Navegando pelos desafios dos serviços correcionais de Ontário: Transformando o futuro

Entrevista

Karen Ellis

Procuradora-Geral Adjunta, Serviços Penitenciários de Ontário, Canadá

Os serviços penitenciários no Canadá envolvem uma interação complexa entre os governos federal, provincial e territorial, cada um com áreas distintas de jurisdição. Os programas de serviços penitenciários provinciais e territoriais são responsáveis pela administração de adultos que cumprem penas privativas de liberdade inferiores a dois anos, indivíduos detidos enquanto aguardam julgamento ou sentença e aqueles que cumprem penas comunitárias. 

Esta entrevista enfoca a perspectiva provincial, especificamente a estratégia progressiva de Ontário para modernizar os serviços penitenciários. Isso inclui construções, reformas e avanços que tratam de questões como superlotação, aprimoramento dos serviços de saúde mental, melhoria dos programas para detentos e reintegração à comunidade, além de elevar o treinamento dos funcionários. O Ministério do Procurador Geral assume a responsabilidade pelos Serviços Penitenciários da província, cuja evolução foi orientada pela Procuradora Geral Adjunta Karen Ellis nos últimos dois anos.

À luz da agenda de modernização em andamento para os Serviços Penitenciários de Ontário, a Sra. poderia falar sobre os principais desafios que identificou e as medidas que estão sendo tomadas para enfrentá-los?

KE: Somos uma peça muito importante de um ecossistema muito maior no setor de justiça e precisamos garantir que a parte do sistema que administramos seja segura, eficaz e responsável. Esse é o foco de todo o treinamento e trabalho que realizamos no espaço dos Serviços Penitenciários. 

O sistema penitenciário de Ontário enfrenta desafios de longa data, incluindo infraestrutura e capacidade físicas, falta de tecnologia e expectativas crescentes de responsabilidade, transparência e tratamento de dados frequentemente confidenciais ou sensíveis, como exemplos.

Houve um aumento no número de pessoas sob custódia que estão em prisão preventiva, relacionado a um acúmulo de processos judiciais decorrente da pandemia da COVID-19 e aos esforços recentes dos tribunais e dos governos para reprimir indivíduos que são acusados de crimes enquanto estão na comunidade sob fiança. Esses fatores contribuíram para o alto número de pessoas presas preventivamente, pressionando o sistema. Entre nossa população encarcerada, mais de 80% estão em prisão preventiva e estão sob nossa custódia por um período médio superior a 60 dias. Precisamos trabalhar com esses indivíduos e tentar oferecer programas e apoio para a saída.   

Estamos investindo mais de US$ 500 milhões em cinco anos para modernizar os serviços penitenciários e melhorar a saúde e a segurança por meio de novas contratações e melhorias na infraestrutura. As novas atualizações de construção aliviarão as pressões de capacidade, criarão espaço adicional para programas de tratamento aprimorados e suporte à reintegração na comunidade e aumentarão a capacidade dos tribunais de vídeo.

O ministério está trabalhando para fortalecer os serviços de saúde. Estamos investindo em recrutamento, retenção e treinamento para a equipe da linha de frente.  

Enquanto estiverem sob custódia, os indivíduos podem acessar programas de ressocialização e apoio para melhorar os resultados à medida que se reintegram à comunidade.  

O trabalho está em andamento para promover a segurança e a supervisão na comunidade de forma eficaz.  A equipe de agentes de liberdade condicional e liberdade vigiada (PPOs, segundo a sigla em inglês), a equipe de apoio e os gerentes trabalham para manter as comunidades e as vítimas seguras, fornecendo apoio centrado nas pessoas para mais de 38.000 clientes.

Ajudar os indivíduos a reingressar com sucesso em sua comunidade é uma etapa importante para contribuir com a redução da reincidência e manter a segurança pública. Ajudamos os detentos a fazer mudanças, oferecendo programas de ressocialização e encaminhamentos para os serviços necessários, com uma abordagem equilibrada da aplicação da lei.

 JT: Um relatório do Gabinete do Auditor Geral de Ontário indicou que “o tratamento e os programas de ressocialização, o planejamento de alta e as condições de vida nas instituições não eram suficientes para aumentar as chances de reintegração positiva dos detentos na comunidade”.

A Sra. poderia falar sobre as medidas que foram implementadas para resolver os problemas identificados pelo Auditor Geral de Ontário?

KE: Trabalhamos diligentemente para atender às recomendações e temos o compromisso de ajudar as pessoas sob nossa custódia. Atender às necessidades de cada indivíduo dentro do maior sistema penitenciário provincial do Canadá e, ao mesmo tempo, garantir a segurança do sistema é um enorme desafio. A população que atendemos é muito diversificada e suas necessidades individuais variam muito. Vemos os complexos desafios enfrentados em sua reintegração, pois muitas vezes as necessidades básicas, como moradia, emprego, educação e saúde, não são atendidas. 

As recomendações sinalizaram a necessidade de melhorar o trabalho no planejamento de alta, ajudando as pessoas a se reintegrarem com sucesso à comunidade.  Precisamos focar em modernizar nosso trabalho de reintegração, garantindo que as evidências informem a tomada de decisões e que possamos fazer a diferença para as pessoas sob supervisão.

Desde o relatório do Auditor Geral, fizemos um progresso muito bom. Por meio de nossa Estratégia de Reintegração na Comunidade, estamos apoiando as pessoas sob nossa custódia, aprimorando os serviços internos e conectando-as a recursos baseados na comunidade para apoiar sua reintegração às suas comunidades. Por exemplo, agora exigimos que nossa equipe institucional se reúna com todas as novas pessoas que chegam à instituição e preencha um Formulário de Reintegração Comunitária dentro de 72 horas. Esse formulário inclui um componente de lista de verificação que ajuda a nossa equipe a identificar quais serão as necessidades dos detentos após a soltura para garantir a continuidade do apoio após a soltura.

Continuamos a fortalecer nossas parcerias com outros ministérios para expandir nosso conhecimento e áreas de especialização a fim de aumentar as oportunidades de acesso dos detentos – inclusive os que estão em prisão preventiva – a programas de emprego, educação e alfabetização/habilidades básicas. Estamos fortalecendo as relações entre o ministério e outras partes do sistema social e de justiça, prestadores de serviços e organizações comunitárias, inclusive organizações indígenas.

Nosso plano de modernização da infraestrutura também é uma parte crucial desses esforços.

Estamos construindo uma instalação moderna no norte de Ontário, que fará uma grande diferença para aqueles que estão sob custódia, ajudando a aumentar suas chances de um resultado melhor. Também estamos investindo em construções modulares que acrescentam uma ala extra às estruturas existentes, melhorando os ambientes de trabalho, permitindo uma melhor programação e aliviando algumas pressões de capacidade. 

 JT: No ano passado, o governo de Ontário criou novas equipes especializadas em Segurança Institucional em instalações penitenciárias.

A Sra. pode fornecer informações sobre os motivos por trás da criação dessas equipes e como elas contribuem para os objetivos mais amplos da instituição?

KE: Temos equipes dedicadas de segurança institucional (ISTs, segundo a sigla em inglês) em várias instituições da província. Essas equipes identificam os riscos à segurança e à proteção das instituições penitenciárias, dos funcionários e dos detentos. Elas trabalham em estreita colaboração com os gerentes de segurança e os Oficiais de Inteligência de Campo para coletar informações de apoio à inteligência sobre questões como contrabando, tráfico de pessoas e outras preocupações de segurança. 

Em 2020, o governo de Ontário assumiu o compromisso, como parte da Estratégia de Combate ao Tráfico de Pessoas, de aumentar o investimento nessas equipes de segurança institucional, juntamente com outras medidas para fortalecer a coleta de informações e inteligência para lidar com o volume e a complexidade dos casos de tráfico de pessoas.  

O objetivo desses investimentos é identificar e monitorar os traficantes de pessoas dentro do sistema e apoiar as investigações criminais para levar os infratores à justiça. Esse é um exemplo de nossa cooperação e interdependência no ecossistema da Justiça.

Também temos oficiais de inteligência de campo (FIOS, segundo a sigla em inglês) que, juntamente com os ISTs, coletam informações para identificar possíveis ameaças, evitar o tráfico de drogas e detectar itens de contrabando por meio de esforços de colaboração.

Os agentes penitenciários são treinados para reconhecer sinais de afiliações e atividades de gangues, e temos protocolos de compartilhamento de informações em vigor com os serviços policiais.

Como os esforços de modernização se alinharam à necessidade de abordar questões como o crime organizado e a radicalização nas instituições penitenciárias?

KE: Os agentes penitenciários são treinados para reconhecer sinais de afiliações e atividades de gangues, e temos protocolos de compartilhamento de informações em vigor com os serviços policiais. 

Sob os auspícios da Unidade de Supervisão e Investigações dos Serviços Penitenciárias, o ministério opera a Unidade de Inteligência Correcional de Ontário (OCIU, segundo a sigla em inglês), que conta com FIOs que trabalham em várias instalações em toda a província, juntamente com Analistas de Inteligência. Essa unidade identifica, analisa, monitora e aconselha sobre questões de inteligência dentro do sistema penitenciário.  

As ISTs e a OCIU se conectam com parceiros de policiamento e inteligência em áreas prioritárias, como afiliação a gangues, redução da violência com armas e gangues – que, obviamente, está ligada em grande parte ao crime organizado – e tráfico de pessoas.  

Iniciamos uma implementação em fases de uma ferramenta de relatório modernizada para rastrear digitalmente os incidentes em instituições e locais de serviço comunitário. O novo sistema aprimorará a consistência, a precisão e a eficiência dos relatórios de incidentes, permitindo-nos rastrear estatísticas e tendências críticas que poderemos compartilhar com os parceiros do sistema judiciário.  

Como parte de nossa Estratégia de Contrabando e Plano de Ação anunciados em junho de 2021, o governo fez alterações regulatórias para aprimorar a triagem e as buscas de todos que entram na área segura das instituições, incluindo funcionários, visitantes, prestadores de serviços e voluntários.

Essa foi uma etapa importante do Plano, que também incluiu a instalação de novas tecnologias de segurança, como scanners de íons adicionais para detectar vestígios de drogas e sistemas de detecção de telefones celulares e drones.

 

Olhando para o futuro próximo, quais são os principais desafios que a Sra. acha que os Serviços Penitenciários de Ontário enfrentarão?

KE: O trabalho que estamos realizando na infraestrutura continuará sendo fundamental. A melhoria da qualidade da assistência médica penitenciária, abrangendo serviços de saúde física, mental e de dependência, será mantida como prioridade máxima. Estabelecemos uma Divisão de Serviços de Saúde dedicada no segundo semestre deste ano para melhorar a qualidade dos serviços para os detentos sob custódia, e vamos nos concentrar no fortalecimento da prática clínica e na supervisão independente dos recursos e da equipe de saúde. 

Estamos trabalhando na mudança para registros médicos eletrônicos, o que inclui etapas transformadoras, e trabalhando para obter o credenciamento em nossa área de serviços de saúde. Recrutar e reter profissionais de saúde, dada a escassez contínua nesse campo, é outro desafio significativo que estamos enfrentando, e esperamos que isso continue.

O apoio à nossa equipe é fundamental porque a melhoria de seus ambientes de trabalho e o apoio ao seu bem-estar permitem que eles deem o melhor de si no serviço público.  Priorizamos a saúde mental dos funcionários por meio de vários programas e iniciativas oferecidos pela nossa divisão de Serviços de Saúde, bem como por meio de treinamento de liderança com o objetivo de criar ambientes de trabalho mais positivos e aprimorar nossa cultura organizacional. Reconhecendo os fatores de estresse específicos enfrentados por nossos funcionários, implementamos um programa de apoio entre colegas e um programa para as famílias de funcionários do sistema penitenciário para aumentar a conscientização sobre os recursos disponíveis e oferecer apoio.

Devemos ser muito sensíveis às pressões diárias que eles enfrentam e à capacidade de nossos líderes e funcionários de absorver o nível de mudança que estamos vivenciando no contexto mais amplo e as mudanças que estamos implementando para responder tanto aos serviços institucionais quanto aos serviços penitenciários comunitários. Essa é uma das razões pelas quais temos um foco tão forte no desenvolvimento da liderança.  

Nosso Programa Caminhos da Liderança, desenvolvido em colaboração com líderes de todo o setor, abrange mais de 40 tópicos para ajudar todos os líderes do sistema penitenciário a navegar com eficiência em nosso ambiente complexo. Já formamos mais de 200 líderes, que continuam recebendo apoio contínuo de um consultor de liderança. O programa produziu impactos positivos, pois os participantes relatam que se sentem mais valorizados e mais bem equipados para liderar.

Muito pode ser aprendido por meio da colaboração entre os setores de segurança pública. Os desafios enfrentados nos serviços penitenciários podem se basear em soluções de outros setores. O trabalho da Secretaria de Saúde Mental e das Mesas Colaborativas de Saúde Mental será essencial para resolver os desafios de amanhã.

Karen Ellis

Procuradora-Geral Adjunta, Serviços Penitenciários de Ontário, Canadá

Karen Ellis tornou-se Procuradora Geral Adjunta de Serviços Penitenciários, no Ministério da Procuradoria Geral em Ontário, em julho de 2021.  Antes de ingressar no serviço público de Ontário, Karen adquiriu mais de 20 anos de ampla experiência como executiva sênior no serviço público federal do Canadá, abrangendo políticas, operações, prestação de serviços e três cargos regionais. Antes de ser nomeada Procuradora Geral Adjunta, atuou como Vice-Ministra Adjunta de Serviços Institucionais no mesmo Ministério, onde teve supervisão estratégica e operacional e responsabilidade por 25 instalações penitenciárias para adultos, incluindo prisões provinciais, centros de detenção, centros penitenciários e centros de tratamento.  Karen traz para seu serviço público uma experiência considerável em gerenciamento de mudanças e desenvolvimento de liderança.

 

Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
Colaboração internacional e ressocialização de extremistas num Serviço Penitenciário reformado