Mark Inch

Retribuição, incapacidade, dissuasão, ressocialização e restauração…

Entrevista

Mark S. Inch

Secretário do Departamento Penitenciário da Flórida, Estados Unidos da América

 JT: Os Estados Unidos da América têm a maior taxa de encarceramento do mundo, com 2.121.600 presos/detentos dos quais 1.228.800 estão em prisões estaduais. O sistema penitenciário da Flórida é o terceiro maior do país, com quase 94.000 presos, encarcerados em 145 instalações em todo o estado, e quase 164.000 infratores sob supervisão ativa na comunidade (liberdade condicional). A Flórida tem uma das maiores taxas de encarceramento nos Estados Unidos, com mais de 500 presos a cada 100.000. As projeções da população prisional apontam para um crescimento nos próximos anos, chegando a quase 97.000 presos em 2025. 

Como o Departamento Penitenciário da Flórida está abordando a realidade mostrada por esses números? 

MI: Obrigado pela oportunidade de contribuir com sua revista. Gostei de lê-la ao longo dos anos. Dois anos atrás, eu teria pensado que estaríamos falando a respeito do Departamento Federal de Prisões dos Estados Unidos, mas aqui estamos agora, falando sobre o Departamento Penitenciário da Flórida. A vida é engraçada assim. Como um dos mais novos cidadãos da Flórida, sorrio com a ideia de responder ao seu primeiro conjunto de observações estatísticas e perguntas. Vamos ver o quanto aprendi em um ano sobre meu novo estado.

O Departamento Penitenciário da Flórida (FDC, segundo sua sigla em inglês) é o terceiro maior do sistema prisional dos Estados Unidos — é verdade — mas a Flórida também é o terceiro maior estado do país e está em crescimento. Dado o tamanho do nosso estado, a população prisional não é um ponto fora da curva. As taxas por 100.000 são enganosas, já que a Flórida é um destino de férias maravilhoso e, infelizmente, alguns dos 126,1 milhões de visitantes que hospedamos todos os anos infringem nossas leis.

Uma estatística melhor a ser ponderada é que 80% dos 164.000 infratores em liberdade condicional nunca foram encarcerados em nossas prisões, mostrando uma propensão dos tribunais, buscando medidas alternativas ao encarceramento. 

Mas, no final, o FDC não controla quem é enviado para a prisão; essa decisão cabe unicamente aos tribunais, em coerência com nossas leis e estatutos. E mesmo que cheguem 900 novos cidadãos por dia dos estados do norte, mais frios e com impostos mais altos, nossa população prisional e de liberdade condicional realmente diminuiu nos últimos cinco anos.

De nossa parte, a prioridade número um é a segurança pública. Como em qualquer sistema prisional, apoiamos a segurança pública e o sistema de justiça criminal mais amplo através dos termos reconhecíveis de retribuição, incapacitação, dissuasão e ressocialização. 

A essa missão, acrescento e enfatizo a de restauração, que é o ato intencional das organizações de administração penitenciária de trabalhar com as comunidades para facilitar a reintegração e para restablecer os cidadãos que regressam às suas comunidades. Em nosso sistema, aproximadamente 85% dos presos eventualmente retornarão às suas comunidades. Levamos a missão de prepará-los para este retorno muito a sério.

Desde a minha nomeação como Secretário, o FDC tem priorizado a expansão da educação acadêmica, profissional e técnica dentro das prisões da Flórida. Temos certamente a capacidade demonstrada, comprovada por uma série de programas excepcionais, mas ainda temos que abordar a questão da capacidade global no futuro.

Dotar os detentos com as habilidades que precisam para ter sucesso depois de deixar a custódia do estado é a chave para reduzir a reincidência, diminuir o número de vítimas nas comunidades da Flórida e reduzir os custos associados ao encarceramento. 

Mas não nos esqueçamos que as taxas de reincidência são mais uma métrica da disposição de uma comunidade em aceitar, integrar e fornecer emprego aos seus cidadãos que retornam e não uma crítica aos programas das administrações penitenciárias ao sistema de justiça criminal em geral.

inmates

O Departamento Penitenciário da Flórida (FDC) é o terceiro maior do sistema prisional dos Estados Unidos – verdade – mas a Flórida também é o terceiro maior estado do país e está em crescimento. Dado o tamanho do nosso estado, a população prisional não é um ponto fora da curva.

 JT: No exercício 2017-2018, 3,4% do orçamento do Departamento penitenciário foi gasto em educação e programas para os presos, contra um gasto de 66,8% em segurança e operações institucionais. A Flórida reduziu as iniciativas penais, como serviços de reabilitação de drogas, assistência médica, moradia transitória e programas de reintegração à sociedade. Além disso, parece haver um problema substancial de pessoal, principalmente a falta de agentes penitenciários e o esgotamento daqueles que trabalham em funções de custódia.

Como tem sido para o Sr. gerenciar o orçamento e os recursos do Departamento, particularmente os funcionários? E o que seria necessário para implementar uma reforma?

MI: Uma das tarefas importantes que tive durante meu primeiro ano como Secretário foi avaliar o impacto das decisões de gestões passadas nos recursos humanos financeiros e propor um novo caminho adiante. Meu antecessor trabalhou duro para estabilizar o sistema após repetidos cortes no orçamento. Houve consequências, previsíveis e não intencionais.

O resultado da minha revisão e análise se reflete na recomendação orçamentária que nosso Governador enviou ao Legislativo estadual. Este ano estamos trabalhando para abordar quatro áreas principais para melhorar nossas operações: redução do desgaste de pessoal e taxas de vacância; redução da violência dos presos, abordando o vício e a ociosidade deles; redução dos custos crescentes dos cuidados de saúde; e lidar com a deterioração da infraestrutura.

As recomendações de 2020 incluem incentivos de retenção direcionados para agentes penitenciários e oficiais de liberdade condicional para reduzir as elevadas taxas de rotatividade e incentivar funcionários mais experientes a continuar sua carreira em segurança pública.

Além disso, solicitamos autorização e financiamento para iniciar um programa piloto que pretende diminuir os turnos de 12 para 8,5 horas em um terço das instalações penitenciárias da Flórida. Agentes penitenciários do FDC estão em turnos de 12 horas há quase oito anos. Inúmeros estudos nacionais descrevem o efeito prejudicial dos turnos de 12 horas sobre o desempenho e a saúde dos funcionários. Com turnos de 8,5 horas (o que permite uma sobreposição entre os turnos), procuro tratar tanto a fadiga quanto o bem-estar dos agentes, além de criar condições mais seguras para os funcionários e para os detentos. Se essa proposta for aprovada, ampliaríamos para as instalações restantes nos próximos anos.

Os departamentos penitenciários em todo o país estão enfrentando muitos dos mesmos desafios de pessoal. Atualmente, a taxa de desgaste do FDC é insustentável. Em 2019, o governador DeSantis assinou uma lei que amplia nossa base de candidatos a agentes penitenciários com intuito de enfrentar a escassez de pessoal, alterando a exigência de idade mínima para agente penitenciário de 19 para 18 anos.

Em minha carreira de 35 anos no exército, liderei homens e mulheres de 18 anos em ambientes muito difíceis, então estou muito confortável com essa decisão. O FDC tem um excelente programa de formação de novos oficiais e líderes excepcionais. Se mudarmos o ambiente de trabalho e os incentivos salariais, estou confiante de que reduziremos nosso déficit de pessoal a um ritmo estável, mesmo neste período de baixo desemprego e prosperidade econômica global.

Até que ponto os esforços do sistema penitenciário estadual da Flórida levam à ressocialização e reintegração social dos infratores (tanto sob custódia quanto em liberdade condicional), incluindo o impacto nas taxas de reincidência e encarceramento?

 MI: Concordo certamente com as opiniões predominantes de que oferecer programas de tratamento aos detentos e infratores é um dos componentes mais fortes na redução da reincidência. É igualmente fundamental para o funcionamento seguro de nossas instituições.

Estamos absolutamente comprometidos em expandir os programas que oferecemos dentro de nossas prisões e esta é uma prioridade fundamental para nossa organização. Deixe-me dar alguns exemplos dos programas que foram ampliados a partir da recomendação orçamentária do Governador ao Legislativo da Flórida este ano.

O governador DeSantis recomendou US$ 4 milhões de dólares para ampliar a educação profissional e técnica. Isso proporciona fundos para um aumento das escolas técnicas/estaduais locais e das parcerias de formação da indústria, expandindo as oportunidades profissionais dos presos em 40 programas adicionais. Esses programas irão proporcionar uma série de certificados profissionais e industriais.

O governador também recomendou US$ 1,4 milhões de dólares e 17 postos de trabalho para expandir programas de educação  em todo o estado. A principal ênfase será na educação básica de adultos e na conclusão da certificação equivalente ao ensino médio. Especificamente, isso permitirá que mais de 1.500 presos adicionais tenham acesso aos programas de educação.

Este ano, o FDC fez parceria com 19 universidades e faculdades com intuito de expandir as oportunidades de programas de educação superior para os detentos. Esses programas incluem as áreas de agricultura, negócios, construção e arquitetura, hospitalidade e turismo, artes culinárias, entre outras.

Um programa que estou particularmente entusiasmado é o Programa de Bolsa Second Chance Pell. Ele é uma parceria entre o FDC e o Florida Gateway College, através de fundos federais. Em maio de 2019, 47 detentos se formaram neste programa de nível universitário na Instituição Penitenciária de Columbia. Dos 47 participantes do programa, 43 se formaram com honrarias.

Nosso setor de penas alternativas na comunidade implementou um programa de atividades com base em mérito, que recompensa e apoia comportamentos positivos dos infratores sentenciados com penas alternativas. O programa oferece atividades para motivá-los a cumprir as condições de supervisão e aceitar a responsabilidade pela mudança. A equipe de penas alternativas também realizou 92 feiras de recursos e carreira para auxiliar os infratores em liberdade condicional na obtenção de emprego.

Recentemente, o governador DeSantis anunciou a formação da Fundação Flórida para excelência penitenciária (Florida Foundation for Correctional Excellence). O objetivo específico desta fundação é vincular organizações privadas e empresas que veem cidadãos egressos do sistema prisional como parte de seu futuro, para financiar e desenvolver programas, formações e esforços de reingresso.

Nosso governador disse especificamente: “Temos que fazer mais para preparar os presos para a libertação – prontos para serem funcionários e membros produtivos de nossas comunidades. A Fundação Flórida para excelência penitenciária reunirá parceiros do setor público e privado para aumentar nossos esforços.” É bom ter um governador que o “entenda.

Cito esses exemplos para expressar melhor o quanto estamos focados em criar as condições para ajudar a reduzir a reincidência e preparar indivíduos para retornarem às suas famílias e comunidades. Mas, insisto novamente que, embora as taxas de reincidência sejam muitas vezes usadas como uma métrica para classificar as organizações de administração penitenciária, na verdade, são uma métrica sobre a disposição de uma comunidade em aceitar seus cidadãos que retornam.

Egressos do sistema penitenciário têm uma taxa de desemprego cinco vezes maior que a média nacional. Deve haver uma disposição de prestar serviços contínuos para tratamento e integração e, o mais importante, uma oportunidade de emprego significativo, para direcionar o cidadão que regressa ao caminho do sucesso.

Qual o papel do Departamento penitenciário na busca dessas recomendações ? E, qual é a sua opinião especificamente sobre crimes relacionados às drogas: até que ponto o Sr. acha que uma desaceleração na repressão às drogas, como em pequenos crimes (com a adoção de abordagens mais sociais, de saúde e prevenção) e crimes não violentos, seria benéfica para o sistema de justiça criminal da Flórida?

MI: Agradecemos o trabalho árduo do Legislativo e os parceiros que reconhecem a missão única e os desafios que o FDC e nosso Estado enfrentam para lidar com os transtornos de vícios e dependência. Nosso dever como profissionais do sistema penitenciário é manter as comunidades da Flórida seguras e oferecer aos detentos as ferramentas necessárias para uma transição bem-sucedida de volta às suas comunidades.

Vícios e transtornos de drogas e álcool têm um impacto significativo em um ambiente prisional. É uma questão complexa que estudamos e abordamos com bastante diligência. Das 28.000 novas internações no ano passado, mais da metade precisava de algum nível de tratamento por uso de substâncias. No momento, estamos desenvolvendo nossa capacidade de tratar de forma mais rápida e eficaz o uso de substâncias e empregar as melhores práticas.

Muitas vezes, o abuso de substâncias e os transtornos de saúde mental andam lado a lado. O percentual de ocorrência com transtornos de saúde mental em nosso sistema é de cerca de 25%, por isso estamos vendo que tratamento define uma continuidade aceitável de cuidados. Parte disso é a expansão e o aprimoramento de nossos recursos de tratamento de saúde mental, incluindo a construção de um novo hospital de saúde mental na unidade penitenciária  do Lake , no centro da Flórida.

Mas permita-me oferecer uma perspectiva pessoal sobre o debate. Eu geralmente me inclino para abordagem da vítima para ponderar o que é um nível justo de punição para crimes relacionados às drogas. Nosso sistema raramente encarcera presos com mera posse ou pequenos crimes relacionados às drogas.

A maioria dos presos estão envolvidos na distribuição ou posse de grandes quantidades, juntamente com armas ou outras acusações criminais graves. Integrante dessa categoria de crime é o fato de haver uma vítima no final da cadeia de suprimentos. É difícil falar com o parente de um jovem que teve uma overdose ou vítima de um assalto à mão armada relacionado à compra de drogas e não sentir a gravidade do crime.

Mas a abordagem da vítima não é tão simples, porque no balanço do que seria uma pena justa, há o reconhecimento das vítimas esquecidas do crime, os familiares dos encarcerados. Então é necessário considerar a experiência de vida do criminoso. Falei com muitos detentos ao longo dos anos, que contaram histórias pessoais em que eram as vítimas e sobre o impacto do trauma em seu desenvolvimento emocional pessoal e habilidades de vida, ou a falta delas. Não é uma questão fácil de se falar em termos simples quando mantemos as vítimas no centro da discussão.

Prison tower

Das 28.000 novas internações no ano passado, mais da metade precisava de algum nível de tratamento por uso de substâncias. No momento, estamos desenvolvendo nossa capacidade de tratar de forma mais rápida e eficaz o uso de substâncias e empregar as melhores práticas.

 JT: O Plano Estratégico do Departamento Penitenciário da Flórida 2018-2022 estabelece o objetivo de empregar tecnologia e inovação para melhorar a eficiência operacional

Que tecnologias seriam úteis e vantajosas dentro do sistema prisional do Estado e em que áreas?

MI: Eu não estava aqui quando esse plano em particular foi elaborado, mas valorizo as estratégias baseadas em inovação e soluções que vêm do setor empresarial. Como somos a maior organização estatal da Flórida, melhorias tecnológicas e de infraestrutura são, por sua própria natureza, grandes projetos. O gasto de financiamento pode muitas vezes resultar em economias futuras e melhorias de curto prazo nas operações e em segurança. O desafio é a priorização. Esse desafio requer planejamento e avaliação detalhados.

Este ano, ficamos satisfeitos quando o governador DeSantis incluiu recursos para equipamentos de melhoria de segurança, manutenção de instalações e reparos em suas recomendações orçamentárias ao Legislativo. Seu objetivo é a compra de equipamentos fundamentais, como sistemas de redes para lançamentos de contrabando, detectores de metais, rádios, sistemas de rastreamento de localização, interfones para unidades de saúde mental, detectores de celular, sistemas de detecção de drones, sistemas de verificação de RG, sistemas de inspeção por raios-x, câmeras de perímetro, luzes de movimento do perímetro e ID rápido para os visitantes.

Além dessas emocionantes melhorias tecnológicas, também estamos empregando recursos consideráveis na manutenção e reparos das instalações. O FDC é responsável pelas necessidades de reparo e reforma de 145 instalações em todo o estado, o que equivale a mais de 22 milhões de metros quadrados de espaço.

O FDC é responsável pelas necessidades de reparo e reforma de 145 instalações em todo o estado, o que equivale a mais de 22 milhões de metros quadrados de espaço

Quais são suas expectativas futuras em relação ao sistema penitenciário da Flórida?

MI: Tendo o privilégio de servir nosso Estado e esta organização e de interagir diariamente com a equipe do FDC, tenho orgulho de liderar esta organização no que eu prevejo terá um futuro muito brilhante. Este primeiro ano tem sido pessoal e profissionalmente satisfatório. Embora tenhamos muito a fazer e algumas questões significativas para abordar, estamos no caminho certo e temos grande apoio do nosso novo Governador e do Legislativo.

As mulheres e homens da nossa organização exibem caráter, competência e comprometimento e são profissionais do sistema penitenciário.  Estou nessa profissão desde 1986 e trabalhei em muitas organizações grandes e complexas em ambientes desafiadores. Sei quando algo está indo bem e vejo muito disso aqui! Esperamos avançar com as conquistas alcançadas este ano e continuaremos a melhorar nossas operações e medidas de desempenho e eficácia nos próximos anos.

A Flórida tem uma tradição correcional orgulhosa  e tem liderado na contribuição para a criação de padrões nacionais de certificações em excelência de serviços penitenciários. Fomos um dos primeiros estados a receber credenciamento em todo o sistema pela Associação Americana de Prisões em 1981. Nós ainda temos esse credenciamento até hoje!

Como ex-oficial militar, tive orgulho de servir com os soldados do exército americano por 35 anos. Aqui, como Secretário do departamento, estou igualmente orgulhoso de servir ao lado dos agentes penitenciários baseados em valores, agentes penitenciários, agentes de liberdade condicional e funcionários de nossa organização, todas pessoas de princípios. Observei ao longo do último ano, homens e mulheres de caráter – oficiais que demonstram respeito, integridade, coragem, serviço altruísta e compaixão.

Mark S. Inch

Secretário do Departamento Penitenciário da Flórida, Estados Unidos da América

Mark S. Inch foi nomeado Secretário do Departamento em janeiro de 2019. Ele atuou anteriormente como oficial da Polícia Militar por 35 anos, ocupou outros cargos-chave, incluindo o de Chefe Regimental/Comandante do Corpo de Polícia Militar na Faculdade de Polícia Militar. No final de sua carreira militar, Inch foi o nono diretor da Organização Federal  “Federal Bureau of Prisons” em 2017-2018. Possui bacharelado em Arqueologia Bíblica, um mestrado em Geografia e um mestrado em Artes e Ciências Militares em Estudos de Arte e Ciências Operacionais Militares. Concluiu sua certificação profissional com a Associação Penitenciária Americana e foi o primeiro membro da associação a receber a designação de Executivo Penitenciário Certificado com honra. Também recebeu o prêmio mais alto, o E.R. Class Award, por realização durante toda a vida na área do sistema penitenciário.

Curtir / Compatilhar

Alterar idioma

Explore mais

Cursos online: Corrections Learning Academy

Comunidade profissional: Corrections Direct

Recursos: Crime Solutions

Recursos Crime Reduction Toolkit

More stories
Capacitar o pessoal e a comunidade para uma ressocialização integrada