Radicalização, segurança dinâmica, tecnologias e outros pontos centrais do sistema penitenciário de Bremen

// Entrevista: Sebastian Schulenberg

Diretor-Geral de Prisão e Liberdade Condicional, Senado da Justiça e Assuntos Constitucionais, Bremen, Alemanha

O Sr. poderia, por favor, nos dar um panorama do sistema penitenciário de Bremen e falar sobre os principais eixos em que o Senado da Justiça e Assuntos Constitucionais intervém?

SS: O sistema penitenciário de Bremen está organizado para trabalhar em direção a dois objetivos centrais, o primeiro é permitir que os infratores levem uma vida livre de crimes e socialmente responsável, e o segundo é proteger a sociedade de novos atos criminosos. Para isso, dependemos fortemente de multas e sentenças comunitárias em vez de sentenças de prisão.

Bremen tem uma taxa de população prisional de 91, que é relativamente menor do que outros membros da União Europeia. No entanto, ainda há espaço para melhorias, ao compará-la com outros Estados federais alemães. Acreditamos que nossa política prisional é progressiva. Há décadas seguimos focados em um regime prisional mais aberto, seguindo as ideias de ressocialização e assumindo a responsabilidade e o cuidado com as necessidades de cada detento.

Consideramos os presos como nossos concidadãos e nossos futuros vizinhos, então realmente tudo gira em torno do tratamento respeitoso. Ao mesmo tempo, estamos desafiando os encarcerados a se desenvolverem como indivíduos. Ter programas terapêuticos desafiadores para os infratores e trabalhar com eles é essencial para o nosso regime prisional – e não apenas trancá-los. Em Bremen, temos um slogan: “O primeiro dia na prisão é o primeiro dia para se preparar para sua vida após sair da prisão”.

Embora Bremen seja o menor estado federal alemão, administramos duas prisões (uma na cidade de Bremen e outra em Bremerhaven) e supervisionamos todos os tipos de regimes prisionais e sentenças de custódia. Além disso, o Senado de Justiça e Assuntos Constitucionais é responsável pelas decisões financeiras relativas a medidas disciplinares, à estratégia geral do sistema prisional e às penas não privativas de liberdade.

 

Até que ponto o Sr. acha que tamanho reduzido da população carcerária facilita o trabalho? O Sr. acha que isso representa menos desafios em termos de gestão penitenciária e inovação?  

SS: Embora tenhamos uma população prisional relativamente pequena, devemos tomar decisões burocráticas rápidas. Estamos familiarizados com os problemas locais, de modo que as informações são repassadas rapidamente para a prática de execução, o que nos torna muito flexíveis.

Por outro lado, ter uma população carcerária de 650 pessoas (com um máximo de 717 vagas no sistema) amplia nossas capacidades. Só para dar um exemplo: temos que administrar um regime para mulheres detentas, embora só abriguemos cerca de 20 delas.

Como diretor-geral, também sou responsável pelo bem-estar da minha equipe, por isso prefiro um cenário com apenas 500 presos. Precisamos de pessoal altamente especializado para unidades relativamente pequenas de presos, o que é um desafio por si só, mas isso também significa enriquecimento e satisfação no trabalho, pois nossos funcionários têm a oportunidade de trabalhar em diferentes regimes prisionais.

Em termos de inovação e gestão da mudança: só recentemente, durante uma conferência em Berlim, houve uma declaração de um colega da Irlanda. Ele disse que podia dizer que Bremen é uma cidade hanseática, o que achei legal porque realmente somos.

Pensar fora da caixa, buscar parcerias com nossos vizinhos, compartilhar nossas melhores práticas, trocar ideias e aprender uns com os outros está em nosso DNA. Em Bremen, permitimos tentativa e erro, envolvemos nossa equipe na gestão de mudanças, e acho que temos uma base sólida se confiamos na experiência institucional e individual.

Por exemplo, recentemente terminamos o projeto “Prisão 2020”, no qual envolvemos nossos agentes penitenciários de todos os diferentes níveis hierárquicos. Em uma instituição maior, com muitas unidades administrativas, tal coisa não teria sido possível.

Poderia mencionar alguns dos principais desafios atuais do sistema penitenciário?

SS: A ascensão dos refugiados na Alemanha, que trouxe muitos jovens infratores de países do norte da África há quatro anos, foi para nós uma situação desconhecida e desafiadora. Além disso, a radicalização e os infratores extremistas são um problema nos dias de hoje.

Outro desafio é o fato de que temos 40% dos presos de origem estrangeira. Nosso pessoal prisional se depara com uma população carcerária que fala várias línguas diferentes, então o primeiro desafio é a comunicação e com isso não me refiro apenas a palavras e vocabulário, mas também a comunicação não verbal, que é diferente de uma cultura para outra.

Assim, nosso conceito de ressocialização pode não se encaixar totalmente para detentos de culturas não europeias, devido a diferentes experiências pessoais e sociais e diferentes significados culturais. Um exemplo é que em nosso sistema prisional cada preso tem seu próprio quarto – o que eu, como europeu, acharia reconfortante. Mas, outras pessoas, especialmente nossos jovens infratores do norte da África tendem a sentir que ser deixado sozinho em seu quarto é uma maneira de isolamento e punição.

No entanto, estar perto da equipe realmente ajuda a estar ciente dos problemas e a enfrentar todos os tipos de desafios. Ser diretor-geral e me reunir com o pessoal da prisão com bastante frequência – não estou muito longe em um Ministério, mas sim uma viagem de dez minutos de trem – me permite saber qual é o humor geral, como todos se sentem sobre as mudanças, suas opiniões sobre projetos, bem como seus problemas de saúde e nível de satisfação.

Então, não estamos apenas fazendo um trabalho teórico aqui no Ministério. Eu conheço a maioria dos funcionários, eles me conhecem e o contato regular com eles torna as coisas mais fáceis.

Abordar o problema da radicalização na prisão requer pessoal bem treinado, uma abordagem bem pensada para a terapia, incluindo programas terapêuticos especiais e, claro, considerações de segurança.

JT: A radicalização violenta e o extremismo são um problema não só na Alemanha, mas também em todo o mundo. O Senado da Justiça e Assuntos Constitucionais de Bremen está liderando a discussão sobre a prevenção da radicalização e as intervenções, com uma perspectiva europeia, na Alemanha.

Como o Sr. vê esse problema e qual é a abordagem do Senado de Bremen para a prevenção da radicalização?

SS: Historicamente, o foco ao trabalhar com extremistas violentos e dissociá-los da violência tem ocorrido principalmente através da força física e do encarceramento. Mais recentemente, acredito que percebemos que não podemos resolver o problema apenas por esses meios.

Para um trabalho eficaz, precisamos manter bons padrões em alto nível, além de nos especializar no tratamento de presos radicalizados. Creio que abordar o problema da radicalização na prisão requer pessoal bem treinado, uma abordagem bem pensada para a terapia, incluindo programas terapêuticos especiais e, claro, considerações de segurança. Um aspecto muitas vezes esquecido é que precisamos de recursos humanos e financeiros suficientes. Finalmente, é preciso que haja um arcabouço legal bem adaptado.

Em Bremen, promovemos a formação judicial sobre a radicalização nas prisões e, ao mesmo tempo, estamos fomentando uma cultura jurídica e judicial. Organizamos seminários orientados à prática para nossa equipe e projetamos um currículo para realizar seminários com o objetivo de formar nossos agentes penitenciários.

Além disso, sobre este tema, estamos especialmente interessados em intercâmbios multilaterais, incluindo entre profissionais legais e multiplicadores que introduziram novos conteúdos e novos métodos em nossa estrutura de formação já existente.

Creio que, em uma Europa unificada, não devemos repetir os erros que outros aprenderam há muito tempo. Então, para nós, essa troca é muito importante. Compartilhamos práticas e informações com países como Grécia, França, Holanda, Portugal, Romênia e Espanha. Além disso, somos muito ativos dentro da Rede de Conscientização da Radicalização da União Europeia.

Um ponto importante é que remodelamos nosso arcabouço legal para facilitar acordos de cooperação sólidos e eficazes com muitos parceiros, incluindo outras instituições governamentais e autoridades de segurança, ao mesmo tempo em que encontramos um equilíbrio adequado entre direitos fundamentais e leis de proteção de dados.

 

Qual é o papel da inteligência penitenciária, se em vigor, para combater a radicalização nas prisões?

SS: Na Alemanha, e em Bremen, não temos um sistema de inteligência prisional como os outros o chamariam, mas sim uma abordagem que se baseia em segurança dinâmica. Isso significa que treinamos nossa equipe e os encorajamos a desenvolver boas relações pessoais com os presos, para que eles os conheçam e os entendam como indivíduos.

Há uma abordagem de mentoria, na qual um número de infratores é nomeado para um agente penitenciário que participa de decisões cruciais, incluindo a liberação condicional.

Com essa abordagem, tanto o pessoal geral do presídio quanto os mentores ganham informações, o que é crucial para o processo de ressocialização e para a segurança. Sempre que esses mentores se deparam com informações confidenciais (ou sensíveis), eles as repassam para outras autoridades de segurança parceiras. Acreditamos que essa abordagem é bem-sucedida em obter o máximo de informações do sistema em vez de depender de um serviço de inteligência abstrato.

Em um Estado federal, como a Alemanha, acho que deve ter em mente que a perda de informações deve ser evitada, pois implica em um sistema de vários níveis. Assim, o que precisamos é, antes de tudo, de um arcabouço legal que garanta a cooperação interinstitucional e, com base nisso, é preciso que haja acordos de cooperação que devem ser consolidados. Isso deve ser uma rotina diária e requer pessoal bem treinado para trazer as leis e acordos de cooperação. Além disso, é fundamental que a relevância da informação, de quem está envolvido e de que forma e os limites definidos pelo arcabouço legal sejam muito claros.

Em Bremen, já institucionalizamos esse tipo de cooperação entre as organizações de segurança e o sistema penitenciário. Temos o KODEX, um centro de competências envolvendo o Ministério do Interior, o Departamento de Justiça, Educação e Assuntos Sociais, tudo sob um guarda-chuva.

JT: O Senado da Justiça e dos Assuntos Constitucionais lidera ou integra vários projetos e iniciativas transnacionais.

Quais são os principais projetos em andamento e até que ponto a cooperação internacional é importante para a organização, especialmente para o seu departamento?

SS: Para nós, como o menor estado federal da Alemanha, a cooperação internacional é absolutamente crucial e eu diria que é um dos pontos centrais de nossas políticas prisionais.

Uma iniciativa muito importante é o nosso projeto “Combate e Prevenção do Extremismo Violento”, com foco no contexto penitenciário e financiado pela União Europeia (UE). Em seguida, executamos um projeto com nossos parceiros da Europa sobre como mobilizar a sociedade para a reintegração de ex-infratores. Isso é importante para garantir uma boa transição após sua liberação.

Além disso, estamos trabalhando com diversos parceiros no que diz respeito ao cuidado em saúde mental, que é uma grande questão no ambiente de custódia e vemos muito espaço para melhorias nesse sentido. O abuso de drogas, incluindo as químicas, e o que faz com a saúde mental dos detentos, é um desafio que enfrentamos em toda a Europa.

O desenvolvimento de pessoal também é uma área onde sinergias com contrapartidas internacionais são importantes. Alguns exemplos que ilustram nossas atividades: permitimos que nossa equipe de prisão e condicional participasse de uma formação conjunta com colegas gregos e representantes da Confederação Europeia de Liberdade Condicional (CEP) na Grécia, nossa equipe visitou instituições na Áustria e nos Países Baixos.

Alguns colegas visitaram o serviço prisional e condicional sueco para uma espécie de estágio, tivemos formadores da Holanda em Bremen, tivemos frequentemente visitantes da Jordânia, e tivemos intercâmbios com colegas de outros países, por exemplo, da Sérvia e Armênia.

Agradecemos o apoio e a cooperação da União Europeia e do Conselho da Europa, pela cooperação com nossos parceiros internacionais e fico feliz em mencionar a nossa parceria com a IPS_Innovative Prison Systems, de Portugal, que é um dos nossos principais aliados.

Não temos um sistema de inteligência prisional como os outros diriam, mas sim uma abordagem que depende de segurança dinâmica.

JT: A tecnologia e a modernização tecnológica tendem a desempenhar um papel fundamental nos sistemas de justiça/serviços penitenciários modernos e imaginamos que a realidade não é diferente em sua jurisdição

Qual é o papel do Senado  da Justiça e Assuntos Constitucionais de Bremen nesse assunto?

SS: Nossa Lei Penitenciária transmite uma mensagem clara e forte: a vida na prisão deve ser o mais aproximada possível da vida fora dela. Então, se há tecnologia fora do cárcere, geralmente ela tem que encontrar o caminho para o presídio.

Vinte anos atrás, era impensável que os presos tivessem uma TV em seus quartos e em Bremen agora todos eles têm acesso a três canais básicos, para que possam assistir esportes e notícias, o que os permite, ao menos em parte, a permanecerem parte da sociedade.

Em seguida, há telefones. Todos os detentos podem fazer telefonemas através de linhas telefônicas seguras, embora aqueles em condições de prisão preventiva só possam ligar para certas pessoas após uma verificação de segurança, mas isso permite que eles mantenham contato com suas famílias, o que acreditamos ser importante.

E o mais recente desenvolvimento tecnológico que estamos pensando em implementar são os tablets. Estamos pesquisando como podemos fazer uso desses dispositivos para rotinas diárias, para organizar os horários dos presos, para dar-lhes acesso a certos sites pré-verificados, por exemplo.

A tecnologia também desempenha um papel fundamental em termos de segurança. Algumas das tecnologias que temos em vigor incluem sistemas antidrones, sistemas de visitação de vídeo e também usamos o Skype. Tendo uma porcentagem significativa da nossa população prisional de origem estrangeira, essas tecnologias de comunicação permitem que eles mantenham contato com suas famílias no exterior. Contamos também com monitoramento eletrônico, é claro.

Precisamos oferecer tanto os recursos financeiros quanto as facilidades para que os presos possam utilizar tecnologias e estamos moldando a Lei para corresponder às necessidades atuais relativas a esse tema – a lei deve sempre acompanhar a mudança tecnológica.

As políticas prisionais devem consagrar o princípio da normalidade, o que significa que a vida sob custódia deve se assemelhar à vida fora da prisão e é o Senado da Justiça e Assuntos Constitucionais que é responsável por isso. Nós realmente vemos os presos como cidadãos – não um objeto de segurança do Estado. Eles têm seus direitos individuais e precisamos ajudá-los a encontrar seu caminho de volta para a sociedade.

//

Dr Schulenberg é Diretor Geral de Prisões, Serviços Sociais e Alternativas à Prisão no Senado da Justiça e Assuntos Constitucionais da Cidade Hanseática Livre de Bremen, na Alemanha, desde 2016. Foi professor de Direito Europeu e Direito de Responsabilidade Estatal na Universidade de Bremen nos últimos sete anos. Seu currículo inclui três anos como juiz e três anos de pesquisa em Direito. É graduado em Direito, possui mestrado pela Universidade de Cambridge (Reino Unido) e doutorado pela Faculdade de Direito da Bucerius em Hamburgo, Alemanha.

 



PublicidadeJUSTICE TRENDS 5 Partner Attenti

 

Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
Programa de Fiança de Toronto: Reduzir a prisão provisória por meio de supervisão e apoio