Malásia: Adotando uma abordagem holística para reabilitar infratores extremistas violentos

Entrevista

Nordin Muhamad

Comissário Geral do Departamento de Prisões da Malásia

Nesta entrevista, o Comissário Geral de Prisões discute os desafios e as conquistas recentes do setor penitenciário no país. 

Um tópico de destaque na entrevista é a abordagem abrangente para a reabilitação de prisioneiros extremistas violentos, especialmente combatentes terroristas estrangeiros.

Poderia dar-nos uma ideia da situação atual do sistema prisional da Malásia e descrever seus desafios mais urgentes?

NM: Como um componente integral do sistema de justiça criminal mais amplo, nosso Departamento é responsável pela execução das sentenças proferidas pelas autoridades competentes. Ele aplica diligentemente regras e regulamentos para garantir a administração justa e consistente das penalidades. Dentro das instalações prisionais, o departamento tem a tarefa de manter a segurança, fornecer custódia segura e garantir tratamento humano para todos os indivíduos encarcerados. Além disso, oferece intervenções de reabilitação aos infratores durante suas sentenças, incluindo correções comunitárias.

Em linha com os padrões globais, a eficácia do nosso Departamento é avaliada por meio da medição das taxas de reincidência. Na Malásia, a reincidência diz respeito ao reencarceramento de indivíduos que cometem delitos repetidos dentro de três anos após sua libertação.

A taxa de reincidência tem sido uma preocupação, tendo atingido 18,6% em 2022.

Essa questão está associada a desafios como superlotação, riscos à segurança, aumento dos custos administrativos para a gestão de presos e possíveis ineficiências nos programas de reabilitação. Para enfrentar esse desafio, o Departamento estabeleceu metas ambiciosas para a próxima década, com o objetivo de reduzir a reincidência para 10%. Essa redução será alcançada por meio do foco na implementação do Centro de Desenvolvimento da Cultura Humana Civilizada (CHCDC) e na capacitação das correções comunitárias, juntamente com o fortalecimento dos esforços de reabilitação baseados na comunidade.

Qual é a sua visão e estratégia para alcançar um ambiente prisional mais reabilitador no país?

NM: Somos movidos por uma visão mais ampla de criar uma Malásia melhor e enfrentar os desafios enfrentados por seu povo. Esse compromisso está enraizado no conceito de Malaysia Madani, que se alinha aos esforços do governo para melhorar a nação.

O conceito Madani, representado pelo acrônimo SCRIPT (Sustainability, Care and Compassion, Respect, Innovation, Prosperity, and Trust), tem como objetivo incutir uma nova cultura, mentalidade e senso comum com base em valores. Essa abordagem tem o objetivo de dar um novo impulso à agenda de reformas da Malásia. Para atingir esses objetivos, duas estratégias principais foram implementadas.

O Centro de Desenvolvimento da Cultura Humana e Civilizada (CHCDC) é uma iniciativa voltada para o aprimoramento da autogestão dos detentos, eliminando a mentalidade criminosa e incentivando a equipe, os detentos e a comunidade a se comprometerem com um processo de reabilitação abrangente. Os valores fundamentais do CHCDC, abreviados como HUMANE (Humane, United, Merciful, Altruistic, Nurturing, Equitable), formam a base de seu plano estratégico.

 
O desenvolvimento do CHCDC foi realizado de acordo com a Lei de Prisões de 1995, os Regulamentos de Prisões de 2000 e as Regras de Nelson Mandela, garantindo que os direitos fundamentais, o bem-estar, o desenvolvimento de competências, a educação, as relações com o mundo exterior e o envolvimento das partes interessadas relevantes dos detentos sejam abordados.

O CHCDC busca, em última análise, criar uma nova cultura dentro das prisões, alinhando-se ao terceiro objetivo do nosso Departamento, que é garantir a segurança da comunidade, evitando que os detentos se tornem “futuras vítimas”. Essa perspectiva enfatiza que toda a comunidade pode sofrer se as atividades criminosas não forem controladas e a mentalidade dos infratores não for alterada. Ela também visa criar um ambiente prisional saudável que promova boas práticas de cidadania, preparando os detentos para se tornarem cidadãos produtivos e responsáveis quando forem libertados.

Além disso, o CHCDC apoia os funcionários da prisão na manutenção de um alto nível de profissionalismo, necessário para realizar seu trabalho com humanidade e respeito pelos outros.

Nossa outra estratégia consiste em fortalecer as Correções Comunitárias. A meta aqui é transferir dois terços dos presos elegíveis para supervisão na comunidade até 2030.

Isso faz parte do nosso Programa de Reabilitação Comunitária, que busca promover a justiça restaurativa em vez da justiça punitiva em nosso sistema. Essa iniciativa enfatiza fortemente o fornecimento de segundas chances aos detentos e a facilitação de sua reintegração à sociedade.
 
Temos implementado e expandido rapidamente os programas de reabilitação comunitária, que incluem a introdução da liberdade condicional em 2008, seguida de várias alternativas ao encarceramento, como casas de passagem (2009), Ordem de Comparecimento Obrigatório (2010), Programa de Reintegração Comunitária (2011), Liberação Antecipada (2012), Programa de Estágio Inteligente Corporativo (2016), Programa de Reabilitação Comunitária Industrial (2019), Liberação sob Licença (2020) e Programa de Colocação, Emprego e Renda (2022).
 
Em especial, nosso Centro Correcional Comunitário, um componente do Programa de Reabilitação da Comunidade Industrial, oferece acomodações especializadas e agradáveis para os detentos que estão lá para adquirir habilidades industriais. Os detentos desse centro desempenham suas funções em um ambiente aberto, onde têm liberdade de movimento, recebem um salário mínimo (RM 1.500), têm seguro e podem ver pessoalmente seus familiares e amigos registrados.
 

Também estamos colaborando com o Poder Judiciário e com as Câmaras de Medidas Não-Custodiais do Procurador-Geral para explorar opções como liberdade condicional, liberdade condicional por um dia, pena suspensa, pena diferida e prisão domiciliar para atingir nossa meta de 2030. Mais importante ainda, nossas estratégias estão centradas na valorização da vida de cada detento dentro da comunidade mais ampla, além dos muros da prisão.

Que estratégias seu departamento implementou para lidar com a reabilitação e a reintegração de presos extremistas radicais/violentos?

NM: A Malásia enfrenta desafios complexos relacionados ao retorno de combatentes terroristas estrangeiros (FTFs), especialmente aqueles associados ao Estado Islâmico (EI). Com base em nossa experiência no gerenciamento de militantes e radicais detidos sob a aplicação da Lei de Segurança Interna (ISA) de 1960, nosso Departamento desenvolveu um programa de reabilitação abrangente que enfatiza muito o conhecimento religioso islâmico (intervenções teológicas) como um requisito fundamental para se desvincular de ideologias radicais.

Além disso, colaboramos estreitamente com a Polícia Real da Malásia para coletar informações vitais sobre o envolvimento dos detentos em atividades extremistas radicais/violentas. Entrevistas preliminares após a admissão revelaram que muitos desses indivíduos possuem uma compreensão limitada do conhecimento religioso, apesar de defenderem o Islã como base para suas atividades extremistas violentas e terroristas.

Para apoiar nossos programas de reabilitação, o Departamento Penitenciário da Malásia emprega várias abordagens. Primeiro, usamos testes de instrumentos psicométricos, inclusive nossa ferramenta interna “Know Yourself, Know Others” (KYKO), para avaliar os comportamentos dos detentos, como violência, fingimento, mentira, automutilação e outros. O KYKO nos ajuda a adaptar sua colocação, medidas de segurança, restauração, planos de tratamento e decisões de liberdade condicional.

Além disso, utilizamos ferramentas de biofeedback, como o biofeedback da variabilidade da frequência cardíaca (VFC), em ambientes prisionais como parte de intervenções terapêuticas. Essas ferramentas medem a variabilidade da frequência cardíaca e fornecem feedback para ajudar os detentos a regular suas respostas fisiológicas ao estresse, promovendo o relaxamento e o autocontrole emocional. As ferramentas de biofeedback são integradas a sessões de terapia individual ou em grupo, programas de controle do estresse e da raiva ou programas de tratamento de abuso de substâncias.

Além disso, uma reunião mensal envolvendo um comitê de avaliação especial da sede da prisão, das instituições prisionais, da Polícia Real da Malásia e do Ministério de Assuntos Internos é convocada para supervisionar o progresso da reabilitação. Esse progresso é posteriormente apresentado ao Conselho de Prevenção ao Terrorismo para avaliação posterior.

Em última análise, a reintegração de detentos extremistas radicais/violentos é um processo que visa reintroduzi-los com sucesso na comunidade em geral após o cumprimento de suas penas. O sucesso nesse contexto significa que os infratores permanecem livres de crimes e se assimilam à sociedade com atitudes e comportamentos positivos e pró-sociais.

Muitos indivíduos possuem uma compreensão limitada do conhecimento religioso, apesar de defenderem o Islã como base para suas atividades extremistas violentas e terroristas.

Em sua mensagem na Reunião de Líderes das Instituições Prisionais da Malásia, realizada em 10 de outubro de 2023, Nordin Muhamad reforçou o compromisso do Departamento de fortalecer os esforços de reabilitação e reintegração. © Malaysia Prisons Department

Que medidas e iniciativas estão em vigor para enfrentar o desafio da radicalização e do extremismo violento nas prisões?

NM: Nossa principal iniciativa é o Programa de Desenvolvimento Humano (HDP), um programa de reabilitação crucial e abrangente que se concentra no desenvolvimento de atitudes, habilidades, conhecimento e espiritualidade, e é implementado em fases.

Visando especificamente os presos radicais, temos o Programa de Reabilitação Integrada para Terroristas, inspirado em nossa Lei de Prevenção ao Terrorismo de 2015. Esse programa é implementado em um período de 24 meses em estreita colaboração com órgãos relevantes, incluindo o Ministério do Interior, a Polícia Real da Malásia e o Departamento de Desenvolvimento Islâmico.

Desde o início, todo detento deve passar por um período de indução que dura até 14 dias para garantir uma transição controlada para o ambiente prisional. Em seguida, temos a Fase 1, que se estende por seis meses e se concentra na adaptação à vida na prisão. Durante essa fase, os presos recebem aconselhamento e aulas de religião conduzidas por conselheiros profissionais e clérigos religiosos. Esse é o primeiro passo para desvinculá-los das ideologias extremistas.

Segue-se a Fase 2, que dura mais seis meses e envolve o “Reforço da Personalidade” com a assistência de especialistas em desradicalização que trabalham para eliminar e desfazer crenças extremistas profundamente enraizadas. A Fase 3 continua o trabalho da Fase 2 por mais seis meses, enfatizando o processo de promoção da moderação religiosa. O envolvimento de especialistas em desradicalização de diversas origens (professores, psicólogos, agentes da lei e ONGs) persiste durante essa fase.

 
Por fim, a Fase 4 é dedicada à pré-liberação e à reintegração, em que os detentos são preparados para retornar à sociedade. Eles recebem treinamento em habilidades da vida real, e há um envolvimento ativo entre os agentes de reabilitação, os detentos e suas famílias.

Além disso, fizemos parcerias com universidades locais para oferecer treinamento de habilidades vocacionais em várias áreas, incluindo agricultura urbana, tratamento de solo, cultivo de durião, cultivo de óleo de palma, criação de peixes de água doce, gerenciamento de gado, produção de mel sem ferrão e planejamento de negócios. Essas parcerias visam equipar os detentos radicais com habilidades vocacionais para facilitar sua reintegração bem-sucedida.

O que mais você pode nos dizer sobre a reabilitação de criminosos radicais/extremistas sob custódia do Departamento Penitenciário da Malásia?

NM: Nosso Departamento dedica-se a aprimorar a gestão e a eficácia dos programas de reabilitação dentro dos estabelecimentos prisionais. Entretanto, em nossa busca por esse objetivo, encontramos uma série de desafios que refletem a complexidade de nossa missão.

Um desses desafios é a relutância inicial de alguns detentos em participar de programas de reabilitação. No entanto, com o passar do tempo, muitos desses indivíduos acabam reconhecendo os possíveis benefícios, especialmente em termos de aprofundamento de sua compreensão dos ensinamentos e valores islâmicos. Outro obstáculo significativo é a falta de apoio de alguns membros da família, que podem desencorajar ativamente o processo de reabilitação.

Além disso, garantir que nosso pessoal penitenciário possua a competência necessária para conduzir com eficácia aulas de contranarrativa e religiosas continua sendo uma preocupação fundamental. O sucesso de nossos esforços de reabilitação depende das habilidades e capacidades de nossos agentes em fornecer orientação e instrução aos detentos.

Apesar desses desafios, continuamos firmes em nosso compromisso com a reabilitação dos infratores. Essa dedicação é ressaltada por estatísticas convincentes, com nenhum indivíduo entre os presos radicais detidos de acordo com a Lei de Prevenção ao Terrorismo (POTA) de 2015, que passaram pelo programa de reabilitação integrada e foram libertados posteriormente, envolvidos em atividades extremistas ou que retornaram à prisão. 

Esses indivíduos têm origens diversas, sendo que alguns foram levados a ideologias extremistas devido a fatores internos, como falta de apoio social ou de oportunidades educacionais, enquanto outros tinham carreiras estabelecidas antes de sua detenção.

Além de colocar uma forte ênfase na intervenção teológica, reconhecemos a importância de abordar fatores psicológicos e sociais, que são perfeitamente integrados em nossa abordagem holística de reabilitação.

 

Nordin Muhamad

Comissário Geral do Departamento de Prisões da Malásia

Datuk Haji Nordin Bin Haji Muhamad iniciou sua carreira em 1990 como Superintendente Adjunto e subiu progressivamente na hierarquia, atuando em várias funções essenciais, incluindo Diretor Adjunto da Divisão de Tratamento de Reabilitação em 2007, Diretor da Divisão de Desenvolvimento Profissional em 2011, Diretor da Divisão de Gestão de Detentos em 2016, Diretor da Divisão de Políticas em 2018 e Comissário Geral Adjunto de Prisões em 2020. Desde março de 2021, ele atua como Comissário Geral das Prisões. Ele tem sido um membro ativo e palestrante em eventos organizados pela International Corrections and Prisons Association e pela Asian and Pacific Conference of Correctional Administrators.

Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
Revolucionando os ambientes prisionais: Aplicativo AIM tem como alvo combate ao suicídio e a automutilação