Vivian Geiran Probation Ireland

PC-CP do Conselho da Europa: desenvolvendo normas para serviços prisionais e de liberdade condicional

// Entrevista: Vivian Geiran

Presidente do Conselho para Cooperação em Penologia (PC-CP) do Conselho da Europa e Diretor do Serviço Irlandês de Liberdade Condicional

Sobre o Conselho de Cooperação Penológica

O Conselho para Cooperação em Penologia (PC-CP, segundo sua sigla em inglês) foi fundado em 1980 pelo Comitê de Ministros do Conselho da Europa (CoE), como órgão consultivo do Comitê Gestor de Problemas criminais (CDPC). Durante muitos anos, foi constituído por sete membros independentes eleitos pelo CDPC a título pessoal. No entanto, em 2011, após a adoção da (Resolução do Comité de Ministros) CM/Res(2011)24, o PC-CP tornou-se um órgão subordinado ao CDPC, realizando uma reunião plenária por ano com seus 47 Estados membros.

É composto por um grupo de trabalho de nove membros que se reúnem quatro vezes por ano e que são eleitos, a título pessoal, pelo CDPC. Estes são representantes de alto nível das administrações prisionais, dos serviços encarregados da implementação de alternativas penais, pesquisadores, ou outros especialistas que possuem profundo conhecimento das questões penológicas.

O objetivo geral do PC-CP é avançar nos objetivos do Conselho da Europa através do desenvolvimento e avanço de normas na área do sistema penitenciário, de liberdade condicional e alternativas penais.

 

 

Palais de l’Europe – O edifício principal do Conselho da Europa

As atividades de PC-CP incluem o acompanhamento dos desenvolvimentos e a avaliação do funcionamento e implementação das normas do CoE; a elaboração de instrumentos, relatórios e opiniões vinculantes e não vinculantes; a elaboração da Conferência de Diretores de Administração Penitenciária e das estatísticas penais anuais (SPACE I e SPACE II).

Alguns dos textos normativos mais importantes elaborados pelo PC-CP incluem as Regras Europeias Penitenciárias, as Regras Europeias para Menores Infratores, o Código Europeu de Ética para o Pessoal Penitenciário, a Recomendação relativa aos presos estrangeiros, a Recomendação de Monitoramento Eletrônico e as Regras Europeias sobre Alternativas Penais, sendo esta última atualização de 2017 a uma recomendação que remonta a 2000. Além disso, um dos resultados mais recentes do trabalho deste grupo de trabalho foi a publicação de uma coletânea de textos-chave relativos às prisões e às sanções e medidas comunitárias.

//

Qual a importância do Conselho para Cooperação em Penologia (PC-CP) e como ele se interliga com outras organizações?

VG: Creio que o PC-CP desempenha um papel vital na geração, desenvolvimento e disseminação de normas sobre liberdade condicional e trabalho prisional, não apenas no desenvolvimento dessas normas, mas trabalhando para sua adoção e implementação em todos os Estados-Membros.

Estamos muito bem conectados no que fazemos com uma multiplicidade de unidades ou divisões dentro do próprio Conselho da Europa, como por exemplo, a área de cooperação internacional, o Comitê Europeu para a Prevenção da Tortura e das Penas ou Tratamentos Desumanos ou Degradantes (CPT), a Comissão dos Direitos da Criança, e assim por diante.

Também estamos conectados com organismos relevantes da União Europeia (UE) e da ONU, por exemplo, e o que é muito importante, com vários organismos de rede que operam na área penitenciária e de liberdade condicional, como a Confederação Europeia de Liberdade Condicional (CEP) e Europris, dependendo das questões em que estamos trabalhando.

Por exemplo, no momento, devido ao nosso programa de trabalho atual, temos uma conexão muito frutífera com o Fórum Europeu de Justiça Restaurativa e a rede “Filhos dos Presos Europa”.

Também estamos ligados à comunidade de pesquisa e especialistas que funcionam na área do setor penitenciário e da liberdade condicional, e por último, mas não menos importante, com os Diretores-Gerais de Administrações Penitenciárias e de e Liberdade Condicional em toda a Europa. Eles são um grupo muito importante individual e coletivamente, em termos do que fazemos e como o fazemos.

Toda a área de radicalização ao extremismo violento é muito importante, assim como a questão da superlotação nas prisões

Quais são os desafios/problemas mais urgentes no momento para o PC-CP?

VG: Neste momento, estamos focados em finalizar nosso atual programa de trabalho e isso implica, especificamente, na conclusão de diretrizes sobre o uso da justiça restaurativa na liberdade condicional e no trabalho prisional e também um documento de recomendação sobre filhos de detentos.

Continuamente, organizamos a Conferência de Diretores de Prisões e Liberdade Condicional e o acervo das estatísticas SPACE (penológicas). Estamos também atualizando o Comentário sobre as Regras Prisionais Europeias e, para o futuro, nosso foco principal, como sempre, é desenvolver e evoluir ainda mais o nosso programa de trabalho.

Toda a área de radicalização ao extremismo violento é muito importante. Assim como a questão da superlotação nas prisões. As últimas estatísticas disponíveis indicam que cerca de um terço dos Estados-Membros do Conselho da Europa relatam problemas com a superlotação das prisões.

E da mesma forma, a radicalização é um problema contínuo e sério para vários Estados-Membros. Assim, nestes e em todos os desafios que enfrentamos nas diferentes jurisdições, o PC-CP e o Conselho da Europa defendem e promovem os direitos humanos, o Estado de Direito e as melhores práticas no sistema penitenciário e de liberdade condicional.

Membros do Grupo de Trabalho e Secretariado do Conselho de Cooperação Penológica (no momento da entrevista de novembro de 2017), © Conselho da Europa

JT: Há um documento de diretrizes do PC-CP, que foi emitido em março de 2016, sobre a prevenção da radicalização e extremismo violento em ambientes prisionais e de liberdade condicional.

Um texto de 5 páginas é suficiente para lidar com o atual fenômeno da radicalização? E de que forma os Estados-Membros reagiram a essas diretrizes?

VG: O documento das diretrizes fornece uma “imagem” de alto nível, que se concentra nos pontos fundamentais de como respondemos a esta questão. Além dele, porém, também concluímos e publicamos, no ano passado, um Manual sobre Radicalização, que é bastante abrangente e muito mais longo.

Eu acho que é um recurso útil e fácil de usar tanto para a gestão do sistema penitenciário e de liberdade condicional, como para os colaboradores e administradores da justiça, ao abordar esta questão. Nossas respostas precisam basear-se – como em todos os documentos do Conselho da Europa – no respeito aos direitos humanos e ao Estado de Direito. O Manual é mais detalhado e elaborado a partir da experiência atualizada, da pesquisa e do conhecimento dos especialistas envolvidos nesse processo de elaboração.

Também está focado de forma muito prática em como os Estados-Membros e seus sistemas prisionais e de liberdade condicional podem responder de forma mais eficaz à radicalização, com base em pesquisas sólidas e boas práticas. Estes e todos os documentos do PC-CP estão disponíveis em www.coe.int

Os Estados-Membros, as organizações prisionais e de liberdade condicional saudaram as Diretrizes e o Manual. Em relação à sua implementação, na prática, provavelmente depende, em certa medida, do tamanho do problema real nos diferentes Estados-Membros. Assim, países que têm um grande problema nesse sentido tendem a levar isso muito mais a sério e tentam lidar com isso de forma proativa.

A boa cooperação interinstitucional, particularmente entre as organizações de justiça (sistema penitenciário, de liberdade condicional, tribunais, polícia, promotores e assim por diante), incluindo o compartilhamento efetivo de informações e a gestão de casos conjuntos, é essencial para enfrentar o problema da radicalização. Acho que é isso que é necessário, para começar, e depois construir essa cooperação, com intervenções eficazes e informadas de evidências, baseadas em valores e princípios sólidos.

JT: A última reunião do subgrupo do CDPC sobre a superlotação prisional (em junho de 2017) concluiu que uma reforma bem-sucedida precisa envolver todos os atores na cadeia da justiça penal e, consequentemente, decidiu-se sugerir uma Conferência de alto nível sobre superlotação prisional em 2018 ou 2019.

Quais são suas opiniões sobre como uma reforma da justiça criminal bem-sucedida pode ser realizada, e como o PC-CP apoiará e estará envolvido nas iniciativas para enfrentar o problema da superlotação?

VG: O Conselho da Europa e seus órgãos – incluindo o PC-CP – desempenham um papel crucial nessas questões, particularmente as que se referem à superlotação das prisões, por exemplo.

Desde o início ao explorar quaisquer desafios, é vital ter boas estatísticas e dados. Isso é obtido através das estatísticas SPACE I e II, por exemplo. É fundamental que tenhamos bons dados e análises sobre as quais construir nossas políticas e nossas respostas para qualquer questão nacional e internacional. Assim, as estatísticas SPACE do Conselho da Europa são realmente importantes por essa razão.

Também acredito que há um valor em unir todo o pensamento coletivo sobre a superlotação das prisões: fiz parte do Grupo de Trabalho do Conselho da Europa que agora está considerando como fazer o melhor uso do documento técnico sobre a superlotação prisional. Acredito que o documento é muito sólido e forte, e realmente destaca a necessidade de respostas coordenadas a esta questão. E é necessário um esforço coordenado em qualquer Estado-Membro para melhorar a situação em relação à superlotação das prisões.

Há também uma necessidade fundamental de uma liderança forte, não apenas no nível político, mas no nível dos chefes de organizações como os serviços de administração penitenciária e liberdade condicional.

A questão da superlotação prisional é particularmente desafiadora de se enfrentar, porque, como o documento técnico destacou, há a necessidade de envolver todos os elementos do sistema de justiça criminal, desde a polícia, até os promotores, tribunais, o serviço de liberdade condicional e outras organizações, a fim de fazer uma mudança real, eficaz e duradoura.

Há evidências de vários países de que tal mudança positiva é possível. Por exemplo, a Itália e outros Estados-Membros nos últimos anos tomaram uma abordagem muito determinada para lidar com este problema e reduziram significativamente a sua população prisional. Mas os números prisionais podem ser como um pêndulo. Às vezes eles vão para baixo, mas, se você não está constantemente lidando com os problemas subjacentes, os números podem voltar a subir novamente.

Também acredito que a proposta de conferência com vários interessados sobre a superlotação das prisões seria um bom próximo passo e poderia dar um impulso positivo para enfrentar este desafio.

Ademais, outros eventos, como a Conferência de Diretores Penitenciários e de Liberdade Condicional, que o PC-CP organiza, oferecem oportunidades muito valiosas para compartilhar o aprendizado de como lidar com esses problemas e desafios.

 

Vivian Geiran participa da Reunião Plenária do Comitê Europeu de Problemas Criminais (CDPC) do Conselho da Europa novembro de 2017

 

Até que ponto sua posição dentro do PC-CP influencia seu trabalho como Diretor do Serviço irlandês de liberdade condicional e vice-versa?

VG: Enormemente! Acho que a influência tem sido muito forte em ambas as direções. Sempre fui consciente – em todos os meus trinta anos trabalhando em liberdade condicional – da necessidade de ter bons padrões profissionais.

Igualmente, na minha formação como assistente social, sempre senti fortemente essa necessidade. Por isso, fiquei muito feliz e honrado por ter a oportunidade de ser nomeado e depois ser eleito para o PC-CP, para contribuir com o desenvolvimento de normas a nível europeu e internacional, e trazer a minha formação e experiência, particularmente como Diretor de Liberdade Condicional, para isso.

Minha compreensão e apreciação desses padrões profissionais internacionais estão agora mais fortes do que nunca. Constantemente, na Irlanda e em outros lugares, aproveito todas as oportunidades para tentar contribuir para esse desenvolvimento de forma contínua, porque sei que oferecemos melhores serviços quando temos bons padrões, implementamos práticas baseadas em evidências e nos responsabilizamos por entregá-los efetivamente.

Há um futuro brilhante para os sistemas penitenciários na Europa, mas isso não acontecerá por acaso: é preciso liderança e coragem

O que o Sr. acha que o futuro trará aos sistemas penitenciários dos Estados-Membros do Conselho da Europa?

VG: Eu costumo ser otimista e acho que há um futuro brilhante para os sistemas penitenciários na Europa. No entanto, o futuro brilhante não acontecerá por acaso: é preciso liderança e coragem para garantir que os desenvolvimentos futuros sejam positivos.

Espero que os números de prisões em toda a Europa continuem diminuindo – as estatísticas SPACE publicadas mais recentemente mostram que eles caíram em uma pequena taxa percentual, no último relatório. Espero que isso continue, sob a base de que a prisão por si própria não é uma coisa boa.

É uma sanção essencial para aqueles que necessitam desse tipo de medida devido a um crime grave, mas não é um bom uso de recursos, nem é um bom lugar para enviar pessoas para ressocialização, mesmo que seja necessário para os infratores mais graves.

Igualmente, quando as pessoas me perguntam sobre possíveis quedas no nível da população de liberdade condicional em toda a Europa, eu não estou muito preocupado com isso. Realmente sentiria que é melhor alcançar os números corretos em liberdade condicional e nas prisões de modo que as pessoas certas estejam na prisão, as pessoas certas estejam em liberdade condicional e que nenhum tipo de sanção seja utilizada indiscriminadamente ou desnecessariamente.

Mais importante, espero que possamos garantir que aqueles de nós que trabalham em liberdade condicional e no sistema penitenciário possam sempre se esforçar para garantir que implementemos o que funciona, através de profissionais e baseados em princípios e valores de direitos humanos, de modo a garantir os melhores resultados, particularmente no aumento da desistência do crime, e na diminuição de vítimas.

E espero, no futuro, que continuemos desenvolvendo as boas conexões internacionais que temos, para que possamos continuar compartilhando o aprendizado emergente em muitos países diferentes e de maneiras diferentes, e, em última análise, trabalhar mais juntos, para tornar o que fazemos melhor, para que possamos criar comunidades mais seguras, mais justas e inclusivas em toda a Europa como resultado.

//

Vivian Geiran foi presidente do Conselho para Cooperação em Penologia (PC-CP) entre janeiro de 2015 e dezembro de 2018, e é diretor do Serviço Irlandês de Liberdade Condicional desde 2012. Ocupou vários cargos no Serviço de Liberdade Condicional na Irlanda desde 1987, quando começou como oficial. Ademais, ocupou uma variedade de funções em diferentes níveis até sua nomeação como Diretor de Operações em 2006. É um assistente social profissionalmente qualificado, e antes de ingressar no Serviço de Liberdade Condicional, trabalhou como assistente social da autoridade local em Dublin. Também foi cofundador e primeiro editor conjunto do Irish Probation Journal.

 

Publicidade institucional

BSAFE LAB UBI

Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
Como lidar com a radicalização, o extremismo violento e o crime organizado nas prisões: Uma abordagem multifacetada