022, foram lançadas as bases para um programa de colaboração entre o governo equatoriano e a Delegação da União Europeia, cujos principais atores são o SNAI (Servicio Nacional de Atención Integral a Personas Adultas Privadas de la Libertad y a Adolescentes Infractores de Ecuador) e o EURESP, que atuará usando o método de força-tarefa, ou seja, operando em conjunto entre especialistas internacionais e autoridades equatorianas.

Com relação aos desafios complexos decorrentes das facções criminosas dentro e fora do seu sistema prisional, como o projeto EUREP aborda essas questões?

PDS: O sistema prisional é uma prioridade do sistema nacional de segurança pública em todas as democracias, assim como o subsistema de inteligência prisional é central para o sistema nacional, especialmente quando os líderes de organizações criminosas são detidos.

É essencial manter um olhar constante sobre o sistema prisional, mesmo quando, aparentemente, tudo parece estar em ordem, porque o que acontece dentro das prisões geralmente tem um impacto significativo sobre o que acontece fora delas.

O conhecimento do que acontece nas prisões é fundamental para evitar problemas futuros na sociedade em geral.

Os líderes de organizações criminosas não podem manter sua influência fora da prisão se não tiverem controle dentro dela. Essa regra criminosa se torna ainda mais forte quando os líderes de diferentes cartéis criminosos competem entre si enquanto estão detidos. Não há outra solução senão interromper e derrotar qualquer vínculo entre os chefes detidos e seus referentes no território.
 
Propomos um sistema de inteligência prisional baseado na classificação e separação dos detentos perigosos dos demais, com diferentes regimes e circuitos de vigilância relacionados à periculosidade específica dos presos e aos requisitos de segurança do Estado.
 
Essa solução também representa a única solução viável para um sistema eficaz de reabilitação para os detentos que realmente o desejam.
 
Não é coincidência que, quando os Estados decidem isolar e separar os líderes criminosos dos outros detentos, os cartéis reagem com estratégias terroristas, ameaças e ataques contra a população civil, ou tentam corromper ou ameaçar os juízes para retornar às prisões onde podem manter seu controle.
 

Essa é uma questão de prioridade máxima, especialmente na América Latina, onde os cartéis da máfia estão demonstrando, dia após dia, uma atitude cada vez mais agressiva, violenta e, ao mesmo tempo, corrupta contra os Estados de direitos. Seu objetivo é desestabilizar as democracias para se tornarem atores políticos e sociais predominantes, com a intenção de se tornarem Estados de direito próprio.

Poderia detalhar algumas das principais estratégias e ações realizadas em cada uma dessas áreas, destacando os resultados específicos alcançados até o momento?

PDS: O sistema prisional equatoriano em 2021 estava efetivamente no ano zero: havia um servidor desarmado para cada 20 detentos armados; a infraestrutura era totalmente inadequada e, após distúrbios anteriores, os sistemas de vigilância haviam sido destruídos.  Além disso, não havia dados de censo, bancos de dados ou registros biométricos sobre a população carcerária. Em contrapartida, havia um índice muito alto de superlotação. A situação era ainda mais crítica em termos de inteligência prisional e gerenciamento de crises.

O projeto EURESP prevê duas abordagens complementares entre si. A primeira é o fortalecimento institucional para o gerenciamento eficiente de crises e todas as informações necessárias para o desenvolvimento real de um sistema de inteligência penitenciária. A segunda é a implementação de um sistema de treinamento para o pessoal penitenciário.

O objetivo final é estruturar o Serviço Nacional de Atendimento Integrado de forma permanente e autossustentável em termos de treinamento, inteligência e gerenciamento de crises.

Até o momento, fizemos progressos significativos. Treinamos 1.400 novos agentes (quase metade do contingente atual), unidades especiais do Grupo de Intervenção em Crises (77) e o grupo especializado em transferências e vigilância de detentos perigosos (88). Além disso, treinamos instrutores de instrutores (36), desenvolvemos treinamento em inteligência, análise de dados e tudo o mais que serve a um sistema prisional funcional, com foco especial no desenvolvimento de um senso de pertencimento.

Estamos compartilhando o objetivo de equipar o SNAI também com ferramentas técnicas para gerenciar crises e desenvolver inteligência de alto nível, e no próximo semestre desenvolveremos o tema da Escola de Treinamento, que já pode contar com material didático de nível internacional.

É importante ressaltar que o projeto adota uma abordagem holística, reconhecendo que a segurança prisional é fundamental para a segurança de um estado afetado por gangues. A história mostra que organizações criminosas como a Nova Camorra Organizada e o Primeiro Comando da Capital tiveram origem nas prisões.

É por isso que compartilhamos com o Ministério do Interior uma série de workshops no território nacional para desenvolver o documento de segurança pública do Estado equatoriano para 2023-2030, com a participação de especialistas europeus e latino-americanos em questões como crime organizado, terrorismo, tráfico de pessoas, tráfico de armas, mineração ilegal e lavagem de dinheiro. Nesse processo, fornecemos inteligência prisional e protocolos de gerenciamento de crises prisionais que são parte integrante desse documento crucial.

Como a cooperação de especialistas europeus e latino-americanos contribuiu para enfrentar os desafios específicos do sistema penitenciário equatoriano? Além disso, como o Sr. prevê a manutenção dos resultados dessa parceria no futuro?

PDS: O método da força-tarefa tem sido uma das chaves para o sucesso, com sua ideia fundamental de sempre buscar a solução certa para o sistema penitenciário equatoriano, aproveitando a experiência e o conhecimento de especialistas europeus e/ou latino-americanos, de acordo com as necessidades do momento.

A colaboração conjunta entre o Estado equatoriano e especialistas internacionais provou ser a escolha certa, pois nos permitiu agir com a flexibilidade necessária em um ambiente em rápida evolução e degeneração.

Nossa estrutura não tem sido a de impor ou transferir padrões ou ideias, mas sim a de compartilhar experiências e treinamento, após analisar as necessidades específicas do Equador. Nosso objetivo tem sido, e continua sendo, estabelecer bases autossustentáveis e permanentes ao longo do tempo.
 

No entanto, olhando para o futuro, infelizmente é necessário ter em mente um contexto de instabilidade política atual, que representa um desafio adicional para manter o impulso alcançado até agora.

Nesse sentido, o desenvolvimento de uma Escola de Treinamento no próximo semestre constituirá o cumprimento dessa estratégia para garantir a sustentabilidade.
 
Também seria necessário fortalecer a estrutura regulatória, e também estamos trabalhando com as autoridades equatorianas nesse sentido, tanto em nível político quanto jurisdicional.
 
Por fim, é importante lembrar que, em última análise, o sucesso na luta contra o crime organizado, tanto dentro quanto fora das prisões, depende em grande parte de uma batalha cultural, bem como da conscientização e da vontade da população de acabar com o domínio desses grupos.
 

Na Itália, por exemplo, em 1992, os assassinatos dos juízes Giovanni Falcone e Paolo Borsellino levaram a uma reação pública que fez com que os políticos tomassem as medidas necessárias. A revolução cultural foi fundamental para provocar uma mudança duradoura. Esperamos convocar uma conferência de consenso semelhante no futuro.

Paolo Di Sciuva

Paolo Di Sciuva, Diretor Internacional do projeto EURESP no Equador

Paolo di Sciuva, Juiz da Corte de Cassação Italiana e Diretor Internacional do Programa EURESP, liderou investigações contra o crime organizado e cartéis de tráfico de drogas em escala internacional. Atuando como promotor nos distritos mais mafiosos do sul da Itália, ele coordenou e conduziu investigações em vários julgamentos contra o crime organizado. Ele também foi especialista em medidas de prevenção antimáfia pessoal e patrimonial no Ministério Público de Trapani (Sicília). Com sua longa experiência em Direito Penitenciário e Execução Penal e trabalho de pesquisa, é especialista nos vínculos entre o mundo penitenciário e o crime organizado que opera fora dos muros da prisão, e na gestão de colaboradores da justiça. Foi candidato a doutorado em Direito Processual Civil e professor na Escola de Polícia Estadual de Caserta.

Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
UNODC Dynamic Security Training Iraq Torben Adams
O trabalho do UNODC no gerenciamento de presos extremistas violentos e na prevenção da radicalização para a violência nas prisões