Didier Reinders sitting at his desk

Respeito ao Estado de Direito no centro da pasta da Justiça 

Entrevista

Didier Reynders

Comissário Europeu de Justiça, Comissão Europeia 

 JT: Antes de se tornar Comissário Europeu de Justiça, o Sr. ocupou vários cargos em instituições públicas como ministro (de 1999 a 2019 sem interrupção). Tendo atuado como Ministro Federal das Finanças em seis governos diferentes, depois Ministro Federal dos Negócios Estrangeiros, Comércio e Assuntos Europeus em dois governos e Ministro da Defesa, o Sr. certamente tem uma boa compreensão das diferentes formas de atuação ao nível federal e supranacional.   

Quais são as principais prioridades na área da Justiça na Europa e como elas se alinham com as Diretrizes Políticas e a perspectiva supranacional da Comissão Europeia?

DR: Minhas principais prioridades são desenvolver sistemas de justiça europeus e cooperação judicial à luz da transição digital, capacitar os usuários para as transições ecológica e digital, salvaguardar direitos fundamentais e promover o Estado de Direito em toda a União Europeia

O respeito ao Estado de Direito está no centro da pasta da justiça porque todos os direitos decorrem dele. O Estado de Direito é uma “porta de entrada” para todos os outros direitos fundamentais e para o reconhecimento mútuo de decisões judiciais, tanto no direito civil quanto no penal. 

Para isso, a Comissão estabeleceu um novo mecanismo abrangente do Estado de Direito Europeu, um processo de diálogo anual entre a Comissão, o Conselho e o Parlamento Europeu, os Estados-Membros e os parlamentos nacionais, a sociedade civil e outras partes interessadas. Esta nova iniciativa contribuiu para iniciar o debate  sobre a promoção da cultura do Estado de Direito em toda a União Europeia (UE) e o Relatório anual do Estado de Direito é a base deste novo processo. Durante o meu primeiro ano de gestão, apresentei o primeiro Relatório Anual do Estado de Direito e o segundo está previsto para julho de 2021. 

Também estou totalmente comprometido com correta e plena implementação do Regulamento Geral de Proteção de Dados e da Diretiva de Proteção de Dados na Aplicação da Lei Penal. Devemos adotar novas tecnologias. Uma das minhas prioridades é a proteção dos direitos fundamentais na era digital, inclusive contribuindo ativamente para uma abordagem coordenada sobre as implicações humanas e éticas da inteligência artificial. 

Na justiça civil e criminal, a minha prioridade é facilitar e melhorar a cooperação judicial entre os Estados-Membros e desenvolver a área da justiça. Quero garantir que a aplicação da lei e o respeito pelos direitos fundamentais andam lado a lado, especialmente online. 

Precisamos continuar construindo confiança entre os sistemas jurídicos nacionais. Os direitos dos cidadãos, especialmente a livre circulação e aqueles conferidos pela cidadania europeia, são primordiais.

Nesse ponto, durante a crise da COVID-19, fui responsável por garantir a livre circulação de pessoas e depois também estive envolvido no desenvolvimento de instrumentos, em toda a UE, para ajudar a restaurar a liberdade de circulação. No ano passado (2020), trabalhamos em aplicativos de rastreamento, e agora estamos criando o Certificado Verde Digital. 

Sobre as políticas em torno do usuário de bens e serviços, em novembro de 2019, apresentei a Nova Agenda do Consumidor, estabelecendo prioridades para os direitos do consumidor nos próximos cinco anos. 

Entre outras ambições, a Comissão visa capacitar os usuários nas transições verde e digital. Além disso, estou liderando o trabalho em defesa do consumidor, notadamente para transações transfronteiriças e online. Durante esses tempos de pandemia, houve uma dependência muito maior das transações digitais, e minha missão foi torná-las mais confiáveis. 

Além disso, a pasta da Justiça tem uma forte dimensão externa. Continuo dando prioridade às reformas da justiça com os vizinhos mais próximos da União Europeia, os Balcãs Ocidentais, a Turquia e as nações  a leste e a sul das fronteiras da UE.  

As políticas de justiça estão interligadas com muitas outras áreas políticas. Por essa razão, é fundamental cooperar e fazer o melhor uso de todos os talentos dentro da Comissão, em consonância com o princípio da colegialidade.

Por último, estamos a poucos dias de iniciar as atividades operacionais do Ministério Público Europeu.

Didier Reinders speaking at the Annual Rule of Law Conference
Comissário Reynders na conferência de imprensa do Relatório Anual do Estado de Direito de 2020, 30 de setembro de 2020 | CE - Serviço Audiovisual © União Europeia, 2020

A Comissão financia numerosos subsídios financeiros dedicados à conscientização e apoio na aplicação prática das Decisões-quadro (1) relacionadas à detenção.

JT: A cooperação judicial em matéria penal dentro da UE baseia-se no princípio do reconhecimento mútuo das decisões. Diferentes decisões-quadro do Conselho (1) permitem não apenas a detenção, mas também sentenças de prisão, decisões de liberdade condicional ou sanções alternativas e medidas de supervisão pré-julgamento a serem executadas em um país da UE diferente daquele em que a pessoa é condenada ou aguarda julgamento. 

Estas baseiam-se no princípio da confiança mútua, o que implica que as condições de detenção e as salvaguardas processuais são equivalentes em todos os Estados-Membros da UE. No entanto, há grandes discrepâncias que podem levantar preocupações significativas sobre direitos fundamentais. 

Além disso, devido à “falta de consciência e experiência, mas também pelos procedimentos administrativos complexos que devem ser seguidos” esses instrumentos não estão sendo utilizados pelos profissionais de todos os Estados-Membros como esperado. (2)

A Comissão Europeia promove a conscientização e o uso generalizados desses instrumentos muito importantes. Qual é a estratégia e plano do Sr. para superar os baixos níveis de implementação pelos Estados-Membros? 

DR:  Em novembro de 2019, o Conselho iniciou uma revisão por pares, a 9ª rodada de avaliações mútuas, abordando tanto as três decisões-quadro relacionadas a detenção quanto a decisão-quadro sobre o Mandado Europeu de Prisão (EAW, segundo sua sigla em inglês de European Arrest Warrant). A  Comissão participa como observadora desta rodada, que será finalizada até o final de 2021. A avaliação mútua proporcionará valor agregado ao oferecer a oportunidade, por meio de visitas de campo, de considerar não apenas questões jurídicas potenciais, mas especialmente aspectos práticos e operacionais relevantes ligados a aplicação desses instrumentos.

No que diz respeito a Decisão-quadro sobre Liberdade Condicional e Alternativas Penais e a Decisão-Quadro sobre a Ordem Europeia de Supervisão, a avaliação mútua fornecerá insights sobre suas baixas aplicações na prática, enquanto também serão feitas sugestões de melhoria. 

Organizações que recebem subsídios operacionais da Comissão, como a Organização Europeia de Prisões e Serviços Penitenciários (EuroPris) e a Confederação Europeia de Liberdade Condicional (CEP) criaram grupos de especialistas sobre as Decisões-quadro relacionadas à detenção e se reúnem anualmente. A Comissão financia numerosas bolsas de ações dedicadas à conscientização e apoio na aplicação prática desses instrumentos da UE. 

No que diz respeito a detenção, a Comissão lançou recentemente um estudo sobre a prisão preventiva, que irá contribuir para a avaliação da Comissão sobre a necessidade de regras amplas da UE nesta área para casos transfronteiriços e/ou domésticos. A pedido, a Agência da União Europeia para os Direitos Fundamentais (FRA), com financiamento da Comissão, lançou o Banco de Dados de Detenção Penal em dezembro de 2019.

O sistema combina em um só lugar as informações sobre as condições de detenção em todos os Estados-Membros da UE. Paralelamente, para ajudar a aumentar a confiança mútua entre os Estados-Membros, desde 2010 a União Europeia adotou seis diretrizes que visam um alto nível de direitos a um julgamento justo. A Comissão está monitorando a aplicação efetiva dessas diretivas em toda a União Europeia, além de ter iniciado processos de infração por completa falta de implementação delas e produzir relatórios de implementação para as quatro primeiras diretivas. 

Consolidar uma cultura judicial europeia comum, baseada no Estado de Direito, nos direitos fundamentais e na confiança mútua, é uma das principais ações da nova estratégia. As novas prioridades incluem também a expansão da digitalização da justiça e ir além da educação jurídica para apoiar o desenvolvimento de competências profissionais.

JT: Em 2 de Dezembro de 2020, a Comissão apresentou a sua nova e ambiciosa Estratégia de Formação Judiciária Europeia para 2021-2024, um dos dois pilares de um programa para modernizar os sistemas de justiça da UE, lado a lado com a digitalização da justiça. 

A Estratégia visa melhorar a formação de profissionais de justiça em direito da UE. Além disso, expande o seu alcance a novos temas, públicos-alvo e cobertura geográfica: aborda desafios como a digitalização exponencial das sociedades e a necessidade de reforçar os direitos fundamentais. 

Pela primeira vez, profissionais penitenciários e de reinserção social são um público-alvo. Embora se concentre principalmente nos Estados-Membros da UE, a estratégia também se dirige aos Balcãs Ocidentais e outros.  

O que o Sr. destacaria sobre os objetivos, desafios e como a Comissão planeja implementar a Estratégia Europeia de Formação Judicial 2021-2024? 

DR: A lei da UE só serve aos cidadãos se implementada adequadamente. A formação de profissionais de justiça sobre o direito da UE provou ser uma ferramenta essencial para melhorar sua aplicação correta e uniforme e construir confiança mútua em processos judiciais transfronteiriços. É por isso que a Comissão apresentou uma nova estratégia abrangente para responder aos novos desafios, como os trazidos pela pandemia da COVID-19, e apoiar os sistemas de justiça na UE.

Além disso, consolidar uma cultura judicial europeia comum, baseada no Estado de Direito, nos direitos fundamentais e na confiança mútua, é uma das principais ações da nova estratégia. As novas prioridades incluem também a expansão da digitalização da justiça e ir além da educação jurídica para apoiar o desenvolvimento de competências profissionais.

Consequentemente, mais profissionais da justiça devem participar de formações sobre direito da UE e os provedores devem melhorar as formações oferecidas, sejam nacionais ou transfronteiriças, financiadas ou não pela entidade. Isso se aplica a todos os profissionais de justiça que aplicam o direito da comunidade europeia, incluindo principalmente juízes, promotores e funcionários do tribunal, mas também profissões como advogados, tabeliões, oficiais de justiça, mediadores, intérpretes/tradutores legais, peritos judiciais e, em certas situações, agentes penitenciários e oficiais de liberdade condicional. 

A formação de agentes penitenciários e oficiais de condicional é crucial para defender os direitos fundamentais durante a detenção e para consolidar seu papel fundamental na prevenção da radicalização nas prisões e garantir o sucesso dos programas de ressocialização.

Ao mesmo tempo, eles também precisam estar cientes das políticas da UE, em particular sobre transferências de presos, liberdade condicional, sanções alternativas, supervisão, legislação relacionada a drogas e outras questões nas prisões. 

Commissioner Reynders and Commissioner Ylva Johansson
Discussão entre o Comissário Reynders e Ylva Johansson, Comissária Europeia de Assuntos Internos, na reunião semanal da Comissão de von der Leyen, na qual discutiram estratégias em relação a dados e inteligência artificial, entre outros temas. 19 de fevereiro de 2020 | CE - Serviço Audiovisual © União Europeia, 2020

JT: Seguindo o tema de facilitar e melhorar a cooperação judicial e o desenvolvimento da área da justiça, a Carta de Missão que a Presidente da Comissão lhe dirigiu afirma que “(…) também deve estudar como aproveitar ao máximo as novas tecnologias digitais a fim de melhorar a eficiência e o funcionamento de nossos sistemas judiciais”. (3)

Como o Sr. apoia a digitalização acelerada dos sistemas de justiça, especialmente considerando que a pandemia pode ter impulsionado os processos de transformação digital?

DR: Há muito tempo que a União Europeia vem apoiando os Estados-Membros em seus esforços para a digitalização dos sistemas nacionais de justiça. No entanto, é fato que durante a pandemia da COVID-19 tivemos de acelerar a transição digital, uma vez que os sistemas de justiça dos Estados-Membros vivenciaram algumas dificuldades. Vou mencionar alguns exemplos.

Em dezembro passado (2020), adotamos uma Comunicação sobre a Digitalização da Justiça na UE. Esta estratégia traça os principais objetivos para o desenvolvimento de uma justiça europeia digital e propõe um conjunto de medidas para promover a digitalização da justiça, tanto a nível nacional quanto transfronteiriço.

No que diz respeito ao apoio financeiro da União Europeia, o Plano de Recuperação e Resiliência é o nosso principal instrumento de recuperação das consequências da COVID-19. Pedi pessoalmente aos Estados-Membros que planejem reformas e investimentos ambiciosos em digitalização Além disso, os membros da UE  também podem se beneficiar dos fundos das políticas de coesão 2021-2027 e do Programa de Justiça.

Nosso apoio não é apenas financeiro, mas também ocorre por meio de medidas legislativas para facilitar a interoperabilidade entre os sistemas nacionais e remover barreiras legais à digitalização. A Comissão aprovou recentemente uma proposta legislativa sobre gestão sustentável e manutenção do sistema e-CODEX. 

Esse sistema é um componente essencial e importante para a troca interoperável e segura  de informações e dados entre tribunais nacionais e autoridades competentes em processos judiciais transfronteiriços. Os Estados-Membros têm livre acesso ao e-CODEX. Até o final de 2021, a Comissão pretende apresentar uma grande proposta de reforma para a digitalização da cooperação judicial transfronteiriça da UE em matéria civil, comercial e criminal. Essa proposta é mais um passo na modernização dos procedimentos de cooperação judicial e em torná-los mais eficientes e resilientes a crises.

Estou confiante de que a ambiciosa agenda da Comissão e o compromisso compartilhado dos Estados-Membros de trazer a justiça para a nova era digital, através do melhor uso das tecnologias, trarão benefícios e diretos aos nossos cidadãos, profissionais jurídicos, empresas e ao Estado de Direito como um todo.

JT: A Estratégia Europeia de Formação Judicial 2021-2024 refere-se à necessidade de aumentar a digitalização da formação e preparar os profissionais para adotar a digitalização e o uso da inteligência artificial no âmbito judicial.

Até que ponto o setor de Justiça da Comissão Europeia  tem trabalhado nas questões do uso humanizado e ético da inteligência artificial nos sistemas de justiça criminal?

DR: Os serviços de Justiça da Comissão começaram a trabalhar em questões de Inteligência Artificial (IA) no contexto da justiça criminal. Este trabalho foi recentemente desenvolvido com a adoção de um enquadramento geral de IA pela Comissão. Isto está em andamento e a Comissão lançou recentemente uma iniciativa sobre uma abordagem europeia da Inteligência Artificial.

Na Direção-Geral de Justiça, realizamos uma reunião preliminar do Grupo de Especialistas durante a qual abordamos diversas questões, como responsabilidade penal e direitos fundamentais e aspectos da proteção de dados. Uma vez finalizado o Quadro de IA da Comissão, planejamos aprofundar nosso trabalho sobre a IA no contexto judicial e de aplicação da lei.

A IA é crucial para o nosso século. Pode trazer grandes benefícios para a sociedade e para a economia, mas também riscos. É por isso que é importante ter uma abordagem europeia coordenada para a inteligência artificial. Devemos desenvolver políticas que protejam os indivíduos - uma abordagem centrada no ser humano que também permita que a Europa seja competitiva no campo da inteligência artificial. As formas de utilização da inteligência artificial devem respeitar os direitos fundamentais.

O Regulamento Geral de Proteção de Dados já protege as informações pessoais. Entretanto, é necessário e essencial moldar um quadro que atenda a possíveis desafios à dignidade humana, à não discriminação, à igualdade, à liberdade de expressão e a outros direitos fundamentais. É por isso que, há algumas semanas, contribuí ativamente para a elaboração da legislação para uma abordagem coordenada sobre a dimensão humana e ética da IA.

A regulação e o desenvolvimento da inteligência artificial devem estar lado a lado. Desenvolver a IA com base em valores europeus compartilhados  pode ser uma vantagem competitiva, pois a confiança é um fator muito importante para a absorção do desenvolvimento e uso de novas tecnologias. Interesses empresariais e direitos fundamentais convergem quando se trata de criar modelos de negócios sustentáveis baseados em IA. Precisamos do tipo certo de inovação. 

Sou a favor de uma abordagem que promova a implantação da IA criando segurança jurídica e estabilidade de investimentos, ao mesmo tempo em que se estabelece a aceitação e a confiança da sociedade.

Commissioner Reynders at the weekly meeting of the European Commission
O comissário Reynders na reunião semanal da Comissão Europeia, em 2 de dezembro de 2020, em que se discutiu, entre outros assuntos, a aplicação da Carta dos Direitos Fundamentais, a modernização dos sistemas de justiça da UE e a gestão da pandemia de COVID-19. | CE - Serviço Audiovisual © União Europeia, 2020

JT: Em seu discurso no Estado da União em 2020, a presidente Ursula Von der Leyen anunciou a Nova Bauhaus Europeia (NEB) como a recente iniciativa da Comissão Europeia para liderar uma mudança de paradigma no estilo de vida e atividade industrial e empreendedora em resposta às crescentes ameaças climáticas e ambientais.

A nova iniciativa visa estimular na mentalidade pública e empresarial os conceitos de vida, trabalho e construção, baseados em sustentabilidade, inclusão, estética, qualidade da experiência, proteção do clima e preservação da biodiversidade.

Toda a ideia gira em torno da comunidade, acessibilidade, circularidade, acessibilidade, simplicidade, criatividade, arte, experimentação cultural, conexão, união e igualdade socioeconômica e de gênero. A Comissão Europeia destaca o propósito de um movimento vivo.

Como o Sr. prevê o envolvimento do setor de justiça na iniciativa Nova Bauhaus europeia – como vê os principais conceitos deste movimento(de beleza, sustentabilidade e união) sendo aplicados aos sistemas de justiça em toda a UE, incluindo as administrações prisionais e de alternativas penais?

DR: A Nova Bauhaus Europeia (NEB, segundo sua sigla em inglês) é o movimento criativo e interdisciplinar da Comissão. O objetivo é reunir cidadãos, especialistas, empresas e instituições e facilitar conversas sobre tornar os espaços de vida do futuro mais baratos e acessíveis. É um plano para o futuro e estamos apenas nos estágios iniciais. A NEB destacará o valor da simplicidade, funcionalidade e circularidade dos materiais sem comprometer a necessidade de conforto e atratividade em nosso cotidiano.

Fornecerá apoio financeiro a ideias e produtos inovadores por meio de concurso públicos, para essa finalidade, e programas coordenados que fazem parte do orçamento de longo prazo da UE. A abordagem será de inclusão social: ninguém ficará para trás, as barreiras enfrentadas pelas pessoas serão removidas, as condições de vida de todos os cidadãos serão melhores.

Posso ver como essa abordagem seria atrativa para arquitetos e projetistas de prisões e outras instalações de justiça pública (como tribunais e delegacias) que tradicionalmente têm sido funcionais e às vezes sombrios.

Há algumas exceções notáveis, como o magnífico novo edifício do judiciário localizado em Antuérpia, que tem características ambientais, bem como uma ênfase na transparência. O movimento NEB disponibilizará recursos e oferecerá prêmios para criar incentivos para designers de edifícios públicos que incorporem os princípios de sustentabilidade, inclusão e estética em seus conceitos.

(1) 2002/584/JHA sobre o mandado de prisão europeu e os procedimentos de rendição entre os Estados-Membros;

2008/909/JHA sobre a aplicação do princípio do reconhecimento mútuo de sentenças em matéria penal que determinem  penas de prisão ou medidas que envolvam privação de liberdade para fins de sua execução na União Europeia;

2008/947/JHA sobre a aplicação do princípio do reconhecimento mútuo das decisões de julgamentos e de liberdade condicional com vista à supervisão de medidas de liberdade condicional e sanções alternativas;

2009/299/JHA alterando as Decisões-quadro 2002/584/JHA, 2005/214/JHA, 2006/783/JHA, 2008/909/ JHA e 2008/947/JHA, reforçando assim os direitos processuais das pessoas e promovendo a aplicação do princípio do reconhecimento mútuo das decisões proferidas na ausência da pessoa em causa no julgamento;

2009/829/JHA sobre a aplicação, entre os Estados-Membros da União Europeia, do princípio do reconhecimento mútuo das decisões sobre medidas de supervisão como alternativa à prisão provisória.

(2 Rede Judiciária Europeia. (2019). Relatório sobre atividades e gestão 2017-2018. União Europeia.

(3) Von der Leyen, U. (1 Dez 2019).  Carta de missão Didier Reynders, Comissário de Justiça. 

Didier Reynders

Comissário Europeu de Justiça, Comissão Europeia

Didier Reynders tornou-se Comissário Europeu de Justiça, responsável pelo Estado de Direito e defesa do consumidor, em dezembro de 2019. Reynders, cidadão belga, ocupou vários cargos políticos de alto nível em seu país, incluindo o de Vice-Primeiro-ministro (2014-2019), Ministro das Relações Exteriores e Assuntos Europeus (2014-2019) – pasta que acumulou com a de Ministro da Defesa entre 2018 e 2019 –, Ministro das Relações Exteriores, Comércio Exterior e Assuntos Europeus (2011-2014) e Ministro das Finanças (1999-2011). Além disso, de 2004 a 2011, presidiu o Mouvement Réformateur (aliança do Partido Liberal). Foi eleito deputado em 1992. Antes disso, presidiu a Companhia Ferroviária Belga e a Sociedade Nacional de Vias Aéreas. É formado em Direito pela Universidade de Liège (1981).

Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
A equipe de servidores no centro da transformação da cultura penitenciária de Missouri