Tecnologia nos sistemas penitenciários: desafios e estratégias

Dizer que estamos no início de uma nova era para o uso da Tecnologia da Informação (TI) e tecnologia nos sistemas penitenciários é apenas o indício de sua importância.

À medida que o digital se tornou o novo normal e a tecnologia é fundamental para o sucesso de quase todas as empresas ou organizações em todos os setores, públicos e privados, em qualquer lugar do mundo, seus efeitos irão, em última análise, influenciar e, esperançosamente, enriquecer todos nós.

Todas as organizações penitenciárias e profissionais são, de uma forma ou de outra, desafiadas a adotar, integrar ou reagir a novas evoluções tecnológicas: os serviços prisionais são pressionados a adotar estratégias digitais do governo, as pessoas de segurança estão lutando contra as mais novas ameaças provenientes de crimes cibernéticos ou drones, professores estão adaptando novos métodos de aprendizagem digital e desenvolvendo currículos para uso em um ambiente prisional seguro e os projetistas estão integrando a construção inteligente sistemas em infraestruturas recém-construídas.

Com as Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) e a tecnologia desempenhando um papel estratégico e facilitador tão crucial na organização, há agora uma oportunidade de mudar a conversa sobre tais ativos para o que poderia ser seu real valor e contribuição para os Serviços Penitenciários (1).

Experimentos fragmentados e implementações ad hoc da mais nova tecnologia de segurança prisional sobre telemedicina, gerenciamento de infratores, autoatendimento dos presos e os tablets, inteligência prisional, realidade virtual, fechaduras inteligentes, biometria avançada, sistemas de defesa contra drones, Wi-Fi seguro e muito mais, têm demonstrado que a tecnologia está lá fora para apoiar e melhorar nossos negócios.

Essa enorme variedade de novas tecnologias pode ser muito atraente para muitas organizações prisional, mas elas – sozinhas – não resultarão em mudanças efetivas e transformadoras. Qualquer nova tecnologia prisional pode ser usada com facilidade tanto para manter o status quo (fazendo o que fazemos ligeiramente melhor) como pode ser utilizada para inovação (2). Uma abordagem fragmentada, não apoiada em uma estratégia empresarial, não levará a essas melhorias fundamentais que nosso setor precisa atualmente.

A partir da análise da visão principal e dos objetivos por trás da nossa profissão penitenciária e no diálogo contínuo com todas as partes interessadas, incluindo o infrator, é necessário o desenvolvimento de uma estratégia digital para os sistemas penitenciários a fim de moldar e impulsionar a transformação e a inovação.

Soluções técnicas que irão muito além de apoiar a gestão prisional operacional tradicional estão em alta demanda para apoiar as estratégias modernas de gestão de infratores. A adoção       de abordagens adaptativas de gerenciamento de casos que apoiam o trabalho diário e a criatividade dos trabalhadores do conhecimento que estão orientando os infratores de volta à sociedade e adaptando programas e atividades às necessidades dos infratores, estão atualmente substituindo aplicações antigas que são estáticas e rígidas.

É necessário colaboração com a polícia e os tribunais, a comunidade e os serviços de saúde, os professores e o terapeuta, através de uma troca integrada de dados e informações levando em conta as normas de privacidade e segurança.

Os trabalhadores que saem a campo recebem apoio para usar seus dispositivos móveis na prisão ou enquanto visitam infratores na comunidade. Esses dispositivos fornecem informações relevantes e propositais adaptadas à execução da tarefa do agente, aprimoradas com recursos modernos de comunicação e localização para aumentar a eficiência e a segurança.

Para poder operar em um ambiente prisional seguro, as infraestruturas de construção precisam estar equipadas com redes seguras que permitam dispositivos autorizados e neguem acesso a todos os outros. Como o monitoramento de comportamentos e atividades é crucial em um ambiente prisional, uma rede de alto desempenho pode apoiar isso integrando sistemas existentes, como câmeras de CFTV com as mais novas tecnologias.

O “Sensor de Suicídio na Prisão” (3) poderia ficar de olho no preso vulnerável, enquanto sua pulseira RFID permite que ele abra a porta da própria cela quando ele se sente ansioso. A câmera de segurança da unidade reconhece o preso imediatamente e envia uma mensagem para o dispositivo móvel do diretor da unidade enquanto liga uma luz e música reconfortantes na cela.

Redes seguras bem projetadas podem ser utilizadas para permitir esse tipo de funcionalidade de construção inteligente para melhorar a vida de funcionários e infratores no interior das instalações.

Soluções de autoatendimento já estão trazendo o mundo digital para a unidade, a sala de aula e a cela em algumas jurisdições, permitindo que o preso acesse todo tipo de informação digital e se envolva mais de perto com formação, administração e preparação para sua vida futura fora do presídio.

Mas não será um tablet chique que reduzirá a distância entre o interior da instituição e a vida no seu exterior, fortalecerá a motivação do prisioneiro ou o preparará para a libertação.

Uma solução tecnológica precisa ser um meio e não um objetivo em si mesmo: adaptar soluções para as necessidades específicas, no contexto e impulsionada pela missão e estratégia da organização é uma obrigação para alcançar uma transformação digital significativa e eficaz.

Apenas uma governança corporativa de TI e tecnologia criará uma aceitação de toda a organização e moldará o design integral dos princípios da arquitetura digital e das soluções derivadas disso.

Graças a essa abordagem digital integrada, todos os dados e informações poderiam ser padronizados e centralizados. As necessidades e benefícios operacionais para todos os usuários aumentam a qualidade dos dados, o que abre oportunidades para análise de dados inovadora e ciência de dados.

As ideias de negócios baseados em estatísticas podem ser aprimoradas utilizando técnicas de datamining e previsão de dados que criam informações cruciais para estrategistas, formuladores de políticas e também pesquisadores. Esse tipo de informação os ajudará a fazer pesquisas mais aprofundadas sobre o uso da tecnologia em si, mas também sobre todas as abordagens de gerenciamento de infratores que estamos tomando: quais são os efeitos, impactos e resultados.

Estamos no início de uma nova era para o uso de TI e tecnologia em sistemas penitenciários e somos desafiados a moldar isso em nossas organizações. O desenvolvimento de uma estratégia digital prisional pode ser visto como uma necessidade, mas corre riscos a serem mantidos no “canto escuro” das pessoas de tecnologia, segurança e TI.

Apenas uma governança corporativa de TI e tecnologia pode permitir inovação e transformação real à medida que incorpora o digital na estratégia de suas organizações. Para dizer isso com as palavras de Scott Gibson (4): Não existe mais “Estratégia Digital”, apenas estratégia em um Mundo Digital.

Notas:
(1) Reinhard, Bonk – New IT Business Capability Model Within the Correctional Service of Canada – Advancing Corrections – ICPA, Ed. 2 – 2016
(2) Reinhard, Bonk – New IT Business Capability Model Within the Correctional Service of Canada – Advancing Corrections – ICPA, Ed. 2 – 2016
(3) New Scientists, 2014
(4) Group Executive Digital Practice, Dimension Data


//


Steven Van De Steene
é arquiteto de sistemas e especialista em tecnologia para sistemas penitenciários. Atua como consultor na área de inovação e estratégia tecnológica para presídios e serviços de liberdade condicional e é coordenador do Grupo de Soluções Tecnológicas da Associação Internacional de Serviços Prisionais e de Correção (ICPA).


Advertisement

Coris

Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
Brasil: Audiência de Custódia evita mais de 270 mil presos provisórios desde 2015