Superando os desafios da introdução de serviços digitais em prisões analógicas   

Artigo

Christopher Ditto

Os últimos três anos trouxeram disrupções sem precedentes, pois a pandemia COVID-19 forçou o mundo a se adaptar a uma nova maneira de viver e trabalhar. Uma das mudanças mais significativas tem sido a aceleração da transformação digital na maioria das indústrias, com inúmeras organizações adotando novas tecnologias para otimizar as operações empresariais e impulsionar mudanças fundamentais.   

A transformação digital tem apresentado tanto desafios incríveis quanto oportunidades promissoras. À medida que caminhamos para uma nova normalidade, fica claro que as instalações penitenciárias não funcionarão – e não podem – funcionar da mesma forma que antes.

A reestruturação completa dos procedimentos analógicos, muitos dos quais podem ser fundamentais para as operações diárias, pode ser uma tarefa assustadora. Mas as instalações penitenciárias que embarcam em projetos de transformação digital podem produzir melhores ambientes de trabalho para os funcionários e melhorar os resultados para os detentos.     

Para ter sucesso neste “novo normal”, as instalações penitenciárias devem focar na implementação de serviços digitais que melhorem suas operações diárias e lhes permitam ter sucesso além do “velho” normal.

Por exemplo, na ViaPath Technologies, temos trabalhado com milhares de estabelecimentos penitenciários em projetos de modernização que facilitam a verdadeira transformação digital.

Nossos projetos têm variado de simples melhorias de processo, tais como a introdução de formulários digitais de presos e a entrega digital de mensagens digitalizadas de presos, até interações mais complexas, tais como o uso de sistemas de aprendizagem de máquinas para alertar a equipe para a comunicação suspeita de presos e padrões de depósito que indicam extorsão.

Outros projetos envolveram automação, como o uso de software de aprendizado de máquina para rever fotos e vídeos de nudez, e a introdução de recursos de autoatendimento de detentos, como a introdução de pedidos de encomendas digital, uma biblioteca digital, ou a funcionalidade de banco digital para detentos.    

Não importa onde cada organização penitenciária se enquadre na continuidade da transformação digital, identificamos cinco dimensões-chave que podem ajudar a orientar qualquer projeto e ajudar as partes interessadas a garantir que elas estejam preparadas para prosperar no novo normal:  

#1. Construindo uma rede segura e confiável 

O sucesso da transformação digital depende fundamentalmente da qualidade da infraestrutura de rede de uma organização e, sem uma rede confiável, os benefícios potenciais da transformação digital são limitados.
 
Ao introduzir adicionalmente a conectividade sem fio, os dispositivos digitais podem ser portáteis e fornecer uma conexão em tempo real para alimentação de dados, recursos de nuvens, ferramentas de monitoramento e bancos de dados. Para dispositivos portáteis dos detentos, tais como tabletes, uma rede digital permite a prestação de educação online, formulários, investigação jurídica, mensagens, chamadas telefônicas, entretenimento em streaming e visitas de vídeo.
 
Quando a cobertura sem fio é estendida para incluir dormitórios e celas, os detentos podem acessar esses serviços a qualquer momento e sem assistência, reduzindo a necessidade de escolta de funcionários e possivelmente liberando imóveis valiosos, como uma biblioteca de direito ou sala de correio, para outros serviços de detentos.
 
Para os dispositivos de funcionários, a conectividade sem fio permite a comunicação, o rastreamento dos agentes e a comunicação em tempo real da contagem, movimento ou status dos detentos durante as rondas dos agentes.

#2. Seleção de dispositivos digitais de grau corretivo 

Sejam dispositivo portáteis de funcionários, tablets de presos, quiosques ou dispositivos IoT, como fechaduras inteligentes ou câmeras IP, os dispositivos digitais penitenciários são um pré-requisito para qualquer transformação digital. Sem hardware, não há mecanismo para coletar dados ou prestar serviços, mas qualquer dispositivo de hardware deve ser selecionado sob a suposição de que os usuários tentarão desmontá-lo, deixá-lo cair, e molhá-lo com líquido.   

Dispositivos de uso único, tais como sensores IoT, fechaduras inteligentes, leitores de cartões e câmeras IP podem aumentar a segurança, monitorar movimentos e reduzir a carga de trabalho do pessoal, automatizando tarefas tais como verificações de segurança. Os dispositivos penitenciários multiuso permitem que uma única peça de hardware, como um tablet, forneça uma ampla variedade de novas características, com a possibilidade de introduzir serviços adicionais no futuro.   

#3. Otimização de tarefas tediosas ou repetitivas

Muitas organizações se debatem sobre por onde começar sua jornada de transformação digital e um ponto de partida potencial é procurar tarefas frequentes que impactam o tempo e a motivação dos funcionários. Os processos baseados em papel são uma fonte comum de angústia, pois podem ser enfadonhos, demorados e propensos a erros.
 
Ao digitalizar processos como queixas e pedidos de presos, rondas de oficiais ou pedidos de encomenda, os dados podem ser coletados e entregues instantaneamente. Algumas organizações, como Serviços Penitenciários de Nova Gales do Sul, chegaram ao ponto de conduzir estudos de tempo e movimento, buscando oportunidades de melhoria de processos que podem beneficiar tanto os detentos quanto o pessoal. Estes tipos de otimização podem, em última análise, reduzir custos e melhorar o ânimo dos funcionários.

#4. Introdução de novos recursos digitais para presos 

Nas últimas décadas, a experiência dos detentos permaneceu relativamente inalterada – dormir, comer, fazer exercícios, fazer uma chamada, repetir. Os detentos de hoje tiveram uma vida diferente antes de serem presos e precisam de outros recursos durante o encarceramento para manterem-se calmos e engajados. Recursos digitais mais recentes, como chamadas, vídeo e mensagens por meio de tablets, permitem que os presos permaneçam conectados com seus entes queridos, reduzindo a carga do isolamento e da solidão.
 
Além disso, podem ajudar na ressocialização, proporcionando acesso a formações profissionais e oportunidades educacionais que ajudam os detentos a se reintegrarem com sucesso à sociedade. Recursos de entretenimento como podcasts, notícias, música e filmes têm um efeito calmante e permitem que os detentos permaneçam mentalmente conectados com o mundo exterior e melhor preparados para a vida após o confinamento.  

#5. Fomentar uma cultura de experimentação  

Nem todas as mudanças serão bem-sucedidas – o planejamento para o fracasso é um aspecto crucial da transformação digital. Pode parecer intuitivo evitar correr riscos se houver uma chance de fracasso, especialmente em um ambiente de trabalho avesso ao risco, como o penitenciário. Mas é necessário fomentar uma cultura de experimentação para determinar quais oportunidades digitais oferecem maior eficiência e maior valor aos funcionários e aos detentos.     

Esta abordagem implica em realizar avaliações regulares para determinar quais áreas não estão funcionando e fazer ajustes. Também é essencial ter um plano de contingência em vigor para mitigar quaisquer rupturas que possam surgir de falhas ou deficiências tecnológicas. Além disso, as instalações penitenciárias devem estar abertas ao feedback dos funcionários e dos detentos para garantir que suas necessidades estejam sendo atendidas durante o processo de mudança. Ao adotar uma mentalidade de experimentação e adaptabilidade, as instalações penitenciárias podem continuar aprimorando suas operações e produzir melhores resultados.    

A transformação digital não se trata apenas de tecnologia, mas também de transformar a forma como as organizações funcionam. Dentro das instalações penitenciárias, a transformação digital pode desempenhar um papel fundamental na melhoria da segurança dos funcionários e dos detentos, ao mesmo tempo em que aumenta a eficiência e reduz os custos. Embora nem todas as mudanças sejam bem-sucedidas, abraçar uma cultura de experimentação e adaptar-se de acordo com ela pode ajudar as instalações a implementar com sucesso novas ferramentas digitais e estabelecer uma nova linha de base para eficiência, segurança e proteção.   

Christopher Ditto

Christopher Ditto é o vice-presidente de Pesquisa e Desenvolvimento da ViaPath Technologies, o maior fornecedor de tecnologia de comunicação para detentos nos Estados Unidos. Durante a última década, trabalhou como engenheiro, arquiteto de software e gerente de projetos na construção de recursos de comunicação de detentos e de tablets, implementando tecnologia para mais de 1.000 instalações penitenciárias, atendendo mais de 800.000 detentos diariamente,. O Sr. Ditto reside no Vale do Silício e escreveu anteriormente um livro de 500 páginas, o Webmaster Answers, e ganhou um Webby Award 2008 enquanto trabalhava para uma grande agência internacional de publicidade interativa. Ele é licenciado com honras em Artes, na Universidade da Califórnia, Berkeley e um possui mestrado em Jornalismo pela Universidade de Nova York.  

Publicidade

Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
A Divisão CPDL do Conselho da Europa apoia os Estados-Membros no combate à radicalização nas prisões