Virtual reality for drug rehabilitation in probation project

Uso de tecnologia avançada de realidade virtual no ambiente penitenciário para tratamento de dependência de drogas

De acordo com o último relatório do Conselho da Europa SPACE II (Aebi & Chopin, 2018), há cerca de 1,6 milhões de pessoas sob a supervisão ou cuidados dos Serviços de Liberdade Condicional na Europa, ou seja, uma taxa média de 219 supervisionados por 100.000 habitantes.

Pesquisas mostram que há uma alta prevalência de uso de drogas entre as pessoas em liberdade condicional e a população infratora em geral (ver, por exemplo, a revisão de Fazel, Bains e Doll, 2006). Na verdade, a maioria das pessoas que entram em contato com o sistema de justiça criminal tem um histórico de uso de drogas. Além disso, muitos continuam usando drogas enquanto cumprem suas sentenças, e para algumas pessoas, as prisões podem constituir um ambiente onde elas adotam padrões de consumo ainda mais prejudiciais (Stöver & Kastelic, 2014).

Pesquisas também indicam que egressos do sistema prisional frequentemente retornam a ambientes que provocam uma forte recaída no uso de drogas e os colocam em risco de overdose (Binswanger et al., 2012). Assim, a prisão e a liberdade condicional são cenários importantes para propor respostas ao vício em drogas e problemas de saúde relacionados a isso (como doenças infecciosas), e à segurança nas prisões e na sociedade (Stöver & Kastelic, 2014). No que diz respeito às opções de tratamento, as pesquisas mostram que os avanços nas tecnologias, especialmente a realidade virtual (RV), são promissores para o tratamento em dependência (Metcalf et al., 2018).

Com seus ambientes tridimensionais gerados por computador, a realidade virtual é imersiva, multissensorial e centrada no usuário, tornando-a uma potencial ferramenta terapêutica (Bordnick, Carter, & Traylor, 2011). Na verdade, um dos potenciais da RV é expandir a metodologia de reatividade de sinais (os dependentes reagem a estímulos associados ao uso de drogas na forma de aumento do desejo, excitação fisiológica e comportamentos de busca de drogas). A exposição à sugestão é utilizada para facilitar o aprendizado e o reforço cognitivo de novos comportamentos, além de provocar a supressão do desejo na presença das sugestões relacionadas ao uso de drogas e álcool (Hone-Blanchet, Wensing, & Fecteau, 2014).

Os métodos tradicionais de exposição (por exemplo, bastões em laboratório) apresentam muitas limitações, incluindo questões de dificuldade de repetição e controle, custo, espaço e tempo, questões de confidencialidade, segurança e responsabilidade, entre outras. Através do uso da tecnologia de RV, todos esses problemas podem ser tratados de forma eficiente (Bordnick et al., 2008) uma vez que, em ambientes virtuais reais, os usuários são expostos a sugestões e são encorajados a ignorar os anseios ou a tentar lidar com eles.

O potencial de reabilitação da tecnologia de RV preparou o caminho para um projeto inovador: “Desenvolvimento e uso de tecnologia de realidade virtual para reabilitação de usuários de drogas em liberdade condicional” (RV para reabilitação de drogas).

O projeto busca desenvolver e testar um programa inovador de tratamento de drogas entre jovens (de 18 a 30 anos) em liberdade condicional, utilizando realidade virtual com o objetivo de reduzir o desejo por drogas e melhorar a conscientização dos usuários sobre o caráter prejudicial de seu vício.

O projeto RV para reabilitação de drogas prevê a criação e adaptação de cenários em RV como uma ferramenta adicional para a técnica de testagem (desencadeando no público-alvo o desejo de consumir), o desenvolvimento de uma ferramenta de avaliação para testar os efeitos das sessões de RV nos usuários e um programa piloto com o grupo alvo nos países parceiros (Portugal, Romênia, Espanha e Turquia).

Além da intervenção com apenados em liberdade condicional, o projeto também melhorará a qualidade e a eficácia dos programas de formação de competências dentro dos serviços de liberdade condicional, pois irá oferecer um programa de formação para a equipe de funcionários sobre como aplicar o programa de RV e uma formação piloto nos sistemas de liberdade condicional associados.

Com este projeto, buscamos avançar e contribuir para um conhecimento mais sistematizado nesta área, bem como melhorar as práticas no tratamento de infratores que sofrem de dependência de drogas.

Artigo de Susana Reis, Maria Loureiro e Silvia Bernardo do IPS Innovative Prison Systems


Aebi, M., & Chopin, J. (2018). SPACE II – Council of Europe Annual Penal Statistics. Survey 2016. Persons Serving Non-Custodial Sanctions and Measures in 2016. Strasbourg: Council of Europe.

Binswanger, I., Nowels, C., Corsi, K., Glanz, J., Long, J., Booth, R., & Steiner, J. (2012). Return to drug use and overdose after release from prison: a qualitative study of risk and protective factors. Addiction science & clinical practice, 7(3), 1-9.

Bordnick, P., Carter, B., & Traylor, A. (2011). What virtual reality research in addictions can tell us about the future of obesity assessment and treatment. Journal of Diabetes Science and Technology, 5(2), 265-271.

Bordnick, P., Traylor, A., Copp, H., Graap, K., Carter, B., Ferrer, M., & Walton, A. (2008). Assessing reactivity to virtual reality alcohol-based cues. Addictive Behaviors, 33(6), 743-756.

Fazel, S., Bains, P., & Doll, H. (2006). Substance abuse and dependence in prisoners: A systematic review. Addiction, 101(2), 181-191.

Hone-Blanchet, A., Wensing, T., & Fecteau, S. (2014). The use of virtual reality in craving assessment and cue-exposure therapy in substance use disorders. Frontiers in Human Neuroscience, 8. doi: 10.3389/fnhum.2014.00844.

Metcalf, M., Rossie, K., Stokes, K., Tallman, C., & Tanner, B. (2018). Virtual reality cue refusal video game for alcohol and cigarette recovery support: Summative study. JMIR Serious Games, 6(2). doi: 10.2196/games.9231

Stöver, H., & Kastelic, A. (2014). Drug treatment and harm reduction in prisons. In S. Enggist, L. Møller, G. Gaudea, & C. Udesen, Prisons and Health (pp. 113-133). Copenhagen: World Health Organization. 

 

 

Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
Cooperação internacional contra o crime organizado: “É preciso uma rede para derrotar uma rede”