O plano de humanização que busca um modelo prisional unificado e renovado 

// Entrevista: Jean Alain Rodríguez

Procurador-Geral da República Dominicana

 

JT: Notícias de março de 2019 explicam o Plano de Humanização do Sistema Penitenciário, o qual “busca criar um modelo único, garantir o respeito aos direitos humanos, com um plano para melhorar a infraestrutura e os programas de ressocialização e reintegração social que são ensinados nas 41 penitenciárias do país” (Fonte:  Procuradoria-Geral da República).

No que consiste é exatamente o Plano de Humanização do Sistema Penitenciário da República Dominicana e no que se baseia?

JR: O Plano de Humanização do Sistema Penitenciário, que foi lançado pela Procuradoria-Geral da República (PGR), é um dos principais projetos de infraestrutura, educação e capacitação a serem realizados no país. É composto por dois eixos principais: um se concentra na solução da superlotação histórica das prisões dominicanas, enquanto o outro eixo se concentra no tratamento dos presos visando à sua ressocialização e reintegração à sociedade, embora ambos estejam intimamente ligados.

Atualmente, a Procuradoria-Geral da República, por meio da Diretoria Geral de Prisões e do Modelo de Gestão Penitenciária, possui em sua administração um total de 41 instalações penitenciárias, sendo 19 pertencentes ao sistema penitenciário tradicional e 22 ao chamado “novo modelo”. A população total de presos no sistema penitenciário nacional às vezes ultrapassa 26.000 presos, mas só temos uma capacidade máxima de 14.219 vagas, com alto grau de superlotação nos recintos que pertencem ao modelo tradicional. Isso significa que estamos falando de uma superpopulação de cerca de 12.000 presos.

É impossível falar sobre ressocialização e reintegração em condições como essas. Como podemos encorajar um indivíduo a recuperar sua dignidade e valor na sociedade, se durante seu tempo na prisão não o tratamos com a dignidade e coragem que queremos promover quando ele deixá-la?

O Plano de Humanização busca resolver esse problema, a partir da construção de novas instalações e da expansão e readaptação das já existentes para facilitar esse processo. Além disso, temos mais de 500 adolescentes em conflito com a lei que são privados de liberdade em centros de atenção integral especificamente para jovens, que também receberão tratamento especial dentro do Plano de Humanização.

Até que ponto o Plano de Humanização do Sistema Penitenciário diz respeito à reforma prisional e ao Novo Modelo de Gestão Penitenciária que vem sendo implementado pela Procuradoria-Geral da República há vários anos?

JR: As condições de vida dos detentos nas prisões dominicanas têm sido uma questão de preocupação para as autoridades dominicanas há anos. A reforma prisional iniciada no início deste milênio foi um importante reconhecimento da situação precária em que viviam nossos presos e da necessidade de mudanças urgentes dentro das prisões do país.

Com essa reforma, foram alcançados inúmeros avanços, incluindo a melhoria das condições de internação de uma parcela significativa da população carcerária e a implementação de programas de formação que eliminassem o ócio dentro dos presídios. No entanto, o Novo Modelo de Gestão Penitenciária não conseguiu estender-se a todo o sistema, deixando-nos com uma dicotomia com sérias implicações nos direitos humanos, onde alguns presos gozam de instalações básicas, enquanto outros cumprem suas penas em condições deploráveis.

Essa estagnação do Novo Modelo de Gestão Prisional, natural ao longo dos anos, e os altos níveis de superlotação em um número significativo de unidades prisionais, deram origem ao Plano de Humanização, que visa ser a resposta definitiva para esses problemas, finalmente conseguindo unificar o modelo tradicional e o chamado “novo modelo”, em um único modelo, renovado e direcionado inteiramente para a ressocialização e reintegração social.

O Plano de Humanização pretende ser a resposta definitiva (...) finalmente conseguindo unificar o modelo tradicional e o chamado "novo modelo", em um único modelo, renovado e direcionado inteiramente para a ressocialização e a reintegração social.

JT: Certamente uma intervenção tão profunda requer grandes investimentos.

Qual é o nível de investimento que estamos falando e que apoio a Procuradoria-Geral da República tem para realizar esse empreendimento?

JR: Como o objetivo é buscar respostas definitivas para um problema de décadas, este é, sem dúvida, um projeto ambicioso. Estamos falando de um investimento de aproximadamente 180 milhões de dólares (mais de 159 milhões de euros). Parte dos recursos utilizados neste projeto vem das multas milionárias cobradas na esteira da acusação de vários casos notórios de corrupção na República Dominicana.

Assim, com esse investimento estamos transformando um evento negativo em uma iniciativa positiva, dando um exemplo de como o combate ao crime efetivamente pode dar frutos.

 



 

Explicando o Plano de Humanização do Sistema Penitenciário



Até que ponto o Plano de Humanização das Prisões Dominicanas inclui a implementação de tecnologias?

 

JR: A tecnologia desempenhará um papel importante do ponto de vista da segurança, com um extenso sistema integrado de câmeras, monitorado a partir de um moderno centro de controle em cada unidade prisional, o que permitirá que o interior e o perímetro do complexo prisional em questão sejam mantidos sob supervisão.

Da mesma forma, a iluminação e climatização dos edifícios serão gerenciados através de painéis de controle, a partir de um botão de controle localizado em cada edifício de alojamento, tanto nas novas construções quanto nas ampliações.

Para economia de energia, usaremos a tecnologia LED nas luzes e, quanto aos aspectos administrativos, equiparemos os escritórios com os computadores e servidores necessários para o armazenamento e gerenciamento das informações geradas pelo centro.

A população total de presos no sistema prisional nacional às vezes ultrapassa 26.000 presos, mas só temos uma capacidade máxima de 14.219 vagas.

 

Agentes de Vigilância e Tratamento Penitenciário da República Dominicana

 

 

JT: Em relação às gangues e ao fenômeno do crime organizado no sistema de justiça criminal, especialmente no sistema prisional:

Como é que a PGR lida com esse problema? Existe um sistema de inteligência prisional (se sim, em que ele consiste)?

JR: Este é certamente um desafio, que não é exclusivo da República Dominicana, mas que é agravado em nosso país precisamente pela falta de estruturas físicas adequadas para controlar efetivamente o grande número de presos que lidamos, especialmente aqueles mantidos nos complexos do modelo tradicional.

Apesar dessa situação, podemos destacar que no novo Modelo de Gestão Penitenciária temos um corpo especializado de agentes – denominados Agentes de Vigilância e Tratamento Prisional – encarregados da segurança nas penitenciárias e da manutenção da ordem, disciplina e bom comportamento dos internos.

Como parte das ações dentro do Plano de Humanização, estamos trabalhando justamente no recrutamento e formação de mais desses agentes para atender o sistema à medida que completamos o programa de construções e extensões das instalações. Dessa forma, no final do Plano todas as unidades terão um contingente desse corpo especializado.

É claro que conhecer o perfil de cada preso é essencial para neutralizar desde o início a formação de qualquer organização criminosa dentro das penitenciárias. Por isso, dentro do Plano de Humanização, pretendemos reforçar os processos de avaliação de cada detento no momento da admissão. Isso nos permitirá tomar decisões mais informadas sobre sua gestão e o tratamento mais adequado para alcançar sua ressocialização.

 

Resultado final da ampliação e readaptação do Centro de Atenção Integral aos Adolescentes em Conflito com a lei da província de Santiago, o primeiro prédio inaugurado no âmbito do Plano de Humanização do Sistema Penitenciário

O Plano de Humanização do Sistema Penitenciário é um dos principais projetos de infraestrutura, educação e capacitação a serem realizados no país.

 

Início das obras da unidade de São Luís em Santo Domingo Este para prisão provisória

 

JT: Se, por um lado, construir, expandir e/ou melhorar a infraestrutura prisional do país for favorável, por outro, a taxa excessiva de encarceramento permanece, com 249 detentos por 100.000 pessoas.

Qual é a sua estratégia para reduzir a população carcerária e existem medidas para aumentar as penas alternativas e penas cumpridas na comunidade sem recorrer à privação de liberdade?

JR: Estamos cientes de que o encarceramento deve ser o último recurso, razão pela qual estamos trabalhando intensamente no desenvolvimento de mecanismos de prevenção da criminalidade, que hoje é um eixo de grande importância dentro da política criminal. Portanto, o Plano de Humanização do Sistema Penitenciário, além de um plano de construção, é um plano voltado para a ressocialização e reintegração social do indivíduo. Com a implementação dessa política de prevenção terciária, buscamos impactar a criminalidade a longo prazo e, assim, reduzir o número de presos nas prisões dominicanas.

//

Antes de sua nomeação como procurador-geral da República, em 2016, o Dr. Jean Alain Rodríguez atuou como Diretor Executivo do Centro de Exportação e Investimento da República Dominicana (2012-2016). Ele começou seus passos no serviço público como Advogado Assistente na Procuradoria Geral do Distrito Nacional, para mais tarde ocupar cargos como Embaixador, ligado ao Ministério das Relações Exteriores e membro da Comissão Nacional de Práticas Comerciais Injustas & Medidas de Salvaguarda. No setor privado, foi assessor jurídico de instituições como o Instituto Dominicano de Telecomunicações, a Direção Geral da Alfândega e o Ministério do Turismo. É graduado em Direito pela Pontifícia Universidad Católica Madre y Maestra e concluiu três mestrados, na área de Direito, em universidades da França e Itália.

 

Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
Uso excessivo da prisão provisória: uma proposta de caminho da Europa