Quebrando barreiras: Justiça Restaurativa e Apoio à Família no Sistema de Justiça da Saxônia

Entrevista

Katja Meier

Ministra de Estado da Justiça e da Democracia, Assuntos Europeus e Igualdade de Gênero, Saxônia, Alemanha

O Estado da Saxônia, na Alemanha, tem enfrentado desafios, principalmente o extremismo de direita. A ministra Katja Meier assumiu um papel proativo desde que assumiu o cargo em 2019. Nesta entrevista, a Ministra Meier discutirá os desafios do sistema judiciário da Saxônia, explorando vários aspectos do sistema penal, incluindo ressocialização e reinserção social, liberdade condicional, menores infratores e apoio a famílias e filhos de presos. A conversa também abordará a necessidade de combater ideologias extremistas e promover uma sociedade mais segura e inclusiva. O compromisso de Meier com a democracia e o progresso faz com que suas percepções sejam valiosas para entender como o Estado da Saxônia está trabalhando para um futuro justo.

 JT: O Ministério que a Sra. lidera abrange uma infinidade de responsabilidades, que vão além do campo da Justiça e abrangem áreas como Democracia, Europa e Igualdade de Gênero.

Como gerencia com eficiência uma variedade tão diversificada de portfólios? Poderia descrever suas principais áreas de foco?

KM: É, de fato, uma variedade diversificada, mas frequentemente observo que há algo muito produtivo na sobreposição temática e nas interseções entre todos esses campos diferentes. Elaboramos uma espécie de “divisão de trabalho” que funciona muito bem para nós, com dois Secretários de Estado, o que é um pouco incomum. Um deles se concentra principalmente em projetos relacionados à democracia e à igualdade, enquanto o outro é responsável pela justiça e pelos assuntos europeus. Isso nos permite honrar nossa principal responsabilidade: manter uma sociedade democrática forte e viva e o Estado de Direito. Eles são parte integrante de nossos principais projetos e políticas, como a nova Lei de Igualdade e a primeira grande Lei de Transparência do Estado Livre da Saxônia, ambas introduzidas neste período eleitoral. Estou feliz por vê-los finalmente se concretizarem, depois de ter lutado por eles e negociado arduamente nos últimos três anos.

No Estado Livre da Saxônia, o Ministério da Justiça, Democracia, Assuntos Europeus e Igualdade de Gênero é responsável por todos os assuntos relacionados ao sistema penitenciário. Dentro do Ministério, o Departamento IV (Sistema Penitenciário, Serviços Sociais, Acomodações e Assuntos de Construção do Judiciário) administra cinco divisões separadas, todas elas lidando com assuntos penitenciários, incluindo questões de segurança, educação de presos, petições e questões médicas.  

O ministério supervisiona dez autoridades encarregadas do confinamento pré-julgamento, de menores infratores e custódia preventiva, entre outras coisas. A Lei da Penitenciária da Saxônia tem dois objetivos principais: permitir que os detentos retornem ao tecido social sem se tornarem reincidentes e proteger a população em geral contra o crime. A penitenciária é organizada de forma a garantir o cumprimento desses objetivos. Como todos os outros estados alemães, o Estado Livre da Saxônia depende tanto da execução em regime fechado quanto em regime aberto. Além disso, estamos desenvolvendo o “Vollzug in freien Formen” (Execução em formas livres, em livre tradução), em que os presos vivem em outras instalações fora da prisão.

No âmbito da Justiça, o que a Sr. identifica como os desafios mais urgentes? 

KM: No que diz respeito ao sistema penal da Saxônia, a questão mais urgente é como lidar com os internos que sofrem de problemas de saúde mental. Cerca de 70 a 80% da população prisional pode ser diagnosticada de acordo com os códigos da CID-10, com muitos problemas ligados ao consumo de drogas ilegais ou abuso de álcool. Problemas sérios, como psicoses, estão aumentando, o que torna muito mais desafiador para os agentes penitenciários garantir a segurança de todos e evitar que os detentos causem danos a si mesmos ou a outros. Estamos sempre procurando maneiras de melhorar a qualidade do atendimento psiquiátrico em nosso “Justizvollzugskrankenhaus” (um hospital exclusivo para presos) em Leipzig. Esse hospital contém uma unidade psiquiátrica ampliada para até 50 pacientes, e estamos interessados em contratar mais médicos. Para melhorar o atendimento psiquiátrico à população prisional, é fundamental compararmos as notas com os outros estados da Alemanha e garantir que nossos médicos façam parte dos conselhos regionais, pois precisamos de um intercâmbio profissional regular. Em maio de 2024, a Saxônia sediará uma grande conferência nacional sobre o papel da psiquiatria nas prisões.

Atualmente, é de vital importância para nós atrair novos funcionários. Não só precisamos preencher as vagas quando as pessoas se aposentam, mas também temos que ser rápidos quando se trata de preencher as vagas quando as pessoas saem por diferentes motivos. Há alguns anos, lançamos uma grande campanha, a “Job mit J”, que envolveu publicidade no rádio e on-line, além de maior visibilidade nas principais feiras de carreira. Essa campanha é uma reação ao declínio do número de candidatos, principalmente no que se refere à força de trabalho prisional. Criamos um escritório de recrutamento para o sistema penitenciário da Saxônia, que começará a funcionar em 1º de janeiro de 2024. 

 JT: Outro tópico destacado diz respeito aos programas de apoio às famílias dos detentos. Notavelmente, seu estado foi pioneiro no contexto federal ao iniciar um programa em 2013 que prioriza o bem-estar das famílias dos detentos, especialmente seus filhos. 

Poderia falar mais detalhadamente sobre as estratégias empregadas para ajudar essas famílias e crianças, e quais impactos e resultados concretos resultaram dessa abordagem? 

KM: Entre 2010 e 2012, o estudo COPING foi realizado em quatro países europeus, incluindo a Alemanha. Os resultados indicam claramente o impacto que a situação tem sobre as famílias dos detentos. Isso fez com que se tornasse uma prioridade para nós na Saxônia garantir que essas famílias encontrassem ajuda e apoio dentro do sistema penitenciário. Em 2013, foi criado um grupo de trabalho composto por membros da equipe de todas as dez instalações penitenciárias da Saxônia. Esse grupo fornece conselhos e recomendações sobre como tornar a situação suportável para as famílias, de modo que as mães e os pais ainda possam cuidar de seus filhos enquanto estiverem presos. 

Sabemos que as crianças passam por muitas coisas nessa situação e tentamos apoiá-las o máximo possível. O principal benefício de ter um grupo de trabalho como esse é que nunca perdemos de vista a importância da questão. Às vezes, há o risco de nos concentrarmos em um projeto pendente, mas, uma vez concluído, ele simplesmente desaparece para sempre. Nós, por outro lado, estamos interessados em desenvolver estruturas de longo prazo e estamos orgulhosos de que outros estados da Alemanha tenham tomado conhecimento do exemplo que estamos dando com nossas várias iniciativas.

No entanto, quando se trata de família e pensão alimentícia, estamos nos concentrando principalmente em três pilares: garantir que as crianças e seus pais presos não percam o contato; fornecer apoio, como ofertas educacionais específicas para os pais; e oferecer aconselhamento para os membros da família.

Nos últimos anos, desenvolvemos padrões mínimos para tornar as áreas de visita adequadas para as famílias, de modo que as crianças se sintam confortáveis quando estiverem visitando. Cada penitenciária oferece horários adicionais de visita para as famílias, para que as crianças passem mais tempo com os pais fora do horário normal de visitas. Esse tipo de contato pessoal regular pode aliviar parte da tensão. Além disso, os detentos podem falar com suas famílias por telefone e fazer chamadas de vídeo, o que é particularmente importante se eles não tiverem parentes morando nas proximidades.

Desenvolvemos livros infantis para cada penitenciária, explorando a situação de seus pais. Em muitas de nossas penitenciárias, os detentos podem ter aulas de habilidades parentais, que também serão úteis para eles quando forem libertados. Os membros da família sempre podem recorrer aos representantes das instalações quando tiverem dúvidas ou preocupações.

Quando se trata de gerenciar a transição entre a prisão e o mundo exterior para as famílias, obviamente não podemos fazer isso sozinhos. Trabalhamos em conjunto com outros ministérios e departamentos e estamos sempre em busca de pessoal com as habilidades e a experiência necessárias.  Além disso, queremos garantir que as pessoas fora do sistema penitenciário tenham uma ideia da realidade desse cenário que afeta as famílias dos presos.

 JT: Como a edição atual da JT Magazine destaca o tema crucial da prevenção da radicalização, do extremismo violento e do crime organizado, gostaríamos de saber sua opinião sobre esse assunto no que se refere à jurisdição do Estado Livre da Saxônia. Isso é particularmente relevante à luz da recente assinatura da Parceria de Aplicação da Lei de seu estado com o Procurador Distrital de Manhattan, Nova York, EUA, com o objetivo de reforçar a troca de informações transnacionais para combater um espectro de crimes do século XXI.

A senhora poderia fornecer a perspectiva do seu Ministério sobre o gerenciamento de extremistas violentos e criminosos radicalizados?

KM: Quando o atual governo estadual foi eleito para o cargo, todos concordamos que não pode haver espaço para a radicalização em nossas penitenciárias. Portanto, é necessário desenvolver programas especiais com foco na prevenção e na desradicalização, pois o sistema penitenciário deve ser capaz de lidar com o extremismo de forma completa e profissional. Em cooperação com outras autoridades e pesquisadores da área de criminologia, criamos o KUrteG, um plano de política para lidar com detentos radicalizados, terroristas e extremistas. 

Esse plano aborda questões práticas, como por exemplo, como lidar com extremistas violentos dentro da penitenciária, bem como formas de desradicalizar os presos ou garantir que eles não se radicalizem enquanto estiverem na prisão. O plano de política consiste em várias partes individuais, incluindo cursos de treinamento para membros da equipe, questões de segurança e como acomodar terroristas ou pessoas que tenham sido presas por crimes com motivação política. O KUrteG também sugere maneiras pelas quais as diferentes autoridades podem cooperar melhor e aborda o tema da prevenção. Para lidar com o extremismo de forma eficaz, precisamos identificar a radicalização logo no início.

Por fim, há algum assunto específico que gostaria de abordar que tenha especial importância para a Sra. e que acredite merecer maior atenção das comunidades nacionais, europeias e internacionais no campo da Justiça Criminal? 

KM: O que me vem imediatamente à mente é a Justiça Restaurativa, e estamos muito empenhados em desenvolvê-la ainda mais. Para mim, a Justiça Restaurativa é um termo abrangente para várias maneiras pelas quais as vítimas, os infratores e terceiros tentam resolver a situação entre si, se acharem que querem tentar. Isso proporciona a todos um papel mais ativo e pode envolver mediação. Estamos comprometidos com a ideia de dar mais atenção às vítimas dentro do sistema penal, a fim de encontrar caminhos alternativos para a justiça e a reconciliação. 

Estabelecemos um projeto de Justiça Restaurativa no centro penitenciário de Dresden em 2023. Ele envolve cursos de formação em que os detentos aprendem a ter empatia pelas vítimas de crimes, seguidos de conversas entre vítimas e infratores e reuniões em que eles trabalham para chegar a uma solução. Estamos no processo de estender esse projeto a outra instalação.  

No momento, ainda estamos nos estágios iniciais do que esperamos que seja um desenvolvimento de longo prazo. Até o momento, a Justiça Restaurativa desempenha apenas um papel muito pequeno no sistema penal. Entretanto, vejo um grande potencial. Quanto mais experiência acumularmos, mais as vantagens e os benefícios de longo prazo dessa abordagem se tornarão óbvios. Ao contrário dos métodos tradicionais de justiça, a Justiça Restaurativa tem menos a ver com retribuição e mais com o atendimento das necessidades das pessoas mais diretamente afetadas. Do ponto de vista delas, não se trata tanto de como a lei foi violada, mas de como o crime as prejudicou e como isso afeta suas relações interpessoais. Assim, em vez de simplesmente ver como o Estado aplica a punição, torna-se uma questão de os indivíduos assumirem a responsabilidade pelo que aconteceu. Isso torna a Justiça Restaurativa uma alternativa real aos sistemas tradicionais de justiça criminal retributivos e repressivos.

Katja Meier

Ministra de Estado da Justiça e da Democracia, Assuntos Europeus e Igualdade de Gênero, Saxônia, Alemanha

Katja Meier é mestre, tendo estudado Ciência Política, História Moderna e Contemporânea e Sociologia de 1998 a 2004 em três universidades diferentes na Alemanha e no exterior. Em seguida, trabalhou como diretora no partido político Alliance 90/The Greens em Hesse. Em 2010, retornou à Saxônia e trabalhou como oficial de políticas para o grupo parlamentar do partido no parlamento estadual. Em 2015, tornou-se membro do parlamento estadual da Saxônia e atuou como porta-voz da política democrática, jurídica e de igualdade, bem como da política de transporte. Também foi membro do Conselho de Mulheres do Estado da Saxônia. Katja Meier ocupa o cargo de Ministra desde dezembro de 2019.

 

Publicidade

Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
Revolucionando a liberdade condicional na Europa: como a tecnologia pode apoiar as penas alternativas na comunidade